Helder Eugênio · 20/01/2009 - 18h05

Helder Eugênio elogia o 180 graus em entrevista ao DP

Helder Eugênio elogia o 180 graus em entrevista ao DP


Compartilhar Tweet 1



O empresário e jornalista Helder Eugênio, diretor do 180graus, deu entrevista ao Jornal Diário do Povo, edição desta sexta-feira, dia 21, onde falou um pouco da evolução do Maior Portal do Piauí e sobre como conseguiu sair de uma situação de extrema dificuldade para se tornar líder em Internet no estado.

Confira abaixo a íntegra da entrevista:

Gerenciamento determina volta por cima do 180graus

Em pouco mais de dois anos, o portal 180graus saiu de uma situação de extrema dificuldade, que quase o levou à falência, para uma comodidade e liderança invejáveis no mercado de webjornalismo do Piauí. O diretor-geral, jornalista Hélder Eugênio, afirma que isso se deve a uma administração voltada para o foco e a lucratividade e amparada pelo tripé \"gente, tecnologia e marketing\". \"Essa é a nossa base de atuação, que faz com que tenhamos uma produção de conteúdo própria e material bem diferente do que é apresentado pelos demais\", pontifica o empresário, acrescentando que \"temos uma média de 100 mil acessos por dia e contamos com dez vezes mais publicidade que os outros portais.\" Eugênio enfatiza ainda que o portal está presente em quase 100% do território piauiense através de correspondentes que garantem uma presença efetiva no interior.

Leia, a seguir, trechos da entrevista.

DIÁRIO DO POVO - Há dois anos o 180graus enfrentou uma situação de extrema dificuldade, chegando inclusive a suspender suas operações por problemas de ordem financeira. Hoje, o sr. anuncia a recuperação econômica da empresa e enfatiza a sua liderança na preferência do internauta. Como foi possível essa reviravolta?

HÉLDER EUGÊNIO - Gerenciamento, planejamento, foco. São fatores determinantes da nossa recuperação. A maioria dos portais não costuma agir profissionalmente, fazendo com que o mercado, por conseqüência, também não as encare pelo profissio-nalismo que poderiam representar. Com o 180graus é diferente. Agimos de acordo com um tripé, que é formado por gente, tecnologia e marketing. Em agosto de 2006, nós realmente passamos por todas aquelas dificuldades que foram colocadas publicamente, mas trabalhamos pesado no sentido de revertê-la, baseados nesses princípios. E observando, no aspecto administrativo, a questão do foco e lucratividade. O fato é que estamos plenamente recuperados e caminhando para um 2009 muito melhor, preparados para continuar líder e enfrentar a concorrência cada vez mais forte.

DP - O sr. fala sobre dificuldades de ordem material. Isso afetou o desempenho da produção jornalística?

HE - Sem dúvida alguma. Interferiu profundamente. E nos levou a adotar uma atitude por demais importante para momento. Foi por causa daquela crise, daquele instante de grande dificuldade, que decidimos investir na quantidade, ao invés de trabalhar a qualidade do nosso conteúdo. Foi uma questão de opção. Precisávamos optar pelo que nos parecia apropriado para aquele momento. Caso contrário, teríamos desaparecido, porque estávamos em situação de bastante vulnerabilidade. Então, mantivemos o foco na ampliação do número de colaboradores, no alargamento de nossa presença em praticamente todo o estado.

DP - Realmente existe hoje um grande número de portais e blogs, inclusive no Piauí, o que de certa forma afetaria a audiência. Como o sr. analisa essa situação? Quantos portais existem hoje em Teresina? E qual a posição do 180graus?

HE - O 180graus permanece líder absoluto em acessos. Líder em todos os aspectos. Temos uma média de 100 mil visitas por dia e contamos com dez vezes mais publicidade que os outros portais. Possuímos 192 colu-nistas, enquanto que o segundo lugar tem 60. Isso nos permite uma cobertura amplificada no interior do estado pelas vozes dos nossos colaboradores. Somos o único portal que vai de fato ao interior. Na média, nossos três gerentes de expansão percorrem 12 mil quilômetros por mês para coordenar os correspondentes e chegar aos mais distantes lugares e mostrar a realidade que muitos desconhecem. Quanto ao número de portais, existem 26 em Teresina e 132 no interior.

DP - Qual a importância de estar presente em mais de 190 municípios se a maioria daspessoas ainda não têm acesso à internet?

HE - Não é bem assim. As pessoas têm, cada vez mais, acesso à internet. A estrutura de um portal é muito diferente da estrutura de uma emissora de televisão, por exemplo, em que o sistema retransmissor depende de todo um aparato e é montado pelas próprias empresas de comunicação. No caso do portal, você dispõe de uma estrutura que hoje é facilitada pela massificação dos computadores, de pessoas que se interessam pelo conteúdo dos portais e que principalmente acreditam no nosso propósito de falar sobre tudo e sobre todos. Hoje, 90 por cento das cidades piauienses têm acesso à internet. Pelo menos 75 por cento possuem lan houses. É importante ressaltar que trabalhamos com o jornalismo factual, em cima do fato, e nosso material, pela instan-taneidade e ineditismo, tem sido bastante usado pelos demais veículos de comunicação.

DP - A realidade do mercado editorial do Piauí é que a grande maioria das empresas de comunicação recebe patrocínio direto do governo do estado, em que governo é o maior anunciante. Qual é a visão que o 180graus tem dessa relação de interdependência?

HE - Nós não trabalhamos com verbas do governo do estado. Não recebemos um centavo do poder público estadual em nosso portal. Nosso principal ativo é aliberdade de colocar aquilo que acreditamos ser a verdade jornalística. Daí nossa dificuldade de relacionamento financeiro com o governo.

DP - Como é o relacionamento da empresa com os seus profissionais?

HE - Cada vez mais cresce o número de profissionais que desejam trabalhar conosco. Temos uma política de pessoal voltada para o treinamento e a satisfação dos nossos funcionários. O 180graus possui um programa de incentivo ao lazer. Realizamos treinamentos periódicos, sobretudo fora do Piauí, associados ao lazer, nos quais os funcionários podem se fazer acompanhar de familiares. Em todas as redações de Teresina existem um ou mais profissionais que já trabalharam conosco. Lembrando que 90 por cento dos nossos funcionários possuem notebooks e usam o equipamento de forma freqüente.

DP - Esse é um item do tripé que envolve gente. O que seria destacável no aspecto da tecnologia?

HE - Contamos com seis programadores desenvolvendo produtos que breve serão lançados. Realizamos treinamentos constantes, tanto internamente quanto em outros estados, a exemplo de São Paulo. Destacaria também a questão do marketing, em que dispomos hoje dos serviços do Cláudio Costa, um dos melhores diretores de arte do Piauí. Realmente, existe uma realização profissional em tudo o que fazemos, mas acima de tudo quero destacar que sou uma pessoal realizada também do ponto de vista pessoal. Estou, para ser franco, vivendo o auge da minha vida pessoal e profissional. Posso dizer com toda a tranqüilidade que sou um empresário feliz.


O COMEÇO EM CAMPO MAIOR
Hélder Eugênio - 43 anos. Advogado e jornalista, com especialização em Marketing. Começou sua atuação na área de comunicação em 1989, como gerente da sucursal do jornal O DIA, Campo Maior. Depois, dirigiu a sucursal do Diário do Povo no mesmo município. Diretor geral das Rádios Heróis do Jenipapo e FM Verdes Campos. Fundou em 1990 o jornal Folha do Nordeste, de circulação regional.

ATUAÇÃO FORA DO PIAUÍ
Em 1994, transferiu-se para Teresina e, no ano seguinte, assumiu a diretoria de circulação e comercial do jornal Meio Norte. Diretor geral do Poupaganha.com, em São Paulo. Voltou ao jornal O Dia como diretor de marketing e, depois, foi diretor geral do Jornal da Paraíba. Criador do Projeto Marcas Inesquecíveis. Fundou o portal 180graus.com em 2001.