Diante da exposição -

Líder da oposição questiona Moraes e defende Ramagem no caso da 'Abin paralela'

O líder da oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN), revelou ter sido procurado pelo deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) para discutir sua participação na Comissão Mista de Controle de Atividades de Inteligência do Congresso (CCAI). Ramagem, que ocupou o cargo de diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) durante o período em que se suspeita de monitoramentos ilegais, busca orientações diante da exposição que essa participação pode acarretar. Com informações do R7.

Foto: WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO

Marinho, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, esclareceu que não aconselhou Ramagem a deixar a CCAI, mas apenas o incentivou a ponderar sobre as consequências de sua permanência, considerando a possível exposição pública. O senador defendeu que Ramagem, como parlamentar em pleno exercício de suas atividades, não teve acesso a informações privilegiadas durante os trabalhos da comissão.

O senador também questionou a prerrogativa do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes de atuar no processo que investiga a chamada "Abin paralela". Marinho argumentou que qualquer crime cometido por cidadãos ou autoridades deve ser investigado, porém, deve ocorrer dentro dos procedimentos adequados do sistema judiciário brasileiro. Ele expressou preocupação com o respeito às prerrogativas do Congresso, que tem o dever constitucional de fiscalizar os órgãos de inteligência do país.

As investigações sobre a chamada "Abin paralela" apontam para a suspeita de uso ilegal da estrutura da Abin para espionagem de adversários políticos da família Bolsonaro. A Polícia Federal, por meio das operações Última Milha e Vigilância Aproximada, apura o suposto monitoramento ilegal de autoridades brasileiras, jornalistas e advogados, iniciando os trabalhos em 2023. Recentemente, nove mandados de busca e apreensão foram cumpridos, com foco na apreensão de dispositivos eletrônicos e documentos que possam esclarecer a natureza do esquema de monitoramento ilegal.

Instagram

Comentários

Trabalhe Conosco