Veja a nota na integra -

Sindicato de policiais repudia “ala demoníaca” da Vai-Vai: “Escárnio”

O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) emitiu uma nota de repúdio ao desfile da Vai-Vai, de São Paulo. A entidade afirma que ao retratar policiais como demônios, durante o desfile no Sambódromo do Anhembi, a escola “tratou com escárnio a figura de agentes da lei.”

Segundo os policiais, com direito a chifres e outros itens que remetiam à figura de um demônio, as alegorias utilizadas na ala “Sobrevivendo no Inferno”, demonizaram a polícia.

Foto: Instagram/ReproduçãoSindicato de policiais repudia “ala demoníaca” da Vai-Vai: “Escárnio”

Os delegados entenderam que, “ao adotar tal enredo, a escola de samba, em nome do que chama de ‘arte’ e de liberdade de expressão, afronta as forças de segurança pública, desrespeita e trata, de forma vil e covarde, profissionais abnegados que se dedicam, dia e noite, à proteção da sociedade e ao combate ao crime, muitas vezes, sob condições precárias e adversas, ao custo de suas próprias vidas e famílias.”

Confira a nota do sindicato na íntegra

O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) manifesta, veementemente, repúdio ao Grêmio Recreativo Cultural e Social Escola de Samba Vai-Vai, que, na noite de sábado (10/2), no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo-SP, durante seu desfile, tratou com escárnio a figura de agentes da lei.

Com direito a chifres e outros itens que remetiam à figura de um demônio, as alegorias utilizadas na ala “Sobrevivendo no Inferno”, demonizaram a polícia – algo que causa extrema indignação.

Ao adotar tal enredo, a escola de samba, em nome do que chama de “arte” e de liberdade de expressão, afronta as forças de segurança pública, desrespeita e trata, de forma vil e covarde, profissionais abnegados que se dedicam, dia e noite, à proteção da sociedade e ao combate ao crime, muitas vezes, sob condições precárias e adversas, ao custo de suas próprias vidas e famílias.

É de se lamentar que o Carnaval seja utilizado para levar ao público mensagem carregada de total inversão de valores e que chega a humilhar os agentes da lei.

O Sindpesp não compactua com este tipo de manifestação e presta solidariedade aos profissionais da segurança pública de todo o País – estes, sim, verdadeiros heróis, que merecem homenagens, reconhecimento e mais respeito por parte da agremiação, para dizer o mínimo.

Outrossim, o Sindpesp aguarda que a Vai-Vai, num momento de lucidez e de reflexão, reconheça que exagerou e incorreu em erro na ala em questão, e se retrate, publicamente. Não estamos falando, afinal, apenas dos policiais, sejam civis ou militares, mas, sobretudo, de uma instituição de Estado que representa e está a serviço de toda a sociedade bandeirante.

Vai-Vai

O retorno da Vai-Vai ao Grupo Especial fez um manifesto de luta e resistência durante a apresentação no Anhembi. A começar pelo título do enredo, que citou música dos Racionais MC’s (“Capítulo 4, Versículo”) — Mano Brown esteve presente e participou da abertura do desfile. A letra do rap fala da exclusão do povo negro, alvo de violência policial e sem oportunidades.

No aspecto musical, houve intervenções com DJ em meio ao samba. A comissão de frente trouxe o Largo do São Bento, berço do hip hop em solo paulistano. Teve as portas do metrô se abrindo e, de lá, saindo componentes para dançar break e black music. Em primeiro plano, uma representação de Exu em uma moto. Pichações e grafite também estiveram presentes ao longo de toda a apresentação.

A escola do Bixiga também opôs a cultura popular, da qual a agremiação é um expoente, ao movimento modernista, forjado pela elite no Theatro Municipal em 1922. Trouxe ainda a estátua de Borba Gato toda grafitada e queimando. A representação do bandeirante já foi alvo de protestos e até incendiada.

Fonte: Com informações do Metrópoles

Instagram

Comentários

Trabalhe Conosco