Nota enviada ao MPF · 05/09/2019 - 08h06 | Última atualização em 05/09/2019 - 09h19

Procuradores da Lava Jato pedem exoneração por incompatibilidade com Raquel Dodge


Compartilhar Tweet 1



Seis integrantes do grupo de procuradores da Lava Jato que atuam na Procuradoria-Geral da República (PGR) pediram exoneração da força-tarefa nessa quarta-feira (04/09). Em nota interna enviada aos colegas do Ministério Público Federal (MPF), a equipe disse que a saída foi provocada por "grave incompatibilidade de entendimento" com a procuradora Raquel Dodge. 

    José Cruz/Agência Brasil

No comunicado, os procuradores Raquel Branquinho, Hebert Mesquita, Maria Clara Noleto, Luana Vargas, Alessandro Oliveira e Victor Riccely disseram que discordaram de manifestação enviada na terça-feira (03/09) ao Supremo Tribunal Federal (STF) por Raquel Dodge. Conforme apurado pela Agência Brasil, o documento, que está em segredo de Justiça, está relacionado com a delação do ex-executivo da empreiteira OAS, Léo Pinheiro, no âmbito da Operação Lava Jato. 

O primeiro mandato de dois anos de Raquel Dodge termina no dia 17 de setembro. A renovação do mandato de Dodge pelo mesmo período ou a escolha de um novo procurador depende de uma indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Nota da PGR

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, divulgou na noite dessa quarta-feira (04/09) nota pública reafirmando que cumpre a Constituição e a lei. Segue:

Ao confirmar que recebeu pedido de desligamento de integrantes de sua equipe na área criminal, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, reafirma que, em todos os seus atos, age invariavelmente com base em evidências, observa o sigilo legal e dá rigoroso cumprimento à Constituição e à lei. Todas as suas manifestações são submetidas à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República


Fonte: Agência Brasil

Comentários