"Intimidação Política" -

Testemunha no processo contra Brazão afirma que morte de Marielle foi para “aterrorizar” a oposição

O deputado Tarcísio Motta (Psol-RJ), testemunha no processo que pode resultar na cassação do mandato do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), afirmou que o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes em 2018 foi uma tentativa de amedrontar aqueles que desafiassem os interesses das milícias no Rio de Janeiro. Ele destacou que o Psol, do qual fazia parte na época, representava um obstáculo para esses interesses, especialmente em questões de regularização fundiária.

Motta mencionou um projeto de lei apresentado por Brazão na Câmara de Vereadores do Rio, o PLC 174/16, que visava flexibilizar a legislação sobre regularização de imóveis em áreas de interesse das milícias. Esse projeto, apesar de aprovado, foi posteriormente considerado inconstitucional. Ele também criticou a ausência de algumas testemunhas de defesa no processo, ressaltando a importância de seus depoimentos para esclarecer os fatos.

Durante a audiência, Marcos Rodrigues Martins, assessor de Brazão, corroborou que as modificações no projeto não foram feitas exclusivamente pelo deputado, mas sim por várias comissões temáticas da Câmara de Vereadores. Ele enfatizou que o objetivo principal das alterações era facilitar a regularização de imóveis construídos, refletindo o interesse público em arrecadação de taxas e na legalização das construções.

Foto: Reprodução (Agência Câmara de Notícias).

A defesa de Brazão, representada pelo advogado Cléber Lopes, argumentou pela suspensão do processo até que as testemunhas ausentes sejam compelidas a depor. No entanto, a relatora do caso, deputada Jack Rocha (PT-ES), lembrou que o Conselho de Ética não tem o mesmo poder coercitivo de uma autoridade judicial para forçar testemunhas a comparecerem.

O presidente do Conselho de Ética, deputado Leur Lomanto Júnior (União-BA), anunciou que Chiquinho Brazão será ouvido pelo colegiado na próxima terça-feira (16/07), juntamente com outras testemunhas definidas pela defesa. A audiência visa esclarecer os detalhes do processo que envolve acusações graves contra o parlamentar.

Fonte: Reprodução (Agência Câmara de Notícias)

Instagram

Comentários

Trabalhe Conosco