Segundo dados do IBGE · 30/07/2021 - 11h28

Taxa de desemprego fica em 14,6% no trimestre encerrado em maio


Compartilhar Tweet 1



A taxa de desemprego no país ficou em 14,6% no trimestre encerrado em maio deste ano, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (30/07) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice é estável, em termos estatísticos, em relação ao trimestre imediatamente anterior (encerrado em fevereiro deste ano): 14,4%.

De acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, houve uma alta, no entanto, na comparação com o trimestre findo em maio de 2020, quando a taxa era de 12,9%.

A população desocupada no trimestre encerrado em maio deste ano, chegou a 14,8 milhões, ou seja, manteve-se estável em relação ao trimestre anterior mas cresceu 16,4% na comparação com o trimestre encerrado em maio do ano passado (mais 2,1 milhões de desempregados).

A população ocupada (86,7 milhões de pessoas) cresceu 0,9% em comparação com o trimestre anterior (mais 809 mil pessoas empregadas) e ficou estável ante o trimestre encerrado em maio de 2020.

O nível da ocupação, que é o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, chegou a 48,9%, ficando estável frente ao trimestre móvel anterior (48,6%) e caindo ante o trimestre finalizado em maio de 2020 (49,5%).


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Mais de 100 cursos · 30/07/2021 - 09h33 | Última atualização em 30/07/2021 - 17h25

Senai abre 45 mil vagas em cursos pagos e gratuitos; veja como se inscrever!


Compartilhar Tweet 1



O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) abriu, nesta sexta-feira (30/07), 45,3 mil vagas em cursos em todo o Brasil. Há oportunidades gratuitas e pagas. Para se inscrever, é necessário acessar a página do Senai no estado de preferência. As informações são do Metrópoles.

De acordo com a página do Senai, há vagas nos seguintes estados: Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

No Distrito Federal, por exemplo, estão disponíveis 2,3 mil vagas para cursos gratuitos de aperfeiçoamento e qualificação. Do total, 783 vagas são oferecidas pelo programa DF Inova Tech. As outras 1,5 mil oportunidades são pelo programa Senai de Gratuidade Regimental. Inscreva-se no site do Senai-DF.

Em Santa Catarina, estão disponíveis 26,7 mil vagas. São mais de 100 cursos, como Informática Básica, Marker Robótica, Confeiteiro, Padeiro, Produção de Moda, Eletrônica, Mecânica e outros. Para mais informações, acesse o site do Senai de Santa Catarina.

Todas as vagas de cursos oferecidos são divulgadas pelo Senai Nacional ou pelo Senai de cada estado. Para acessar a lista com todas as oportunidades, é só acessar a página Info Vagas do Senai (clique aqui!).

Comentar
Beneficiários com o NIS 0 · 30/07/2021 - 07h32

Caixa conclui pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial


Compartilhar Tweet 1



A Caixa Econômica Federal conclui nesta sexta-feira (30/07) o pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial. Os últimos depósitos serão feitos aos trabalhadores informais nascidos em dezembro e aos beneficiários do Bolsa Família com Número de Inscrição Social (NIS) de final 0.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente, exceto no caso do Bolsa Família, em que o saque pode ser feito imediatamente.

O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família. No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria no último dia 23 e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído hoje.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da quarta parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 19 e segue até hoje. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro com os mesmos valores para as parcelas.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
De janeiro a junho de 2020 · 29/07/2021 - 08h39

Pedidos de seguro-desemprego têm queda de 21% no 1º semestre


Compartilhar Tweet 1



Os pedidos de seguro-desemprego registraram uma queda de 21% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a junho de 2020, período marcado pelo início da pandemia de coronavírus, foram registrados 3,9 milhões de pedidos ante 3,1 milhões nos primeiros seis meses de 2021.  As informações são do R7.

    ARTE/R7

O recorde foi em maio do ano passado, com 960.308, a maior marca da série histórica. Em junho deste ano, foram 483.233, retomando o patamar anterior à pandemia. Os números são divulgados pelo Painel de Informações do Seguro-Desemprego, da Secretaria Esepcial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia. 

A queda pode ser explicada por diversos fatores, que vão desde a elegibilidade para o benefício até a decisão da própria pessoa em dar entrada.

"Mas é importante observar, no entanto, que em 2021 o país vive uma recuperação econômica e gerou empregos em todos os meses até o momento, o que explica, em parte, o menor número de pedidos em relação ao ano passado, em que nos primeiros meses houve perda expressiva de emprego em decorrência do lockdown imposto pela pandemia naquele momento", afirma a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

Impacto da pandemia

Com o impacto da pandemia na economia, as empresas demitiram para reduzir a folha de pagamento. Depois diminuíram a quantidade de demissões e começaram a contratar novamente.

Mesmo com a melhora de índices econômicos, o desemprego se mantém alto com 14,8 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho, de acordo com dados de junho do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os novos índices serão divulgados nesta sexta-feira (30/0).

Já o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia, aponta abertura de 1.233.372 vagas de empregos formais nos primeiros cinco meses deste ano, número decorrente de 7.971.258 admissões e 6.737.886 desligamentos. O volume corresponde a 38,2% mais contratações e 2,5% menos demissões em relação aos mesmos cinco meses iniciais do ano passado. Os dados de junho serão divulgados nesta quinta-feira (29/07).

Incerteza

O economista Rodolfo Tobler, pesquisador do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), destaca que deve ser considerado que no início da pandemia, no ano passado, houve uma incerteza muito grande, não havia muitos benefícios ainda por parte do governo federal e também não se sabia quanto tempo durariam as medidas restritivas. E os primeiros meses de 2020 foram o pior momento no sentido do mercado de trabalho.

"Teve um pico muito grande em abril. Então houve necessidade de isolamento social, ficando um período com muitas restriçõess, o que provocou demissões e expansão muito grande dos pedidos do seguro-desemprego, principalmente porque ainda não existia o programa que permite às empresas cortarem jornada e salário e suspender contratos de trabalho", explica. 

O avanço da vacinação e o fato de as empresas já conseguirem se adaptar à nova situação podem explicar a redução dos pedidos. "Também tem que ser considerado que já teve rodada de demissões e seria difícil ter outra da mesma magnitude", avalia. 

A expectativa, segundo ele, é de recuperação da economia e do mercado de trabalho, mas ainda existe muita incerteza. "A recuperação econômica, a redução do número de mortes por covid e a flexibilização das medidas restritivas parecem contribuir com a melhora do cenário. O avanço da vacinação e o controle da pandemia continuam sendo fundamentais para o processo de retomada", afirma Tobler.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



Trabalhadores informais nascidos em novembro recebem nesta quinta-feira (29/07) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

Também hoje, beneficiários do Bolsa Família com o Número de Inscrição Social (NIS) de dígito final 9 poderão sacar o benefício.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria no último dia 23 e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído amanhã (30). 

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da quarta parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 19 e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



O Ministério da Cidadania suspendeu mais uma vez os procedimentos operacionais e de gestão do Bolsa Família e do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. O objetivo da Portaria Nº 649/2021, publicada nesta quarta-feira (28/07) no Diário Oficial da União, é contribuir com ações de distanciamento social, impedir a difusão do vírus da covid-19 e preservar usuários e trabalhadores da assistência social e da rede de gestão dos programas.

A partir da nova portaria, ficam suspensos por mais 180 dias os processos de averiguação e revisão cadastral e, consequentemente, as repercussões previstas no Bolsa Família, na Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE) e no Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC). Além disso, o texto suspende a aplicação dos efeitos decorrentes do descumprimento das condicionalidades do Bolsa Família (PBF) e as medidas de bloqueio dos benefícios de famílias sem informação de acompanhamento das condicionalidades do programa.

A portaria prevê ainda, enquanto estiver vigente o auxílio emergencial 2021, a suspensão das ações de administração de benefícios do Bolsa Família em âmbito municipal e as alterações cadastrais de famílias beneficiárias para gestão da folha de pagamento do programa, além dos procedimentos para verificação e tratamento dos casos de famílias beneficiárias que apresentem em sua composição doadores de recursos financeiros, prestadores de serviços a campanhas eleitorais, candidatos a cargos eletivos com patrimônio incompatível com as regras do programa ou candidatos eleitos nas Eleições de 2020.

Histórico

Em março de 2020, o Ministério da Cidadania suspendeu, pela primeira vez, por meio da Portaria nº 335 e pelo prazo de 120 dias, os processos do Bolsa Família e do Cadastro Único que pudessem resultar na interrupção dos pagamentos dos benefícios financeiros do PBF e também de outros programas usuários do Cadastro Único, como a TSEE e o BPC. Com o prolongamento da pandemia, a pasta publicou, em julho, a Portaria nº 443, suspendendo os processos por mais 180 dias. Uma nova prorrogação de 90 dias foi estabelecida por meio da Portaria nº 591, em janeiro de 2021.

Como os procedimentos operacionais e de gestão do PBF e do Cadastro Único envolvem visitas domiciliares e o chamamento da população para atendimento presencial pelos municípios pode resultar em aglomerações nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e demais postos de atendimento, a adoção destas medidas foram consideradas imprescindíveis.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Painel criado no site da ANS · 28/07/2021 - 09h02

Plano de saúde: há falha em serviço que mostra reajuste de coletivo


Compartilhar Tweet 1



A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) divulgou nesta terça-feira (27/07) um novo serviço no seu site para o usuário de convênio médico conferir a evolução dos reajustes de planos de saúde coletivos e empresariais. As informações são do R7.

    ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL

A discussão sobre os reajustes dos convênios coletivos e individuais veio à tona após a ANS decidir, no início de julho deste ano, que as mensalidades dos planos individuais sofrerão queda em 2021 de 8,19% a partir de agosto.

Apesar de a iniciativa ser bastante positiva e tentar atender uma reivindicação dos usuários de planos coletivos e empresariais – estima-se que 80% do mercado – o sistema apresenta falhas.

O “Painel de Reajustes de Planos Coletivos”, como é chamado, "usa como métrica de cálculo apenas os índices usados para calcular o reajuste financeiro, excluindo a informação sobre o reajuste aplicado por sinistralidade (frequência de uso do plano de saúde)", segundo Rafael Robba, especialista em direito à saúde do escritório Vilhena Silva Advogados.

Robba fez a análise com exclusividade para o R7 Economize após um pedido da reportagem.

O cálculo que as operadoras fazem para chegar ao índice que é aplicado anualmente nas mensalidades é composto por dois fatores: o reajuste financeiro, também conhecido pelo mercado como inflação da saúde, e a sinistralidade, que é a relação entre o uso do plano de saúde pelos beneficiários e a despesa da operadora com aquele pool de clientes. 

 

Robba pontua que a sinistralidade é o principal fator de elevação no reajuste das mensalidades e justamente esse percentual foi excluído da métrica da ANS.

Para ele, a decisão de não informar o percentual de sinistralidade aplicado pelas operadoras evidencia problemas como falta de transparência, de fiscalização e de controle por parte da ANS. 

O advogado também chama a atenção para as estatísticas informadas pela autarquia em relação aos reajustes, o que pode causar ainda mais questionamentos quanto à falta de critérios.

"Há uma discrepância, por exemplo, no reajuste financeiro aplicado para os contratos com 30 vidas ou mais e com até 29 vidas. O reajuste financeiro, ou seja, a inflação, tem que ser a mesma para todos. Por que essa diferenciação?"

Consultas podem ser feitas de forma agrupada ou por operadora

Ao divulgar a criação do painel, a ANS o classificou como dinâmico e interativo por permitir a realização de pesquisas em vários formatos com base nas informações e filtros disponíveis.

De acordo com a ANS, as consultas podem ser feitas de forma agrupada ou individualizada por operadora.

Também é possível selecionar:

• Por mês e ano;
• Tipo de contratação (empresarial, adesão ou ambos);
• Porte do contrato ou da operadora; e
• Modalidade da operadora (autogestão, cooperativas médicas, filantropia, medicina de grupo e seguradoras).

Estão disponíveis dados de janeiro de 2016 a maio de 2021 dos reajustes aplicados aos contratos coletivos em vigor no mercado brasileiro que apresentam formação de preço preestabelecida, ou seja, com valor pré-fixado da mensalidade.

Em sua divulgação a ANS também destacou que o painel fornece várias medidas sobre as tendências centrais observadas no setor nesse período.

Entre elas, o reajuste médio que reflete a média ponderada dos reajustes levando em consideração o número de beneficiários de cada contrato.

O Painel de Reajustes de Planos Coletivos neste link.

Revisão de metodologia veio após auditoria do TCU

Em dezembro de 2018, após sofrer uma auditoria do TCU Tribunal de Contas da União, e ser alvo de uma ação civil pública, a ANS decidiu rever o método de cálculo para apuração dos índices de reajustes dos planos individuais e familiares, adotando critérios mais transparentes.

Comentar
De R$ 150 a R$ 375 · 28/07/2021 - 07h07

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em outubro


Compartilhar Tweet 1



Trabalhadores informais nascidos em outubro recebem nesta quarta-feira (28/07) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício tem parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

Também hoje, beneficiários do Bolsa Família com o Número de Inscrição Social (NIS) de dígito final 8 poderão sacar o benefício.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria hoje e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído na sexta-feira (30).

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 19 e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Cerca de 170 mil segurados da Previdência Social que recebem benefícios por incapacidade temporária – o antigo auxílio-doença – devem ficar atentos para agendar nova perícia médica. Os prazos para fazer o agendamento começam a expirar em agosto. Quem não tomar a providência corre o risco de ter o pagamento suspenso.

Desde 30 de junho, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começou a enviar cartas para segurados que não realizam perícia médica há mais de seis meses. Quem recebe a convocação tem 30 dias, a contar da data de recebimento notificada pelos Correios, para agendar o procedimento.

O INSS poderá também convocar as revisões utilizando a rede bancária, considerando o órgão pagador do benefício, quando esse tipo de notificação for disponível. Estão previstas ainda as convocações por meio eletrônico ou edital em Diário Oficial.

A revisão em benefícios por incapacidade temporária segue até dezembro, quando todas as convocações já devem ter sido expedidas. As revisões serão realizadas por peritos médicos federais em horários extraordinários.

Segundo o INSS, das 724 agências da Previdência que possuem serviço de perícia médica 619 estão funcionando e 2.549 peritos médicos estão com as agendas abertas para atendimento. O tempo médio entre o agendamento e a realização da perícia médica está em 39 dias.

Revisão administrativa

Em outra frente, o INSS leva adiante também as revisões administrativas de benefícios, que são feitas com regularidade. Na atual etapa, a previsão é que 1,7 milhão de segurados recebam a convocação para regularizar alguma pendência de documentação identificada pelo INSS.

Desde setembro do ano passado, foram enviadas 732.586 cartas para revisão administrativa de benefícios com pendências documentais identificadas pelo INSS.

Quem recebe o aviso de revisão administrativa tem o prazo de 60 dias para regularizar a documentação solicitada e manter o pagamento regular do benefício. O INSS incentiva que o envio de documentos seja realizado por meio do Meu INSS (site ou aplicativo), no campo Atualização de Dados de Benefício.

É possível fazer a regularização também presencialmente. Para isso, o segurado deve ligar para o telefone 135 e escolher a opção Entrega de Documentos por Convocação e agendar atendimento na agência do INSS mais próxima de sua residência.

O INSS alerta que, em qualquer caso, as convocações são feitas somente pelos Correios, motivo pelo qual o segurado deve sempre manter seu endereço atualizado junto à Previdência Social.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Em situação de pobreza · 27/07/2021 - 08h31 | Última atualização em 27/07/2021 - 14h08

Saiba como atualizar o Cadastro Único para receber benefícios


Compartilhar Tweet 1



O Cadastro Único (CadÚnico) é um conjunto de informações sobre as famílias brasileiras em situação de pobreza e extrema pobreza.

    ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL

Essas informações são utilizadas pelo Governo Federal, pelos Estados e pelos municípios para implementação de políticas públicas capazes de promover a melhoria da vida dessas famílias.

Diversos programas sociais utilizam os dados do CadÚnico como Bolsa Família, auxílio emergencial, desconto na tarifa de luz, do governo federal, ou como o vale-gás e São Paulo Acolhe (programas do Estado de São Paulo de distribuição de renda).

Quem pode se cadastrar no CadÚnico?

Famílias ou pessoas que moram sozinhas podem se cadastrar se:

- somando o salário de todas as pessoas da família e dividindo pelo número de membros da família, o valor for de até R$ 550 (metade do salário mínimo) por mês; ou

- a soma dos salários de todas as pessoas da família for de até R$ 3.300 (três vezes o salário mínimo); ou

- estiverem em situação de rua, seja uma pessoa sozinha em situação de rua ou uma família em situação de rua; ou

Pode ser que você não esteja em nenhuma dessas situações, mas precise fazer seu cadastro para receber um serviço que exija isso. Se esse for seu caso, poderá se cadastrar também.

Quais são as informações constantes do CadÚnico?
No CadÚnico são registradas informações como: características do domicílio, identificação de cada pessoa, escolaridade, situação de trabalho e renda, entre outras.

COMO ATUALIZAR O CADASTRO ÚNICO?

A atualização cadastral é realizada de forma contínua e se trata de um passo importante para assegurar a qualidade dos dados e garantir que as informações registradas na base do Cadastro Único estejam sempre de acordo com a realidade das famílias, informa o Ministério da Cidadania.

Quando deve ser feita a atualização do CadÚnico?

A atualização deve ser feita sempre que houver alteração nas informações específicas da família, como composição familiar, endereço, renda, documentação do responsável familiar e série escolar, em caso de mudança de escola das crianças/adolescentes.

Deve ser feita ainda no prazo máximo de 24 meses (2 anos) contados da data da última entrevista.

E se houver uma mudança antes deste prazo de 2 anos, como separação ou nascimento de filhos, filho que forma uma nova família, etc, ou uma mudança de renda (como alguém ficar desempregado). Neste caso, como atualizar?

DÚVIDA DE DIVERSOS INTERNAUTAS

Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo, sempre que houver novidades, o responsável familiar precisa informar as alterações junto ao CRAS (Centro de Referência da Assistência Social). A partir de então, o entrevistador fará uma nova entrevista validando/alterando os dados declarados e mantendo o cadastro atualizado.

A entrevista é presencial mesmo com a pandemia?

Por meio da portaria 368 de 29/04/2020, o Ministério da Cidadania autorizou o atendimento remoto para cadastramento ou atualização do CadÚnico devido à pandemia da covid-19. Porém, muitos municípios estão realizando atendimentos presenciais, por meio de agendamento, para evitar aglomerações.

A organização dessa atualização é responsabilidade do município.

O que pode acontecer com a família que está com as informações desatualizadas há mais de dois anos?

A família pode perder os benefícios sociais que recebe, por exemplo, o Bolsa Família.


Fonte: Portal gov.br
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Trabalhadores informais nascidos em setembro recebem nesta terça-feira (27/07) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

Também hoje, beneficiários do Bolsa Família com o Número de Inscrição Social (NIS) de dígito final 7 poderão sacar o benefício.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria hoje e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído em 30 de julho.

Ao todo, 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 19 e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Corresponde a 7,39 milhões · 26/07/2021 - 15h37

Mais de 50% das transações bancárias em 2020 aconteceram pelo celular


Compartilhar Tweet 1



O acesso à internet por meio de celulares aumentou cerca de 3,26% durante o ano de 2020, o que, de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), corresponde a 7,39 milhões de novos acessos, comparando os meses de dezembro de 2019 e 2020.

O número de acessos para transações bancárias por aparelhos móveis também seguiu a proporção. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), foram registrados mais de 50% das operações realizadas especificamente por celulares no comparativo dos dois últimos anos. Desta forma, especialistas alertam para os cuidados com a segurança dos dados e com o orçamento mensal.  

Por conta da orientação dos órgãos sanitários, a ida aos bancos em 2020 foi desaconselhada e incentivado os acessos por aplicativos ou internet banking de financeiras, ainda mais facilitado com a chegada do Pix, sistema de transferência entre instituições de forma mais prática. A coordenadora e professora do curso de Ciências Contábeis da UNINASSAU - Centro Universitário Maurício de Nassau em Teresina, Elisa Barroso, alerta que, caso não haja organização clara, a facilidade pode causar descontrole na renda mensal.  

"O Banco Central informou um aumento de mais de 1.700% em transações por Pix entre novembro/20 e maio/21. Isso quer dizer que as transferências, pagamentos de contas em restaurantes e outros estabelecimentos com rapidez tem se tornado mais comum. Mas, as despesas mensais precisam de atenção, uma vez que o sistema de transferência é à vista, ou seja, se não houver controle do que está utilizando, pode ter surpresas. Minha dica é olhar o saldo da conta e a fatura atual antes de fazer o procedimento", comenta Elisa.  

A Febraban estima um aumento de 42,9% em transações bancárias em geral, o que significa quase 16 bilhões de pagamentos ou transferências a mais em 2020 (52,9 Bi), no comparativo com 2019 (37 Bi). Desta forma, a coordenadora e professora do curso de Sistemas de Informação do Centro Universitário, Andrea Rocha, pontua que a segurança virtual e a proteção de dados dos clientes ganham destaque com mais frequência.

"A Febraban pontuou, ainda durante os meses delicados da pandemia, investimentos dos bancos superiores a R$20 bilhões em tecnologia. Ou seja, um valor muito superior aos outros anos e que evidencia mais investimento em áreas de cibersegurança. E tudo segue uma sequência:  quanto mais investimentos em tecnologia de ponta, mais segurança, que gera mais lucratividade. Acredito que com mais investimentos nessa área, os acessos virtuais e operações bancárias serão mais frequentes e mais robustos", completa Andrea.  

Com a popularização dos serviços bancários por meios digitais, a inclusão financeira do brasileiro será cada vez maior. Isto também abre a possibilidade de novos conhecimentos sobre cuidados frente às ameaças de crimes virtuais e a educação financeira, visto que os usuários terão mais acesso aos procedimentos bancários e de financeiras, como empréstimos instantâneos.


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
Um negócio próprio · 26/07/2021 - 09h16 | Última atualização em 26/07/2021 - 18h13

Busca de jovens entre 18 e 24 anos por franquias dobra na pandemia


Compartilhar Tweet 1



Os jovens entre 18 e 24 anos estão buscando empreender mais em franquias durante a pandemia da covid-19. É o que aponta pesquisa divulgada pela ABF (Associação Brasileira de Franchising). As informações são do R7.

    DIVULGAÇÃO

O interesse desse público em pesquisar unidades de franquia como opção de negócio cresceu 109,4% nos últimos 14 meses na comparação com as demais faixas etárias.

Em números absolutos, o número saltou de 212.202, no período de janeiro de 2019 a março de 2020 (10,2% de participação em relação às demais faixas) para 332.336, de março de 2020 a maio de 2021 (21,3% em relação aos demais grupos na divisão por idade).

Os períodos analisados levam em consideração os 14 meses que antecederam a pandemia, que iniciou em março do ano passado, e os 14 meses após o começo da pandemia, incluindo os meses de restrições do comércio, indústria, escolas, entre outros.

Participação de jovens em novos negócios também cresce

Boa parte da nova geração tem optado por investir no próprio negócio ao invés de desenvolver uma carreira dentro de grandes empresas.

Um estudo do GEM (Global Entrepreneurship Monitor), de 2018, apontou um crescimento do público jovem entre os novos empreendedores: de 2017 para 2018, a participação de pessoas de 18 a 24 anos subiu mais de 17%, considerando o número total de empreendedores no Brasil.

O R7 Economize reuniu a história de três jovens empreendedores que atuam no setor de franquias. Confira!

Jovem decidiu empreender em plena pandemia

Paulo Henrique Fernandes tem 24 anos é da cidade de Cunha, interior de São Paulo, e resolveu emprender em plena pandemia da covid-19.

Com investimento de R$ 35 mil, assinou contrato recentemente com a rede de idiomas CNA para abrir uma unidade compacta nos próximos meses.

 "Comecei a empreender por influência de familiares. Empreender, para mim, nada mais é do que servir pessoas e trabalhar na área educação é mais do que servir, é transformar pessoas", diz Fernandes.

Cearense escolheu investir em escola de idiomas

O cearense Dimas Diniz tem 26 anos, mas decidiu ingressar no ramo do empreendedorismo aos 21 anos.

Resolveu apostar no ramo da educação ao abrir uma unidade da rede de idiomas Rockfeller Language Center para o Nordeste, em 2016.

O local escolhido foi Fortaleza (CE). Uma curiosidade: a franquia nasceu em Balneário Camboriú (SC).

Diniz gostou tanto do ramo que hoje é multifranqueado da rede e mantém uma escola em Tocantins (TO) e em Brasília (DF).

Juntas, as três escolas somam mais de 800 alunos. Em 2020, o faturamento delas ficou em torno de R$ 2,4 milhões. A expectativa é de um crescimento de 10% para este ano.

Paixão por culinária inspirou negócio

A paixão de Carlos Augusto Junior, 22 anos, pela culinária o fez ser hoje CEO da rede Frango no Pote. Quando a franquia foi fundada em 2012, em Brasília (DF) por seu pai. Ele tinha apenas 12 anos na época. “Meu pai assava os frangos e eu cuidava das embalagens”, lembra. 

Aos 16 ele saiu da escola e entrou na faculdade de gastronomia. Após concluir o curso foi para os Estados Unidos passar uma temporada.

“Quando voltei falei para o meu pai falei muito sobre a tendência do delivery e resolvemos investir na modalidade ao abrir a Frango no Pote”, lembra Júnior.

Hoje a marca está presente em 20 estados, tem 37 lojas abertas e mais 47 contratos vendidos e em processo de implementação.

Em 2020, o faturamento da Frango no Pote subiu 17% e chegou a R$ 25 milhões. Para 2021 a meta é crescer entre 10% e 15%.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



Os beneficiários do Bolsa Família com Número de Inscrição Social (NIS) terminado em 6 recebem nesta segunda-feira (26/07) a quarta parcela do auxílio emergencial 2021. Os recursos podem ser movimentados pelo aplicativo Caixa Tem, por quem recebe pela conta poupança social digital, ou sacados por meio do Cartão Bolsa Família ou do Cartão Cidadão. 

O recebimento dos recursos segue o calendário regular do programa social, pago nos últimos dez dias úteis de cada mês. Os pagamentos são feitos a cada dia, conforme o dígito final do NIS.

Em caso de dúvidas, a central telefônica 111 da Caixa funciona de segunda a domingo, das 7h às 22h. Além disso, o beneficiário pode consultar o site auxilio.caixa.gov.br.

O auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado pelo governo federal para atender pessoas vulneráveis afetadas pela pandemia de covid-19. Ele foi pago em cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil para mães chefes de família monoparental e, depois, estendido até 31 de dezembro de 2020 em até quatro parcelas de R$ 300 ou R$ 600 cada.

Neste ano, a nova rodada de pagamentos, prevê parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo do perfil: as famílias, em geral, recebem R$ 250; a família monoparental, chefiada por uma mulher, recebe R$ 375; e pessoas que moram sozinhas recebem R$ 150. O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas.

Regras

Pelas regras estabelecidas, o auxílio será pago às famílias com renda mensal total de até três salários mínimos, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. É necessário que o beneficiário já tenha sido considerado elegível até dezembro de 2020, pois não há nova fase de inscrições. Para quem recebe o Bolsa Família, continua valendo a regra do valor mais vantajoso, seja a parcela paga no programa social, seja a do auxílio emergencial.

Quem recebe na poupança social digital, pode movimentar os recursos pelo aplicativo Caixa Tem. Com ele, é possível fazer compras na internet e nas maquininhas em diversos estabelecimentos comerciais, por meio do cartão de débito virtual e QR Code. O beneficiário também pode pagar boletos e contas, como água e telefone, pelo próprio aplicativo ou nas casas lotéricas. A conta é uma poupança simplificada, sem tarifas de manutenção, com limite mensal de movimentação de R$ 5 mil.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Melhor desempenho em 5 anos · 25/07/2021 - 18h43

Exportações brasileiras de rochas ornamentais sobem 44% no 1º semestre


Compartilhar Tweet 1



As exportações brasileiras de rochas ornamentais registraram, no primeiro semestre de 2021, um faturamento de US$572 milhões. Trata-se de um aumento de 43,83% na comparação com os primeiros seis meses do ano passado, quando os negócios foram impactados pela pandemia de covid-19. É também o melhor desempenho dos últimos cinco anos, superando o faturamento de US$ 566 milhões entre janeiro e junho de 2017.

Os dados foram divulgados pelo Centro Brasileiro dos Exportadores de Rochas Ornamentais (Centrorochas), entidadade que reúne 101 empresas do setor. O Brasil é atualmente o quinto maior exportador mundial de rochas ornamentais. A região Sudeste responde por 93% dos negócios do país. Espírito Santo (82%) e Minas Gerais (11%) se destacam como os maiores estados exportadores, seguidos pelo Ceará (2%) e Bahia (1%).

No recorte por tipo de produto, o maior crescimento no faturamento foi observado entre os blocos de mármore e similares, que chegou a 70,63%. As variações também são influenciadas pela alta de preços no mercado internaional já que, em volume exportado, o crescimento foi de 20,42%: saiu de 928,4 mil toneladas no primeiro semestre de 2020 para 1,12 milhão de toneladas entre janeiro e junho desse ano.

Mercado internacional

De acordo com o relatório do Centrorochas, os três maiores consumidores das rochas brasileiras nos primeiros seis meses de 2021 foram Estados Unidos, China e Itália. O mercado americano demanda prioritariamente rochas manufaturas. Já o mercado chinês e italiano têm tido preferência por rochas brutas.

Para promover os produtos brasileiros no mercado internacional, o Centrorochas assinou em maio um convênio setorial com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), vinculado ao Ministério das Relações Exteriores. O crescimento do setor para este ano na comparação com 2020 foi estimado em 4,2%. O faturamento com as exportações fechou em U$S 987 milhões no ano passado. A expectativa, conforme as projeções, é encerrar 2021 com um montante de US$ 1,029 bilhão.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Parcelas de R$ 150 a R$ 375 · 25/07/2021 - 09h39

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em agosto


Compartilhar Tweet 1



Trabalhadores informais nascidos em agosto recebem hoje (25) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria na última sexta-feira (23) e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído em 30 de julho.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Bolsa Família

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 19 e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas.

Comentar
Depósitos de R$ 150 a R$ 375 · 24/07/2021 - 09h51

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em julho


Compartilhar Tweet 1



Trabalhadores informais nascidos em julho recebem neste sábado (24/07) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria ontem (23) e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído em 30 de julho.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 19 e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Relatório de resultados operacionais divulgado pela Petrobras destaca que a produção do pré-sal no segundo trimestre deste ano, da ordem de 1,96 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed), representou 70% da produção total da companhia. De acordo com a empresa, esse é um percentual recorde.

A produção média de óleo, de líquido de gás natural (LGN) e de gás natural totalizou 2,8 milhões de boed por dia, 1,1% acima do resultado do primeiro trimestre, devido à continuidade do processo de alavancagem das plataformas P-68 (campos de Berbigão e Sururu) e P-70 (campo de Atapu), que atingiram capacidade máxima de produção permitida, de 161 mil barris de petróleo por dia (bpd), em menos de 13 meses. Contribuiu também para os resultados a estabilização dos níveis de produção das plataformas que realizaram paradas programadas no primeiro trimestre, de modo a maximizar o potencial dos ativos. Isso cria um ciclo virtuoso de geração de valor, segundo a companhia.

Por outro lado, a oferta de gás foi potencializada com o início, em junho, da operação integrada das Rotas 1 e 2 de escoamento de gás da Bacia de Santos, o que permitiu maior flexibilidade devido à melhor distribuição das unidades de produção conectadas ao sistema. Nesse mesmo mês, foi iniciado o escoamento de gás da P-76 em Búzios, contribuindo para o aproveitamento do potencial do campo e viabilizando uma melhor gestão do reservatório e aumento da geração de valor.

O relatório informa que houve expansão da comercialização de derivados no segundo trimestre, atingindo volumes no mercado interno de 1.759 milhões de barris ao dia (Mbpd), com destaque para o aumento das vendas de diesel e gasolina. As vendas de gasolina, por sua vez, alcançaram 435 Mbpd em junho de 2021. No mês de maio, a Petrobras superou novamente o recorde de vendas de diesel S-10, com a comercialização de 450 Mbpd, volume 3% superior ao recorde anterior alcançado em abril deste ano.

Processamento

O processamento de petróleo do pré-sal se manteve elevado no segundo trimestre, representando 54,7% da carga processada no primeiro semestre do ano, alta de 5,3 pontos percentuais em relação ao ano passado e um novo recorde de 898 Mbpd. A Petrobras informou que os petróleos do pré-sal apresentam alto rendimento de derivados de maior valor agregado e possuem baixo teor de enxofre. Isso contribui para uma atividade de refino mais sustentável e para a produção de derivados com essa característica, como o diesel S-10 e o bunker (óleo comestível).

O relatório informa que alinhada à valorização global do óleo combustível de baixo teor de enxofre (BTE), a Petrobras iniciou operações de mistura de petróleos com óleo combustível em busca da melhor rentabilidade. No segundo trimestre deste ano, foi realizada a primeira carga de petróleo Jubarte comercializada como componente de óleo combustível BT. Os resultados econômicos apresentados foram positivos, indicou a companhia.

Ainda segundo o relatório, no dia 28 de junho passado, foi atingido o recorde histórico na oferta de gás natural liquefeito (GNL) regaseificado no país, com vazão instantânea de 42 milhões de metros cúbicos por dia (m³/dia), alcançando, nesse dia, volume de 109 milhões de m³/dia na oferta de gás natural total.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Trabalhadores informais nascidos em junho recebem nesta quinta-feira (23/07) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta-corrente.

Também hoje, beneficiários do Bolsa Família com o Número de Inscrição Social (NIS) de dígito final 5 poderão sacar o benefício.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria hoje e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído em 30 de julho.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou na segunda-feira (19) e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro , com os mesmos valores para as parcelas.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Faixa etária de 30 a 39 anos · 22/07/2021 - 09h30

Homens são as principais vítimas de golpes financeiros, diz pesquisa


Compartilhar Tweet 1



Sondagem feita pelo Centro de Estudos Comportamentais e Pesquisas (Cecop), da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), revela que, de maneira geral, os homens são as principais vítimas de golpes financeiros (91%), estão em sua maioria na faixa etária de 30 a 39 anos de idade (36,5%), têm ensino superior completo com pós-graduação (38%) e possuem renda familiar mensal entre dois e cinco salários mínimos (23%). 

A pesquisa foi feita com base em reclamações de investidores enviadas à autarquia, vinculada ao Ministério da Economia, entre 2017 e 2019. Essas reclamações, entretanto, não envolviam apenas fraudes financeiras, mas situações diversas, esclareceu hoje (20), em entrevista à Agência Brasil, o superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores (SOI) da CVM, José Alexandre Vasco.

Ao todo, foram analisadas 1.002 respostas e detectadas 178 vítimas de golpes financeiros. Criptomoedas foram o produto de investimento mais citado pelas vítimas, sendo mencionadas por 43,3% dos consultados. Seguem-se mercado Forex, para transações de câmbio (29,8%); opções binárias (16,9%); e ações (15,2%). O principal meio de divulgação para atrair as vítimas foi o Whatsapp (27,5%), seguido pela divulgação boca a boca pessoalmente (19,7%), e-mail e ligação telefônica (12,4% cada), mostrou a sondagem da CVM.

Segundo explicou o superintendente da CVM, embora a participação das mulheres no mercado de capitais tenha crescido, o maior número de investidores ainda é do sexo masculino. “De modo que era natural mesmo esperar ter um número maior, uma predominância de homens” entre as vítimas de golpes financeiros, disse Vasco. Outro fator que pode justificar esse cenário é o apetite por investimentos alternativos, de maior risco, por parte dos homens, enquanto as mulheres demonstram maior desconfiança de seu conhecimento em termos financeiros e, por isso, evitam grandes riscos.

Os valores perdidos oscilaram de R$ 100 a mais de R$ 100 mil. A maior parte das vítimas investiu entre R$ 10.001 e R$ 50 mil (22,5%) e entre R$ 1.001 e R$ 5.001 mil (21,3%).

Alta confiança

De acordo com a pesquisa da CVM, muitas das vítimas de fraudes têm alta confiança em sua capacidade de investir. “Talvez esse excesso de confiança seja uma característica de confiança mais dos investidores masculinos do que das investidoras. Essa dúvida talvez tenha salvado muitas pessoas de caírem em uma coisa alternativa ou estranha”, disse o superintendente.

Ele esclareceu que nem todas as ofertas sem registro na CVM são fraudes financeiras. Às vezes, é uma oferta irregular, mas não é uma fraude. “Mas, nos casos de golpes ou fraudes financeiras, eles usam sempre os temas do momento. Lá atrás era boi gordo, avestruz, contratos de risco coletivo”. Com o tempo, os golpes foram mudando e os fraudadores buscaram novos temas. Agora, são as criptomoedas. “Por serem uma coisa inovadora, elas têm predominado nos golpes. Daqui a cinco anos, se a gente fizer uma nova pesquisa, será outra coisa. Porque a prática não muda; o que muda são os embustes”, afirmou.

O superintendente ressaltou, ainda, a parte comportamental da pesquisa que captou diferenças de atitudes dos investidores. Aqueles que foram vítimas de golpes financeiros achavam que era bom investir em algo não regulado porque tinha retorno financeiro maior. 

Entre as vítimas, houve mais concordância com a afirmação de que é mais difícil obter um bom patrimônio apenas trabalhando. Da mesma forma, consideravam que não eram suficientemente recompensadas pelo seu trabalho do que os investidores não vítimas.

“Estão buscando um retorno maior para compensar aquilo que eles não são recompensados no trabalho”. Essas pessoas estão mais atentas a oportunidades de investimentos que ninguém conhece, completou. Essa é a média, afirmou.

Perfis

Foram notados no levantamento da CVM alguns perfis de vítimas. O primeiro engloba aqueles que pagam para ver, estão dispostos a entrar em mercados não regulados, investem em pequeno valor para testar. À medida em que a vítima vai adquirindo confiança, ela vai aumentando a aposta. 

“Essas, geralmente, são as pessoas que perdem mais porque, quando a pirâmide desmorona, o capital investido foi bem maior”. Outras vítimas são movidas pela confiança e acabam enganadas. Acreditam em um site bem organizado e tiveram indicação de um amigo de um círculo de relacionamento, que diz que aquilo está dando certo. “Em geral, esse esquema tem uma rentabilidade mais modesta de 2% a 3% ao mês, o que é muito dinheiro”, afirmou.

Um terceiro grupo abrange os entusiastas do mercado financeiro, com perfil aberto a novas oportunidades. “Eles acham que entendem e confiam. Estudam a opção e investem. Esses, em geral, optam por não denunciar. Ficam mais envergonhados, é o que a gente estimou. Reclamam com quem lhes apresentou a novidade. Eu conheço casos de pessoas que pagaram às vítimas. Indenizaram o que o fraudador verdadeiro levou”, declarou o superintendente.

Na avaliação de José Alexandre, as pessoas, na verdade, têm a crença de que a falta de regulação da CVM representa uma maior oportunidade de ganho e, muitas vezes, não identificam o elemento que sinaliza que aquele investimento era fraudulento. A maioria das vítimas já fazia algum investimento, tinha familiaridade com os conceitos financeiros e se considerava, de alguma forma, conhecedora do mercado. “As vítimas talvez caíssem nos golpes por necessidade financeira e não eram completamente novatas em termos de investir no mercado”, contou.

Entre os aspectos que contribuíram para que as pessoas caíssem no golpe, as respostas mais frequentes foram aparência do site transmitindo confiança (39,9%), outros familiares ou amigos já haviam feito o investimento (38,8%), bom atendimento por parte dos profissionais (35,4%), pequeno investimento exigido (30,9%) e desconhecimento da modalidade do golpe (24,7%).

Não vítimas

Entre as não vítimas, foi percebida maior complexidade. O portfólio tem mais ativos, é mais refinado e diversificado de investimentos que as vítimas de fraude. Quem não caiu em golpes investe mais em ações, fundos de investimento, FII (fundos de investimento imobiliário), previdência privada, CDB (certificados de depósito bancário), LCI/LCA (Letra de Crédito Imobiliário e Letra de Crédito do Agronegócio).

José Alexandre reforçou que nem todas as oportunidades de investimento são reguladas. No caso das não reguladas, ele acha importante ter uma atitude bastante criteriosa na análise, buscando informações e, inclusive, reclamações, pesquisando a empresa para saber o índice de respostas que ela tem e se as pessoas estão satisfeitas. “Há plataformas sérias ofertando moedas digitais, mas há outros casos em que isso não acontece”, revelou.

Para investimentos no mercado de capitais, o principal é olhar se o ofertante tem registro na CVM ou é regulado pelo Banco Central. “Quem está fazendo um investimento quer uma proteção maior que tenha uma regulação que possa reclamar à CVM, deve consultar o nosso cadastro, verificar e, se não tiver registro, deve reclamar, buscar o nosso serviço de atendimento ao cidadão”. No canal de deliberações da comissão estão registradas as ofertas irregulares.

“De forma geral, devem desconfiar dessas promessas elevadas de rentabilidade, desconfiar especialmente da pressão para investir tipo é agora ou nunca”. Nesse caso, a pessoa está sendo empurrada para tomar uma decisão impulsiva, sem direito de arrependimento. 

“Isso é um reconhecimento de que a pessoa pode tomar uma decisão irrefletida. Então, pressão para decidir naquele momento é uma bandeira vermelha”, opinou. O superintendente sustentou que não há rentabilidades mirabolantes. Ele alertou, ainda, para oportunidades muito inovadoras nas quais a pessoa não consegue entender no que está investindo e de onde vem a rentabilidade. “Pode não ser uma fraude mas, certamente, não é um produto para você”, concluiu.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Mesmo com a crise econômica, que fechou empresas e levou o país a atingir em abril o maior nível de desocupação em 11 anos, com 14,8 milhões de desempregados, há setores, como o de TI (tecnologia e informação), que cresceram durante a pandemia e estão contratando. As informações são do R7.

E com a pandemia a possibilidade de trabalhar remotamente fez com que o alcance das vagas se ampliasse.

Pelo menos, 1.233 posições estão abertas nesse momento. As oportunidades são para diferentes níveis de escolaridade, incluindo estagiários.

Confira as vagas disponíveis e os links para acesso. 

Comentar
Bolsa Família com NIS 4 · 22/07/2021 - 07h18

Caixa paga parcela do auxílio emergencial a nascidos em maio


Compartilhar Tweet 1



Trabalhadores informais nascidos em maio recebem nesta quinta-feira (22/07) a quarta parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício tem parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família. 

O pagamento será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta corrente.

Também hoje, beneficiários do Bolsa Família com o Número de Inscrição Social (NIS) de dígito final 4 poderão sacar o benefício.

No último dia 15, a Caixa anunciou a antecipação do pagamento da quarta parcela. O calendário de depósitos, que começaria no próximo dia 23 e terminaria em 22 de agosto, teve o início antecipado para o último dia 17 e será concluído em 30 de julho.

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020.

Bolsa Família

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da terceira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou na segunda-feira (19) e segue até o dia 30. O auxílio emergencial somente será depositado quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020.

O programa se encerraria neste mês, mas foi prorrogado até outubro com os mesmos valores para as parcelas.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Convocação foi feita há um mês · 21/07/2021 - 14h48

Greve dos caminhoneiros segue prevista para este domingo (25/07)


Compartilhar Tweet 1



Está prevista para domingo (25/07), Dia do Motorista, uma paralisação dos caminhoneiros. A categoria se diz insatisfeita com promessas não cumpridas do presidente Jair Bolsonaro e também a alta do diesel  tem provocado descontentamento, segundo o Estadão Broadcast. 

O presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), Plínio Dias, disse que a mobilização começa no dia 25 e que a adesão pode crescer na segunda-feira e nos dias subsequentes. Ao todo, ele afirma ter enviado 387 ofícios ao governo com as demanda da categoria. 

Uma delas é o pedido de fim para a Política de Paridade Internacional da Petrobras, que regula o preço do combustível de acordo com o mercado mundial. Outro é o  fim da isenção do PIS/Cofins sobre o diesel.

Segundo o Broadcast, a Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava) vai decidir sobre a adesão no movimento em reunião com seus associados amanhã (22). Já a Associação Nacional de Transporte do Brasil (ANTB), disse que apoia a decisão. 

Comentar
Alta dos preços · 21/07/2021 - 09h26 | Última atualização em 21/07/2021 - 09h28

Jornal Meio Norte desta quarta (21): 'Botijão do gás no Piauí chega a R$ 105'


Compartilhar Tweet 1



O jornal Meio Norte, edição desta quarta-feira (21/07), destacou que o botijão de gás de cozinha chega a R$ 105 no Piauí, conforme levantamento feito pela Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Feito na semana passada, o levantamento apontou que o preço médio do botijão de gás de cozinha no Piauí está em R$ 99, 27; e o preço mínimo é de R$ 94,99.

Quando analisado o valor dos combustíveis, o preço máximo do litro da gasolina comum no Piauí está em R$ 6,49; o preço médio está em R$ 6,27 e o preço mínimo está R$ 5,99.

O preço médio da gasolina aditivada está R$ 6,52; o preço mínimo está em R$ 6,09; e o preço máximo em R$ 6,89.

Já o preço do médio do óleo diesel está em R$ 4,84; o preço mínimo está R$ 4,57; e o preço máximo está em R$ 5,09.

Segundo a ANP, o preço médio do litro de etanol está em R$ 5,15; o preço mínimo está em  R$ 4,89; e o preço máximo em R$ 5,49.

Para mais informações, clique aqui.

    Divulgação

 

Comentar
Pagamento segue até o dia 30 · 21/07/2021 - 08h42 | Última atualização em 21/07/2021 - 17h33

Auxílio: membros do Bolsa Família com NIS final 3 recebem 4ª parcela


Compartilhar Tweet 1



Os beneficiários do Bolsa Família com NIS (Número de Identificação Social) final 3 recebem nesta quarta-feira (21/07) a quarta parcela do auxílio emergencial. As informações são do R7.

A liberação dos recursos segue o calendário do programa assistencial, realizado sempre nos dez últimos dias úteis de cada mês, de acordo com o número final do NIS.

O pagamento segue até o dia 30, para os que têm o NIS final 0.

Para chegar às 9,48 milhões de famílias do programa que terão acesso ao auxílio emergencial, o valor da folha de pagamentos de julho será de R$ 2,9 bilhões.

A maior parte dos contemplados (mais de 50%) é composta por mulheres chefes de famílias, que receberão R$ 375. Em seguida (33,1% da folha) vêm os beneficiários que receberão o valor padrão de R$ 250. Outras 15,5% das famílias são compostas de pessoas que vivem sozinhas e cada uma receberá R$ 150.

Para quem recebe por meio da poupança social digital, os recursos podem ser movimentados pelo aplicativo Caixa Tem e na rede lotérica de todo o Brasil, ou sacados por meio do Cartão Bolsa Família ou Cartão Cidadão.

Também acontece nesta quarta, o depósito das parcelas dos auxílios emergencial para os beneficiários nascidos em abril. Os valores já podem ser movimentados pelo aplicativo Caixa Tem até o dia 5 de agosto, quando será liberado o saque aos beneficiários.

A nova rodada do auxílio, que previa quatro parcelas, foi prorrogada com mais três pagamentos e acontecerá até outubro. O pagamento médio continua de R$ 250, exceção às mulheres chefes de família, que recebem R$ 375, e as pessoas que moram sozinhas, R$ 150.

A expectativa do governo federal é ganhar tempo para o avanço da vacinação contra a covid-19, além de preparar uma ampliação do programa Bolsa Família, com pagamentos no valor de R$ 300.

Calendário da 4ª parcela para o Bolsa Família

19 de julho (segunda-feira) - NIS final 1
20 de julho (terça-feira) - NIS final 2
21 de julho (quarta-feira) - NIS final 3
22 de julho (quinta-feira) - NIS final 4
23 de julho (sexta-feira) - NIS final 5
26 de julho (segunda-feira) - NIS final 6
27 de julho (terça-feira) - NIS final 7
28 de julho (quarta-feira) - NIS final 8
29 de julho (quinta-feira) - NIS final 9
30 de julho (sexta-feira) - NIS final 0

Comentar