"Celular do acusado permaneceu sob -

Caso Arimateia Azevedo: promotor de Justiça requer atuação da Corregedoria contra delegado do GRECO

 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

_Promotor Cláudio Bastos (Foto: Campo Maior em Foco)
_Promotor de Justiça Cláudio Bastos (Foto: Campo Maior em Foco) 

"ESTRANHAMENTE"

O promotor de Justiça Cláudio Bastos Lopes requereu ao juiz Washington Correia, da 8a Vara Criminal de Teresina, que o magistrado determine à Corregedoria da Policia Civil que abra uma investigação contra delegado do GRECO que requereu a perícia no celular do jornalista Arimatéia Azevedo.

O promotor não cita nomes, mas no inquérito contra o profissional de imprensa, baseado em denúncia feita pelo médico Alexandre Andrade, teria existido a atuação de cinco delegados.

O requerimento foi feita no âmbito de Medida Cautelar Incidental de Nulidade Processual arguida pela defesa do jornalista Arimatéia Azevedo.

Preliminarmente o promotor de Justiça sustentou que "De início, necessário atentar ao fato de que, estranhamente, o ato de apreensão dos aparelhos celulares ocorreu no mês de junho de 2020 (vide documentos de fls. 109/111; 115/118 dos autos digitalizados no sistema Themis Web – parte 1), e, somente no dia 17/11/2021, o celular pertencente ao acusado José de Arimateia Azevedo foi encaminhado ao Instituto de Criminalística para a realização de exame pericial."

"Isto é, o aparelho celular do Acusado permaneceu sob a custódia da autoridade policial por um ano e cinco meses sem que fosse submetido à realização de exame pericial", sustentou.

"Acrescente-se que, tendo encerrado o inquérito policial e já instaurada ação penal, o Delegado não poderia requisitar perícia. Diante disso, cabível o encaminhamento de cópia dos autos (em mídia – arquivo em formato .pdf) à Corregedoria de Polícia Civil do Estado do Piauí, a fim de apurar a existência de eventual infração disciplinar na conduta mencionada, o que fica de logo requerido.", pontuou.

A defesa havia sustentado que foi apresentado pela Polícia apenas um relatório parcial das conversas encontradas nos aparelhos telefônicos dos acusados, "o qual não apresentaria elementos que corroborem a acusação".

"Nesse sentido, aduz que não houve a disponibilização integral dos diálogos apanhados nos terminais de telefone do acusado por ocasião da busca e apreensão ocorrida no dia 12/06/2020 e tampouco a realização de exame pericial para a demonstração da autenticidade", complementou o promotor, antes de solicitar perícia.

Na cidade há quem não esconda que tenha a íntegra das cópias de "todas" as conversas realizadas via aplicativo WhatsApp do celular do jornalista.

_Veja documento com requerimento do promotor de Justiça ...

_
_Reprodução de documentos de autos

SOBRESTAMENTO DO PROCESSO

O Ministério Público também manifestou-se pelo sobrestamento do processo principal até a juntada do laudo de exame pericial requerido, "sem prejuízo de eventual repetição de atos instrutórios, caso demonstrada efetiva necessidade".

"Por fim, apresentam-se os QUESITOS abaixo elencados para a realização do exame pericial sobre as conversas extraídas do aplicativo Whatsapp, no aparelho celular do réu JOSÉ DE ARIMATEIA AZEVEDO, mantidas com os contatos de números: +55 86 8823-**** (Paulo Marcio), +55 86 8105-**** (Ney Ferraz), +55 86 9429 **** (Alan Leandro – Advogado), +55 86 9842 **** (Marcelo Portal AZ), e +55 86 9978 *** (Alexandre Andrade):

1. Constam registros de conversas mantidas por meio do aplicativo WhatsApp com os contatos supracitados? Em caso afirmativo, extrair o inteiro teor das conversas a partir da data do dia 06/01/2020;

2. Constam registros de mensagens de áudio? Em caso afirmativo, proceder à degravação dos áudios;

3. Constam registros de imagens ou vídeos? Em caso afirmativo, juntar ao laudo;

4. Existem indícios de deleção de mensagens, inclusão posterior de mensagens ou alguma outra forma de adulteração dos diálogos originais?"

SUPOSTO CRIME DE EXTORSÃO

O jornalista Arimatéia Azevedo responde ação penal por suposto crime de extorsão contra o médico Alexandre Andrade.

Comentários

Trabalhe Conosco