Campanha 'A favor do trabalho' · 26/05/2022 - 12h00

Psicologia auxilia na identificação de relações abusivas no trabalho


Compartilhar Tweet 1



Dando seguimento às ações da campanha A favor do trabalho, contra o assédio, a Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Assédio Sexual e à Discriminação do Tribunal de Justiça do Piauí (TJPI) promoveu a palestra Assédio Moral no Trabalho sob a Ótica da Psicologia, na tarde desta quarta-feira (25/05), para servidores e servidoras do Tribunal.

Para Diana Márcia de Carvalho Melo, psicóloga palestrante, a contribuição da psicologia contra o assédio ocorre exatamente quanto alerta as pessoas sobre essa relação abusiva no trabalho. Ela explica que é fundamental que as pessoas identifiquem o que é apenas um elogio e o que é assédio e que denunciem.

“A psicologia ajuda quando desperta as pessoas em relação ao autorrespeito e à consideração ao próximo, fazendo com que não se deixem lesar por não confiarem em seu potencial. Na realidade, o assédio moral está ligado a um processo sistemático repetitivo que leva o outro a se descredenciar de si mesmo, passando a se observar como alguém sem estima, sem competência e isso não é real”, pontuou a psicóloga.

AÇÕES INTEGRADAS

A campanha A favor do trabalho, contra o assédio segue até o dia 30, com o objetivo de conscientizar todos os que fazem o TJ-PI a respeito da gravidade do tema. Estão acontecendo palestras presenciais e virtuais, atividades de orientação a servidores(as), terceirizados(as) e estagiários(as), além de cartilha e da disponibilização de uma página, no portal do TJ-PI, com informações sobre assédio e discriminação, e de um formulário para denúncias.

Para a presidente da Comissão de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral, Assédio Sexual e à Discriminação do TJPI, juíza Maria Luiza, é importante conscientizar os gestores e todo o corpo funcional do Tribunal a não praticar e a denunciar qualquer prática de assédio ou discriminação. “A denúncia é sigilosa e será encaminhada diretamente à Comissão”, alerta a magistrada.

PostMídia: (86) 9 9800-9535


Fonte: TJ-PI

Comentários