Geral

Avanço para a saúde do Piauí · 10/01/2019 - 12h07

ANVISA e Vigilância Sanitária classificam HEMOPI com médio baixo risco

O resultado significa um grande avanço para a saúde do Piauí, uma vez que garante a qualidade do sangue que é transfundido no Estado


Compartilhar Tweet 1



O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (HEMOPI) foi classificado como Médio Baixo Risco, com 94,754% de conformidades atendidas, de acordo com o Método de Avaliação de Risco Potencial dos Serviços Hemoterápicos (MARPSH), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

O resultado significa um grande avanço para a saúde do Piauí, uma vez que garante a qualidade do sangue que é transfundido no Estado. “Essa classificação resulta de esforços conjuntos de gestores e profissionais do Estado, comprometidos em cumprir os requisitos de Boas Práticas do Ciclo de Sangue, com o objetivo de garantir a qualidade dos processos e produtos para eliminar e/ou minimizar o risco sanitário dos serviços, visando à segurança transfusional”, ressaltou a diretora da Vigilância Sanitária do Piauí, Tatiana Chaves.

    Imagem: Divulgação/Ascom

Os avanços que levaram o HEMOPI a esta classificação atingiram vários setores da Instituição. Dentre elas, podem-se destacar melhorias, por exemplo, na coleta, onde os equipamentos de desfibrilador cardíaco, disponível em caso de urgência para os doadores, contam agora com uma equipe multiprofissional treinada em todas as áreas.

Os técnicos seguem criteriosamente as Boas Práticas de Higienização das Mãos em todos os setores. Em 2018, o HEMOPI incluiu em seus procedimentos, a realização da aférese terapêutica (procedimento no qual um componente sanguíneo é separado e removido do organismo através da utilização de um equipamento automatizado), e já realizava anteriormente a plasmaférese (técnica de transfusão que permite retirar plasma sanguíneo de um doador).

Na sorologia, houve a adequação do setor em relação aos laboratórios e do NAT (teste de HIV/Hepatite C/ Hepatite B que complementa os testes sorológicos oferecidos nos hemocentros, ampliando ainda mais a segurança transfusional), através do Controle de Qualidade/Gestão de Qualidade em todo o Ciclo do Sangue.

    Imagem: Divulgação/Ascom

Outro avanço importante foi à criação do Comitê Transfusional, atuante e de referência, que é utilizado para tirar duvidas dos profissionais de saúde, analisar pedidos de sangue para transfusão, dentre outros itens importantes.

Durante o ano de 2018, o HEMOPI passou por inspeções, sendo monitoradas e acompanhadas pelas equipes da ANVISA e da Diretoria de Vigilância Sanitária do Piauí (DIVISA). “Nesse monitoramento, foi avaliado todo o ciclo do sangue, desde a entrada do candidato à doação, passando pela coleta do doador até a transfusão no receptor, etapas que garantem a qualidade do sangue que chega ao usuário”, explicou Tatiana Chaves.

O HEMOPI atende hospitais e clínicas públicas e privadas conveniadas pelo hemocentro, realizando atendimento ambulatorial aos pacientes portadores de doenças hematológicas, coleta externa e toda sorologia de sangue das agências transfusionais do interior.

Para 2019, a DIVISA continuará com o monitoramento de manutenção da qualidade dos serviços para assegurar a qualidade dos produtos hemoterápicos que são fornecidos pela Instituição e por toda a hemorrede de atendimento no Estado. Atualmente, o Estado possui três núcleos regionais, localizados nos município de Parnaíba, Floriano e Picos e 26 Agências Transfusionais, públicas e privadas, localizadas em Teresina e interior do Piauí.


Fonte: Com informações da Ascom

Comentários