Aumento do uso de antiinflamat · 27/04/2011 - 09h28

Aumento do uso de antiinflamatórios pode desencadear uma onda de problemas com medicamento

Aumento do uso de antiinflamatórios pode desencadear uma onda de problemas com medicamento


Compartilhar Tweet 1



As autoridades sanitárias brasileiras devem ficar atentas ao aumento de reações adversas a medicamentos, que é muito provável já esteja ocorrendo.

Com o maior controle do uso de antibióticos, que passaram a ser vendidos somente com a retenção da receita médica, muitas pessoas que anteriormente se automedicavam com antibióticos nos balcões das farmácias, passaram a se automedicar com antiinflamatórios.

Os antiinflamatórios, do ponto de vista de danos ao organismo, podem ser até mais lesivos. O uso indiscriminado de antibióticos seleciona bactérias resistentes no organismo, que podem tanto tornar a infecção mais grave, como podem ser disseminada na comunidade, sendo atualmente um problema grave de saúde pública no mundo, porém, parte dos antibióticos não traz danos imediatos a estrutura do organismo, mesmo em doses muito altas.

Já com os antiinflamatórios, seu uso acarreta danos na mucosa do estômago e nos rins e interferem no uso de muitos outros medicamentos em uso. Por este motivo deve-se prever um aumento nos casos de gastrite e úlceras estomacais e duodenais, bem como o número de paciente com danos renais.

A maioria dos antiinflamatórios interfere com os anti-hipertensivos e com os medicamentos para o tratamento da diabetes, portanto deve-se prever também uma diminuição da eficácia destes tratamentos e problemas relacionados a redução desta eficácia, como o aumento do número de morbidades características da falha destes tratamentos.

A maioria das infecções de garganta são virais e auto-limitadas, ou seja, duram um curto período de tempo e curam sem necessidade de medicamentos, não necessitando do uso de antibióticos ou de antiinflamatórios. Para se ter uma idéia, há estudos que apontam que 9 em cada 10 vezes que as crianças têm infecção de garganta, a mesma é de origem viral. Em muitos casos, o uso de partilhas e tratamentos caseiros podem o trazer alívio esperado.

Não se automedique, procure informações com o seu médico ou farmacêutico antes do uso de qualquer medicamento, pois as reações adversas de um medicamento podem ser mais prejudiciais que a doença.