Antibióticos · 09/12/2015 - 17h59 | Última atualização em 09/12/2015 - 18h00

Uso exagerado de antibióticos em animais para abate pode induzir infecções resistentes em humanos

Uso exagerado de antibióticos em animais para abate pode induzir infecções resistentes em humanos


Compartilhar Tweet 1



Desde 2012 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, vem controlando o uso de antibióticos em humanos, porém, a busca por produtividade nas granjas e fazendas, fazem dos animais os maiores consumidores destes insumos.

Para se ter uma ideia do do tamanho do problema, nos EUA, 70% dos antibióticos comercializados naquele país, são para uso por animais, não somente para tratar, mas principalmente para prevenir infecções que possam retardar o crescimentos dos animais para abate. No mundo, este percentual de antibióticos para uso animal chega a 50%.

No mês passado, cientistas chineses descobriram uma bactéria resistente à colistina, antibiótico usado quando outros meios usualmente empregados para combatê-la haviam falhado. Aparentemente, ela surgiu em animais criados por agricultores e também foi detectada em pacientes em hospitais. Já chega a se falar em uma era em que os antibióticos serão totalmente ineficazes em humanos, o que poderá ser responsável por mais de 10 milhões de mortes até 2050.

A Dinamarca, um dos principais exportadores de carne de porco no mundo, conseguiu reduzir o uso de antibióticos na agricultura para no máximo 50 mg para cada 1 kg de animais. A título de comparação, os Estados Unidos usam quase 200 mg/kg e Chipre emprega mais de 400 mg/kg.

É necessário que a Anvisa inicie imediatamente um controle maior dos antibióticos utilizados nas agricultura e o Ministério da Agricultura estabeleça técnicas de manejo mais adequado dos animais. Antibióticos são mais úteis em criações com instalações com muitos animais e sujas, como galinheiros e pocilgas de criação intensiva. Neste as infecções se espalham mais facilmente.

Alguns criadores no Brasil já vem adotando locais mais espaçosos e higiênicos como forma de reduzir o stress nos animais e a necessidade de aplicar estas substâncias.


Fonte: BBC Brasil