Ranking, política e mais -

Veja os principais destaques do Ciência Política desta quarta-feira (24/05)

Confira os principais destaques do Ciência Política desta quarta-feira (24/05), levantados pelo 180graus:

MPT entra no caso da mulher submetida a 15 anos de trabalho escravo em Teresina

O procurador chefe do Ministério Público do Trabalho (MPT), no Piauí, Edno Moura, entrou no caso da mulher submetida a 15 anos de trabalho escravo em Teresina, que repercutiu nacionalmente nos últimos dias, segundo informações do Ciência Política.

Ela viveu por cerca de 15 anos em situação análoga a escravidão, seguido por cárcere privado, tortura, onde a acusada de submetê-la a tais situações é uma empresária da capital e já foi candidata a deputada e vereadora.

Edno Moura apontou o crime de exploração do trabalho infantil, pois a mulher começou a ser explorada quando ainda era menor de idade, hoje com 27 anos, segundo investigação. A vítima, por tanto, cresceu sem direito a educação, sob maus tratos, dentro de casa.

O MPT solicitou o inquérito à Polícia Civil para obter acesso aos dados da investigação para tomar as providências, quanto a todas as responsabilidades na área trabalhista. O chefe do MPT revelou que o órgão já está investigando outros casos semelhantes a esse já estão em investigação no Ministério Público do Trabalho.

Veja os canais de denúncias:

Foto: Reprodução/ Ciência Política

Brasil sai da 94ª para a 11ª posição no trabalho escravo

Em levantamento apontado pelo jornalista José Osmando, no Ciência Política desta quarta-feira (24/05), o Brasil saiu da 94ª colocação para a 11ª no ranking mundial do trabalho escravo.

No ano de 2013, o Global Slavery Index lançou uma pesquisa analisando cerca de 160 países e descobriu-se que o Brasil tinha entre 200 mil a 220 mil pessoas em condições de trabalho escravo.  

Nesta terça-feira (23/05), a ONG Walk Free, que é uma instituição internacional de direitos humanos, divulgou que em 2010 o Brasil estava na posição 94ª e passa agora para a posição 11ª, subindo negativamente 83 posições. De 200 mil a 220mil pessoas em situação de trabalho análogo a escravidão no Brasil, foi-se para mais de 1 milhão de pessoas.

Franzé Silva garante que, após escolha do PT, demais pré-candidatos irão aceitar e ficar unidos

O pré-candidato a Prefeitura de Teresina e presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Piauí (Alepi), Franzé Silva, esteve ao lado do deputado federal Marlong Solano e afirmou que após ser escolhido o nome do candidato pelo Partido dos Trabalhadores (PT), os demais pré-candidatos irão aceitar e ficar unidos, conforme noticiado no Ciência Política.

"As conversas continuam acontecendo, cada pré-candidato está fortalecendo o Partido dos Trabalhadores dentro do seu dia a dia. No momento em que eu estou nos bairros, no momento em que o Merlong também se posiciona, na hora em que o Fabio Novo está trabalhando, na hora em que o Vinícius está trabalhando, é o PT que está acontecendo em toda a cidade de Teresina. E na hora de unificar, conhecemos bem o PT. Nós vamos todos juntos naquilo que for determinado com a melhor estratégia a partidária", disse Franzé Silva.

Merlong Solano fala sobre apoiar candidato após nome ser escolhido no PT

Como pré-candidato a Prefeitura de Teresina, Merlong Solano se posicionou após fala de Franzé Silva, que viajou para Brasília (DF), nesta quarta-feira (24/05), sobre apoio após escolha do nome no Partido dos Trabalhadores (PT), conforme noticiado no Ciência Política.

"Ainda não propriamente, porque também receberei o deputado Fábio Novo para dialogar, é um companheiro também de longa data do partido. E o que eu considero fundamental é que nós continuemos o trabalho, cada um ocupando o máximo de espaço na cidade, ampliando o diálogo com a própria população, também com as lideranças, num clima de entendimento, embora possa haver certas divergências naturais do processo político, para que, na hora da decisão, eu acho que lá para o final de agosto será tomada, todos estejamos juntos na linha de frente da campanha", declarou Merlong Solano.

Depois da nova regra fiscal, Arthur Lira prevê esforço pela Reforma Tributária

Após aprovação da nova regra fiscal, com ampla folga de 372 votos favoráveis e 108 contra, o Congresso está amadurecido para votação da Reforma Tributária, conforme noticiado no Ciência Política.

"Após o arcabouço, vamos focar nossas atenções em uma Reforma Tributária para todos, justa, simplificada, mais próspera e que traga realmente investimentos externos para o país", declarou o presidente da Câmara, Arthur Lira.

Rafael Fontelles lista concordâncias e discordâncias da Reforma

Em Brasília (DF), o governador do Estado do Piauí, Rafael Fontelles, está liderando governadores na discussão quanto a Reforma Tributária, na qual está debatendo desde o início primeiro como presidente do Comsefaz, conforme noticiado no Ciência Política.

Segundo o jornalista Francy Teixeira, há um consenso, uma série de pontos, onde o principal é o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), assim com a redução das alíquotas do imposto para a população, na redução da carga Tributária. 

Rafael Fontelles defende o IVA único, ou seja, uma alíquota que abranja tanto os impostos federais quanto os estaduais. Já o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, apesar de se mostrar favorável a Reforma Tributária, ele defende o IVA Dual, que seria um imposto para as alíquotas federais e outro para os tributos estaduais. Surgindo assim, algumas discordâncias.

Foto: Reprodução/ Ciência Política

Instagram

Comentários

Trabalhe Conosco