Geral

Cronograma vai até setembro · 09/07/2020 - 17h26 | Última atualização em 09/07/2020 - 20h18

CUT aciona a Justiça para adiar processo de retomada das atividades no Piauí

Entidade diz haver pressão da classe empresarial e defende que a abertura agora colocaria em risco a vida dos trabalhadores


Compartilhar Tweet 1



A Central Única dos Trabalhadores do Piauí (CUT) informou que irá ingressar com ação na Justiça pedindo o adiamento do processo de retomada das atividades no estado, que foram suspensas em razão da pandemia do novo coronavírus.

Segundo o presidente da CUT Piauí, Paulo Bezerra Pejotta, a ação é fruto de debate entre as centrais sindicais, o conjunto de sindicatos e a sociedade civil organizada, através da Frente Brasil Popular. 

“Nós entendemos que não é hora ainda do retorno às atividades, por que essa pressão da classe empresarial vem na contramão do que está sendo apresentado pelas autoridades sanitárias e pelo poder público, através dos prefeitos e o governo do estado”, diz Paulo em vídeo divulgado pela entidade.

A CUT diz que o adiamento desse retorno irá evitar que o número de óbitos e a taxa de contágio do novo coronavírus aumente.

“E também esperar que as UTIs tenham mais folga, porque a gente vê que estão muito cheias, e em caso de avanço da pandemia poderá trazer um momento trágico para a saúde do Piauí”, justifica.

A reabertura, justifica, “pode derrubar também um trabalho feito pelas prefeituras dos municípios, especialmente aqui de Teresina”. Visa ainda “proteger os trabalhadores e trabalhadoras, inclusive os clientes que estão com medo de sair nas ruas”.

PLANO DE FLEXIBILIZAÇÃO

O plano de reabertura divulgado pelo governo do Estado na última terça-feira (7) prevê retomada gradual das atividades, já a partir deste mês de julho. Os setores foram divididos em três grupos, com datas que vão até setembro. O documento prevê que a liberação de cada etapa depende do sucesso da anterior, e que se houver aumento nos casos e na demanda por leitos de UTI, o cronograma poderá ser suspenso.


Comentários