Compartilhar Tweet 1



O Piauí inovou na forma de comemorar as festas de São João. Durante o mês de junho, a Secretaria de Estado da Cultura (Secult) vem realizando lives nas redes sociais com shows de bandas locais e apresentações de grupos de quadrilha no Theatro 4 de Setembro. A última live com temática junina será realizada nesta quinta-feira (25), com apresentação da 1ª Mostra Piauí de Quadrilhas Juninas. Para possibilitar a realização das transmissões ao vivo, a Piauí Conectado implantou a estrutura tecnológica de internet no teatro, com intuito de garantir qualidade das lives.

O primeiro grupo a se apresentar virtualmente nesta transmissão com temática junina foi o Luar do São João, considerada a melhor quadrilha do Brasil de 2019. A live do grupo alcançou cerca de 125 mil visualizações em todas as plataformas em que foi transmitida. A 1ª Mostra Piauí de Quadrilhas Juninas irá apresentar grupos de norte a sul do estado, com apresentação especial do grupo Luar do São João.

Segundo Ramon Patrese, diretor-geral do grupo Luar do São João, a transmissão ao vivo de uma quadrilha junina  por meio das redes sociais foi algo inédito. O grupo teve que se reinventar para atender as medidas de segurança, reduzindo a quantidade de pessoas a participar do evento. As danças foram pensadas de forma a respeitar o distanciamento social, mas mantendo as tradições de coreografia e figurino. Mesmo com as limitações, o espetáculo foi um sucesso.

“Muitas pessoas puderam curtir um pouquinho do São João, que este ano está diferente. Foi uma experiência ótima, rendeu bons frutos para nosso grupo. Foi inédito uma live de quadrilha, e no teatro. E a produção ajudou a ficar em um nível espetacular. Para nós, foi uma experiência que levaremos para os próximos projetos. Sempre vamos utilizar as redes sociais para fomentar a cultura junina”, comenta o diretor.

Popular na cultura nordestina, as festas de São João são famosas pelas fogueiras e pela decoração, os concursos de quadrilha, as comidas típicas e os trajes quadriculados e coloridos, além da alegria contagiante de quem participa.

Quem se emocionou assistindo a live do Luar do São João foi o estudante Thiago Bacelar. Dançarino e entusiasta da cultura junina, Thiago conta que, embora esteja triste por não festejar o São João como gostaria, as lives estão ajudando a manter a animação para celebrar o período.

“Está sendo muito difícil para todos os quadrilheiros vivenciar o São João dessa forma, dentro de casa. Mas sabemos que é essencial. As lives são uma peça chave para tirar um pouco dessa angústia e para sentirmos o espírito do São João. Eu coloco para assistir e começo a dançar mesmo sozinho. Está sendo muito bom e as lives também estão com a qualidade maravilhosa”, comenta Bacelar.

Segundo o deputado estadual Fábio Novo, ex-secretário de Estado da Cultura, as transmissões ao vivo são uma forma de democratizar a cultura junina, que é tão tradicional e popular no Piauí e no Nordeste. Para ele, a tecnologia e a internet são aliados nesse processo. Ele explica que o Theatro 4 de Setembro comporta 650 pessoas mas, com as lives, o público virtual varia entre 80 mil e 125 mil pessoas.

“Nós estamos fazendo um show com o teatro fechado, sem ninguém, que atinge 125 mil pessoas. Isso é possível por meio da conectividade. É um espetáculo bem produzido de duas horas, em que as pessoas recebem em casa um bom produto cultural que ajuda nesse momento da pandemia e ao mesmo tempo o público é convidado a colaborar, por meio de doações”, ressalta o parlamentar.

Estrutura

A Piauí Conectado implantou no Theatro 4 de Setembro estrutura de cabeamento em alguns pontos para permitir que as ilhas de transmissão digital pudessem ter acesso à rede de internet. Atualmente, o espaço conta com internet de 100 mpbs dedicados para as lives.

De acordo com Leonardo Chagas, diretor de operações da Piauí Conectado, uma internet de boa qualidade é essencial para que a transmissão ocorra sem oscilações. A estrutura está montada no teatro desde maio, quando iniciaram as lives solidárias da Secult. No mês de junho, as festas de São João serão o tema das transmissões ao vivo.

“Ter uma banda larga dedicada para a live faz com que a transmissão dos dados sejam eficientes e sem paradas, travamentos ou oscilações. E é isso que conta muito na hora de transmitir uma filmagem de live. Nosso intuito é fazer com que o público possa aproveitar a festa junina mesmo dentro de casa”, explica o diretor.


Fonte: Com informações da Ascom
Comentar
Transmitida pelas redes socias · 12/06/2020 - 18h10

Carlos Anchieta assume Secretaria da Cultura em cerimônia restrita


Compartilhar Tweet 1



O ator, produtor e arte educador Carlos Anchieta assumiu a Secretaria de Estado da Cultura (Secult), nesta quinta-feira (11), em solenidade restrita, no Teatro Sulica, sede do órgão. O evento foi transmitido por meio das redes sociais e contou com a presença de autoridades da área cultural; do deputado estadual Fábio Novo, que deixou o cargo; e do governador Wellington Dias, que participou virtualmente da posse.

“Me sinto muito feliz de ter participado dessa revolução da cultura no Piauí, que se divide em duas etapas, antes e depois do Fábio Novo. Fico honrado por esse voto de confiança e espero não decepcionar. O meu desafio vai ser equipar nossos aparelhos culturais em meio a esse novo ‘normal’ imposto pela pandemia. Fazer também com que os recursos da Lei Aldir Blanc chegue de fato às associações e aos artistas”, afirma o novo secretário da Cultura, Carlos Anchieta.

Fábio Novo agradeceu a oportunidade de estar à frente da Secult nos últimos anos e relembrou as inúmeras reformas e restaurações feitas durante a sua gestão. O deputado também citou as obras que devem ser entregues após o restabelecimento das atividades no estado, como a Fábrica de Laticínios, em Campinas do Piauí; a Central de Artesanato, em Teresina; o e Memorial Heróis do Jenipapo, em Campo Maior.

“Nós nos reinventamos durante a pandemia, nossa equipe incansavelmente tem trabalhado em projetos de distribuição de livros, apresentações de artistas nas redes sociais com pagamentos de cachês, e as lives solidárias, que já arrecadaram mais de 10 toneladas de alimentos”, conta Fábio Novo.

O governador se colocou à disposição do novo secretário da Cultura. “Eu tenho muito carinho por todos os que fazem a cultura no estado, e devo agradecer ao Carlos Anchieta por aceitar nosso convite. Agora vamos trabalhar pela cultura de Teresina e do Piauí. Conte comigo, estamos juntos com todos os servidores, artistas e movimentos ligados à cultura”, disse Wellington.

Carlos Anchieta foi produtor executivo dos maiores eventos do estado, como o Festival de Inverno de Pedro II, Festival de Rabecas de Bom Jesus e Festival Nacional de Folguedos.


Fonte: Governo do Piauí
Comentar
28 artistas locais · 15/04/2020 - 04h58 | Última atualização em 15/04/2020 - 07h24

Festival 'Teresina em Casa' reunirá 28 artistas piauienses em lives no Instagram


Compartilhar Tweet 1



O Festival Teresina em Casa, @festivalteresinaemcasa, é um festival online de música com a participação de renomados artistas piauienses, de diversos gêneros musicais que acontecerá de 23 a 29 de Abril. O Festival terá um total de 28 artistas, sendo 4 apresentações por dia, durante 1 semana, das 18h às 22h.

    Reprodução

O objetivo do evento é valorizar, divulgar e beneficiar o artista local, além de exercer um papel importante no entretenimento da população piauiense e na conscientização quanto ao isolamento social, necessário nesse momento de pandemia do coronavírus.

As apresentações serão únicas e realizadas através de lives no Instagram de cada artista, com a duração de uma hora. O Festival será realizado pela FP2 Marketing Digital, @agenciafp2, em parceria com a Agenda Cultural Teresina, @agendathe, sem fins lucrativos para as empresas realizadoras.

Comentar
Inscrições até 02 de abril · 28/03/2020 - 09h41 | Última atualização em 28/03/2020 - 11h05

Secult lança edital do Festival “Sossega o Facho em Casa”


Compartilhar Tweet 1



A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) lançou, nesta sexta-feira (27), o edital do Festival “Sossega o Facho em casa”, uma das medidas adotadas pelo órgão para minimizar os impactos da Covid-19 na cultura. O edital visa selecionar apresentações nas redes sociais de artistas que atuam nas áreas de artes cênicas, música, literatura, audiovisual e expressões de cultura popular. As inscrições começam nesta sexta-feira (27) e se estendem até o dia 2 de abril.

“Nós vamos receber várias proposições, selecionar os melhores conteúdos inscritos e depois pagar os artistas, de acordo com os valores previstos no edital. É uma forma de ajudar, nesse período de crise, e ainda valorizar a nossa cultura”, afirma o secretário de Estado da Cultura, Fábio Novo.

Os valores dos cachês variam de R$ 400 a R$ 800, dependendo do tipo de apresentação e se elas serão em grupo ou em performances solo.  Todos os selecionados produzirão material para ser consumido pela internet e a Secult vai arcar com os custos dos cachês dos artistas inscritos. Os interessados devem enviar a ficha de inscrição e a documentação exigida pelo edital para o e-mail secult.credenciamento@secult.pi.gov.br.

O processo de credenciamento será conduzido por uma comissão especial de análise, composta por três servidores designados pelo secretário de Estado da Cultura. O resultado final será divulgado no dia 10 de abril.

Outra medida importante adotada durante a quarentena será a doação de livros à população. Ao todo, são 1.200 exemplares do projeto “Te aquieta e lê”. Os livros serão distribuídos aos interessados que entrarem em contato pelas redes sociais e e-mail da Secult. Os títulos serão entregues em casa, no endereço informado, sem nenhum custo para os leitores.

Assim como o Piauí, outros estados como Pará, Maranhão e Ceará também estão se mobilizando para preservar a saúde da população, por meio de editais que valorizam a cultura nas plataformas digitais. Todas as recomendações do Ministério da Saúde e dos profissionais especializados estão sendo seguidas no estado.

Edital e ficha de inscrição no site www.cultura.pi.gov.br


Fonte: Governo do Estado do Piauí
Comentar
Manifestações artísticas · 12/03/2020 - 15h58

Le Ballet apresenta no Artes de Março os maiores ritmos dos anos 1990


Compartilhar Tweet 1



Uma das manifestações artísticas mais antigas da humanidade, a Dança não poderia ficar de fora do Artes de Março, um dos maiores festivais culturais do Piauí que este ano trouxe como tema a “Geração 90”.

Com o espéculo Hits 90, o Le Ballet Studio de Dança selecionou 15 grandes sucessos divididos em três momentos. O primeiro bloco contemplou as trilhas sonoras que embalaram as cenas de novelas como Rei do Gado (1996), Rainha da Sucata (1990), Por Amor (1997) e Terra Nostra (1999). O segundo bloco de apresentações homenageou grandes cantores e bandas nacionais como Skank, Lulu Santos, Raça Negra e Roupa Nova. O espetáculo encerrou agitando o público com os ritmos dançantes dos grandes nomes do pop internacional como Michael Jackson, Spice Girls e Madonna.

Segundo o coreógrafo e proprietário do estúdio de dança,

Sidh Ribeiro
Sidh Ribeiro 

, é uma grande honra participar há tantos anos do Artes de Março. O Le Ballet esteve presente em 21 edições do evento. “É sempre uma emoção diferente cada vez que sou convidado com o Le Ballet para nos apresentarmos no Artes de Março. Eu tenho viajado o Brasil e o mundo inteiro como delegado da Dança e quando eu digo às pessoas que nós temos um shopping em Teresina com um evento como este, elas ficaram maravilhadas. Eu não conheço nenhum outro evento dentro de um shopping no Brasil onde você tem música, cinema, dança, fotografia e poesia. Se algo nos define hoje é a gratidão ao Teresina Shopping. É uma parceria mútua de carinho, respeito, credibilidade e aceitação”, relata.

No palco, os bailarinos fizeram um show excepcional, demonstrando por meio da dança o porquê dos anos 1990 terem sido tão importantes para a história da música, marcando gerações através do tempo.

Romilda Soares da Silva, fonoaudióloga, participa do Artes de Março desde a primeira edição e elogia o evento promovido pelo Teresina Shopping. “É uma oportunidade ímpar para as pessoas que não têm acesso a alguns artistas. Aqui por ser um espaço popular, mais dinâmico, todo mundo tem acesso. Achei a apresentação do Le Ballet maravilhosa. Já cantei e dancei todos os sucessos, Amanhã eu venho de novo e pretendo vir quase todos os dias”, afirma.

Quem também gostou bastante desta edição do Artes de Março foi a Gleici Carvalho. A operadora de Caixa enalteceu a estrutura do evento e a escolha das atrações. “Achei excelente a apresentação do Le Ballet. Os bailarinos souberam passar para o público a emoção das músicas”, explica.

Até quem veio de fora do Piauí ficou encantado com o evento. Tatiana Narbuch veio do Espírito Santo passear em Teresina e ao chegar no Teresina Shopping se deparou com um espetáculo excepcional. “Eu achei a apresentação perfeita, muita boa. Envolveu a plateia. Deu vontade de levantar e começar a dançar junto”, conta. Sobre a iniciativa do shopping de promover um evento gratuito e acessível à população, a capixaba explica que eventos como este incentivam a cultura no país. “Achei tudo mundo lindo e isso vem só acrescentar na nossa educação”, finaliza.

Nesta quinta-feira (12) o evento recebe sua terceira atração nacional. O cantor Leoni traz o melhor do pop nacional para encantar o público, a partir das 19h30.

Confira a programação completa:

12/03 – 19:30h – Praça de eventos II – Leoni

13/03 – 19:30h – Praça de eventos II – Sertanejou Amigos

16/03 – 19:30h – Praça de eventos II – Top Rock 90

17/03 – 19:30h – Praça de eventos II – Tributo a Cássia Eller com Tacy de Campos

18/03 – 19:30h – Praça de eventos II – Pagode 90 The

19/03 – 19:30h – Praça de eventos II – Lilly Araújo – #TBT90

20/03 – 20:00h – Praça de eventos II – George Israel (ex-integrante Kid Abelha)


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
De acordo com pesquisa · 01/03/2020 - 12h21 | Última atualização em 01/03/2020 - 12h25

Formato do Corso com palcos na avenida é aprovado por 84,9% dos foliões


Compartilhar Tweet 1



    Reprodução

O Corso de Teresina deste ano testou novo formato e contou com seis palcos temáticos distribuídos em vários pontos da Avenida Raul Lopes, na zona Leste da capital. O que pode ter gerado estranhamento quando anunciado, na verdade teve aprovação de 84,9% dos foliões que participaram da festa. É o que revela pesquisa recente apresentada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec).

De acordo com dados da pesquisa, a festa contou com avaliações como “ótimo” e “bom”, em vários quesitos. Além da aprovação no novo formato apresentado pela Fundação Municipal Monsenhor Chaves (FMC), por exemplo, 87,8% dos foliões aprovaram também a animação da festa e 82,7% aprovaram a organização geral.

“Este ano foi muito importante para a organização da Prefeitura com relação ao Carnaval. A pesquisa revelou esse dado importante, que é a aprovação, a aceitação do público nesse formato com palcos, mas sem perder a essência da festa. De forma geral, as novas ideias foram muito acertadas, uma vez que o incentivo aos blocos carnavalescos também tiveram aprovação da população”, comenta o secretário da Semdec, Venâncio Cardoso.

Em 2020 a Prefeitura de Teresina traçou sua organização com o objetivo de reacender a vontade do teresinense em ficar no período anterior e durante o carnaval na cidade.  O Corso foi a primeira ação. A festa teve palcos temáticos com músicas carnavalescas, axé, samba e pagode, música eletrônica com DJ, mix com todos os gêneros e rock. O novo formato foi uma decisão foi baseado em uma avaliação realizada pela gerência de produção cultural da FMC e também pelo prefeito Firmino Filho.

No Carnaval, blocos tradicionais e novos blocos também contaram com o apoio da Prefeitura. O carnaval de rua teve oficialmente 25 blocos. As agremiações foram escolhidas através de edital público e o resultado foi divulgado no fim de janeiro passado. Além disso, de acordo com a FMC o valor gasto com Corso e Carnaval somados é o mesmo gasto quando Teresina apoiava somente o desfile das escolas de samba.

Turistas

A pesquisa da Semdec ainda revela que o número de turistas em Teresina durante o período do Corso registrou aumento em 2020. Em 2019, o fluxo de turistas na avenida era de 9,3%, número que saltou para 15,1% este ano, representando um crescimento de 62,4% de participantes vindos de outras cidades.

Os dados mostram que mais de 13 mil pessoas vieram à capital exclusivamente para participar do Corso e revelam ainda que estes turistas resolveram gastar mais em Teresina em função da festa. Em 2019, os visitantes gastaram R$ 147,24 em média, enquanto em 2020 o gasto saltou para R$ 249,82. Isso significa que somente os turistas geraram uma receita de R$ 5,3 milhões no total.

 


Fonte: Prefeitura de Teresina
Comentar

Compartilhar Tweet 1



    Reprodução/Youtube

Durante o 6ª Congresso da Juventude IOV Mundial da Unesco, em Nova Petrópolis no Estado do Rio Grande do Sul , houve o reconhecimento da Quadrilha Junina do Piauí; Luar de São João. As informações são do Portal do Gurguéia.

Graças aos avanços da Cultura Piauiense nesses últimos 04 anos, o  estado do Piauí recebeu o convite para sediar, em 2021, O Festival Internacional de Folclore e Cultura Popular.

O Secretário Estadual de Cultura do Piauí Fábio Novo esteve presente no evento, e elogiou a equipe que compõe a Quadrilha Junina Luar de São João: " Mais do que dançar, esses meninos fazem o que chamamos de Economia Criativa da Cultura é um grande projeto,pois eles trabalham o ano inteiro envolvidos na cultura e fazendo a diferença. A SECULT apostou no trabalho do grupo que se transformou na melhor quadrilha junina do Brasil; somente no ano de 2019 A Luar de São João ganhou o Globo Nordeste e mais 15 prêmios, sendo merecedora de todas estas conquistas".

Entenda um pouco o que é a IOV

A missão da IOV é proteger, preservar e promover todas as formas de arte popular e cultura folclórica como elementos do Patrimônio Cultural Imaterial (ICH), para promover a compreensão e apreciação da diversidade cultural entre todos os povos e, assim, aumentar as perspectivas para a paz mundial .

Reconhece que, para que a cultura popular beneficie as gerações futuras, não deve sobreviver apenas como memórias registradas das gerações passadas, mas nas tradições vivas das pessoas de hoje.

A IOV foi credenciado pela UNESCO como um Centro de Experiência para o Patrimônio Cultural Imaterial e deseja continuar a sua acreditação através da sua operação.

 

Comentar
Veja como se candidatar · 21/01/2020 - 09h35 | Última atualização em 21/01/2020 - 09h47

Framme Produções seleciona atores para série sobre a 'Batalha do Jenipapo'


Compartilhar Tweet 1



A Framme Produções Audiovisuais está realizando um teste de elenco para a série ficcional  "Jenipapo - A Fronteira da Independência", que será produzida no Piauí, nas cidades de Teresina, Parnaíba, Caxingó e Oeiras, além de Alcântara (MA).

    Divulgação

A empresa está a procura dos seguintes perfis:

1- Atrizes de pele parda ou morena com traços mestiços de 20 a 50 anos
2- Atrizes de pele negra e traços africanos de 20 a 45 anos
3- Atrizes de pele branca de 20 a 45 anos
4- Atores de pele parda ou morena com traços mestiços de 18 a 65 anos
5- Atores de pele negra e traços africanos de 18 a 50 anos
6- Atores de pele branca de 30 a 65 anos
7- Atores indígenas de 40 a 60 anos 

Os interessados devem mandar currículo artístico, foto e link de vídeo para o e-mail elencojenipapo@framme.com.br e preencher o formulário do link https://forms.gle/RGaVvvVrjA6fuCkb7 
 

Comentar

A atriz Regina Duarte foi convidada pelo governo para assumir a Secretaria Nacional de Cultura e promete responder até este sábado (18). Ela já foi chamada anteriormente para o posto pelo presidente Jair Bolsonaro, mas recusou. Dessa vez, no entanto, o assédio a ela aumentou.

A atriz, conhecida por suas posições de direita, vem sendo cortejada por membros do entorno de Bolsonaro desde o anúncio da saída de Roberto Alvim. Regina disse a interlocutores que ficou animada, mas ainda está em dúvida sobre assumir o cargo.

O nome dela também foi levado por um parlamentar próximo ao presidente ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Comentar
No Teatro Cidade Cenográfica · 14/01/2020 - 15h25

Paixão de Cristo de Floriano terá Kadu Moliterno no elenco


Compartilhar Tweet 1



Reunindo grandes nomes da dramaturgia nacional e milhares de espectadores, a Paixão de Cristo que acontece em Floriano segue como um dos maiores acontecimentos religiosos do país. Esse ano o evento contará com Kadu Moliterno, Raphael Viana, Ana Cecília Costa e Miguel Rômulo.

Kadu Moliterno, Ana Cecília Costa e Raphael Viana
Kadu Moliterno, Ana Cecília Costa e Raphael Viana 

As apresentações do espetáculo acontecem dias 10 e 11 de abril, no Teatro Cidade Cenográfica, na cidade de Floriano/PI, situada a 240 km de Teresina, sempre às 20h, com entrada franca.

O grupo Escalet vem desde 1996 apresentando a maior Paixão de Cristo do Piauí, com 350 atores, 20 cenas que contam a história de Jesus do batismo à ressurreição. Atraindo milhares de espectadores, famílias, jovens e crianças, tornando-se um dos maiores evento de cunho cultural e religioso do estado do Piauí e do Brasil.

O elenco nacional esse ano conta com Kadu Moliterno, conhecido pelos episódios da série Armação Ilimitada, da Rede Globo, e pelas novelas, O Dono do Mundo, Renascer e Malhação. Ele irá interpretar o rei Herodes Antipas, da Galileia.

Também integra o elenco o ator Raphael Viana, que conduzirá a cena no personagem Pilatos, governador da Judeia, tendo se destacado nas novelas, O Outro Lado do Paraíso, O Tempo não Para e Império.

Ana Cecília Costa impressionou pela atuação na Novela Órfão da Terra e dará vida a Maria, mãe de Jesus, no espetáculo.

Para completar o elenco, Miguel Rômulo, que fez sua última participação em Verão 90, também participou de Malhação, Êta Mundo Bom e a Grande Família, da Rede Globo, será Caifás, o Sumo Sacerdote do Templo de Jerusalém.

Para Alisson Rocha, diretor de cena do espetáculo, o público poderá esperar, para esse ano, cenas marcantes, de forte impacto e emoção. “Iremos retratar um Cristo brando, porém altivo e ciente de sua missão, revelando à humanidade o poder que lhe fora dado por seu Pai.”

A produção geral do espetáculo e o texto adaptado da obra suprema do apóstolo Mateus, ficam por conta de César Crispim, que revelou o maior segredo do espetáculo para esse ano, as cenas foram todas refeitas, com temáticas mais humana e linguagem acessível a todas as idades de público. “Fazer a mensagem cristão alcança profundamente o coração dos que amam Jesus será o maior desafio e o maior presente para os espectadores em 2020.” O evento conta com patrocínio da Secretaria de Cultura do Estado do Piauí/Secult, Governo do Estado do Piauí, Governo Federal, Lei Rouanet. Apoio do Credishop, Armazém Paraíba e Ferroleste. Realização do Grupo Escalet de Teatro.

Mais informações:
www.paixaodecristopi.com.br
Telefones e whatsApp – (89) 99978 6996 – (89) 99419 1989 – (89) 99419 1808
E-mail: cesarcrispim@yahoo.com.br
Instagram - @grupoescalet
Facebook – Grupo Escalet de Teatro

Comentar

Compartilhar Tweet 1



O Centro de Educação Janela para o Mundo, mantido pela Omega Energia, no município de Ilha Grande, desenvolveu o projeto “Muro Cultural” envolvendo alunos do próprio Centro e estudantes da Escola Municipal Joana Darc, da Comunidade Barro Vermelho. O projeto foi criado para resgatar a cultura da região, identidade histórica e memória com o registro de tradições e manifestações culturais por meio da arte visual.

O primeiro resultado da ação foi a redação produzida após a pesquisa de campo realizada pelos alunos, que tiveram a oportunidade de aprender com os moradores mais velhos um pouco da história da região que habitam, as formas de sobrevivência, além das principais manifestações culturais e folclóricas. Em um segundo momento os alunos refletiram o conhecimento adquirido no muro da quadra de esportes, ao lado da Escola Municipal Lourdes Pinheiro e do próprio Centro Janela para o Mundo, no Labino. O muro foi grafitado pelos alunos com desenhos que representam as manifestações socioeconômicas e culturais das duas comunidades. Para a produção dos desenhos, os alunos resgataram as memórias da região ao entrevistar os moradores mais antigos.

Entre manifestações folclóricas estão o “Bumba Meu Boi” e a personagem “Folharal”, que se veste com saias de folhas da palha da carnaúba. Já entre as tradições da região foram registrados os cajueiros, a extração do barro vermelho para a produção de cerâmica, conhecida nacionalmente, e a produção de vassouras de palha de carnaúba, bem como extração da cera da palmeira.

Dierson Oliveira, diretor da Escola Municipal Joana Darc e grafiteiro, comentou que o projeto foi importante porque promoveu a integração entre gerações por meio da arte visual. “Fizemos um documentário e produzirmos uma redação sobre o que os alunos conheciam das suas comunidades, além de desenhos. Com o material produzido, escolhemos um muro da escola para grafitar personagens da própria comunidade, escolhidos por eles. O muro que, às vezes separa, hoje foi o que uniu a galera”, refletiu.

Professor Dierson Oliveira
Professor Dierson Oliveira 

Pedro Nicolas, 16 anos, aluno de inglês e reforço escolar do Centro de Educação Janela para o Mundo e estudante do 9º ano da Escola Municipal Lourdes Pinheiro Machado, foi um dos que participou da grafitagem e viveu uma experiência “massa”. “Participar foi legal, deixou o muro mais bonito, além disso foi minha primeira vez grafitando e é bom conhecer também mais sobre nossa cultura”, frisou.

O artesão e dançarino Alexandre explicou que a grandiosidade deste projeto está na capacidade de integração das crianças das duas comunidades. “O intercambio de conhecimento através da arte mostra que a união entre todas as localidades promove o crescimento do município de Ilha Grande como um todo. Juntos podemos fazer muito mais!”, afirma.

O Projeto será finalizado com a confecção de um livro com os registros coletados pelos alunos em campo e ficará à disposição na escola do Barro Vermelho e no Centro de Educação Janela para o Mundo.

Sobre a Omega
Fundada em 2008, a Omega Energia é uma companhia brasileira que investe em energia limpa e renovável, criando valor tangível para todos os seus stakeholders. Presente em seis estados, a Companhia detém um portfólio com 11 usinas em operação e outras 2 em construção, totalizando 1.149 MW de capacidade instalada.

A Omega no Piauí
Instalada nos municípios de Parnaíba e Ilha Grande, a Omega está presente no Piauí desde 2012 e gera anualmente 754GWH de energia com o funcionamento dos parques Delta 1 e Delta 2, que entraram em operação comercial em julho de 2014 e agosto de 2016, respectivamente. Com um investimento inicial de R$ 900 milhões, o parque está situado em uma área total de 5.071 hectares com 69 aerogeradores, capazes de gerar 144,8 MW. Atualmente, a Omega mantém direta ou indiretamente 44 postos de trabalho na operação, sendo 33 destes ocupados por pessoas da região.


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
Vai premiar vídeos · 09/11/2019 - 09h57 | Última atualização em 09/11/2019 - 11h43

Inscrições para o Prêmio #amorpeloBrasil seguem até 12 de novembro


Compartilhar Tweet 1



As inscrições para o edital #amorpeloBrasil terminam no dia 12 de novembro. Esse edital vai premiar vídeos produzidos por jovens de 12 a 18 anos sobre iniciativas de pessoas ou projetos que tenham impactado suas comunidades. As informações são do Ministério da Cidadania.

No total, serão investidos R$ 2 milhões, entre prêmios em dinheiro e capacitações. Para se inscrever e saber mais, acesse cultura.gov.br/amorpeloBrasil. 
 

 


Fonte: AsCom / Ministério da Cidadania
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Em sua 23ª edição, a Bienal de Música Brasileira Contemporânea começa neste domingo (10/11) e vai até quinta-feira (14/11), no Rio de Janeiro. O evento é da Fundação Nacional de Artes (Funarte), instituição vinculada ao Ministério da Cidadania, com a parceria da Universidade Federal Fluminense (UFF). No palco, a mais recente produção dos compositores brasileiros, em uma série de 52 obras de música sinfônica, de câmara e eletroacústica-mista. As informações são do Ministério da Cidadania. 

    Castellano/Funarte

 


Fonte: AsCom / Ministério da Cidadania
Comentar
Serão 18 episódios · 09/11/2019 - 09h18 | Última atualização em 09/11/2019 - 09h32

Websérie vai mostrar o dia a dia de brasileiros na Antártica


Compartilhar Tweet 1



O projeto Antártica Terra de Todos, é uma websérie que irá mostrar como vivem os brasileiros na estação Comandante Ferraz. O projeto tem apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cidadania, por meio da qual pode captar até R$ 2,9 milhões com patrocinadores. Com informações do Ministério da Cidadania.

A produtora que idealizou o projeto, Patrícia Azevedo, comenta que sempre quis produzir algo para o público jovem, com conteúdo. “O Brasil tem tanta coisa boa, tanta coisa legal. Eu sempre tive a vontade de fazer um projeto com conteúdo para o brasileiro, para a turma jovem. Então, quando eu recebi o convite para ir à Antártica, eu pensei: é o projeto-piloto para fazer essa websérie. Nós precisamos mostrar o que o Brasil faz dentro e fora do território nacional, de uma forma que tenha conteúdo para os jovens, que gere o interesse deles”, comenta.

    Marinha do Brasil

 

A proposta é produzir 18 episódios, com duração entre 6 e 10 minutos. Diversos temas serão tratados, como a importância da Antártica no equilíbrio climático mundial e as pesquisas realizadas pelo Brasil, nos campos da oceanografia, biologia, glaciologia, meteorologia e climatologia. A série também irá abordar a reconstrução da Estação Comandante Ferraz, que é o quartel-general da Marinha do Brasil no local. A estação fica localizada na Península de Keller, na Ilha Rei George, em uma das regiões mais próximas da América do Sul.

O projeto também prevê a publicação de um livro bilíngue, em português e inglês. A edição impressa terá um resumo dos conteúdos da série e tiragem de 2 mil volumes que serão distribuídos, de forma gratuita, para escolas e outras instituições.


Fonte: AsCom / Ministério da Cidadania
Comentar
Convocatória para seleção · 01/07/2019 - 17h14

Inscrições para o Slam Biqueira Literária do Sesc Caixeiral iniciam


Compartilhar Tweet 1



O Sesc Caixeiral, em Parnaíba, abre convocatória para seleção dos participantes do Slam Biqueira Literária 2019, que ocorrerá no próximo dia 27 de julho, a partir das 17h, no Centro Cultural.

Para participar da 5ª edição do evento cada poeta/poetisa deverá acessar o site do Sesc (www.pi.sesc.com.br), onde encontrará a ficha de inscrição, que deverá ser preenchida e enviada ao email slambiqueira@pi.sesc.com.br. As inscrições, que são gratuitas, começam nesta segunda-feira (01) e vão até o dia 12/07.

Cada poeta/poetisa deverá inscrever no mínimo três e no máximo cinco poesias autorais, que irão passar por processo de curadoria, conforme equipe designada pelo Sesc Piauí. O resultado da curadoria entre os inscritos será disponibilizado no site do Sesc no dia 16/07.

Sobre o Slam
O Slam Biqueira Literária integra as ações do Projeto Trilhas Literárias, promovido pelo Sesc Piauí com apoio do Departamento Nacional, e busca ressaltar a poesia oral e performática autoral, além de promover um espaço para mapeamento de artistas, valorização da produção local e reunir pessoas em nome do diálogo de opiniões e da arte.

O evento promoverá um encontro de poesia falada, no qual os participantes serão avaliados por uma curadoria designada pelo Sesc Piauí. Todos os inscritos terão acesso a um workshop de formação (antes do evento) e o poeta selecionado em 1º lugar (no dia do evento), pela curadoria, poderá ser incluído na programação de Literatura do Centro Cultural Sesc Caixeiral no exercício de 2019, como forma de incentivo artístico.

Clique aqui para ver a convocatória: 

http://www.pi.sesc.com.br/images/convocatoria/convicatoriaslanbiqueiraliteraria.pdf


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A banda piauiense Validuaté celebra em 2019 os seus 15 anos de existência e para comemorar a data anuncia o lançamento de uma turnê de comemoração. Serão cinco shows exclusivos em cidades do Piauí e ainda uma passagem pelas cidades de João Pessoa na Paraíba e São Luís no Maranhão. O repertório, já conhecido pelos fãs, trará sucessos desde o primeiro disco da banda até o mais recente trabalho  lançado em 2019.

O lançamento oficial da turnê acontece no próximo dia 12 de julho no Theatro 4 de Setembro. O show, que começa as 19h terá presença de convidados especiais além  do anúncio de todas as datas e cidades por onde a turnê vai passar. Neste show especial o Validuaté revisita todas as fases e formações da banda lembrando participações e prometendo surpresas.

"É um show totalmente pensado para os fãs. De repente o fã que não via a gente há 10 anos vai ter oportunidade de ouvir aquela música que tocávamos lá atrás e hoje não está mais no nosso repertório. Será uma grande festa, o local é super central, o horário favorece bastante então esperamos reunir toda essa galera para este grande dia", antecipa Quaresma, vocalista da banda.

Ao longo de uma década e meia a banda Validuaté construiu o seu estilo misturando ritmos, poesia, regionalismo e música pop, mas sempre com uma identidade forte bebendo em fontes das mais diversas, de Jorge Mautner a Zéu Britto. O grupo possui uma marca consolidada e conquistou o coração do público com sua poesia e seus arranjos únicos. Nascida a partir de um grupo de amigos músicos, já possui grandes feitos no mercado musical nacional, desde sua participação em grandes festivais às parcerias musicais e poéticas estabelecidas pela estrada do tempo. 

Em sua atual formação a banda conta com os músicos José Quaresma (Voz e violão), Igor Melo(baixo), Vazin Silva(guitarra), John Well(bateria) e Leone Vinícius(teclado) e cada um deles dá uma pitada a mais de sabor nessa mistura. Em Teresina, onde o grupo regularmente se apresenta, a Validuaté tem um grande público, fiel e empolgado. E, por meio da divulgação nos inúmeros canais virtuais, essa platéia já vai aumentando Brasil a dentro.

Nos palcos desde 2004, somente em 2008 a Validuaté lançou seu primeiro álbum “Pelos Pátios Partidos em Festa". Junto dele foi lançado um DVD, em conjunto com as bandas Captamata, Batuque Elétrico e Roque Moreira, intitulado Amostra Cumbuca Cultural. Em 2009, lançou o álbum Alegria Girar e os clipes “A Onda” e “Plaina Maravalha”. O disco teve participações especiais do poeta Ferreira Gullar, do ator e vocalista Lirinha, do ator e dublador Isaac Bardavid e do cantor, compositor e ator Zéu Britto. Deste disco a canção "A Onda" foi escolhida como tema da campanha de verão da marca carioca "FARM", dando assim mais visibilidade a banda no sudeste, onde se apresentou em grandes casas como a já extinta Stúdio SP.

Em 2013, lançou o EP Este Lado Para Cima, no qual apresentaram a primeira canção em inglês a partir de poema inédito de Torquato Neto – “I Feel So Sad This Evening’. O clipe, dirigido pelo cineasta Dalson Carvalho teve estreia nacional no site Terra. Produziram ainda o videoclipe da música “Eu te considerava tanto”, de autoria de Jonivel Veras, tornando-se um grande sucesso. 

Em 2015, a Validuaté lançou primeiro DVD e CD ao vivo, em comemoração dos 10 anos de carreira e em 2017 lançou o single "O Baile" que ganhou clipe gravado na Casa da Cultura de Teresina.

Em 2018 a banda lançou seu último álbum "Manual de Instruções Para", encerrando uma trilogia que conecta os títulos dos três discos de estúdio. Deste álbum foram lançados quatro clipes. Ainda em 2018 a banda participou do programa Show Livre com exibição nacional através do site Terra e disponibilizada na íntegra no Youtube.

A turnê de 15 anos foi aprovada pelo Sistema de Incentivo Estadual à Cultura (SIEC), e deve durar até o final de 2019. 


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
Sanfona, zabumba e triângulo · 24/06/2019 - 09h49

Iphan quer forró como patrimônio imaterial nacional


Compartilhar Tweet 1



O forró pode ser declarado como patrimônio imaterial do Brasil até meados de 2020. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) iniciou pesquisa nos nove estados do Nordeste, mais o Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo para identificar a forma de expressão que além de gêneros musicais diz respeito a festas e interações sociais ao som da sanfona, zabumba e do triângulo.

    Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A iniciativa foi bem acolhida entre os músicos como o maestro Marcos Farias, filho da cantora Marinês (1935-2007) e afilhado de Luiz Gonzaga (1912-1989), o Rei do Baião. Segundo ele, muitos grupos e artistas que se denominam “de forró” fazem adaptações de cumbia e zouk (de países hispânicos sul-americanos e caribenhos).

“Tiraram o nosso nome. A gente foi usurpado do título e jogado para essas músicas de características latinas”, reclama. Conforme Farias, o que ocorre é “apropriação indevida”, e esses grupos fazem “oxente music”, brinca.

De acordo com Hermano Queiroz, diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial do Iphan, o trabalho de registro do forró permitirá “mapear as vulnerabilidades, os riscos, a necessidade de promoção do bem”. Ele, no entanto, assinala que “o objetivo do registro não é dar autenticidade a uma narrativa”, e ressalta que há várias narrativas em circulação: “o patrimônio cultural é dinâmico”, explica.

Segundo Queiroz, não é preocupação central saber exatamente em que lugar teria surgido o forró. “A raiz não é o grande problema. O que o registro traz é o potencial de diálogo intercultural entre diversas manifestações”, crê. Ele assinala que a pesquisa do Iphan vai “mapear todos olhares e narrativas sobre esse bem imaterial’ e permitir que músicos de diferentes lugares se conheçam e passem a “ter a compreensão de que embora espraiados em todo o território cultural são irmãos”.

A apresentadora Priscila Rangel mostra no programa Em Dança, da TV Brasil, as variações na forma de dançar o forró:  

For all ou forrobodó

Desde a origem do nome, há mais de uma narrativa sobre a palavra forró. Conforme o maestro Marcos Farias, o compositor e instrumentista Sivuca (1930-2006) defendia a tese de que a palavra tem como origem a expressão em inglês de “for all”.

O termo teria sido forjado ainda no século 19 por causa da presença de trabalhadores ingleses na instalação de ferrovias e de fábricas de tecelagem no Nordeste. “Se produzia mais algodão em Campina Grande que em Liverpool”, costumava explicar Sivuca, segundo o maestro.

A versão da origem anglófila da palavra forró foi atualizada no século 20. Há quem diga que o termo teria surgido na 2ª Guerra Mundial em Natal. A capital do Rio Grande Norte recebeu 10 mil soldados norte-americanos a época do conflito. Essa versão é ilustrada no filme For All - O Trampolim da Vitória (1997), de Buza Ferraz e Luiz Carlos Lacerda.

O etnomusicólogo Carlos Sandroni, professor do Departamento de Música da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e responsável pela pesquisa do Iphan, descarta essa versão. Segundo ele, desde o século 19 há uso da palavra forró “para designar uma festa popular com dança, com música e com bebida”.

O especialista também lembra que “edição de dicionário de 1912 tem a palavra forrobodó. Na edição do ano seguinte, já tem forrobodó e forró. Ao que tudo indica forró é uma abreviação de forrobodó”. Conforme o filólogo Evanildo Bechara, forrobodó é originado da palavra galega forbodó.

Além da filologia, geografia e história da música descartariam a formação da palavra forró a partir da expressão inglesa for all. Sandroni tem como hipótese que o forró nasce longe do litoral de Natal. As matrizes originais estariam no interior do Nordeste, em uma área hoje tida como o sertão de Pernambuco, Paraíba e Ceará.

Rei do Baião e o balaio de gêneros

Sandroni também defende que “o forró se tornou uma expressão do povo do Nordeste, de uma maneira de se identificar como nordestino, que se afirma por suas características, por seu valor, por sua identidade”.

“Aos poucos a palavra forró vai se deslocando para designar não só um gênero [de música e festividade] especificamente, mas um guarda-chuva para vários gêneros como o xote, o xaxado, o arrasta-pé, a quadrilha, e o próprio forró”, descreve.

No “balaio de gêneros do forró”, apontado por Sandroni, tem destaque o baião criado por Luiz Gonzaga. O especialista lembra do papel fundamental Gonzagão a partir dos anos 1940 no rádio para a afirmação da cultura nordestina “O baião é uma empreitada consciente do Luiz Gonzaga com os seus parceiros, Humberto Teixeira [1915-197], José Dantas [1921-1962] e outros nessa etapa inicial”.

O maestro Marcos Farias concorda com o etnomusicólogo quanto à centralidade de Gonzagão. “Ele veio trazendo as nossas músicas, o baião, o forró que não existiam. Foi ele que denominou. Ele adaptou e nacionalizou o que hoje é nosso de verdade. Foi a grande voz a alma do povo nordestino. Ele trouxe as nossas alegrias, as nossas frustrações. Trouxe as nossas comidas, trejeitos, trouxe o nosso jeito alegre de levar a vida e fazer as coisas acontecerem”.

Assista o documentário do programa Caminhos da Reportagem da TV Brasil sobre Luiz Gonzaga, o Rei do Baião.

Farias conta que até a disposição dos músicos nos palcos de forró é ideia de Gonzagão. “Os baixos da sanfona são graves, então os agudos do triângulo têm que ficar do lado. Ao lado da mão direita, que faz o solo e que é agudo, tem que ficar a zabumba que é grave e, assim, contrabalancear. Ele era minucioso com isso”, detalha.

Conforme Sandroni, os três instrumentos têm origem europeia. “Isso quer dizer que é uma música europeia? Claro que não. A música é muito mais que os instrumentos, é o que se faz com os instrumentos”, pondera.

Segundo ele, “Sanfona é um instrumento evidentemente europeu”. O mesmo pode dizer da zabumba ainda que o senso comum identifique como um tambor africano. “O tipo de construção e de amarração você encontra inclusive na península ibérica”, assinala. O mesmo ocorre com o triângulo, “conhecido como ferrinho em Portugal”.

Antes do Forró, outras formas de expressão musical obtiveram o reconhecimento do Iphan como patrimônio imaterial e constam no Livro do Registro das Formas de Expressão como o caboclinho, a capoeira, o carimbo, o cavalo marinho, o frevo, o jongo, o marabaixo, o maracatu, o samba de partido alto, o samba de terreiro, o samba enredo, o samba de roda, o tambor de criola e os toques dos sinos de igrejas em centros históricos de Minas Gerais.

Comentar
Mais de 40 grupos artístico · 16/06/2019 - 11h30 | Última atualização em 16/06/2019 - 11h35

Rio recebe 1º Festival de Teatro de Formas Animadas


Compartilhar Tweet 1



Mais de 40 grupos artísticos realizaram neste sábado (15) para a cascatinha do Parque Madureira, zona norte da capital fluminense, o 1º Festival de Teatro de Formas Animadas, o Anima Praça. O evento pretende se transformar em uma grande celebração de arte da rua, reunindo oficinas variadas e apresentações que começou pela manhã e se estenderá por dez horas seguidas. O público esperado é de mais de 2 mil pessoas. O evento é organizado pelo grupos Depois do Ensaio e Ih, Contei!

    Foto: Divulgação

O Grupo Depois do Ensaio foi criado em 2012, por quatro integrantes de um curso livre de teatro. Atualmente, do grupo original restaram Thales Sauvo e Patricia Furtado, que se uniram a outras pessoas para dar seguimento ao projeto. "A gente se uniu para fazer pesquisas teatrais, porque tínhamos uma necessidade de falar de coisas nossas e para um público mais popular, mas que fugisse um pouco de fazer um trabalho do outro. Enquanto artista, a gente fazia muito trabalho para outras pessoas e nós queríamos falar de coisas nossas", disse Sauvo.

Anima Praça - Divulgação

A rua chamou sempre a atenção dos membros do grupo, oriundos de diversas localidades do estado do Rio de Janeiro. Hoje, fazem parte do grupo sete artistas, entre os quais palhaços, cenógrafos, figurinistas, bonequeiros, professores, todos voltados para a arte da cena. "Somos artistas da cena", disse Thales Sauvo.

Intervenções

Além dos trabalhos de rua, que deu aos integrantes "muitas vivências boas", o Grupo Depois do Ensaio realiza espetáculos de palco e intervenções pelo país. No mês passado, participaram de edição do Festival de Formas Animadas, em Santa Catarina, e em setembro próximo, a companhia se apresentará na Bahia. Mas ainda não havia nenhum festival desse tipo no Rio de Janeiro. Sauvo considera que o Anima Praça é uma forma de viabilizar arte de fácil acesso a um público que, muitas vezes, não tem condições de frequentar as salas de espetáculo fora do eixo teatral centro /zona sul. O grupo desempenha o papel social de levar cultura para todos, sem distinguir classes sociais e gêneros.

Já o grupo Ih, Contei! surgiu em 2014, com dois membros. A proposta é desenvolver ações voltadas especialmente para as crianças, a partir de projetos que envolvem arte e educação. As ações do grupo já foram empreendidas em mais de 30 cidades brasileiras. Os artistas foram selecionados em diversos editais com projetos de contação de histórias, intervenções poéticas, oficinas literárias, produção de brinquedos e cursos de formações artísticas.

De acordo com os organizadores do Anima Praça, as atrações se destinam a crianças de todas as idades, "de zero a 100 anos". Haverá apresentações de formas animadas, contação de histórias, teatro, além de oficinas de fantoches e bumba meu boi, entre outras atrações. A entrada é uma contribuição consciente. Será prestada durante o evento homenagem aos 30 anos do Teatro Lambe-Lambe.

O festival conta com apoio da Secretaria de Cultura do Município do Rio de Janeiro, do Serviço Social do Comércio (Sesc Rio) e da empresa Lola Cosméticos.


Fonte: Com informações da Agência Brasil
Comentar
O IFestival Dança · 16/06/2019 - 11h18 | Última atualização em 16/06/2019 - 11h28

Festival de dança em Brasília tem como tema Diversidade em Movimento


Compartilhar Tweet 1



O IFestival Dança, do Instituto Federal de Brasília (IFB), está com inscrições abertas para 11 oficinas, que serão realizadas nos dias 27 e 28 de junho. De periodicidade semestral, o evento é organizado por alunos do curso de Licenciatura em Dança e chega agora à sua 14ª edição, com o tema Diversidade em Movimento.

    Foto: Divulgação/IFestival Dança

A abertura do festival ocorrerá na noite do dia 26 de junho, com o espetáculo Batucalha, da Rodrigo Cruz Cia de Dança, de dança contemporânea. Todas as atividades têm entrada gratuita.

Conforme explica a coordenadora do curso, Juliana Passos, a definição do tema da mostra parte sempre dos alunos. Ela conta que, em várias turmas dos oito períodos acadêmicos, há pessoas com deficiência, o que tem favorecido a conscientização de professores e alunos para temas como a acessibilidade.

Segundo a professora, a grade do curso também fortalece esse princípio, já que conta com uma disciplina de Língua Brasileira de Sinais (Libras) e outra chamada Dança, diversidade e inclusão. "Os alunos têm essa situação prática mesmo de auxiliar os colegas e também quando vão fazer estágio em escolas, que são, geralmente, da rede pública, onde há crianças com deficiência e onde vivenciam na prática essa relação, observando como é importante saber lidar com esse público", acrescenta.

A coordenadora avalia que, além de aproximar os alunos da comunidade externa ao campus, o festival tem uma finalidade complementar: proporcionar a eles uma experiência que simula aquelas enfrentadas no mercado de trabalho. Todos eles, relata, Juliana, contribuíram como puderam, dividindo-se em equipes que distribuíram tarefas relacionadas à produção cultural, como a elaboração de material de divulgação e a seleção de convidados para as oficinas.

"O evento é importante porque os próprios alunos trabalham", diz Juliana. "Sempre em escola e, em geral, nos espaços de dança, o professor vai ter que trabalhar, de alguma forma, organizando o evento, tanto na parte da didática como na parte artística. Então, essa experiência de produzir um evento é parte da formação de professor da dança. Não passar por isso seria uma formação incompleta."

A coordenadora do curso ressalta que, por adotar um modelo mais participativo na organização do festival, os próprios professores têm tido, ao longo dos anos, algumas surpresas bastante positivas. Nesta edição, por exemplo, os alunos pediram a eles que preparassem uma apresentação de dança, ao invés de comparecerem somente como instrutores.

"Eles entregaram uma carta em mãos, solicitando aos professores que apresentassem algum espetáculo. Em geral, os docentes dão alguma oficina ou, então, levam os alunos para apresentar seus trabalhos finais. Dessa vez, os alunos disseram: 'não. A gente quer algo a mais'", conta.

Para o encerramento do festival, está confirmado o Baile Charme Pra Cima, de repertório de músicas negras oriundas do soul e funk e coordenação do bailarino e coreógrafo Edgar Fortunato. A festa está marcada para o dia 28 de junho, às 19h.

Quanto às oficinas, serão abordados o street jazz, o maracatu rural, a dança clássica, a iluminação cênica e a arte drag queen, entre outros assuntos. Além disso, destaca-se na programação, em decorrência do tema desta edição, a oficina Dança Contemporânea em Libras, que será ministrada por Maycon Calasancio, aluno surdo do curso de Licenciatura em Dança, do IFB.

Serviço

14ª edição do IFestival Dança - Tema “Diversidade em Movimento”
Instituto Federal de Brasília (IFB) | SGAN Quadra 610 Módulos D, E, F e G - Asa Norte, Brasília
De 26 a 28 de junho
Entrada gratuita


Fonte: Com informações da Agência Brasil
Comentar
Apresentações imperdíveis · 12/06/2019 - 18h50

Festival de Violões de Teresina abre inscrições para concurso


Compartilhar Tweet 1



Durante o mês de agosto a capital piauiense recebe um grande encontro de violonistas de várias partes do país no III Festival de Violão de Teresina. Além de apresentações imperdíveis, masterclass e outras atividades, o evento promove ainda um concurso que premiará a melhor composição. As inscrições estão abertas até o dia 26 de junho.

O Festival de Violão de Teresina é promovido pela Fundação de Apoio Cultural do Piauí e conta com o apoio da Prefeitura de Teresina por meio da Fundação Monsenhor Chaves. O edital do II Concurso de Violão de Teresina está disponível no site da FMC e, de acordo com o regulamento, as inscrições devem ser feitas através do e-mail acervoviolaobrasileiro@gmail.com.

Os interessados devem enviar um e-mail com um link do YouTube com um vídeo (sem cortes e sem edição) de no mínimo dez e no máximo 12 minutos, contendo uma ou mais peças de sua livre escolha. O material precisa ser postado no YouTube, cujo título deve ter o seguinte padrão: “II Concurso de Violão de Teresina_nome do candidato”. Os títulos das músicas podem constar no campo de descrição. Deverá ser enviada também fotocópia da carteira de identidade (ou outro documento válido) e a ficha de inscrição devidamente preenchida.

As obras apresentadas na inscrição (gravadas e disponibilizadas em link do YouTube) poderão, a critério do candidato, ser apresentadas em qualquer uma das fases (semifinal ou final) do concurso. O candidato não poderá repetir a apresentação de obras nas etapas semifinal ou final do concurso.

A pré-seleção dos candidatos será feita mediante a apreciação do conteúdo das gravações disponibilizadas nos links enviados por uma banca julgadora, a critério da Coordenação do Festival. Ela será constituída por profissionais de reconhecida idoneidade e competência.

O resultado será divulgado até o dia 30 de junho. Poderão ser pré-selecionados até dez candidatos para a fase semifinal do concurso, que acontecerá nos dias 02 e 03 de agosto, às 11h, no auditório da Oficina da Palavra. A final acontecerá no dia 04 de agosto, às 11h, na Sala de Concerto Possidônio Queiroz, no Palácio da Música, como parte da programação das atividades do Projeto Concertos Matinais, com entrada gratuita.

A premiação para os ganhadores será de R$ 3 mil para o primeiro colocado, que recebe ainda a participação, como convidado, no IV Festival de Violão de Teresina, incluídas as despesas com hospedagem, passagens aéreas, alimentação e cachê, com valor a ser definido pela coordenação do Festival. O segundo colocado recebe a premiação de R$ 2 mil. O terceiro leva R$ 1 mil de premiação.


Fonte: Prefeitura de Teresina
Comentar

Compartilhar Tweet 1



O Festival Internacional de Bonecos do Piauí chega a sua terceira edição, e este ano trará grupos da Argentina, Chile e Portugal, além de grupos brasileiros do Piauí, Maranhão Distrito Federal e Paraná totalizando a participação de 16 grupos de teatro de bonecos.

Cia. Elder Kloster - Curitiba
Cia. Elder Kloster - Curitiba 

O evento acontecerá entre os dias 10 e 15 de junho e se espalhará por toda cidade, com espetáculos diários, na Casa da Cultura, Riverside Shopping, CEU Jacinta Andrade e CEU Portal da Alegria. Centros Sociais, espaços comunitários e escolas públicas também receberão os bonequeiros.  A abertura do festival acontecerá no dia 10, às 8h, no Centro de Teresina, com um desfile cênico, com bonecos gigantes, pernas de pau e grupos artísticos.  

    El Chonchón - Chile

O evento é uma realização da Cia Calunga de Teatro e Centro Aroeira e este ano faz uma homenagem ao mestre Afonso Miguel. O organizador do festival, o bonequeiro, Chagas Vale, afirma que o evento já faz parte do calendário cultural de Teresina e que o intercâmbio cultural entre bonequeiros do mundo, no Piauí, democratiza esse gênero artístico.

 “Estamos no terceiro ano de festival e é uma enorme alegria promover um evento tão grandioso que mantem a cultura de bonecos viva. Este ano, estamos homenageando o amigo e mestre Afonso Miguel, que partiu recentemente, mas sua arte continuará fazendo a alegria de adultos e crianças. O grupo Fantochito, terá apresentações durante o festival, e será comandado por Mariana Acioli, filha do Afonso”.

Kossa Nostra
Kossa Nostra 

Além dos espetáculos, o Festival terá uma exposição fotográfica “História do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste Brasileiro” e 16 escolas públicas receberão espetáculos durante a semana do evento.

Na programação do festival haverá ainda, aulas espetáculos na Universidade Estadual do Piauí e Universidade Federal do Piauí, onde grupos de teatro irão se apresentar e em seguida haverá um debate com os alunos, abordando de forma ampla a função do boneco e do bonequeiro.

O 3º Festival Internacional de Bonecos  tem patrocínio do SIEC, Secretaria de Cultura e Governo do Estado.

 

 

Programação 3º Festival Internacional de Bonecos do Piauí

 

10 de junho

Desfile Cênico Bonecos Gigantes

 8h - Centro de Teresina

10 a 14 de junho

Espetáculos

9H – Casa da Cultura

16h – CEU Jacinta Andrade e CEU Portal da Alegria

19h – Riverside

 15 de junho

19h - Riverside Shopping


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
Muito sucesso · 29/05/2019 - 17h27 | Última atualização em 29/05/2019 - 17h33

Poeta Italo Lima lança uma série de quadros com o tema Piauí


Compartilhar Tweet 1



O escritor e ilustrador Italo Lima lançou uma série sobre seus quadros onde o tema faz uma homenagem ao Piauí.

A série tem como objetivo levar para suas obras expressões populares dos piauienses, e valorizar a essência dos moradores. 

“Poesia em moldura nasceu em 2014 com a proposta de transpor a poesia em novos formatos, e foi idealizada pelo próprio artista. A loja com seu conceito propaga a mesma essência desde quando nasceu”, destaca. 

Italo está recebendo encomendas pelo seu perfil no Instagram com o @italolimapoesias e pelo número (86) 99964-6367. 

Confira algumas das obras:

 

Comentar
Pela primeira vez no estado · 14/05/2019 - 11h31

Projeto MudaMundo 2019 fará show em cidade do Piauí


Compartilhar Tweet 1



Pelo terceiro ano consecutivo, a SLC Agrícola patrocina a realização do projeto MudaMundo. Este ano, a primeira temporada, a ser realizada no mês de maio, vai contemplar os estados da Bahia, Maranhão e, pela primeira vez, Piauí. O projeto, destinado a professores e alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental de escolas públicas, é uma realização do Ministério da Cidadania, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação.

Depois de passar por Barreiras e Formosa do Rio Preto na Bahia, no dia 15 de maio, o MudaMundo chega ao município de Santa Filomena, no Piauí. Professores e alunos das escolas da rede municipal da cidade terão a oportunidade de conhecer o projeto que vem disseminando os conceitos básicos para a formação de cidadãos críticos e comprometidos com suas comunidades. Confira a agenda com mais informações abaixo.

A iniciativa é voltada para o resgate de valores em sala de aula, buscando contribuir para a transformação social tão necessária em nosso país. Por meio das histórias vividas pelo menino João, um garoto, muito esperto, sempre pronto a auxiliar os outros e incomodado com injustiças, são transmitidos conceitos de respeito ao próximo, de cuidados com o meio ambiente e com as cidades onde vivemos. João deseja mudar o mundo, tornando-o mais solidário, a partir de pequenas ações.

O objetivo central do projeto vem ao encontro da expectativa da SLC Agrícola, patrocinadora do MudaMundo na região. “Com o projeto MudaMundo, a SLC Agrícola se propõe a transpor os conceitos pregados pela responsabilidade social, auxiliando os professores a trabalhar valores em sala de aula com os alunos, contribuindo com o sonho grande da empresa de impactar positivamente as gerações futuras”, ressalta Déa Machado, gerente de Recursos Humanos da empresa.

Em cada cidade, serão realizadas oficinas de sensibilização para professores e apresentações teatrais para alunos da rede pública do município, encenadas pelo grupo mineiro Real Fantasia. Em Santa Filomena, serão duas apresentações teatrais e uma oficina. Depois de Santa Filomena, o projeto segue para Tasso Fragoso, no Maranhão.

O patrocínio da SLC Agrícola garante ainda a doação de 1.800 conjuntos de seis livros infantis com as histórias do menino João (10.800 livros no total), sendo que em Santa Filomena, serão doados 250 conjuntos (1.500 livros). Contempla ainda 800 cadernos do professor (80 para a cidade piauiense), com sugestões de atividades para serem desenvolvidas em sala de aula para cada município. As histórias foram escritas pelo autor gaúcho Caio Riter e ilustradas pela artista plástica Laura Castilhos.

Sobre a SLC Agrícola – Fundada em 1977 pelo Grupo SLC, é uma empresa produtora de commodities agrícolas, focada na produção de algodão, soja e milho. Foi uma das primeiras empresas do setor a ter ações negociadas em Bolsa de Valores no mundo, tornando-se uma referência no seu segmento. São 16 Unidades de produção estrategicamente localizadas em seis estados brasileiros, que totalizaram 404.479 hectares no ano-safra 2017/18. O modelo de negócio da empresa é baseado em um sistema de produção moderno, com alta escala, padronização das unidades de produção, tecnologia de ponta, controle rigoroso dos custos e responsabilidade socioambiental.


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
Ministério da Cidadania · 02/05/2019 - 15h19

MudaMundo 2019 se apresenta pela primeira vez no Piauí


Compartilhar Tweet 1



Pelo terceiro ano consecutivo, a SLC Agrícola patrocina a realização do projeto MudaMundo. Este ano, a primeira temporada, a ser realizada no mês de maio, vai contemplar os estados da Bahia, Maranhão e, pela primeira vez, Piauí. O projeto, destinado a professores e alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental de escolas públicas, é uma realização do Ministério da Cidadania, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação.

Depois de passar por Barreiras e Formosa do Rio Preto na Bahia, no dia 15 de maio, o MudaMundo chega ao município de Santa Filomena, no Piauí. Professores e alunos das escolas da rede municipal da cidade terão a oportunidade de conhecer o projeto que vem disseminando os conceitos básicos para a formação de cidadãos críticos e comprometidos com suas comunidades. Confira a agenda com mais informações abaixo.

A iniciativa é voltada para o resgate de valores em sala de aula, buscando contribuir para a transformação social tão necessária em nosso país. Por meio das histórias vividas pelo menino João, um garoto, muito esperto, sempre pronto a auxiliar os outros e incomodado com injustiças, são transmitidos conceitos de respeito ao próximo, de cuidados com o meio ambiente e com as cidades onde vivemos. João deseja mudar o mundo, tornando-o mais solidário, a partir de pequenas ações.

O objetivo central do projeto vem ao encontro da expectativa da SLC Agrícola, patrocinadora do MudaMundo na região. “Com o projeto MudaMundo, a SLC Agrícola se propõe a transpor os conceitos pregados pela responsabilidade social, auxiliando os professores a trabalhar valores em sala de aula com os alunos, contribuindo com o sonho grande da empresa de impactar positivamente as gerações futuras”, ressalta Déa Machado, gerente de Recursos Humanos da empresa.

Em cada cidade, serão realizadas oficinas de sensibilização para professores e apresentações teatrais para alunos da rede pública do município, encenadas pelo grupo mineiro Real Fantasia. Em Santa Filomena, serão duas apresentações teatrais e uma oficina. Depois de Santa Filomena, o projeto segue para Tasso Fragoso, no Maranhão.

O patrocínio da SLC Agrícola garante ainda a doação de 1.800 conjuntos de seis livros infantis com as histórias do menino João (10.800 livros no total), sendo que em Santa Filomena, serão doados 250 conjuntos (1.500 livros). Contempla ainda 800 cadernos do professor (80 para a cidade piauiense), com sugestões de atividades para serem desenvolvidas em sala de aula para cada município. As histórias foram escritas pelo autor gaúcho Caio Riter e ilustradas pela artista plástica Laura Castilhos.

Sobre a SLC Agrícola – Fundada em 1977 pelo Grupo SLC, é uma empresa produtora de commodities agrícolas, focada na produção de algodão, soja e milho. Foi uma das primeiras empresas do setor a ter ações negociadas em Bolsa de Valores no mundo, tornando-se uma referência no seu segmento. São 16 Unidades de produção estrategicamente localizadas em seis estados brasileiros, que totalizaram 404.479 hectares no ano-safra 2017/18. O modelo de negócio da empresa é baseado em um sistema de produção moderno, com alta escala, padronização das unidades de produção, tecnologia de ponta, controle rigoroso dos custos e responsabilidade socioambiental.


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Visitar uma exposição de arte, assistir uma apresentação de balé são opções de entretenimento incluídas na agenda de boa parte da população. Porém, há um grupo que, não fosse a técnica da audiodescrição, estaria privado do acesso a estes bens culturais. Através de parte deste recurso, usando apenas a descrição, os deficientes visuais da Associação dos Cegos do Piauí puderam apreciar a exposição “Eu, oca” na Casa da Cultura, na tarde desta terça-feira (30).

    Renato Bezerra

O recurso da audiodescrição coloca em áudio todos os detalhes do que é visto em um filme, peça teatral ou mesmo ao descrever uma obra de arte, para que deficientes visuais tenham acesso à informação. Desde o ano passado, com a exposição do artista Cícero Manoel, a Casa da Cultura deu início ao processo de adaptação para todos os públicos através de uma parceria com a Associação Regional de Audiodescritores.

“A Casa da Cultura sempre se coloca no lugar de escuta. Aqui é um espaço plural, e essa pluralidade exige que a gente consiga se adaptar para todos. Nossa intenção é que esse trabalho deixe de ser um evento esporádico e se torne algo dentro da rotina das atividades realizadas na Casa da Cultura”, comentou Josy Brito, diretora da casa.

As obras expostas na exposição “Eu, oca”, dos artistas piauienses Avelar Amorim, Amaral, Mika e Rosa, foram descritas pelo professor Branco, especialista em deficiência visual e membro da Associação Regional de Audiodescritores. “É preciso que os artistas se preocupem, quando pensarem em seus trabalhos, em atender esse público. Fizemos uma pesquisa em 2017 e constatamos que as pessoas com deficiência têm sede de conhecer os artistas e suas obras, mas infelizmente elas não estão adaptadas”, lamenta o especialista.

Beatriz Rodrigues, consultora em audiodescrição e revisora braille, está incluída no grupo de teresinenses deficientes visuais e que lutam por acessibilidade comunicacional. “Nosso anseio não é só por acessibilidade arquitetônica, de rampas, de elevadores com vozes sonoras. Queremos uma acessibilidade que contemple a audiodescrição, porque o deficiente visual quer ir ao cinema, ao teatro, mas não vai porque sabe que não terá acesso ao que está sendo exposto”, disse Beatriz ao sugerir que a Casa da Cultura ofereça audiodescrição em todos os eventos.

“Chega um momento que não queremos apenas estudar, queremos a mesma inclusão dada as outras pessoas. Sugeri para a Josy a realização de uma oficina de dança para os deficientes. Amo dançar e gostaria muito de participar”, completou.


Fonte: Prefeitura de Teresina
Comentar