Geral

Farra com estradas vicinais · 04/05/2017 - 17h01 | Última atualização em 04/05/2017 - 18h59

Corrupção no IDEPI: pagamento se estendeu pós Zé Filho

Construplan, umas das que mais têm acusações de superfaturamento, recebeu já em 2015


Compartilhar Tweet 1



Por Rômulo Rocha - De Brasília


________

QUEM QUER DINHEIRO?
- O que se infere da papelada de posse do 180, é que várias empreiteiras se uniram para surrupiar o patrimônio público através do IDEPI, tendo à frente um diretor-presidente conivente. É preciso uma investigação no âmbito criminal para por na cadeia os responsáveis, caso isso seja constatado. Só no âmbito cível não adianta. Eles retornam...
________________
OUTRA OBRA: ESTRADAS VICINAIS...
- SUPERFATURAMENTO? R$ 445 MIL...
A ampla e irrestrita tomada de contas especial – 33 ao todo – realizada pela Diretoria de Fiscalização de Obras e Serviços de Engenharia (DFENG), órgão do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE), comprovou, segundo um dos Relatórios de Análise do Contraditório, que os pagamentos superfaturados para um grupo de empresas acusadas, sem nenhuma exceção, de superfaturar obras de estradas vicinais em 2014, continuaram mesmo depois do governo Zé Filho, já no ano de 2015.

Isso ocorreu, lógico, depois que o TCE autorizou que o IDEPI verificasse se as obras no âmbito do instituto estavam concluídas, para a realização da mediação e após isso ocorressem os pagamentos. Só que houve superfaturamento mesmo com as medições feitas pelo IDEPI, tendo à frente um grupo de engenheiros suspeitos.

É o caso do pagamento superfaturado à... isso, ela de novo, Construplan, no valor de R$ 480.730,10.

“PAGAMENTO SUPERFATURADO”
“Vale frisar que, conforme consta do Relatório de Auditoria, em consulta ao SIAFEM, foram confirmados dois pagamentos. O 1º pagamento foi realizado em 08/04/2015, no valor de R$ 919.171,02 (Processo TC/020520/2014, Peça 235, fls.: 22/35 – Ordens Bancárias: 20150B00032, 20150B00033, 20150B00034) e o 2º pagamento em 13/04/2015, no valor de R$ 445.217,12 (Processo TC/020520/2014, Peça 232, fls.: 68/80 - Ordens Bancárias: 20150B00042, 20150B00043, 20150B00044), perfazendo um total de R$ 1.364.388,11 pagos”, diz a conclusão da auditoria.

_Ele, Elizeu Aguiar. Em outras esferas, como a penal - e o caso precisa avançar, o enrolado ex-gestor pode propor uma acordo e contar tudo o que realmente ocorreu naquele instituto no ano de 2014. Não há meio termo. Ou era conivente, ou era um dos piores administradores públicos que o Piauí já viu, a ponto de deixar correr solto a festa de sangria do erário.

Só que ainda assim, sugere o relatório da tomada de contas especial, que o ex-gestor responsável pela zorra em 2014, Elizeu Aguiar, mesmo depois de apresentadas as contrarrazões, seja responsabilizado solidariamente, ainda que o pagamento tenha ocorrido na gestão de Francisco Alberto de Brito Monteiro.

“Registre-se que, o pagamento do valor superfaturado (R$ 445.217,12) ocorreu na gestão do Sr. Francisco Alberto de Brito Monteiro, ex-gestor do IDEPI, exercício 2015, após Decisão Monocrática Nº 02/2015, ratificada pelo Plenário desta Corte de Contas em 05 de fevereiro de 2015 (Processo TC/0205 20/2014, Peça 18), que determinou que o IDEPI realizasse a verificação de que a obra foi concluída e procedesse aos encaminhamentos necessários para pagamento dos serviços executados referente ao contrato Nº 095/2014”, diz o relatório.

“Contudo, a sequência da prática de atos irregulares, desde a concepção da obra, sem a devida diligência quanto ao planejamento, controle e execução do objeto, conduzem à indicação, nesse caso, de solidariedade do Sr. Elizeu Morais de Aguiar, ex-gestor do IDEPI, exercício 2014 , quanto ao superfaturamento comprovado”, complementa o documento.

ELESBÃO VELOSO
A obra em questão era a recuperação de estrada vicinal com revestimento primário no município de Elesbão Veloso.

__________________

_VEJA OUTRAS GRAVES SUGESTÕES QUE CONSTAM DO RELATÓRIO DA TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. ELE AINDA IRÁ SER VOTADO, APÓS A APRESENTAÇÃO DO VOTO DO RELATOR, CONSELHEIRO DELANO CÂMARA.

VEJA A SÉRIE DE MATÉRIAS SOBRE O CASO:

- Corrupção: a suspeita é que desviaram milhões do IDEPI

- IDEPI: superfaturamento só em uma obra seria R$ 640 mil