RESPONSABILIDADE SOCIAL · 27/09/2010 - 07h07

Empresas responsáveis socialmente são mais competitivas no mercado!

Empresas responsáveis socialmente são mais competitivas no mercado!


Compartilhar Tweet 1



Sua empresa desenvolve algum projeto de Responsabilidade Social? Você sabia que empreendimentos responsáveis socialmente são mais competitivos no mercado? Hoje, tão importante como ter um produto de qualidade e um preço satisfatório ao cliente, é investir em projetos sociais, pois torna empresas mais respeitadas e, por conseguinte, capaz de atrair clientes, fornecedores e muitos outros parceiros.

No Brasil e no mundo, este tema tem sido amplamente discutido nos últimos anos. O papel das pessoas e das empresas nas comunidades fomenta o interesse pelo referido debate e leva à sua prática. Em síntese, Responsabilidade Social é o privado olhando para o público. Não somente o pagamento de impostos vai gerar benefícios sociais. Antes de cidadania empresarial é individual.

Nas empresas, a partir da sua missão, tem que haver outras finalidades inseridas que somente a maximização do lucro. A mera intenção do ganho financeiro não deve ser o objetivo primordial de um estabelecimento. Ele deverá ser um catalisador de transformações sociais. Também devemos, inicialmente, ressaltar que Responsabilidade Social não pode ser confundida com Filantropia.

Oded Grajew, presidente do Instituto Ethos, uma das principais instituições que difundem a responsabilidade social no Brasil, define este conceito como: "A atitude ética da empresa em todas as suas atividades. Diz respeito às interações da empresa com funcionários, fornecedores, clientes, acionistas, governo, concorrentes, meio ambiente e comunidade. Os preceitos da responsabilidade social podem balizar, inclusive, todas as atividades políticas empresariais”.

Mas, afinal, por quais motivos uma empresa deve engajar-se com a Responsabilidade Social? A resposta é simples. Há impacto positivo em várias questões, como: ética com seus diversos públicos; estratégia empresarial; relacionamento com o mercado; melhoria da marca; valorização dos produtos / serviços da empresa, que passam a ser socialmente corretos; e inserção de uma boa reputação dos empreendimentos nas comunidades onde eles estão instalados.

Também como vantagem, posso citar o chamado “consumo consciente”, no qual consumidores buscam produtos e serviços de empresas com determinados selos e ações sociais para que os dividendos de suas compras sejam revertidos em projetos que atendam o coletivo. Com isso, as empresas responsáveis socialmente ganham, pois aumentam sua participação no mercado, e há o equilíbrio social e sustentável do país

Contudo, com todas as vantagens descritas acima, o Mestre em Administração de Empresas da Harvard Business School(EUA), Stephen Kanitz, que é consultor de empresas, diz que empresários deverão ficar alertas para o desenvolvimento de projetos de Responsabilidade Social. Ele relaciona alguns pontos descritos a seguir:

- Para não errar na escolha, os empreendedores deverão examinar primeiro qual a necessidade do Terceiro Setor, constituído por organizações sem fins lucrativos e não governamentais, que tem como objetivo gerar serviços de caráter público; e que darão suporte na execução das ações propostas para o público escolhido;

- Lembrar que nem sempre o que a empresa faz é o que a comunidade necessita. Ex: Uma escola de idiomas oferta um curso de Inglês aos moradores do bairro onde está instalada, mas os problemas a serem resolvidos são outros;

- Ao assumir um projeto social a empresa será, obviamente, responsabilizada. O sucesso ou o fracasso do projeto será da empresa realizadora;

- Responsabilidade social é coisa séria e tem que ser continuada. A mudança de uma diretoria, por exemplo, não pode interferir no compromisso assumido;

- Não fazer muito alarde pelo trabalho que faz para a comunidade. É melhor que o reconhecimento venha naturalmente. Quem é bom não diz que é bom. O mercado é que reconhece;

- Muitos problemas sociais não se adéquam a marca de uma empresa, que foi construída com muito esforço ao longo do tempo. Para exemplificar, até que ponto um projeto social contra a prostituição contribuirá para o fortalecimento de uma marca?;

- Não usar o retorno de investimento para a escolha do projeto social é outra dica importante, pois os consumidores não são bobos. Imagine que uma empresa fortalece um grupo de produtores de determinada matéria-prima que, na verdade, será utilizada pela própria empresa, que vai comprar por um preço menor ou com maior facilidade;

Empresários inteligentes percebem que deverão engajar-se de forma correta em projetos sociais, pois os mesmos, se bem planejados e executados, são excelentes para os indivíduos e empresas. É bom lembrar que projetos sobre a consciência ecológica, a capacitação profissional e a integração social estão em alta.

Reforço que antes de tudo, a responsabilidade social é do individuo, ou seja, minha e sua, e não de uma empresa. Façamos a parte que nos cabe diariamente para um mundo melhor. Até a próxima e boa sorte!