Compartilhar Tweet 1



O Programa Oportunidades Acadêmicas, oferecido há 13 anos pelo EducationUSA, órgão oficial do governo norte-americano para a realização de cursos de graduação nos Estados Unidos, abre inscrições no próximo dia 19 para estudantes brasileiros do ensino médio que desejam estudar naquele país. As inscrições se encerrarão no dia 13 de janeiro de 2020.

O programa é exclusivo para estudantes de baixa renda, sem condições financeiras para ingressar em universidades americanas, mas que tenham desempenho em seus colégios acima da média e que apresentem um diferencial em relação aos demais alunos. A coordenadora e orientadora do Programa Oportunidades Acadêmicas, Simone Ferreira, informou hoje (16) à Agência Brasil que o programa procura alunos que não tenham condições financeiras para pagar pelo processo de candidatura, mas que apresentem perfil bastante competitivo. “São alunos que têm notas muito boas na escola, têm bom nível de inglês, estão envolvidos em atividades extracurriculares e mostram perfil de liderança em suas comunidades”.

Desde 2006, o programa seleciona alunos com esse perfil. Uma vez selecionados, eles têm todas as despesas relacionadas à candidatura pagas pelo programa, incluindo material de estudo para testes, visto, transporte (passagem aérea) para deslocamentos de cidades do interior para capitais onde há centros aplicadores de provas do programa no Brasil, acomodação para a realização das provas, alimentação, além de isenção de várias taxas referentes ao envio de documentos de aplicação, tradução de documentos acadêmicos e provas SAT/ACT, Subject Test, TOEFL/IELTS.

“Uma vez que entrem no programa, eles vão receber toda orientação para fazer uma candidatura sólida para as universidades americanas. O programa vai pagar por essa candidatura e apoia os estudantes selecionados por meio dos 41 centros orientadores que tem no Brasil”. Os alunos aprendem a fazer redações em inglês. “O programa trabalha com esses alunos para que façam uma ótima candidatura e para que as universidades deem uma bolsa 100% gratuita”. Nos 13 anos de existência, o Programa Oportunidades Acadêmicas já beneficiou mais de 300 estudantes brasileiros, embora nem todos tenham conseguido bolsa integral. O programa existe em mais de 50 países.

Oportunidades

O estudante interessado deve preencher um formulário online em inglês no site , e enviar documentos que comprovem seu bom desempenho acadêmico, além de outros relativos à condição financeira da família. Ao ser selecionado para ingressar no programa, o aluno recebe orientação. Em geral, as atividades começam em março e se estendem até janeiro do ano seguinte, que é o período de candidatura. O estudante recebe orientações em grupo e online. “A gente ensina ao aluno como fazer carta de recomendação para os professores, para a escola, tudo que a pessoa precisa fazer”. A candidatura é feita no final do ano. Simone Ferreira disse que em abril de 2020 sairão os resultados. Os aprovados começarão a estudar nos Estados Unidos em setembro do próximo ano, porque lá o período letivo vai de setembro a maio.

Uma vez aceito na universidade americana, o aluno passa para outra fase do programa, que envolve passagem para os Estados Unidos e outras despesas, como visto, por exemplo. As provas da candidatura são feitas no Brasil. “Os alunos são muito bons”, assegurou Simone. “Eu trabalho com o programa desde 2011 e ele é minha menina dos olhos. É muito bacana, é um prazer enorme”.

Os estudantes de baixa renda já graduados que quiserem fazer pós-graduação, mestrado ou doutorado nos Estados Unidos também são contemplados pelo programa. Para esses, as inscrições serão abertas até o final do ano. A data, contudo, ainda não foi definida. Os graduados passam pelo mesmo processo que os alunos do ensino médio. Têm que ter perfil empreendedor, ser motivados, estar envolvidos em atividades extracurriculares e terem um bom inglês. Segundo Simone, muitos dos estudantes aprendem inglês sozinhos, no ‘you tube’, em cursos gratuitos.

Giullia

Quando participava do projeto Jovens Embaixadores, promovido pela embaixada americana no Brasil, que leva anualmente estudantes da rede pública de baixa renda para intercâmbio nos Estados Unidos durante três semanas, Giullia Jaques Caldeira assistiu uma palestra sobre o Oportunidades Acadêmicas em Brasília, quando se preparava para a viagem junto com outros jovens, e resolveu se inscrever. “Vários jovens que estavam ali tinham interesse em estudar fora e planejavam se inscrever. Eu fiquei tão animada que decidi me inscrever também”. A solidariedade que experimentou entre os Jovens Embaixadores motivou Giullia a se candidatar ao programa, disse à Agência Brasil.

Giullia concluiu o ensino médio no ano passado, no Colégio Pedro II, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. Enquanto participava do intercâmbio, foi selecionada para gravar um vídeo no qual tinha que vender alguma coisa. “Decidi gravar um vídeo vendendo brigadeiros que é a coisa que eu mais sabia vender”. Em menos de duas semanas depois de regressar do intercâmbio, foi chamada para uma entrevista. “Eu fiquei o tempo todo em alerta, perto do telefone”.

Giullia se candidatou à bolsa em oito universidades americanas, mas suas preferidas são a Babson College (Massachusetts) e a Minerva Schools (São Francisco, Califórnia). Ela pretende cursar ciências políticas, com especialização nos direitos e estudos das mulheres e estudo da América Latina. Ela já fez as provas e espera receber o resultado dessas duas instituições até 15 de dezembro, com bolsa total.

A jovem está visitando alguns presídios localizados no Rio de Janeiro, como o Talavera Bruce, em Bangu, zona oeste da capital, para conhecer a realidade das mulheres e pesquisar sobre suas necessidades, visando devolver a autoestima das detentas.

Transformação

Graças ao Programa Oportunidades Acadêmicas, Giovani Rocha e Raniery Mendes tiveram suas vidas transformadas. Giovani Rocha vem de uma família de baixa renda, se tornou Jovem Embaixador pela Embaixada dos EUA no Brasil e alcançou o doutorado em ciências políticas na ‘University of Pennsylvania’, através do Oportunidades Acadêmicas. Atualmente, ele é consultor de políticas educacionais no Banco Mundial e na Fundação Lemann, em um projeto relacionado à diversidade, informou o ‘EducationUSA’ por meio de sua assessoria de imprensa.

Já Raniery Mendes é estudante da ‘Wake Forest University’, classe de 2022. Como Giullia, ele também foi aluno do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro e enfrentou dificuldades financeiras. Raniery participou de diversas feiras de ciências e eventos acadêmicos até ser aceito no Programa Oportunidades Acadêmicas. O auxílio financeiro que recebeu e a orientação ao longo de todo o processo de candidatura foram fundamentais para que atingisse seu objetivo. Por meio do programa, ele foi aceito na universidade americana com bolsa integral, para estudar relações internacionais e economia.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



O uso do inglês como prática social – aquela aplicada a necessidades básicas de comunicação, como se apresentar, pedir produtos em uma loja ou manter uma conversa curta – ainda não é o foco principal do ensino da língua estrangeira na rede pública, de acordo com a pesquisa divulgada pela agência do governo britânico British Council.

Apenas dois estados brasileiros avaliados atingiram todos os critérios necessários para o ensino de qualidade do inglês: Paraná e Pernambuco. São Paulo e Distrito Federal ficaram atrás, mas acima da média brasileira. Pará, Amapá, Goiás, Mato Grosso e Alagoas não aparecem no estudo. Os demais estados apresentaram desempenho mediano ou insuficiente para os critérios do British Council, agência internacional do Reino Unido para educação e cultura.

Chamado Políticas Públicas para o Ensino de Inglês, o levantamento avalia o panorama que receberá, no ano que vem, as mudanças na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira. De acordo com o texto da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada em 2018, o ensino da língua inglesa passará a integrar o currículo como matéria obrigatória.

Desafios

A pesquisa aponta dois déficits no desenvolvimento do ensino do idioma nas escolas públicas: a falta de professores qualificados e o foco no ensino gramatical em detrimento do ensino social da língua. “Uma vez que os discursos se organizam em práticas sociais, historicamente construídas e dinâmicas, o seu ensino pela prática traz um maior significado para o aluno”, explica Cíntia Toth Gonçalves, gerente sênior de inglês do British Council.

De acordo com o Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) de 2017, apenas 45% dos 62 mil professores de inglês na rede pública têm formação superior na área de línguas estrangeiras. Paraná e Sergipe são os únicos estados com mais de 70% dos docentes habilitados em língua inglesa ou estrangeira moderna.

"Essa é uma situação difícil, mas não única no mundo. No contexto brasileiro, é primordial que se concentrem esforços também na formação inicial dos futuros professores para que eles estejam preparados para atender à demanda gerada pela BNCC", afirma Cintia.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Pela primeira vez, há mais pretos e pardos no ensino superior público no Brasil do que brancos, mostram dados divulgados nesta quarta (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Os dados, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), são de 2018 e apontam 50,3% de pretos e pardos nas universidades públicas brasileiras. Já brancos e outros compõem 49,7% do total, o que indica subrepresentação do primeiro grupo -na população em geral, 55,8% são negros (pretos e pardos, pelo critério do IBGE).

Um dos fatores aos quais o IBGE credita esse avanço é o sistema de cotas, que reserva vagas a candidatos de determinados grupos populacionais, além de programas de apoio e expansão em universidades federais.

"Nesse contexto, a despeito das menores taxas de conclusão do ensino médio e de ingresso no ensino superior, em 2018, estudantes pretos ou pardos passaram a compor maioria nas instituições de ensino superior da rede pública do país.

Desde 2016, pelo menos 50% das vagas disponíveis no Sisu (Sistema de Seleção Unificada), um dos programas de cotas, são distribuídas por critérios de renda, cor ou raça, conforme determinação do Ministério da Educação.

Na rede privada, a maioria ainda é de brancos e outros: 53,4% fazem parte desse grupo. Já negros e pardos representam 46,6% do total. 

Mas, segundo o IBGE, o número também representa um aumento: eram 43,2% de negros e pardos nas universidades privadas em 2016. A melhora se deve especialmente a programas de financiamentos estudantis, como o Fies (Fundo de

Financiamento Estudantil) e o Prouni (Programa Universidade para Todos).
Na divisão por idade, 55,6% dos estudantes pretos e pardos entre 18 e 24 anos estão nas universidades do país, enquanto 29,6% deles ainda estão no ensino médio e 4,9% não saíram do fundamental.

Segundo o IBGE, o percentual de negros cursando ensino superior aumentou de 50,5% em 2016 para 55,6% em 2018, mas continua abaixo dos 78,8% de brancos dessa faixa etária que cursam uma faculdade.

Comentar
1º dia foi um 'sucesso' · 05/11/2019 - 15h21

Novo governo deixa Enem mais barato e sem ideologias


Compartilhar Tweet 1



O primeiro Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sob o comando do governo de Jair Bolsonaro foi bem diferente das edições dos últimos anos. E não foi só o fim de questões polêmicas, como as que utilizavam temas partidários ou ideológicos, que foi motivo para comemoração do Ministério da Educação, a prova foi também mais barata. O ministro Abraham Weintraub comemorou o primeiro domingo de provas. A reportagem é do Pleno News

    Foto: MEC/Luis Fortes

– Foi um sucesso. A despeito de ficar seis meses debaixo da chuva de fake news. Foi o [Enem] com o menor custo por aluno e foi o mais baixo aparentemente em termos de problemas – declarou.

Weintraub destacou o fato de que o exame deste ano foi limpo, sem polêmicas ou escândalos que afetassem a idoneidade da prova. Além disso, a pasta retirou do exame, temas que exaltassem assuntos como agenda gay, feminismo e outros voltados a conteúdos de esquerda.

– Este ano, respeitamos toda a sociedade, ao contrário dos outros anos ao contrário do que tinha no passado, doutrinação, sujeira, ineficiência, escândalo, problemas com gráfica – apontou.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



O prefeito Osmar Vieira, de Cocal dos Alves, no Norte do Piauí, viajou nesta terça-feira (05/11) para São Paulo onde recebe o Prêmio LIDE de Educação representando todos os educadores e estudantes do município.

A cidade virou referência nacional em educação, especialmente nas ações realizadas na A Unidade Escolar Augustinho Brandão.

No voo para São Paulo, o prefeito Osmar encontrou com o governador Wellington Dias (PT), que viaja para Brasília.

"O voo fez escala em Brasília e por coincidência ou não, o passageiro ao meu lado foi o governador Wellington Dias que está indo à Capital Federal tratar de assuntos de interesse do nosso estado. Aproveitei para pedir ao governador mais investimentos para Cocal dos Alves e assim podermos realizar mais obras importantes para melhorar a vida da nossa população", postou o prefeito.

 

Comentar
Primeira prova do Enem 2019 · 04/11/2019 - 08h20 | Última atualização em 04/11/2019 - 09h30

"Enem não teve questões polêmicas nem ideológicas", diz Weintraub


Compartilhar Tweet 1



A primeira prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), realizada no último domingo (03/11), foi aplicada em 10.133 locais, em 1.727 municípios brasileiros. Os estudantes responderam a 90 questões de linguagens e ciências humanas, além de fazer uma redação sobre "Democratização do acesso ao cinema no Brasil". A reportagem é do R7.

Em entrevista, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que o exame "não teve nenhuma questão polêmica, nem ideológica, sem doutrinação." 

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) homologou 15.452 atendimentos especializados — é o caso dos participantes com deficiência auditiva ou surdez que têm Libras (Língua Brasileira de Sinais) como primeira língua — esses participantes tiveram tempo adicional de até duas horas para terminarem de resolver as questões de múltipla escolha e a redação. Esses estudantes puderam ficaram até às 21h, os demais terminaram a prova até às 19h. 

De acordo com o MEC (Ministério da Educação), cerca de 3,9 milhões de pessoas realizaram o exame neste primeiro dia de provas. Houve ainda 1,2 milhão de faltosos, que representam 23% do total de 5,1 milhões de inscritos.

Os números oficiais divulgados pelo Ministério da Educação ainda apontam que 376 pessoas foram eliminadas por descumprirem as regras do exame em todo país.

Enem 2019

O exame começou com uma confusão com o horário. Relógios de dispositivos como celulares e computadores atualizaram automaticamente para o horário de verão. Muitos estudantes chegaram mais cedo ao local de prova para evitar problemas. Até o Twitter do MEC (Ministério da Educação) divulgou o horário errado.

Logo após o início do exame, começou a circular nas redes sociais imagens de questões da prova. Por meio de nota, o Inep informou que a foto é verdadeira. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou em sua conta no Twitter que provavelmente a imagem vazou em Pernambuco e que a Polícia Federal já está atrás do autor da foto.

Segundo Weintraub, a foto teria sido feita por um aplicador do exame. O ministro disse que possivelmente o vazamento foi feito por um aplicador de provas, que pegou o exame de um estudante que faltou.

Prova

As questões do primeiro dia do Enem abordaram diversos temas ligados aos direitos humanos, como violência contra a mulher, racismo, refugiados, escravidão e discursos de ódio nas redes sociais. O que não supreendeu os professores.

O tema da redação surpreendeu, no entanto, e manteve o foco nas questões sociais, no caso a "democratização do acesso ao cinema". Para muitos estudantes, o tema foi considerado difícil. 

A próxima prova está marcada para o próximo domingo (10). Os alunos enfrentarão uma maratona de 90 questões de multipla escolha de matemática e ciências da natureza.

Gabarito oficial

O Inep divulga o gabarito oficial no dia 13 de novembro no site ou pelo aplicativo. No total, são seis gabaritos para cada dia e seis Cadernos de Questões, de acordo com as cores da prova e opções acessíveis.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



O tema da redação do Enem, que surpreendeu profissionais da área do cinema ao falar sobre a democratização dessa arte no Brasil, também não estava no radar da maioria dos professores de cursinhos pré-vestibular e de ensino médio. Para profissionais ouvidos pela Folha de S.Paulo, a temática desse ano foi simples, mas arriscada para os candidatos.

Para Fernando Santo, gerente de inteligência educacional do Poliedro, o perigo para os estudantes estava exatamente na aparência simples. "Foi um tema fácil, mas perigoso para estudantes, porque podem ter caído numa abordagem muito rasa. Era preciso entender melhor a proposta, os problemas sociais, as questões financeiras e culturais, para então dissertar."  

Antunes Rafael dos Santos, professor de língua portuguesa e diretor do colégio Oficina do Estudante, de Campinas, diz que o tema também ficou um pouco vago e pode ter confundido os candidatos. 

"Quando o aluno analisa o enunciado é levado a interpretar que está se tratando apenas ao acesso às salas de cinema, mas o aluno também pode pensar em outros recursos, como as plataformas de streaming, que de certa forma também ampliou o acesso à produção de cinema. Nesse ponto ficamos em dúvida de como a banca vai se posicionar".

Os professores analisaram o conteúdo da prova e afirmaram que o grau de dificuldade dos últimos anos foi mantido, apesar da ausência de assuntos mais sensíveis ou que pudessem gerar qualquer tipo de polêmica.

"A prova se manteve neutra em assuntos polêmicos e ficou alheia a qualquer divergência entre os idealizadores", disse Santos.

O professor também afirmou que algumas questões apresentaram falta de conexão entre as possibilidades de resposta e o enunciado. Para ele, a prova de linguagens trouxe maior diversidade nos assuntos abordados e a presença muito forte de temas ligados às minorias.

Fernando Santo, no entanto, disse que falta de proporcionalidade entre os enunciados de linguagens em relação a de ciências humanas pode ter gerado um grau maior de dificuldade aos candidatos.

"A prova de linguagens tinha 18 das 32 páginas da prova. O aluno precisou gastar muita energia com essas questões mais longas, e pode ter faltado o tempo necessário para o restante da prova ou para a redação", explicou.

Ele diz que o Inep não deixou de pedir conteúdos clássicos nesta edição, e ainda atentou para questões mais atualizadas, que faziam parte do cotidiano dos candidatos.

"Muitas das datas de acesso dos conteúdos eram do segundo semestre de 2018, o que mostra uma preocupação em conteúdos mais atualizados. Ao mesmo tempo os autores clássicos estavam presentes, assim como vários conteúdos abordados ao longo do ensino médio", contou.

Comentar
Oficial sai dia 13 de novembro · 03/11/2019 - 22h26 | Última atualização em 03/11/2019 - 23h07

Confira o gabarito extraoficial da primeira prova do Enem 2019


Compartilhar Tweet 1



Os estudantes que fizeram a primeira prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) neste domingo (3) já podem conferir o gabarito extraoficial feito pelos professores do QG do Enem em parceria com o portal R7.

Confira as respostas no site da correção. Gabarito oficial será divulgado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) no dia 13 de novembro.

Comentar
Vou continuar até conseguir · 03/11/2019 - 18h25 | Última atualização em 03/11/2019 - 20h10

Vítima de acidente de kart, diz estar tranquila com o Enem: "Não vou desistir"


Compartilhar Tweet 1



Vítima de um acidente de kart em agosto passado, quando teve o couro cabeludo arrancado, a auxiliar pedagógica Débora Dantas, de 19 anos, diz estar tranquila para fazer o Enem neste domingo (03/11). A reportagem é do Folha de Pernambuco. 

Antes de entrar no local de prova, no bairro do Cordeiro, na Zona Oeste do Recife, a jovem reafirmou o sonho de cursar medicina. "Não vou desistir. Nunca. Eu vou continuar até conseguir", afirmou.

Sem poder estudar nos últimos meses por causa do tratamento, Débora afirma que não tem muitas expectativas em relação ao resultado, mas não deixará de persistir.

"O que vale é a experiência. Não estudei com a frequência que vinha estudando, mas o que importa é não desistir e participar. Quero fazer tranquila o que eu puder, na medida do possível", ressaltou. "Eu estou calma e ano que vem tem mais".

A jovem chegou cerca de dez minutos antes de abrirem os portões, às 12h, acompanhada do noivo, Eduardo Tumajan. Para ela, o tratamento após o acidente reforçou o desejo de ser médica. "No hospital, tinha muita curiosidade, queria saber o que estava acontecendo, cada detalhe. Me fez amar cada vez mais [a profissão]. Hoje eu vejo com outros olhos. Estar no lado do paciente é inspirador", disse. O noivo, Eduardo, conta que chegou a levar alguns livros para o hospital onde ela ficou internada, em Barreiros (SP). "À medida que o tempo foi passando e ela foi recuperando a visão, ela não estudou no máximo de potencial, mas se empenhou bastante. Tem uma força de vontade imensa e é espontânea. Está sempre sorrindo, alegre. O amor só aumenta", comenta.

Comentar
Professores ficaram surpresos · 03/11/2019 - 17h46 | Última atualização em 03/11/2019 - 17h59

Enem 2019 surpreende e tema da redação é sobre acesso ao cinema no Brasil


Compartilhar Tweet 1



O tema da redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2019 é:  "Democratização do acesso ao cinema no Brasil". A reportagem é do R7.

A dissertação faz parte da primeira etapa de provas do exame que ocorre neste domingo (3). Os estudantes têm 5h30 para fazer o texto e ainda responder a 90 questões de linguagens e ciências humanas.

Para o professor de português do QG do Enem, Rodrigo Bezerra, o tema "supreendeu e fugiu completamente ao que imaginávamos", diz. "O tema é bastante específico, o cinema."

O professor destaca que o "acesso a salas de cinema, infelizmente, ainda é restrito no Brasil. Provavelmente a maior dificuldade dos candidatos deve ser a fundamentação do texto, pois, por se tratar de um tema tão específico, devem ter dificuldades para trazerem dados, fatos e vivências que torne o repertório do texto interessante."

A professora de redação do sistema de ensino COC, Juliana Fernandes, diz que sempre espera um tema ligado ao social nas redações. "O tema traz assuntos que a sociedade dá pouco valor, como uma edição do Enem que teve a surdez como tema, queria que as pessoas tivessem um olhar mais cuidadoso para esse assunto."

"O tema foi diferente do que a maioria das pessoas esperava, mas não deve ter oferecido dificuldade para o estudante que está fazendo a prova, " diz Simone Motta, coordenadora de Português do Grupo Etapa. "Tem características sociais como é de praxe, ainda sem a coletânea não dá para fazer um aprofundamento e sugerir argumentos viáveis."

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, havia anunciado que a edição deste ano do Enem não teria debates ideológicos e seria uma prova focada em "conhecimento científicos."

O portal R7 vai transmitir a partir das 18h comentários e correção e divulgará o gabarito extraoficial da prova em parceria com o QG do Enem. Os internautas poderão tirar dúvidas enviando perguntas pelo Facebook do portal. 

Comentar
Bem antes do horário permitido · 03/11/2019 - 17h39

Inep confirma que imagens que circulam nas redes são da prova; veja!


Compartilhar Tweet 1



Fotos da primeira prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) vazaram nas redes sociais antes do horário permitido. A reportagem é do R7.

Por meio de nota, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) informou que "que é real a imagem da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 que circula nas redes sociais". 

O órgão esclareu que a divulgação, que ocorreu após o início da aplicação, não prejudicou o andamento do exame. Todos os participantes já tinham passado pelos procedimentos de segurança e estavam nos locais de prova.

Ainda, segundo a nota do Inep, "os órgãos competentes já foram acionados para identificar a origem e o responsável pela divulgação da imagem".

O edital do Enem prevê que, após entrar no local de prova, o candidato não possa usar celular ou qualquer dispositivo eletrônico. Os portões do local de prova fecharam às 13h e o exame teve início às 13h30. Cerca de 30 minutos depois, a foto com a página da redação já circulava nas redes sociais.


 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



O ministro da Educação, Abraham Weintraub, fez um pronunciamento em rede nacional de televisão e rádio na noite deste sábado (02/11) sobre a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Estão inscritos para o exame cerca de 5 milhões de estudantes em mais de 1,7 mil municípios.

    Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O ministro pediu que os participantes procurem se informar pelos canais oficiais do Ministério da Educação (MEC) e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). “Duvide de informações que são compartilhadas nas redes sociais: podem ser fake news [notícias falsas]”, disse.

Os candidatos farão neste domingo (3) as provas de linguagens, ciências humanas e redação. O Enem continua no dia 10, quando os estudantes farão as provas de ciências da natureza e matemática.

Weintraub passou orientações aos candidatos como levar caneta de tinta preta em material transparente e destacou que, para ter mais segurança, o Enem 2019 terá uma nova regra: qualquer som emitido por aparelhos eletrônicos ocasionará a eliminação do candidato na hora, ainda que o equipamento tenha sido lacrado na embalagem pelo fiscais. A recomendação vale para ligações telefônicas e alarmes, por isso os relógios também devem estar desligados.

O ministro ressaltou que, apesar dos vários fusos horários do país, o importante é seguir o horário oficial de Brasília.

Sobre a vestimenta dos estudantes, o ministro disse que bonés, chapéus e óculos escuros não poderão ser usados. Alimentos serão aceitos nas embalagens originais, mas serão revistados. O candidato deverá apresentar documento oficial original com foto e é recomendado que leve o cartão de confirmação.

Weintraub destacou que esta será a última edição totalmente em papel do exame. Em 2020, a prova digital será testada. “Uma modernidade que trará economia aos cofres públicos. E mais que isso: vai respeitar o dinheiro do pagador de impostos”, disse.

Mais cedo, em publicação no Twitter, o ministro pediu que os candidatos mantenham a tranquilidade.


 


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Cerca de 5,1 milhões de estudantes em todo o país farão domingo (03/11) o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).No Piauí, mais de 120 candidatos irão fazer a prova neste primeiro dia. Os candidatos farão neste domingo as provas de linguagens, ciências humanas e redação. 

    Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Os portões serão abertos às 12h e fecharão às 13h, no horário de Brasília. A prova começará a ser aplicada às 13h30. O término será às 19h. O Ministério da Educação (MEC) divulgou a lista dos horários locais do Enem, de acordo com os diferentes fuso-horários brasileiros.

O local de prova de cada candidato está disponível no no Cartão de Confirmação da Inscrição, que pode ser acessado na Página do Participante e pelo aplicativo do Enem, que pode ser baixado nas plataformas Apple Store e Google Play.

Para fazer o exame, é obrigatório apresentar um documento oficial de identificação, original e com foto. A lista dos documentos aceitos no Enem está disponível na internet. Além disso, é preciso ter uma caneta esferográfica de tinta preta e fabricada em material transparente. Se a prova for respondida com qualquer caneta que não atenda a essas especificações, o candidato será eliminado.

Aqueles que precisam comprovar que fizeram a prova para justificar falta no trabalho, por exemplo, devem imprimir e levar a Declaração de Comparecimento para ser entregue ao aplicador na sala do exame. Esse documento é personalizado e está disponível também na Página do Participante. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) não fornecerá comprovantes após as provas. Além disso, é aconselhável imprimir e levar o Cartão de Confirmação da Inscrição.

Neste ano, há uma novidade, o celular ou outro equipamento eletrônico que tocar ou emitir algum som durante a prova, mesmo estando dentro dentro do envelope lacrado, levará à eliminação do candidato. A recomendação é que as baterias dos celulares sejam retiradas, pois alguns aparelhos tocam o alarme mesmo estando desligados.

Já dentro da sala, cada participante receberá a prova e deverá conferir os dados no cartão de resposta e na folha da redação. A dica é destacar, com muito cuidado, o cartão-resposta e a folha de rascunho do caderno de questões. Eles não poderão ser substituídos se forem danificados.

O Enem continua no próximo domingo (10/11), quando os estudantes farão as provas de ciências da natureza e matemática.

Seduc mobiliza equipe para as provas do Enem

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) está mobilizando todo o seu quadro de servidores para o Dia E de aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As provas acontecerão nos dias 3 e 10 de novembro, em 32 municípios do Estado do Piauí.

A diretora da Unidade de Mediação Tecnológica da Seduc, Viviane Carvalhedo, afirmou que o governo do Estado vem apoiando e incentivando a realização de revisões como o propósito de ampliar o conhecimento dos alunos. “A expectativa é que os estudantes tenham um melhor desempenho nas provas e que possam ingressar nas faculdades ou universidades brasileiras e até de Portugal, onde o governo português aceita as notas do Enem em diversas entidades de ensino superior”, declara a diretora.

A Seduc tem se empenhado para melhor atender os alunos. No dia da prova, várias equipes acompanharão os estudantes da rede estadual nos seguintes postos de aplicação dos Exames; Faculdade UniNassau (Redenção Sul, em frente ao HUT); Faculdade Santo Agostinho, anexo 2 (Av. Valter Alencar); Ceut (ao lado do Atlantic City), Aespi (Av. João XXIII, ao lado do Cemitério São Judas Tadeu), Uespi Norte.

Para garantir o acesso aos locais da prova, a Secretaria de Educação entregou o Passe Livre para 5 mil estudantes de Teresina que prestarão o exame. Os cartões foram entregues, com quatro passagens cada, para os estudantes da 3ª série do Ensino Médio e da 7ª etapa da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Motivação
Os alunos se sentem preparados. Foram 33 revisões em Teresina e interior do Piauí, auxiliando-os a estudarem os conteúdos das disciplinas cobradas no exame e também motivando. A maratona foi concluída com o Corujão da Vitória, com 10 horas de conteúdo e a cobertura completa dos principais itens que são cobrados no Enem

Recomendações – Entre as recomendações indicadas aos candidatos está a atenção ao que diz o edital. “É importante aos candidatos ler integralmente o edital e atentar para questões como, por exemplo, o uso obrigatório de caneta esferográfica de tinta preta e fabricada com material transparente na ocasião da prova. É necessário também atentar para a documentação que deve ser apresentada no dia da prova, preferencialmente, o RG original”, disse Carvalhedo.

O candidato que tiver dúvidas quanto à localização do local que fará o exame, poderá obter informações em qualquer unidade de ensino da rede. “Em todas as unidades da Seduc é possível obter instruções. Basta procurar a escola mais perto e pedir informações”, salientou.

A alimentação correta para evitar desgaste físico por conta da duração da prova e a preocupação em chegar com antecedência ao local determinado também são dicas fundamentais. “Devido à longa duração da prova, recomenda-se que os candidatos alimentem-se corretamente antes da realização do exame. Para evitar possíveis transtornos, indicamos, também, a chegada com pelo menos uma hora de antecedência ao local designado para a avaliação”, concluiu diretora da Unidade de Mediação Tecnológica da Seduc, Viviane Carvalhedo.


Fonte: Com informações da Agência Brasil e da Seduc
Comentar
Último dia para a prova · 02/11/2019 - 09h56

Enem 2019: importante saber como funciona o sistema de correção


Compartilhar Tweet 1



Chutar apenas em último caso e só nas questões difíceis e resolver primeiro as questões fáceis das provas. Essas são algumas dicas de especialistas para melhorar o desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O exame começa a ser aplicado neste domingo (3), em mais de 1,7 mil municípios. Cerca de 5,1 milhões de estudantes estão inscritos.

“Chutar ou não chutar é uma questão complexa em se tratando de TRI [teoria de resposta ao item]”, diz o professor de física do curso online Descomplica, Rafael Vilaça. “Se uma questão é fácil, é esperado que aluno saiba fazer. Se ele chuta uma questão fácil, isso é mal interpretado pelo sistema. A meu ver, é mais tranquilo chutar uma questão difícil”, explica.

Para ir bem na prova, é preciso conhecer o sistema de correção do exame. No Enem, não há um valor fixo para cada questão. A pontuação varia conforme o percentual de acertos e erros naquele item entre os participantes e, também, de acordo com o desempenho de cada estudante na própria prova. A correção segue chamada teoria de resposta ao item (TRI).

“A TRI leva três aspectos em consideração: o conhecimento do candidato; o nível da questão em si, se é fácil, médio ou difícil; e, a aleatoriedade, ou seja, o chute”, diz Vilaça.

Se a questão tiver um grande número de acertos entre os candidatos, ela será considerada fácil e, por essa razão, valerá menos pontos. Por outro lado, o estudante que acertar um item com alto índice de erros, poderá ganhar mais pontos por ele.

O sistema de correção permite ainda detectar chutes, pois avalia o comportamento de cada candidato na prova. A TRI pressupõe que um candidato com um certo nível de proficiência tende a acertar os itens de nível de dificuldade menor que o de sua proficiência e errar aqueles com nível de dificuldade maior. É muito comum dois participantes acertarem o mesmo número de itens, mas terem médias finais diferentes no Enem.

Na TRI é importante, portanto, que o estudante resolva as questões fáceis, pois, parecerá ao sistema que ele está chutando se acertar apenas questões difíceis. “Se errar as fáceis e acertar as difíceis, a nota é menor”, diz o diretor pedagógico do Curso Anglo, de São Paulo, Renan Miranda.

“Se ficou na dúvida, pule a questão e volte depois. Não se desgaste. Tenha um tipo de marcação para as questões que vai pular, mas assinale alternativas em todas as questões. Não deixe nenhuma em branco”, orienta Miranda.

Uma dica, segundo ele, é ler com atenção os enunciados da prova. “No tipo de prova do Enem, mesmo não sabendo a resposta, uma boa leitura do enunciado e das alternativas, no mínimo, vai ajudar a eliminar umas duas alternativas, e a chance de acerto será maior. Mesmo o chute, precisa de raciocínio”, afirma.

Neste domingo (3), os participantes farão as provas de redação, linguagens e ciências humanas. O Enem continua no próximo domingo (10), quando serão aplicadas as provas de ciências da natureza e matemática. A TRI é usada na correção de todas as provas, com exceção da redação. Ao todo, os estudantes responderão a 45 questões de múltipla escolha em cada uma delas.

Atenção!

Os portões abrirão às 12h e fecharão às 13h, no horário de Brasília. A prova começará a ser aplicada às 13h30 e terminará às 19h. O Ministério da Educação (MEC), divulgou a lista dos horários locais do Enem, de acordo com os fusos horários do país.

O local de prova de cada candidato está disponível no Cartão de Confirmação da Inscrição, que pode ser acessado na Página do Participante e pelo aplicativo do Enem, que pode ser baixado nas plataformas Apple Store e Google Play.

Para fazer o exame, é obrigatório apresentar um documento oficial de identificação, original e com foto. A lista dos documentos aceitos no Enem está disponível na internet. Além disso, é preciso ter uma caneta esferográfica de tinta preta e fabricada em material transparente. Se a prova for respondida com qualquer caneta que não atenda essas especificações, o candidato será eliminado.

Aqueles que precisam comprovar que fizeram a prova para justificar falta no trabalho, por exemplo, devem imprimir e levar a Declaração de Comparecimento para ser entregue ao aplicador na sala do exame. Esse documento é personalizado e está disponível também na Página do Participante. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) não fornecerá comprovantes após as provas. Além disso, é aconselhável imprimir e levar o Cartão de Confirmação da Inscrição.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Provas dias 03 e 10/11 · 31/10/2019 - 11h40 | Última atualização em 31/10/2019 - 11h53

Após hit de maranhense, Inep alerta que caneta azul não pode no Enem 2019


Compartilhar Tweet 1



De forma descontraída, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) aproveitou o hit 'Caneta Azul' para fazer alerta aos estudantes que vão realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que acontece nos dias 3 e 10 de novembro. 

O Inep parafraseou “Caneta azul, azul caneta, caneta azul tá marcada com minha letra”, de Manoel Gomes, para “caneta preta, preta caneta, caneta preta para marcar qual é a letra”, já que a prova só pode ser feita com a esferográfica de tinta preta, fabricada em material transparente.

    Divulgação

As informações sobre local, sala e horário de prova são disponibilizadas aos estudantes no Cartão de Inscrição do Enem.

Os inscritos terão cinco horas e meia para fazer a prova no dia 3 de novembro. Já no segundo dia, 10 de novembro, o tempo será de cinco horas.

 

Comentar
Programa Educa Mais Brasil · 30/10/2019 - 08h20

Google disponibiliza duas mil bolsas de estudo


Compartilhar Tweet 1



O Google está ofertando um Certificado Profissional para Suporte de TI. O curso é online e foi traduzido para o português. Ao todo, serão disponibilizadas duas mil bolsas de estudos, em parceria com o Coursera - empresa de tecnologia educacional norte-americana. As inscrições podem ser feitas até o final de novembro pelo site do Google. As informações da Folha PE.

O programa gratuito dará prioridade a grupos carentes em todo Brasil. Por esse motivo, a seleção vai avaliar as condições sociais dos participantes, o interesse na área e a disponibilidade de realização do mesmo. Não é preciso ter treinamento ou experiência anterior na área para participar.

Para quem não conseguir por meio das bolsas, o curso também estará disponível pelo valor de 19 dólares - equivalente a R$76. Uma curiosidade é que o programa foi lançado inicialmente por 39 dólares. Ao final do curso, os participantes poderão concorrer a vagas em empresas como Coca-Cola, Cognizant, Localiza, Telhanorte, Rappi e o próprio Google.

Uma outra forma de ingressar no universo da TI é contando com a ajuda do Educa Mais Brasil. O programa atua em todo o país e já beneficiou 1 milhão de estudantes. É possível conseguir bolsas de estudo para várias modalidades de ensino, inclusive, em um curso de Tecnologia da Informação. Acesse o site do programa e confira todas as possibilidades.

Comentar
5,1 milhões de inscritos · 26/10/2019 - 10h25 | Última atualização em 26/10/2019 - 10h52

Presidente do Inep diz que está tudo pronto para o Enem 2019


Compartilhar Tweet 1



    José Cruz/Agência Brasil

A uma semana da primeira prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, que será aplicado nos dias 3 e 10 de novembro, a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) conversou com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, sobre os preparativos do exame. 

Segundo Lopes, as provas já foram todas distribuídas e estão prontas para serem aplicadas aos cerca de 5,1 milhões de participantes inscritos na edição deste ano. “Nós estamos muito tranquilos, está tudo ocorrendo como planejado”, diz. 

Para os estudantes, o presidente recomendou descanso e revisão do conteúdo para que cheguem preparados na hora da prova. Sobre o conteúdo, ele afirmou que não há grande mudanças em relação aos exames anteriores. “Utilizamos questões que já estavam no banco de itens, então, não há nenhum tipo de direcionamento na prova. A prova é normal, como nos anos anteriores, só evitando polêmicas”. 

Leia abaixo a entrevista na íntegra: 

EBC: Como está sendo o trabalho do Inep nesta reta final?
Alexandre Lopes: Agora a gente está cuidando para que tudo ocorra tranquilamente. As provas já foram distribuídas. A gente, agora, tem entrado em contato com os aplicadores para garantir que tudo esteja ocorrendo normalmente. A gente está verificando os locais onde serão aplicadas as provas e tem mantido conversa permanente com aplicadores para ter a tranquilidade no dia da aplicação.

EBC: Então, quer dizer que as provas já estão todas entregues? 
Alexandre Lopes: Sim, as provas já foram interiorizadas [deixaram a gráfica onde foram impressas e foram enviadas a entrepostos mais próximos aos locais de aplicação]. Chegando mais próximo ao exame, elas serão entregues nos armazéns dos Correios, nos depósitos dos Correios, que vão fazer a entrega no dia da prova.

EBC: Como está a preparação logística para a aplicação das provas? 
Alexandre Lopes: O transporte das provas é escoltado ou pela Polícia Rodoviária Federal ou pela Polícia Rodoviária Estadual, Polícias Militares, então, todas as provas são transportadas pelos Correios e são escoltadas. Além disso, tem o trabalho de inteligência da Polícia Federal, que ocorre ao longo do ano inteiro. [A PF] faz trabalho de inteligência para identificar possíveis fraudadores. E, no dia da aplicação, nós contamos com as forças de segurança. As Polícias Militares fazem a segurança dos locais de aplicação de prova e temos plantão da PF, de cerca de 600 agentes e delegados, que vão estar trabalhando nos dias de prova. São cerca de 400 mil pessoas trabalhando só nos dias de exame. 


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Cooperativas Educacionais · 25/10/2019 - 09h53

Seminário em Teresina reúne especialistas em educação do país


Compartilhar Tweet 1



O Sistema OCB/SESCOOP-PI realiza no dia 26 de outubro, no Gran Hotel Arrey, em Teresina, o Seminário de Cooperativas Educacionais do Piauí. O evento vai  reunir cooperados de várias localidades do Piauí que irão participar de palestras com renomados profissionais da educação no país que vêm de São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

“Nosso objetivo é fazer com que o conhecimento sobre o cooperativismo educacional seja ainda mais abrangente”, disse o superintendente do SESCOOP/PI, Arimatéa Costa da Silva.

A programação começa a partir das 7h50 com abertura do presidente do SESCOOP/PI, Leonardo Eulálio, que vai falar sobre o cooperativismo no Piauí. Às 8h, os trabalhos começam com a palestra: “Marketing Educacional: como manter e conquistar alunos”, com  Maurício Costa Berbel, da Alabama Consultoria Educacional, de São Paulo (SP).

Às 9h, Eduardo Lima Queiroz, do Sistema OCB em Brasília (DF) dá continuidade às palestras e apresenta o tema: “O cenário atual e o futuro do cooperativismo”.  Logo após, às 10h20, as palestras seguem com: “Compartilhando experiências (Cooperativas Escolares do Rio Grande do Sul) proferida por Ubiracy Ávila.

No período da tarde, a programação continua a partir das 13h30 com o tema: “A BNCC na prática: Desafios e Possibilidades”, com Júlio César Furtado, do Rio de Janeiro (RJ). Às 15h30 será aberto espaço para debate e esclarecimento de dúvidas.

A partir das 15h45 a consultora de Teresina, Tereza Sothero vai falar sobre: “O Novo Ensino Médio”. O evento encerra às 17h30. 


Perfil dos palestrantes

Tema da palestra: “Marketing Educacional – Como manter e conquistar novos alunos”

Maurício Costa Berbel: Possui graduação em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo (1994) e mestrado em Administração pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é Professor convidado da Universidade Presbiteriana Mackenzie e Sócio-diretor da Alabama Consultoria Educacional e Editora Ltda. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Empresas. Atuando principalmente nos seguintes temas: Marketing, Segmentação, Posicionamento.

Tema da palestra: “Compartilhando experiências”

Ubiracy Barbosa Ávila – Palestrante com foco em comportamento e motivação. Nos últimos anos suas palestras reúnem numerosas plateias com os públicos: Femininos e jovens cooperativistas. Mestranda em Gestão Internacional de Cooperativas. Atuante no Sescoop-RS. Natural de Tapes – Rio Grande do Sul.

Tema palestra: “A BNCC na prática: Desafios e Possibilidades”

Júlio César Furtado: Graduado em Geografia, Pedagogia. Pós-graduado em Orientação Educacional, Gestalt-terapia e Dinâmica de grupo. Especialista em PNL (Programação Neurolinguística). Diplomado em Psicopedagogia pela Universidade de Havana, Cuba. Mestre em Educação pela UFRJ. Doutor em Ciências da Educação. Professor Universitário (Graduação e Pós-Graduação). Ex-reitor Universitário.

Tema da palestra: “O Novo Ensino Médio”

Tereza Sothero: Professora, Especialista em Coordenação Pedagógica, Curriculum Escolar e Avaliação Pedagógica.

Tema a palestra: “O cenário atual e o futuro do cooperativismo”

Eduardo Lima Queiroz é cientista político formado pela Universidade de Brasília (UnB), com especializações nas áreas de assessoria parlamentar, relações governamentais e políticas públicas. Faz parte da equipe da Gerência de Relações Institucionais da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), sendo responsável por implementar estratégias para fortalecer o movimento cooperativista perante os Poderes Legislativo e Executivo.


Fonte: AsCom
Comentar
Troca de experiências · 19/10/2019 - 09h25 | Última atualização em 19/10/2019 - 10h29

Piauí é destaque no Encontro de Escolas de Governo do Nordeste


Compartilhar Tweet 1



O Piauí foi um dos quatro estados convidados a apresentar resultados de experiências positivas no I Encontro de Escolas de Governo do Nordeste. O evento aconteceu em Recife, nessa quinta-feira (17/10), com a presença de representantes de toda a região.

A diretora da Escola de Governo do Piauí (Egepi), Emanuelle Marreiros, destacou as ações do Programa Bem-Estar do Servidor, que trabalha pela motivação e qualidade de vida dos servidores piauienses. "Foi um encontro muito positivo, onde pudemos trocar experiências, responder as perguntas e apresentar nosso trabalho às demais escolas de governo", frisou Emanuelle.

Organizado pelo Centro de Formação dos Servidores do Estado de Pernambuco (Cefospe), o encontro serviu para o compartilhamento de ações e debates a respeito de práticas inovadoras. A ocasião também abriu oportunidade para a discussão de temas como os desafios da educação corporativa inserida na gestão estratégica de pessoas e a interiorização do conhecimento através do ensino à distância.


Fonte: Governo de Estado
Comentar
Metade para a pós-graduação · 17/10/2019 - 17h12 | Última atualização em 17/10/2019 - 18h02

Câmara aprova mais R$ 600 milhões para a Capes em 2020


Compartilhar Tweet 1



A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados aprovou mais R$ 600 milhões para o orçamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em 2020. O dinheiro vai assegurar 135 mil vagas para os programas de formação de professores da autarquia vinculada ao Ministério da Educação (MEC), bem como a criação de 6 mil bolsas de pós-graduação e pesquisa.

Duas emendas foram analisadas durante a sessão desta quarta-feira, 16 de outubro. A primeira, proposta pelo MEC, é voltada para a educação básica, no valor de R$ 300 milhões. A iniciativa viabiliza a manutenção de todos os editais dos programas:

  • de Mestrado Profissional para Qualificação de Professores da Rede Pública de Educação Básica (ProEB);
  • Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid); • Residência Pedagógica;
  • Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor), além da criação de novos programas.

Segundo o presidente da Capes, Anderson Correia, as emendas trazem tranquilidade para o orçamento em 2020. “Estaremos muito bem no próximo ano, atendendo a todos os bolsistas, programas e lançando novas iniciativas”, disse.

A segunda proposta garante mais R$ 300 milhões para a pós-graduação. A emenda vai assegurar novas bolsas de pesquisa, sendo 2 mil de mestrado, 3,5 mil de doutorado e 500 de pós-doutorado no Brasil e no exterior.

As duas emendas seguem agora para a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) do Congresso Nacional, composta por deputados e senadores.


Fonte: AsCom/MEC
Comentar
Construções em andamento · 17/10/2019 - 07h00

MEC vai liberar mais R$ 43 milhões para 96 obras em universidades


Compartilhar Tweet 1



As instituições federais de ensino superior vão receber R$ 43 milhões para investimento em 96 construções em andamento, segundo informou nessa quarta-feira (16/10) o Ministério da Educação (MEC). Em 54 obras com mais de 75% de execução serão utilizados R$ 14,3 milhões e o restante vai para 42 intervenções já iniciadas, mas com percentual menor de andamento.

Segundo o secretário de Educação Superior do MEC, Arnaldo Lima, a pasta está em constante diálogo com os reitores e “o objetivo é potencializar as obras que beneficiem os estudantes e sejam fontes potenciais de recursos”. O MEC já havia empenhado R$ 82 milhões para investimento nas universidades neste ano.

As principais obras incluem o Complexo de Saúde da Universidade Federal de Lavras (UFLA), em Minas Gerais, o Núcleo Integrado de Pesquisas e Inovação Tecnológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e o Instituto de Ciências Básicas da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Dois alunos de Floriano/PI, ambos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí – Campus Floriano, representam o seu estado na 34ª Mostratec – Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia, que ocorrerá em Novo Hamburgo-RS, no Centro de Eventos da FENAC, de 22 a 24 de outubro de 2019, das 13h30 às 21h, com entrada franca. O evento, considerado o maior do gênero na América Latina, terá representantes de 20 países e de todos os estados brasileiros. A Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha, organizadora do evento, estima receber mais de 30 mil visitantes nos três dias do evento.

O aluno Elias dos Santos Pereira Júnior, visando contribuir na melhoria das condições de mobilidade urbana dos deficientes físicos e visuais, desenvolveu um protótipo através da solicitação de ônibus pela comunicação entre a parada e o ônibus desejado, sem a necessidade do auxílio de terceiros, proporcionando aos deficientes físicos e visuais a capacidade de utilizar o transporte coletivo de forma autônoma e segura, garantindo assim o direito dessas pessoas enquanto cidadãs. Já a aluna Wendy Emanuelle Oliveira Silva desenvolveu um indicador ácido-base com substrato de papel reciclado e folhas de dracena (cordyline fruticosa) para ser utilizado no ensino de química. O projeto justifica-se pela utilização de papel reciclado juntamente com a planta selecionada contribuindo para a preservação do meio ambiente e também para o uso de papel indicador de pH em escolas. Os dois alunos são do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí – Campus Floriano.

A Mostratec reúne jovens cientistas de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal. Nesta edição da feira serão apresentados 755 projetos divididos entre 420 na Mostratec com estudantes do Ensino Médio e Técnico e 335 na Mostratec Júnior, divididos em alunos do Ensino Fundamental com 263 projetos e da Educação Infantil com 72 projetos. Além do Brasil, participam estudantes de 20 países: Argentina, Bielorrússia, Bósnia e Herzegovina, Cazaquistão, Chile, China, Colômbia, Equador, Espanha, Estados Unidos, Itália, México, Paraguai, Peru, Portugal, Rússia, Taiwan, Tunísia, Turquia e Ucrânia. Paralelamente, o Seminário Internacional de Educação Tecnológica (Siet), os Jogos Mostratec, a Corrida Mostratec – Feevale – Sesc e o Festival Maker e Mostratec de Robótica.

Os Prêmios e Incentivos Educacionais estão sendo oferecidos por 36 organizações, estimados em mais de R$ 1 milhão. Entre as instituições que darão prêmios estão: APM, Assembleia Legislativa/RS, Broadcom, Corsan, Prefeitura de NH, Sintec/RS, Killing, SKA, Executive, Vilage, Abric, IBTeC, Câmara Municipal de Novo Hamburgo, Orisol, Feevale, Unisinos, Faccat, Univates, Ulbra, UniRitter, Universidade La Salle, QI, Cursão do Fabão, 20th English, Wizard, FioCruz, SAP, Calçados Conforto, Conselho Regional do Técnicos Industriais, Conselho Federal dos Técnicos Industriais, Marinha do Brasil e Menção Honrosa Unesco.


Fonte: AsCom
Comentar
O valor ainda pode mudar · 10/10/2019 - 13h31 | Última atualização em 10/10/2019 - 15h08

Enem deverá custar R$ 105, 52 por participante, estima Inep


Compartilhar Tweet 1



O Exame Nacional do Ensino Médio 2019 (Enem 2019) deverá custar aproximadamente R$ 537,7 milhões, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o que equivale a R$ 105,52 por participante. A expectativa é que os gastos fiquem ligeiramente abaixo do exame do ano passado, que, segundo o Inep, custou R$ 106,13 por estudante, totalizando R$ 589,8 milhões. O valor corresponde aos gastos desde a elaboração do exame até a impressão, distribuição e correção das provas.

Dos R$ 537,7 mulhões, segundo a autarquia, R$ 179,7 milhões, o equivalente a cerca de um terço, vem do pagamento das inscrições. O restante é pago pela governo. As inscrições custaram R$ 85 a cada participantes. Cerca de 2,1 milhões de estudantes pagaram a taxa. Os demais tiveram isenção por atenderem aos critérios estabelecidos pelo Inep.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, diz que custo do Enem ainda pode mudar
O presidente do Inep, Alexandre Lopes, diz que custo do Enem ainda pode mudar    Arquivo/Agência Brasil

Segundo o presidente do Inep, Alexandre Ribeiro Lopes, o valor ainda pode mudar. “Em função da abstenção, pode até baixar. Mas pode acontecer [de aumentar], se tivermos que fazer um número de reaplicações maior que o normal, teremos que imprimir mais provas”, explicou. Estudantes que forem impedidos de fazer a prova por conta de problemas como falta de luz, alagamentos, entre outros, têm direito à reaplicação do exame.

Ao todo, cerca de 5,1 milhões de estudantes estão inscritos no Enem deste ano, que será aplicado nos dias 3 e 10 de novembro. As notas do Enem podem ser usadas para participar do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece vagas em instituições públicas de ensino superior, para concorrer a bolsas de estudo pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e a financiamentos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Enem digital

O governo aposta no Enem digital, que começará a ser testado em 2020, para redução dos custos de aplicação da prova. Este ano será o último de aplicação do Enem exclusivamente impresso.

De acordo com Lopes, o Enem digital poderá reduzir o número de estudantes que se inscrevem e faltam à prova. Segundo ele, muitas das abstenções são de estudantes que fazem a prova em locais distantes de onde moram.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



O comitê gestor das escolas de tempo integral da Prefeitura de Teresina apresentou, nesta terça-feira (8), os resultados da terceira Prova Teresina e uma análise dos simulados 11 ao 17. Os encontros são para uma avaliação conjunta do desempenho dos alunos a partir da política de carga horária estendida.

A Rede Municipal de Ensino conta atualmente com 16 unidades de ensino, que funcionam em jornada de tempo integral. Além das disciplinas comuns como geografia e ciências, os estudantes assistem aulas de xadrez, teatro, dança e outros conteúdos diferenciados. O desempenho desses alunos é discutido em encontros entre diretores e técnicos da Secretaria Municipal de Educação (Semec).

Os diretores apresentaram os resultados conquistados até agora. A poucos dias da prova do Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), o foco está nos resultados de língua portuguesa e matemática, das turmas de 5º e 9º ano do ensino fundamental.

 


Fonte: Semcom
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Faltam apenas sete dias para a aplicação das provas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2019, uma das principais ferramentas de diagnóstico da educação no Brasil. Teresina, que tem os melhores resultados entre todas as capitais do país, trabalha em ritmo intenso para garantir um desempenho ainda melhor este ano. São 11.345 alunos do 5º e 9º ano do ensino fundamental da rede municipal participando da avaliação.

No Centro de Formação Professor Odilon Nunes, os diretores dessas turmas e técnicos da Secretaria Municipal de Educação se reúnem para socializar os resultados e avanços dos alunos em relação às disciplinas de língua portuguesa e matemática. Os encontros, que acontecem desde o início do ano, são para análise de resultados e planejamento das intervenções que farão as escolas alcançarem melhores resultados em relação ao aprendizado dos alunos.

Durante a reunião com os gestores, a secretária executiva da SEMEC, Irene Lustosa, destacou sobre os resultados positivos e enfatizou sobre os avanços, fazendo um comparativo entre os resultados atuais e os meses anteriores. O comparativo ajuda a perceber quais alunos precisam de uma força a mais para melhorar o rendimento. “Queremos todos os alunos preparados para seguir para o próximo ano sem dificuldade nos conteúdos que estão estudando agora. Para isso, estamos dando todo o suporte necessário, como aulas de reforço, formação dos professores, monitoramento e avaliação. As escolas têm sido parceiras nesse trabalho”, conta.

 


Fonte: Semcom
Comentar