Compartilhar Tweet 1



A Secretaria de Educação Superior (Sesu) informa que o Programa Universidade para Todos (Prouni) oferecerá 167.789 bolsas em 1.061 Instituições de Ensino Superior Privadas. Desse total, 60.551 serão integrais e 107.229 serão parciais, cobrindo 50% do valor das mensalidades.

As inscrições serão entre 14 e 17 de julho. De acordo com a pasta, já é possível fazer consultas sobre a oferta de bolsas no portal do Prouni.

O programa seleciona estudantes para bolsas em instituições privadas de ensino superior. Essas bolsas variam de acordo com a renda dos candidatos e podem ser parciais, de 50% da mensalidade, ou integrais, de 100%.

De acordo com o Ministério da Educação, o Prouni, que foi criado em 2004, tem por objetivo aumentar a quantidade de estudantes brasileiros de baixa renda na graduação.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Atendimento a 600 alunos · 10/07/2020 - 08h31

Seduc vai coordenar acompanhamento escolar aos alunos da CNEC


Compartilhar Tweet 1



Após intermediação do vereador Dudu (PT), durante encontro com o governador Wellington Dias (PT) e o secretário de Educação Ellen Gera foi oficializado que a Secretaria de Estado da Educação (SEDUC) vai coordenar a continuidade do ensino das unidades escolares CNEC durante o restante do ano letivo de 2020.

Com o fechamento das unidades de ensino devido a pandemia do novo coronavírus, o vereador começou um diálogo efetivo com o Governo do Piauí em busca de soluções. Dudu informa que a partir de agora os alunos terão todo o acompanhamento necessário por parte do Estado.

"As Unidades Escolares CNEC agora estão integradas com a Secretaria de Educação do Piauí, com isso as duas escolas de Teresina podem dar continuidade ao seu ensino atendendo as famílias e cerca de 600 alunos da capital. Estivemos intermediando esse processo de continuidade das aulas e afirmamos que nessa luta se Deus quiser, em breve os alunos terão as suas aulas normalizadas", afirmou o vereador. 

A gestão estadual está assumindo a responsabilidade de trabalhar para garantir as condições profissionais e materiais com intuito de manter uma educação de qualidade. Ao todo, são cerca de 600 alunos de Teresina que deverão receber essa assistência administrativa. O governador Wellington Dias parabeniza a intermediação do vereador Dudu para a manutenção do ensino aos estudantes.

"O secretário Ellen Gera junto à sua equipe já está pronto para coordenar esse trabalho. Quero destacar a importância da direção da CNEC em conjunto com o vereador Dudu, que participou dessa intermediação para evitarmos problemas na descontinuidade de aulas para esses seis meses. Sejam bem-vindos, o Estado os recebe de braços abertos", disse o governador.

O vereador Dudu agradece ao Governador Wellington Dias e ao secretário de Educação, Ellen Gera, pela atenção e disponibilidade em contribuir com o ensino aos estudantes de Teresina. "Agradecemos em nome da população de Teresina ao governador pela sensibilidade, através, do secretário de Educação, Ellen Gera, e que possamos continuar a alimentar o sonho das crianças que serão grandes homens e mulheres no futuro. Vamos continuar trabalhando para que nossas crianças possam ter um ensino de qualidade", conclui o parlamentar.


Fonte: AsCom
Comentar
Cumprimento das medidas · 09/07/2020 - 06h36 | Última atualização em 09/07/2020 - 06h55

Após solicitação do MPPI, Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo é criado em Parnaíba


Compartilhar Tweet 1



Após uma atuação resolutiva e extrajudicial, o Ministério Público do Piauí, por meio da 3ª Promotoria de Justiça Cível de Parnaíba, que tem como titular o Promotor de Justiça Ruszel Cavalcante, foi criado junto ao município de Parnaíba, o Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo.

Foi aberto um procedimento administrativo para acompanhar a implementação do Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo no município de Parnaíba, com o objetivo de acompanhar o cumprimento das medidas socioeducativas em meio aberto, de jovens submetidos a sentenças por atos infracionais.

“O Plano é um grande avanço, visto que sedimenta e regulamenta junto à municipalidade a forma, meio e controle da execução das medidas socioeducativas de meio aberto no município de Parnaíba”, garante Ruszel Cavalcante.

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) analisou a normatização, demonstrando que o procedimento contou com a colaboração e participação da comunidade do município e também se adequou às determinações do Estatuto da Criança e do Adolescente.


Fonte: MPPI
Comentar
Firmou o termo de adesão · 08/07/2020 - 04h24 | Última atualização em 08/07/2020 - 07h32

Cojuv firma termo de adesão ao Sistema Nacional de Juventude


Compartilhar Tweet 1



O coordenador da Juventude do Estado do Piauí, Vicente Gomes, esteve reunido com a secretária nacional de Juventude, Jayana Nicaretta da Silva, nesta terça-feira (07/07) e firmou o termo de adesão ao Sistema Nacional de Juventude (Sinajuve). Também participaram do encontro por videoconferência o diretor de Política para Inserção no Mundo do Trabalho, Venicio Moura, e a diretora de Políticas Sociais, Ianara Evangelista.

“Ainda temos documentos para assinar e protocolar, mas são formalidades que acreditamos estarem resolvidas, no máximo, em uma semana”, disse Vicente Gomes. O coordenador ressaltou que espera que o Sinajuve traga recursos para a política de Juventude do estado, seja na forma de emendas parlamentares, seja na forma de orçamento direto do governo federal. “O sistema está sendo implementado, mas não da forma como gostaríamos”, lamenta.

Gomes refere-se, entre outras coisas, à não aprovação do Fundo Nacional de Juventude, uma das fontes principais de recursos para a política de Juventude e que era prevista para ser um dos instrumentos centrais do Sistema. Sobre o tema, Nicaretta afirmou que o governo federal não aprovou o fundo em razão da lei orçamentária que impede a criação de novas despesas.

Além de pastas estaduais e municipais, conselhos de juventude e entidades civis ligadas aos movimentos de juventude também poderão aderir ao Sinajuve. Para mais informações, basta acessar o site do sistema neste link.


Fonte: Governo do Piauí
Comentar
Para fortalecer a aprendizagem · 03/07/2020 - 18h03

Seduc e Undime discutem Regime de Colaboração em reunião


Compartilhar Tweet 1



Na manhã desta sexta (03/07), a Seduc e Undime participaram de uma reunião on-line que tratou do regime de colaboração estado e município para fortalecer a aprendizagem. O encontro aconteceu via Cisco webex, de 9h às 10h40min.

Participaram da reunião o Secretário de Estado da Educação, Ellen Gera; a Presidente da Undime, Erica Graziela; diretores e técnicos da Seduc e dirigentes municipais de educação de todo o estado. O link dessa reunião foi enviado para todos os convidados por whatsapp, bem como por e-mail, quando não foi possível conexão via whatsapp.

A abertura e acolhida foi feita pela presidente da UNDIME, Érica Graziela, dirigente municipal de Domingos Mourão, que falou da importância desse encontro. "Essa parceria é muito importante para todos nós, pois o Regime de Colaboração, com projetos e programas, seja na infraestrutura, garantia de acesso e permanência, transporte, formação de professores, dentre outros, é extremamente necessário. O Piauí precisa de um regime que busque esse fortalecimento da aprendizagem dos nossos alunos. A UNDIME acredita que a cooperação entre estado e municípios é um caminho promissor para melhorar os indicadores  da educação", disse a presidente.

    fonte: Seduc

 

No segundo momento, a diretora da Mediação Tecnologica da Seduc, Viviane Carvalhedo, apresentou em slides o regime de colaboração estado e município para fortalecer a aprendizagem, tema do encontro. "Apresentamos as ações e estratégias que estão sendo desenvolvidas no âmbito da seduc, que irão fortalecer o regime de colaboração entre o estado e municípios piauienses, e o que já estamos fazendo", disse Viviane.

A diretora disse ainda que dentro da plataforma do Canal Educação estão sendo desenvolvidas novas funcionalidades e abas, uma delas é destinada a repositórios de experiências com 21 subpastas com todas as gerências regionais onde os municípios jurisdicionados poderão fazer o uppload das experiências exitosas, tanto durante a pandemia, como pós pandemia, aba para o Mais Aprendizagem com link de materiais de acesso, para que professores de todo o estado possam fazer formação.

    fonte: Seduc

 

Dando continuidade, o Secretário de Estado da Educação, Ellen Gera, encerrou as falas explanando o percurso do regime de colaboração. "Todos sabemos que a educação não pode parar, por isso sempre buscamos métodos e metodologias para que possamos dar continuidade ao nosso trabalho. O regime de colaboração estado e município para fortalecer a aprendizagem e o desempenho dos nossos estudantes é prova disso, e entre as ações já utilizadas, colocamos à disposição a Formação do Currículo do Piauí, que  já está em andamento com adesão de 186 municípios para o Ensino Fundamental, Proerd, o Mais Aprendizagem e Saepi, a oferta das aulas remotas do Canal Educação, com aulas ao vivo e depois disponibilizadas pelo próprio Canal, além da utilização do Canal para formação de professores à disposição da UNDIME e municípios, para o desenvolvimento da educação, em parceria com todos os municípios", disse.


Fonte: SEDUC
Comentar
Em tempo de pandemia · 30/06/2020 - 09h26

Estudante deficiente cerebral acompanha aula remota em casa


Compartilhar Tweet 1



 

Diagnosticado com paralisia cerebral coreoatetoide, escoliose múltipla com 32 parafusos de titânio na coluna e disfagia grave, Edson Neto, 19 anos, atualmente se alimenta por sonda, mas possui o seu cognitivo preservado. Aluno da Unidade Escolar Nossa Senhora das Mercedes, no bairro Vermelha, zona sul de Teresina, acompanha as aulas remotas em casa.

"Imprimo as atividades do Edson todas as semanas e a psicopedagoga faz o acompanhamento. A questão do ensino em tempo de pandemia não é fácil, pois é um momento que precisamos ter empatia em todas as situações, além do que, não está sendo simples para ninguém. Se os ditos normais já apresentam algum tipo de estresse, ansiedade, agressividade, que dirá uma pessoa com deficiência, principalmente os que são totalmente dependentes de terceiros", conta a mãe do estudante, a dona de casa Gilmara Costa.

 

A mãe de Edson conta, ainda, que percebe uma grande preocupação na escola com seu filho, mas que nem tudo depende apenas deles. "Eles são muito preocupados com a verdadeira inclusão do aluno, não tenho do que reclamar da direção, coordenação, tudo é feito em conjunto, onde todos precisamos nos esforçar para tentar dar certo e com muito esforço e solicitações, a escola faz a sua parte, mas é necessário que a família colabore também", afirma. Seu pai, Edwilson Silva do Nascimento é caminhoneiro e além do Edson, que é o filho mais velho, o casal tem mais outros dois filhos, o Júnior com 12 anos, e a Giulia Evellyn com 10 anos. Por conta do marido estar sempre viajando ela sempre foi mãe e pai deles toda vida. ?Meu marido nem sempre pôde se fazer presente, principalmente nos momentos mais difíceis, porque a profissão exige muito dele e alguém tem que colocar o pão dentro de casa, não deixando nada faltar e termos as conquistas que temos hoje com nossos filhos?, comenta.

A paralisa cerebral coreoatetoide - SciELO, compreende uma alteração neurológica central, não evolutiva, que compromete o movimento e a postura, sendo caracterizada principalmente pela presença de movimentos involuntários e apesar de todas essas limitações a escola sempre está presente.

 

"A nossa luta com o Edson é desde 2016, lembro de uma mensagem de uma SEDUC ITINERANTE em Campo Maior, onde me foi enviado o processo solicitando a adaptação da sala, por conta do seu diagnóstico, e concomitantemente a isso, o processo do MPPI também cobrava ao mesmo tempo, mas tudo foi se encaixando. Todos correndo para dar certo e o tempo contra nós, mas graças a Deus deu tudo certo. A luta da escola foi superada com a união de esforços conjunto SEDUC/ GRE/ ESCOLA e hoje estamos vendo o Edson Neto e outros serem assistidos", afirma a diretora de Unidade de Educação de Jovens e Adultos Seduc, Conceição Andrade.

A rotina da família do estudante antes da pandemia sempre foi agitada. Sua mãe acordava às 5h da manhã para dar a alimentação e os medicamentos do Neto pela sonda, enquanto gotejava, ia fazendo o café dos outros dois filhos. Em seguida, ia acordando-o para tomarem banho e em seguida o café para irem à escola. A mãe conta que colocava o Neto no carro, fechava as portas da casa, deixava os outros na escola, em seguida passava pela academia, ia para audiências, ou verificar os processos pelos direitos do Neto, participava de alguma palestra, ou ia buscar alguma medicação. Após essa rota, retornava para sua casa, chegava, retirava-o do carro e já ia dando a alimentação enteral e os medicamentos, em seguida dava banho nele, arrumava-o para ir à escola, o Transporte Eficiente chegava e o levava, quando ele saia, já era hora dela ir para sua faculdade.

Na faculdade da sua mãe, Neto ficava com porteiro, que o recebia e o levava para a sala de aula, mas quando sua mãe tinha prova, ele ficava na portaria esperando o término da avaliação, em seguida iam buscar os irmãos que estudavam na escola integral. Todas as segundas e quartas a filha tinha balé e nas terças o filho tinha futebol. Em casa após todo o dia, ela cuidava da alimentação dos 3 e os colocava para dormir, e só então, ia estudar até às 3h da manhã.

 

Então em janeiro, com toda preocupação com os estágios em que foi colocada, Gilmara pensou que o Edson não iria aguentar o seu pique de passar o dia inteiro em uma faculdade, e para cumprir o estágio seria complicado, foi quando enviaram o Home Care, após uma luta ferrenha a ponto de chegar em uma manifestação.

 

"Batalho desde os 2 anos de idade do Edson por uma inclusão escolar. Confesso que jamais foi fácil. A primeira escola que ele teve acesso era uma escola para pessoas com deficiência. Em seguida, com a evolução dele, resolvi passá-lo para uma outra escola dita normal, particular, muito conceituada aqui em nossa cidade e ouvi do próprio diretor e dono da escola, que a escola dele não era para meu filho, que a deficiência dele não se adequava aos ensinos de lá. Fiz denúncia ao MP, onde ele respondeu por isso adequando e adaptando a escola dele, às pessoas com deficiência, mas Edson não permaneceu lá. Então, coloquei meu filho em uma outra escola na qual um turno era para alunos típicos e no outro pessoas com deficiência, mas infelizmente com um certo tempo me deparei com o preconceito capitalista que atingiu meu filho por eu não ter a condição de muitos pais que mantinham seus filhos lá. Como ele sempre teve acompanhamento psicológico e com isso, sou atenta as atitudes e movimentos dele, percebi que estava entrando em depressão por conta da sua percepção do que acontecia dentro da escola. Então mediante a capacidade de inteligência e compreensão para com as coisas, as terapeutas decidiram que era a hora de tentarmos sermos mais audaciosos para com a inclusão do Neto. Então me sugeriram ir em busca de uma outra escola dita normal. Visitei umas 8 escolas dentro de nossa cidade e apenas uma bem pequena de bairro, me recebeu e disse que aceitava, meu filho passou muitos anos lá, era querido e amado por todos, dos professores aos alunos. Ele foi avaliado pela direção e pelos professores, que perceberam sua capacidade de leitura e escrita, onde a inteligência dele iria além do seu limite. Foi então que ele participou do baile de formatura do ABC. Foi muito emocionante, nos sentimos realizados e com uma das conquistas alcançadas, quando dei por mim, vi realmente que não há obstáculos e nem barreiras quando se há força de vontade", conta Gabriela.

 

Edson e sua mãe participam juntos de muitas atividades. No período de carnaval, fundaram o "Caminhão da Acessibilidade" no Corso, para que as pessoas com deficiência tivessem acesso e se incentivassem a saírem de casa para pular o carnaval de nossa cidade, depois veio o baile da escolha da majestade da pessoa com deficiência, a inclusão dos mesmos nos clubes de Teresina, em seguida participaram da fundação da Associação Piauiense Pelos Direitos Iguais - APIDI, e em seguida, participaram do projeto Mães Especiais, com desfiles destacando as lutas das mães com os filhos, que acontece anualmente no Teresina Shopping. Depois o projeto "Crianças sendo criança" que inclui as crianças com deficiência, e daí surgiu o "Eficiência em ação".

Depois vieram outras escolas e a história não foi fácil, alguns professores achavam que ele não tinha compreensão com as coisas, e ele percebia tudo isso, chorava e ficava agressivo. Pelo olhar, gestos e algumas palavras, ele contava a mãe o que se passava na escola. "Um dia eu cheguei para pegá-lo às 17h, a escola vazia e meu filho do lado de fora. O porteiro distante, ele no calor, chega estava suado, quando perguntei ao porteiro o que o Neto estaria fazendo sozinho ali, ele respondeu que o cuidador saía as 17h e como não tinha quem ficasse com ele dentro da sala de aula, a coordenação o mantinha ali todos os dias", relata a mãe do Edson. Só então em 2013 que Edson conheceu a Unidade Escolar Maria Mercedes e há 7 anos estuda na escola.

 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



A Unidade Escolar Gonçalves Nunes, localizada no município de Arraial do Piauí, definiu como estratégia para as aulas remotas, integrar os seus estudantes nas discussões de como aplicar da melhor forma as atividades propostas.

O encontro presencial, realizado nas dependências da escola com a presença de professores e alunos devidamente protegidos, buscou discutir formas de evitar a evasão escolar, como explica a diretora da escola, Edinólia Silva.

“O objetivo principal da reunião era ouvir os nossos alunos sobre as dificuldades de estudar à distância. Ouvir quais barreiras para assimilar conhecimentos através das atividades propostas pelos professores e também de afirmar nosso compromisso principal enquanto escola de não deixar nenhum aluno para trás”, disse.

Para que a reunião acontecesse de forma segura, a gestão escolar entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde para informar o encontro e tomar as medidas necessárias. “Solicitei a dedetização do espaço e a Secretaria de Saúde municipal nos atendeu, inclusive doando máscaras e vidros de álcool em gel, somando ao estoque que seria distribuído aos alunos e funcionários da escola. Tomamos todos os cuidados necessários a fim de evitar contato físico entre os presentes, sendo a reunião realizada a céu aberto na quadra da escola com amplo espaço e todos com máscara”, pontuou a gestora.

Com 175 alunos matriculados nas modalidades de Ensino de Jovens e Adultos (EJA) nos Ensinos Fundamental e Médio e Atendimento da Educação Especial (AEE), e com grande número destes residindo na zona rural do município, a escola entrou em contato, via grupos de WhatsApp e ligação, com os alunos e os responsáveis para convocar o encontro. “Estávamos receosos de que os alunos não fossem comparecer, mas para nossa surpresa tivemos um número bem expressivo de presentes. Em torno de 85% dos alunos que estavam sem devolver as atividades compareceram à reunião”, disse Edinólia.

Após professores e alunos ouvidos, ficou acordado que os estudantes terão novas oportunidades para buscar as atividades impressas e devolver em nova data limite; os grupos de WhatsApp continuarão ativos para aqueles que possuem internet, sem prejuízo aos que não possuem; a escola continuará fornecendo atividades e planos de estudo impressos e o aluno deve se comprometer a buscar e devolver as atividades seguindo cronograma estabelecido.

“Estamos, enquanto escola, fazendo o possível para evitar uma alta taxa de evasão escolar. Procuramos sempre meios para que as aulas remotas tenham resultados positivos. Terminada a reunião, tivemos um saldo com boa participação. Os alunos tiraram as dúvidas e alcançamos um resultado acima do esperado”, comemorou a gestora.


Fonte: Com informações da CCOM
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Em todo o país, pouco menos da metade das escolas públicas (46,7%) tem acesso a saneamento básico - isso significa distribuição de água potável, coleta e tratamento de esgoto, drenagem urbana e coleta de resíduos sólidos. Entre as particulares esse percentual sobe para 89%. Além disso, 30% das escolas públicas e privadas no Brasil têm área verde em sua infraestrutura, como jardins, hortas e outros espaços recreativos.

    Foto: © Fernando Frazão/Agência Brasil

Os dados fazem parte de levantamento feito pelo Melhor Escola, plataforma que conecta alunos a escolas, oferecendo bolsas de estudo para todas as etapas da educação básica, da infantil ao ensino médio. O estudo busca verificar a preparação das escolas para o retorno às aulas presenciais, no contexto da pandemia do novo coronavírus. 

Tanto saneamento básico quanto áreas verdes são, de acordo com o diretor de Novos Negócios da Quero Educação, Sérgio Fiúza, itens de infraestrutura que conferem maior segurança a professores, funcionários e estudantes. “Na hora de optar por abrir a escola novamente, o que vai ser analisado é qual a chance de acabar alastrando a pandemia”, diz, ressaltando que essas variáveis devem ser levadas em consideração na hora de definir estratégias de retomada.

O levantamento mostra ainda diferenças de infraestrutura das escolas entre estados. O Amapá, Amazonas, Maranhão e Pará apresentam os piores índices de saneamento básico nos centros de ensino do país, beirando 10% na rede pública. 

O professor associado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Unaí Tupinambás ressalta que o vírus deverá circular entre nós por mais alguns anos, o que exigirá de espaços de aglomeração, como as escolas, uma adequação dos espaços físicos para evitar o contágio.  

“Contratar professores, diminuir alunos por sala, readequar espaços físicos”, diz. “Tem que pensar um novo formato sabendo que o vírus transmite em espaço físico fechado, com permanência por muito tempo. Uma aula poderia ser muito bem dada debaixo de uma árvore em cidade do interior, ou colocar uma tenda vazada. Isso tudo vai ter que ser repensado. Será preciso ter uma área para professor, talvez com proteção de acrílico. E garantir o uso de máscaras”, afirma.  

Tupinambás defende que o investimento em educação é investimento em saúde, uma vez que é também nas escolas que se aprende a prevenção a diversas doenças, como a covid-19, causada pelo novo coronavírus. 

Estados e municípios vêm manifestando preocupação com recursos para a educação, em um contexto em que vêm gastando mais em aulas remotas e outras ações durante a pandemia do novo coronavírus e em que, por outro lado, têm observado queda nas receitas. 

Os entes federados defendem o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), cuja permanência depende de aprovação do Congresso Nacional. 

O Fundeb é a principal fonte de recursos da educação básica, respondendo por mais de 60% do financiamento de todo o ensino básico do país, etapa que vai do infantil ao ensino médio. O fundo é composto por recursos que provêm de impostos e transferências da União, estados e municípios. Criado em 2006, o Fundeb tem validade até o fim deste ano. Projetos para tornar o fundo permanente tramitam no Congresso Nacional. 

Retorno às aulas

Nesta semana, os secretários estaduais de Educação divulgaram documento com diretrizes nacionais para um protocolo de retorno às aulas presenciais. De acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), o documento foi elaborado a partir da experiência de outros países que já retornaram às aulas e ainda propostas de protocolos criadas por estados que já se adiantaram nesse quesito. 

Entre as orientações estão: que as redes de ensino considerem o distanciamento social revisando o número de alunos por sala; o cancelamento de atividades em grupo; a disponibilidade de máscaras individuais; a garantia de lavatórios ou pias com dispensador de sabonete líquido, suporte com papel toalha, lixeira com tampa com acionamento por pedal e dispensadores com álcool em gel em pontos de maior circulação, como recepção, corredores e refeitório.

O Consed ressalta que cada sistema de ensino deverá definir as próprias orientações com base na realidade local. Os secretários dizem que ainda não têm previsão de data para o retorno, mas que estão trabalhando com as equipes nas estratégias sanitárias, financeiras e pedagógicas que serão colocadas em práticas a partir do momento em que essas datas forem definidas. 


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Pais e mães estão com mais um desafio para encarar durante a pandemia do novo coronavírus no país: mesmo com a alta dos casos da doença, alguns estados já começaram a afrouxar as medidas de restrição do isolamento social e iniciam a retomada das atividades econômicas.

É o caso do estado de Santa Catarina, onde a liberação dos setores econômicos já vem ocorrendo desde abril: o último a ser retomado foi o transporte municipal e intermunicipal, mas está proibida a entrada de ônibus de outros estados e países até o dia 2 de agosto.

Mas o setor de educação continua fechado, assim como em outras regiões do país. Em Santa Catarina, a previsão é que as aulas presenciais nas redes privada e pública, nas esferas municipal, estadual e federal, no que se refere à educação infantil, fundamental e ensino médio, seguem suspensas até o dia 2 de agosto.

Enquanto o Centro de Educação Infantil (CEI), onde a pequena Lis, de 1 ano de idade, frequentava, continua fechado. A mãe dela, a escrevente de cartório Gabriela Costa, conta com a ajuda de uma tia, que foi de São Paulo para Barra Velha, no interior catarinense, a fim de cuidar da sobrinha-neta.

“Tivemos que nos socorrer com uma tia minha, que é professora aposentada, de São Paulo, que está em casa desde março. Como sou natural de São Paulo e meu esposo de Florianópolis, e moramos em Barra Velha, então não temos nenhum familiar próximo, nós dois é que damos conta de tudo, e ainda trabalhamos de 8h às 18h”, disse Gabriela .

No dia 18 de março o cartório onde trabalho fechou durante sete dias. Depois passou a trabalhar com atendimento online, e, no início de abril voltou  a atender presencialmente com restrições. “Já o meu marido, que trabalha na área de telecomunicações (TI), não parou nenhum dia”, acrescentou.

A escrevente não sabe como será a situação com a filha se a creche não abrir em agosto. “Minha tia vai embora para São Paulo no início de julho porque pegarei minhas férias, depois disso não sei como farei, ainda estamos pensando. É uma situação de fato muito complicado, onde todos estão trabalhando e as escolas fechadas, é uma conta que não fecha”, lamenta Gabriela.

Risco na volta ao trabalho

O segurança Luciano Souza Santos, de São Paulo, disse que desde que entrou em isolamento social, em março, tem brincado muito com a filha Laura, de 3 anos. Ele sabe o nome de todas as bonecas, brinca de casinha, e cuida da casa e das refeições, pois a esposa, Eliane Neres, não parou de trabalhar. Ela é empregada doméstica em uma residência próxima à casa em que moram na zona leste da cidade de São Paulo.

Mesmo sem data, Luciano já teme o retorno ao trabalho, um colégio da zona oeste paulistana. “Acho que vai ser difícil por causa do contágio, a gente que tem criança fica preocupado na parte da volta para casa. Vamos ver como será, ainda não temos ideia de quando os alunos retornarão para o colégio”, disse.

Laura começaria na escola este ano, mas não deu tempo nem de fazer a matrícula. Assim, a rotina da família vai voltar ao que era antes da pandemia, a garota vai ter que ficar com a mãe no trabalho.  A sorte, diz Eliane, é que o local onde trabalha é perto de sua residência e não precisa usar o transporte público. “Ainda bem que levo apenas 10 minutos para chegar ao trabalho. Vou trazê-la com um pouco de receio, mas, tomando o maior cuidado, com álcool gel e usando máscara”.

Em São Paulo, o retorno às aulas presenciais, ainda sem data marcada, será de forma gradual. Segundo o secretário executivo da Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, Haroldo Rocha, as aulas voltarão em fases, combinadas com as [cinco] fases do Plano São Paulo [plano do governo estadual de retomada das atividades econômicas]. “A ideia é que a gente volte com 20% [de presença] dos alunos no primeiro momento; no segundo momento, com 50% dos alunos; e, na fase final, com 100% dos alunos”, disse.

Redes de apoio virtuais

Enquanto as escolas de creches não abrem, mães e pais podem contar com as redes de apoio virtuais e rodas de conversas. Uma delas é a Health tech Theia, primeira plataforma digital do Brasil que oferece uma rede apoio inédita para as necessidades das famílias. Quem quiser conhecer pode testar a plataforma gratuitamente por uma semana. Para fazer parte da lista de espera: https://theia.com.br/convite

“É uma forma de contribuir em um momento em que muita gente se vê perdida novamente, já que as escolas permanecem de portas fechadas. Aqui, eles podem contar com ajuda na organização de rotina, educação dos filhos (como fazer combinados, como lidar com ensino a distância, como fazer filhos respeitarem horário de trabalho, sugestões de atividades etc), saúde mental e física, entre outros cuidados, e não precisam passar sozinhos por essa jornada”, diz a cofundadora da Theia, Flavia Deutsch Gotfryd, que é mãe de dois meninos.

A plataforma conecta pais e mães a uma rede de profissionais especializados de maneira intuitiva e digital. Contam com pediatra, psicólogo, pedagogo, ginecologista, nutricionista, coaching em carreira, especialista em aleitamento materno e terapeuta do sono, bem como educação parental por vídeo e chat, e usam resultados reais para aprender e simplificar a jornada desses pais.

A rede de apoio virtual funciona 24 horas por dia, de segunda à sábado e o atendimento é feito por chat e videoconferência. A startup  garante o sigilo das informações.

A atendente de clínica Manoela Bento, mãe do Airton Davi, de pouco mais de 1 ano de idade, e Arthur Levi, de 2 meses, tem usado a plataforma. “Meu segundo filho nasceu durante a pandemia da covid-19 e a Theia tem sido minha parceira. Primeiro na volta da licença maternidade e agora durante o puerpério e dia a dia dessa mamãe de dois nesses tempos tão sombrios. Juntos, passaremos por tudo isso”.

Rodas de conversas

A volta à rotina de trabalho pode ser cercada de medo, como relatou o segurança Luciano. Porém, saber que não é o único a lidar com estes sentimentos pode ajudar. Os cuidados devem ir além do uso de máscaras e álcool gel, o apoio emocional também é importante e isso pode ser vivido numa roda de conversa.

De forma gratuita, a  ONG Somos Mães, promove mensalmente rodas de conversas para acolher pessoas interessadas em exercitar este sentimento que a nova situação requer.

“Todo mês temos pelo menos quatro rodas abertas, sem custo algum para o participante. As rodas são um espaço de segurança emocional e temos sido assertivas, facilitando a passagem por esse momento que vivemos a quem se propõe a estar conosco. Tem sido muito especial, quem vem uma vez sempre volta”, disse uma das facilitadoras das rodas, Anne  Bertoli.

A agenda social é divulgada na rede social das Somos Mães [@somosmaesevoce @somosmaesnasempresas @dolacoaoabraco] e para se inscrever basta enviar uma mensagem de solicitação inbox. As rodas de conversa são online, com duração de uma hora e meia e são divididas em grupos de aproximadamente 20 pessoas. A próxima acontece no dia 25 de junho, às 21h, com o tema Roda de Empatia. O encontro será pelo  aplicativo Zoom da Somos Mães e o convite pode ser solicitado pelo Whatsapp (11) 98954-3025.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários da Universidade Estadual do Piauí divulga o Resultado Final do Edital 09/20 referente ao Auxílio Moradia em caráter emergencial.

O edital foi lançado no início do mês de junho e concede 150 bolsas do Programa Auxílio Moradia em caráter emergencial, destinado a estudantes dos cursos de graduação que ficaram impedidos de retornar às suas residências de origem em decorrência da pandemia da Covid-19. O benefício consiste no pagamento de bolsa no valor de R$ 200 por um período de até três meses consecutivos.

resultado prex


Fonte: Com informações da CCOM
Comentar
140 vagas para professores · 20/06/2020 - 11h13

Terceira etapa do concurso para professores tem prova de títulos


Compartilhar Tweet 1



Os candidatos classificados na prova objetiva e didática do concurso público da Secretaria Municipal de Educação (Semec) agora estão participando da terceira etapa da seleção, que consiste em prova de títulos. 

Até segunda-feira (22/06), os candidatos devem subir os documentos por meio de link específico no endereço http://nucepi.uespe.br/conc_semec2019.php. Os títulos deverão ser enviados no formato PDF, frente e verso.

O concurso oferece 140 vagas para professores efetivos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental nas escolas municipais de Teresina. São 30 vagas para o cargo de professor de 1º Ciclo – 40h (polivalência) e 110 vagas para o cargo de professor de 2º Ciclo – 40h e 20h, nas áreas de Língua Portuguesa, Matemática, Artes, Ciências, Ensino Religioso, História e Geografia.

Confira aqui o edital de convocação.

Comentar

A Universidade Federal do Piauí (UFPI), divulgou nesta sexta-feira (19/06), a segunda chamada dos convocados para ingressarem no ensino superior através de cursos na modalidade Educação à Distância.

O Processo Seletivo Específico (PSE) – Educação a Distância (EAD) 2020, lançado em 30 de Janeiro, visa o preenchimento de 2.146 (duas mil e cento e quarenta e seis) vagas oferecidas em oito cursos da Universidade Federal do Piauí (UFPI), na modalidade à distância, em quarenta e um Polos da UAB, situados em 41 (quarenta e um) Polos da UAB, situados em 40 (quarenta) municípios do estado do Piauí e 1 (um) município do estado da Bahia.

Confira a Lista dos Classificados da 2ª Chamada (Candidatos convocados para Matrícula Institucional).


Fonte: Universidade Federal do Piauí
Comentar
Será transmitido na TV · 19/06/2020 - 13h00

Seduc realiza 9ª revisão Pré-Enem Live neste domingo (21)


Compartilhar Tweet 1



A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) realiza, neste domingo (21/06), das 8h às 12h30, a 9ª revisão Pré-Enem Live. O estudante poderá acompanhar as aulas pela TV Antares, pela plataforma do Canal Educação, no YouTube, e pelas redes sociais da Seduc Piauí.

A nona revisão contempla as disciplinas de Biologia, com o professor Tércio Câmara; Linguagem Corporal, professora Geórgia Soares; Matemática, professor Wagner Filho; e Redação, professor Ageu Júnior. Neste ano, as aulas com conteúdos preparatórios para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão realizadas exclusivamente on-line, obedecendo recomendações de isolamento social devido à pandemia da Covid-19.

Hildalene Pinheiro, uma das coordenadoras do Pré-Enem, revela que a live está na 9ª edição e contará com uma mensagem de apoio dos gerentes regionais, estimulando estudantes de todas as regiões do Piauí.

“O Pré-Enem Live está sempre se ajustando às necessidades de seu público, jovem e ansioso por conhecimento. Por isso, o programa conta com, além das aulas, a interação entre professor/aluno por meio do quadro “Bora-Papear”, que é um sucesso, e ainda as dicas de livros, de cinema e a abordagem de temas transversais no “Bora-Louvar”. Contaremos também com novas informações sobre a aplicação das provas e a participação das gerências regionais, incentivando os estudantes”, observa a coordenadora.

Para acompanhar as aulas, a equipe do Pré-Enem Seduc disponibiliza todo o conteúdo de forma digitalizada no site https://preenem.seduc.pi.gov.br/. Os estudantes ainda têm à disposição o aplicativo do Pré-Enem Seduc, plataforma digital em que podem enviar sua redação para correção on-line, resolver questões e tirar dúvidas. Por meio do aplicativo, os alunos também podem acessar videoaulas, questões comentadas e material didático.

 


Fonte: Com informações da CCOM
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A Secretaria de Estado da Educação (Seduc), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-PI), abriu edital para qualificação de professores da rede estadual de educação, com o propósito de implantar o componente curricular empreendedorismo nas escolas da rede estadual.

O prazo de inscrição para os professores segue até 18 deste mês, mediante preenchimento do formulário disponível somente no site: https://www.seduc.pi.gov.br/concursos/

A oferta dos cursos destina-se à qualificação de professores da rede estadual para formar multiplicadores nas escolas e implantação do componente curricular empreendedorismo, como explica Carlos Alberto Pereira, superintendente de Educação Básica da Seduc.

“Os cursos incentivam os professores a desenvolverem comportamentos empreendedores, de forma a estimular o protagonismo juvenil e a iniciativa futura na busca de possibilidades de inserção no mundo do trabalho, por meio de uma postura empreendedora e autônoma”, disse o gestor.

Público-Alvo

Nesse primeiro edital de formação, o público-alvo serão os professores que estão vinculados às escolas de tempo integral – Ceti e as escolas de educação técnica profissional, que funcionam no município de Teresina.

Preferencialmente, as vagas serão disponibilizadas aos professores que trabalham com “projeto de vida” nas referidas escolas.

Serão ofertadas duas turmas de cada oficina, com 30  participantes cada, totalizando 60 pessoas.

O início (mês, dia e horário) das oficinas (módulos ou cursos) estão dispostos no anexo do edital disponibilizados no site da Seduc.

Confira o edital aqui.

As capacitações dos professores somente ocorrerão via plataforma disponibilizada pelo Sebrae-PI.  Cada oficina terá  duração de quatro horas e os alunos terão como opções os seguintes temas:

  • Viagem ao mundo do empreendedorismo
  • Empreendedorismo Digital e Profissões do Futuro
  • Comunicação e Marketing
  • Laboratório de Ideias
  • Projeto de Vida
  • Relações Humanas

Fonte: Com informações da Semcom
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Realizado desde 1998, o Prêmio Gestão Escolar (PGE) contempla projetos eficientes e inovadores de gestão na Educação Básica da rede pública de todo o país. Em 2020, a iniciativa vai reconhecer práticas exitosas das escolas que, no momento de afastamento social, conseguiram encontrar soluções para o enfrentamento das dificuldades impostas pela pandemia.

Uma live com o escritor e especialista em desenvolvimento das competências de liderança organizacional, educacional e pessoal, Eduardo Shinyashiki, marcou o lançamento do Prêmio de Gestão Escolar 2020, nessa terça-feira (16), com transmissão pelo canal do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) no YouTube e na página do órgão no Facebook. O prêmio é promovido pelo Consed em parceria com a Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI) e a União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

Um dos depoimentos da abertura da live foi de Mirlane Ramos, diretora da Unidade Escolar Monsenhor Raimundo Nonato Melo, escola da zona leste de Teresina que venceu a etapa estadual do prêmio em 2018.

“O prêmio em si já traz muitos benefícios para a escola, pois ela passa a ser mais procurada, a comunidade escolar procura e valoriza mais nosso trabalho, nossos alunos passam a ser mais motivados na participação dos projetos e atividades da escola, os professores se articulam e se engajam mais no ensino-aprendizagem, enfim, cria um clima mais agradável para a equipe gestora desenvolver seu trabalho”, relatou Mirlane.

O professor Sebastião Gomes Ferreira, gerente de Gestão Escolar da Secretaria de Estado da Educação (Seduc-PI), afirma que o Piauí tem participado de forma significativa, tendo recebido premiações em âmbito nacional.

“Criaremos uma coordenação estadual replicando a parceria Seduc e Undime para motivar as inscrições, fazendo com que mais e mais escolas participem. Tenho dito que só participar já é uma vitória, mas temos as premiações locais e nacionais. Teremos o lançamento, na quarta-feira (24), por meio de uma webconferência, para incentivar a participação de nossas escolas no Prêmio Gestão Escolar 2020 etapa estadual”, completa o gerente.

Pela primeira vez o prêmio também vai contemplar o professor e a equipe escolar. A iniciativa representa o reconhecimento da união de esforços para superar os desafios que a situação atual impõe ao considerar, além do gestor, os atores que estão na ponta do processo de ensino e aprendizagem.

De acordo com a coordenadora nacional do Prêmio Gestão Escolar e secretária da Educação do Tocantins, Adriana Aguiar, a suspensão das aulas presenciais nas escolas provocou uma mudança importante no formato do prêmio e esta será a principal novidade da edição deste ano.

“Este ano o Prêmio Gestão Escolar vai buscar, sobretudo, proporcionar um processo de diálogo diferente para compreender as práticas, das mais diversas possíveis. Queremos ampliar a participação dos municípios nesta edição. Vamos aproveitar também para trabalhar em regime de colaboração com os estados, olhar e compreender a realidade da gestão, a complexidade e as soluções encontradas”, destaca a coordenadora.

A edição 2020 do PGE tem o patrocínio da Fundação Itaú para a Educação e Cultura e conta com a parceria da Bett Educar, British Council, Fundação Roberto Marinho, Fundação Santillana,  Instituto Natura, Ministério da Educação, Unesco, Unicef e Univesp.

Inscrições em: www.premiogestaoescolar.com.br


Fonte: Com informações da CCOM
Comentar

Compartilhar Tweet 1



As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do segundo semestre de 2020, previstas para 16 a 19 de junho, foram prorrogadas para 7 a 10 de julho. O anúncio foi feito pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, no Twitter. O edital será publicado nos próximos dias no Diário Oficial da União. 

 

Segundo o ministro, até o momento, as instituições públicas já disponibilizaram 51 mil vagas e o número pode subir. Weintraub destacou que pela primeira vez haverá oferta de vagas na modalidade de ensino a distância (EaD). 

O processo seletivo do programa, para vagas em cursos de graduação, usa as notas do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) como critério de classificação.

Os estudantes interessados em concorrer a uma vaga em uma universidade ou instituto público poderão consultar os cursos e o número de vagas que serão disponibilizados por cada instituição participante.

 


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Mais de 70 mil alunos · 16/06/2020 - 17h00 | Última atualização em 16/06/2020 - 17h47

Alunos da Rede Municipal criam rotina de estudos com aulas transmitidas pela TV


Compartilhar Tweet 1



A sala de aula agora é em casa. Desde a suspensão das aulas presenciais nas unidades de ensino da Rede Municipal por conta da pandemia do novo coronavírus, os alunos precisaram se adaptar a uma nova realidade na rotina de estudos. O celular, o computador e agora a televisão viraram as principais ferramentas de aprendizagem em tempos de isolamento social, onde a educação precisou ganhar novos formatos.

Nesta semana, mais de 70 mil alunos matriculados no Ensino Fundamental das escolas da Prefeitura passaram a assistir aulas pela TV. A transmissão por meio de quatro canais locais é uma das estratégias para alcançar os estudantes e manter o ritmo de aprendizado.

Amanda Costa é tia do estudante João Felipe e tem acompanhado as atividades pedagógicas do sobrinho, que faz o 2º ano. Segundo ela, o segredo para conseguir a concentração da criança é montar uma rotina como na escola. “Todos os dias ele segue uma programação, veste a farda, tem o lugar certo para estudar e assiste a TV como em sala de aula, depois vamos fazer juntos as atividades propostas. Não conseguimos muito essa concentração pela internet, então o conteúdo pela TV tem sido a melhor opção para ele”, explica a tia.

Yudi Carvalhedo, aluno do 7º ano da Escola Municipal Jornalista João Emílio Falcão, conta que sente falta da escola, mas tem gostado de acompanhar as atividades pela televisão. “Na escola é bem melhor, claro, mas com as aulas da TV consigo aprender bem. Fecho a porta do quarto e ninguém me atrapalha. No final da tarde respondo os exercícios e envio para os professores pelo aplicativo. É por lá que nos comunicamos todos os dias”, conta.

Os professores e as plataformas online dão suporte para o aprendizado. Além dos aplicativos de troca de mensagens e videoconferência, a Secretaria Municipal de Educação (Semec) mantém a plataforma “Em casa eu aprendo” hospedada em seu site. São vídeos produzidos por professores, dicas de leitura, atividades para responder em casa e conteúdo direcionado para cada ano escolar.

De acordo com diretora da Escola Municipal Thereza Noronha, Simone Barbosa, a escola foi encontrando mecanismos para alcançar cada aluno segundo suas necessidades. “Estamos utilizando todas as ferramentas possíveis, vencendo os obstáculos para tornar essa nova forma de educação cada vez mais ampla e acessível. Tudo isso é novidade para nós gestores, professores e também para os alunos e as famílias, mas acreditamos que podemos fazer o melhor juntos. A televisão trouxe uma oportunidade de maior de alcance, outra alternativa importante para o acesso do aluno aos conteúdos. Tenho recebido retornos positivos quanto a isso. A expectativa é de que em breve possamos voltar de forma presencial, mas por enquanto vamos fazer dar certo com o que temos”, concluiu a diretora.

 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



O Pré-Enem Seduc trouxe mais uma novidade, sempre buscando inovações e estar cada vez mais próximo dos estudantes, além das aulas on-line, transmitidas pelo YouTube e TV Antares, criou uma nova modalidade, a "sala de aula virtual".

Pelas plataformas do WhatsApp e Telegram, os alunos são atendidos por toda a equipe Pré-Enem, Canal Educação e Seduc, onde recebem todo o material do  curso, várias apostilhas, exercícios, simulados, gabaritos, temas e modelos de redação para o Enem e ainda conta com os melhores professores do Piauí e do Brasil interagindo online com nossos estudantes.

De acordo com a coordenadora do projeto, Hildalene Pinheiro, para participar de alguma dessas comunidades o interessado deve enviar uma mensagem dizendo "oi eu quero fazer parte do grupo Pré-Enem sala de aula"."O estudante informa seu nome e a cidade de onde fala, aguarda um moderador adicioná-lo e pronto, ele já participa da sala de aula virtual", informa.

Os telefones para contato são 86 9 9401 39 90 ou 86 9 8805 13 49. Se preferir o aluno vai à página do Facebook do Pré-Enem Seduc e clica nos links do grupos que desejar entrar, que estão publicados, assim ele ingressa diretamente nas nossas salas de aula virtuais.


Fonte: Seduc
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A prática da leitura  é uma forma dos alunos manterem-se conectados com os estudos durante o período de distanciamento social, em que as atividades presenciais nas escolas encontram-se suspensas. Para além do ganho cognitivo, cultivar o hábito de ler pode auxiliar e manter a mente em equilíbrio, expandir as ideias, desenvolver a imaginação, o raciocínio e o pensamento crítico.

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc), percebendo a importância desse processo, tem articulado, junto com os profissionais da rede estadual, maneiras para trabalhar a leitura com seus estudantes.

Uma iniciativa é a parceria firmada entre Seduc e vários autores Piauienses que faz parte do projeto Ler para Escrever Melhor, que tem o objetivo de favorecer o aprendizado de obras literárias, em especial as de autores piauienses.

De acordo com Wellington Soares, coordenador do Pré-Enem, o projeto busca formar leitores não só para ingressarem nas universidades públicas e faculdades particulares como também para lerem a vida toda. “É muito simples: os escritores piauienses fazem as doações dos livros e, em seguida, é feito um sorteio nas revisões quem vão ao ar aos domingos. A Seduc envia livros para os alunos sorteados, tanto da capital ou interior. É um projeto belíssimo, abraçado pelos autores idealizado pelo Pré-Enem Seduc com o apoio do secretário, Ellen Gera”, afirmou.

Vários livros já foram doados por autores como Adriano Lobão; Demetrios Galvão; Graça Vilhena; Vanessa Trajano; Nathan Sousa e Edmar Oliveira. De acordo com o Wellington Soares, a expectativa é que mais autores piauienses façam doações e a quantidade de livros cresça.


Fonte: Seduc
Comentar
Adquirir conhecimento · 15/06/2020 - 16h39

Jovens de outros estados e países estudam com o Pré-Enem Seduc


Compartilhar Tweet 1



Universidades em diversos países no mundo como Portugal, Inglaterra, França, Irlanda e Canadá consideram a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para o ingresso em um curso de graduação. Estudantes de toda parte, vendo essa oportunidade, participam do Pré-Enem Seduc Live como forma de adquirir conhecimento para a prova.

A coordenadora do Pré-Enem Seduc Live, Hildalene Pinheiro, revela que estudantes de vários estados brasileiros e de outros países entram em contato com o programa da Secretaria de Estado da Educação do Piauí relatando a experiência.

“Só de Portugal são 50 instituições de ensino superior que aceitam os resultados do Enem como critério para ingresso de estudantes brasileiros em cursos de graduação. Temos relatos de estudantes do Paraguai, Moçambique e, aqui no Brasil, de vários estados como São Paulo, que veem no Enem a oportunidade de mudar de vida e Pré-Enem Seduc Live como forte apoio nesse objetivo”, relata a coordenadora.

 

Um dos estudantes que utiliza o Pré-Enem Seduc Live é o paulista André Freitas, de Santo André (SP). O barbeiro de 36 anos de idade está desempregado no momento por causa da pandemia de Covid-19 e viu na educação a maneira de melhorar de vida.

“Tenho família, minha esposa está desempregada, no momento, fazendo máscara para me ajudar. No início dessa pandemia, eu parei para fazer um balanço da vida e decidi estudar para ser alguém na vida. Desde então, venho me dedicando de certa forma aos estudos. Às vezes bate a tristeza, porque está muito difícil estudar, faz 19 anos que não estudo. A única certeza que eu tenho é que eu preciso passar no Enem e ingressar na faculdade”, afirmou André.

Francisco Wilson, estudante de Moçambique, Layra Prado que reside no Paraguai, entre outros, também manifestaram elogios ao Pré-Enem Seduc Live e a importância de um programa gratuito e de qualidade como esse, como apoio ao estudante no ingresso no ensino superior.


Fonte: Com informações da CCOM
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Começa nesta segunda-feira (15) o regime especial de atividades não presenciais da Rede Municipal de Ensino de Teresina para os estudantes das turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Para retomar o calendário letivo e ainda manter as medidas de isolamento social em decorrência da pandemia do coronavírus, a equipe da EJA organizou um sistema de aulas à distância.

Na semana passada, os diretores e pedagogos das escolas da Prefeitura participaram de um encontro virtual com a coordenadora da EJA na SEMEC, Ana Vitória Carvalho. O grupo acertou os últimos detalhes para o início das atividades, que devem utilizar múltiplos recursos. Ana Vitória pediu apoio dos gestores. “Estamos em um novo momento e precisamos nos reinventar, utilizar todas as ferramentas a favor do aprendizado dos nossos alunos. Vamos fazer o melhor que podemos com o que temos agora”, disse.

A equipe planejou o envio de videoaulas e atividades pedagógicas pelo uso do aplicativo WhatsApp, além da entrega de atividades impressas, que acontecerão nas escolas de forma programada entre a gestão, professores e estudantes. Os professores enviarão todas as atividades de acordo com um cronograma do planejamento.

Ana Vitória reforça que o regime especial de atividades foi pensado para que os alunos retomem o ritmo de aprendizado e as aulas possam ser contabilizadas como parte do calendário escolar. “Distribuímos as disciplinas de forma a contemplar conteúdos diversos e assim os estudantes das 29 escolas que possuem turmas da EJA possam retornar ao ritmo de aprendizagem mesmo de forma diferenciada nesse momento”, afirma.


Fonte: Com informações da Semcom
Comentar
Através de aulas remotas · 15/06/2020 - 11h31

Seduc promove debate com alunos sobre violência sexual


Compartilhar Tweet 1



Os estudantes da rede pública de ensino que assistem à programação de aulas remotas promovidas pela Secretaria de Estado da Educação, por meio do Canal Educação, acompanharam, nesta segunda-feira (15/06), a segunda edição do Dia de Papear. A iniciativa faz parte do Projeto Estudar Pode Ser Leve, que tem como objetivo contribuir com a saúde física e mental de estudantes e seus familiares, professores, gestores e demais profissionais da Rede durante o período de isolamento social.

A palestra foi mediada pela psicóloga Carolina Martins e trouxe como tema “Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes”. Também participaram  a promotora da 45ª Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude de Teresina, Joselisse Nunes De Carvalho Costa, e a mestra em Psicologia, Hivana Raelcia Rosa da Fonseca.

A promotora Joselisse Costa elencou aos estudantes situações que indicam ação de violência sexual ou abuso psicológico e como eles devem agir em caso de denúncia. “Além do atendimento psicológico, são necessárias ações para garantir os direitos desses sujeitos para ter acesso aos canais e dispositivos para acionar em momento de denúncia, pois todos nos podemos enfrentar o abuso sexual”, pontuou.

Inseridas na programação das aulas remotas, a palestra se beneficiou da troca comum de mensagens entre os alunos e professores. A psicóloga Hivana da Fonseca, destacou que as ações devem contar com a participação de todos aqueles que fazem a comunidade escolar. “Precisamos tornar a nossa sociedade mais protetiva para nós e a próxima geração e, assim, criar um ambiente em que as pessoas possam crescer com liberdade e que elas possam experimentar desenvolver sua sexualidade sem opressão e sem violência”, disse.

As atividades do Projeto Estudar Pode Ser Leve serão divididas nos quadros: Dia de Papear!; Chega aí!; Se liga na ideia!; Conectando ideias!; e Desatando Nós na Educação, transmitidas pelo Canal Educação com atividades que podem dar suporte socioemocional para toda a rede.


Fonte: Governo do Estado
Comentar
Confira um dos relatos · 15/06/2020 - 11h30

Jovens de outros estados e países estudam com o Pré-Enem Seduc


Compartilhar Tweet 1



Universidades em diversos países no mundo como Portugal, Inglaterra, França, Irlanda e Canadá consideram a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para o ingresso em um curso de graduação. Estudantes de toda parte, vendo essa oportunidade, participam do Pré-Enem Seduc Live como forma de adquirir conhecimento para a prova.

A coordenadora do Pré-Enem Seduc Live, Hildalene Pinheiro, revela que estudantes de vários estados brasileiros e de outros países entram em contato com o programa da Secretaria de Estado da Educação do Piauí relatando a experiência.

“Só de Portugal são 50 instituições de ensino superior que aceitam os resultados do Enem como critério para ingresso de estudantes brasileiros em cursos de graduação. Temos relatos de estudantes do Paraguai, Moçambique e, aqui no Brasil, de vários estados como São Paulo, que veem no Enem a oportunidade de mudar de vida e Pré-Enem Seduc Live como forte apoio nesse objetivo”, relata a coordenadora.

Um dos estudantes que utiliza o Pré-Enem Seduc Live é o paulista André Freitas, de Santo André (SP). O barbeiro de 36 anos de idade está desempregado no momento por causa da pandemia de Covid-19 e viu na educação a maneira de melhorar de vida.

    Reprodução

“Tenho família, minha esposa está desempregada, no momento, fazendo máscara para me ajudar. No início dessa pandemia, eu parei para fazer um balanço da vida e decidi estudar para ser alguém na vida. Desde então, venho me dedicando de certa forma aos estudos. Às vezes bate a tristeza, porque está muito difícil estudar, faz 19 anos que não estudo. A única certeza que eu tenho é que eu preciso passar no Enem e ingressar na faculdade”, afirmou André.

Francisco Wilson, estudante de Moçambique, Layra Prado que reside no Paraguai, entre outros, também manifestaram elogios ao Pré-Enem Seduc Live e a importância de um programa gratuito e de qualidade como esse, como apoio ao estudante no ingresso no ensino superior.


Fonte: Governo do Estado
Comentar
7 mil alunos beneficiados · 15/06/2020 - 10h21 | Última atualização em 15/06/2020 - 11h13

Estudantes recebem kits didáticos e de alimentação nesta segunda (15), no Piauí


Compartilhar Tweet 1



A prefeitura de Esperantina, por meio da Secretaria Municipal de Educação, iniciará, nesta segunda-feira (15/06), a distribuição de kits com material didático para os estudantes da rede municipal de ensino. Na oportunidade, também realizará a entrega da segunda etapa de distribuição dos kits de merenda escolar para os alunos.

De acordo com o secretário municipal de Educação, Francinaldo Nunes, cerca de 7 mil alunos das 42 escolas da rede municipal receberão esse material, para estudarem na quarentena.

"É nosso dever garantir o ensino de qualidade e promover medidas que assegurem melhores condições de vida para os alunos e suas famílias”, pontua.

O secretário reforça os cuidados que os pais ou responsáveis pelos alunos devem ter na hora de receber os kits nas escolas. "Quanto ao recebimento dos kits da merenda escolar e atividades, reforçamos a importância de se evitar aglomerações no local, usar máscaras, respeitar a distância de 2 metros, não cumprimentar conhecidos com as mãos, beijos ou abraços, e, se tiver com algum sintoma da covid-19, pedimos para não sair de casa”, finaliza. 


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Quase a totalidade dos estudantes matriculados no ensino superior privado querem continuar os estudos. No entanto, 42% afirma que há um risco de ter que desistir. O principal motivo para o possível abandono é não conseguir pagar as mensalidades, seja porque o emprego foi afetado pela pandemia do novo coronavírus, seja porque os pais ou responsáveis não conseguirão arcar com os custos.

As estimativas foram divulgadas na terceira etapa da pesquisa Coronavírus e Educação Superior: o que pensam os alunos e prospects da Abmes, Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior. A pesquisa foi feita em parceria com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights.

Ao todo, foram entrevistados 644 estudantes e 963 potenciais alunos entre os dias 28 e 31 de maio. Diretor-presidente da Abmes, Celso Niskier pontua alternativas que as instituições de ensino privado têm construído para lidar com as dificuldades financeiras dos estudantes neste momento.

Niskier afirma que os desafios são grandes.

Apesar das dificuldades, ele acredita ser possível passar por esse momento difícil, principalmente se as instituições de ensino puderem contar com a ajuda do governo federal.

Dentre os estudantes matriculados, 52% disseram querer continuar estudando não importa o cenário. Essa porcentagem caiu em relação à primeira etapa da pesquisa, realizada em março, quando era 57%.

Outros 42% dizem querer continuar estudando, mas reconhecem que há risco de desistirem. Esse percentual era 37% em março. Outros 4% disseram que provavelmente irão desistir do curso e 2%, que irão desistir por conta do cenário atual.

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, aprovou, no dia 26 de maio, um projeto de lei que determina que instituições privadas de ensino, do pré-escolar até a pós-graduação, reduzam o valor das mensalidades enquanto vigorar o decreto de calamidade pública por causa do novo coronavírus. Para unidades cuja mensalidade é de até R$ 350, não haverá desconto; já aquelas com mensalidade acima desse valor deverão aplicar um desconto de 30% sobre a quantia que ultrapassa a faixa de isenção.

Comentar