Big Ben parou · 16/05/2017 - 17h06

Rede de farmácias Big Ben encerra as atividades no Piauí

Rede de farmácias Big Ben encerra as atividades no Piauí


Compartilhar Tweet 1



A rede de Farmácia Big Bem encerrou hoje as suas atividades no Piauí. Muitos clientes já observavam que a empresa estava passando por uma situação difícil, onde a falta de muitos medicamentos se estendia por longos períodos de tempo e o desabastecimento era perceptível pelas prateleiras vazias.

A rede já havia fechado suas farmácias de vários estados, em de janeiro foram fechadas todas as farmácias do Ceará, em fevereiro as de Pernambuco, no final de abril as da Paraíba e hoje as farmácias do Piauí e Maranhão.

Breve histórico

A rede de farmácias Big Bem teve sua origem no estado do Pará e durante muitos anos foi uma empresa forte e com grande responsabilidade social pelo que vendia (medicamentos), pois, foi ainda na primeira década do milênio, uma das primeiras farmácias a investir na valorização dos farmacêuticos para que estes prestassem um serviço diferenciado na orientação aos usuários de medicamentos, também foi uma das primeiras redes do nordeste a construir salas para a realização destes atendimento.

Em novembro de 2011, a rede Big Bem foi adquirida pelo Grupo BTG Pactual do empresário André Esteves, por 453 milhões, passando a compor os ativos da BR Farma, que já havia adquirido a Mais Econômica, a Rosário a rede Farmácia Santanna e da cadeia de franquias FarMais.

A ideia do Banco BTG era de montar uma rede gigante de farmácias através da aquisição de diversas redes menores que atuavam em diversos estados do País, porém, em pouco tempo o negócio revelou-se de difícil retorno e a BR Farma se tornou um dos ativos mais problemáticos na carteira de negócios do BTG, obrigando ao banco realizar por mais de uma vez, aporte milionários de recursos no ativo.

Com todo o problema financeiro, o BTG pretende retirar as ações da rede de farmácia BRFarma da sua carteira, já tendo vendido separadamente a Rosário e a Mais Econômica, repassará agora a Big Ben pelo valor simbólico de R$ 1,00 (um real) para o empresário Paulo Remy, sócio da Construtora WTorre e especialista em assumir negócios em dificuldades. Ao passar à frente o controle da BRFarma, o BTG sairá do negócio sem receber nada, mas se livrando do pagamento de pesadas obrigações.

No Piauí o fechamento da Big Ben será sentido por todos, e deixa aproximadamente 300 profissionais desempregados, 62 deles farmacêuticos. Estes profissionais não somente fizeram crescer o nome da empresa no estado, tornando-a uma das mais repeitadas e preferida dos piauienses, mas que também ajudaram a moldar um novo modelo de farmácia no Piauí.


Fonte: com informações do jornal O Estado de São Paulo,