Controle ao Covid-19 · 01/06/2020 - 10h02 | Última atualização em 01/06/2020 - 10h31

MPPI realiza inspeção na Penitenciária Mista de Parnaíba


Compartilhar Tweet 1



O promotor de Justiça Rômulo Cordão, titular da 8ª Promotoria de Justiça de Parnaíba, realizou uma inspeção técnica na Penitenciária Mista de Parnaíba. O objetivo da visita foi verificar as medidas que foram adotadas pelo presídio para controlar a covid-19, além de acompanhar a situação dos detentos.

Durante a vistoria, o representante do Ministério Público do Piauí conversou com a gestão do presídio sobre as medidas que estão sendo adotadas para evitar o surgimento de casos do novo coronavírus na unidade prisional. Uma das estratégias adotadas foi a suspensão das visitas de familiares aos presos.

Há três meses, os apenados estão sem receber visitas pessoais em razão da pandemia do novo coronavírus. Mas a gestão da penitenciária criou a visita virtual que é feita por meio de Whatsapp Web. Outras estratégias adotadas são a limitação de visitas de advogados por dia e a criação de celas para que novos detentos cumpram uma quarentena mínima antes de serem inseridos em outras celas com detentos que já estão no presídio.

“Fora as perguntas que já são feitas rotineiramente nas inspeções feitas nos estabelecimentos prisionais, essa teve um tom especial porque foi, justamente, no sentido de aferir quais medidas estão sendo tomadas para prevenir a entrada da covid-19 no sistema penitenciário de Parnaíba. Verificamos que a administração penitenciária adotou diversas medidas, no sentido de prevenir, entre as quais a suspensão das visitas de familiares, que agora é feita pelo WhatsApp Web.

Houve também uma limitação da visita de advogados por dia; os agentes passaram a trabalhar usando máscaras, luvas e usando álcool em gel a todo instante. Além disso, a fim de não parar os processos de réu preso, nós do Ministério Público e a da Justiça estamos realizando audiências por meio de videoconferência. Isso faz com que seja respeitado o devido processo legal e que as pessoas tenham os seus processos em andamento. Conversei com a população carcerária, eles estão entendendo a necessidade das medidas que estão sendo tomadas , até como forma de resguardar às famílias deles”, avalia o promotor Rômulo Cordão.

 


Fonte: Ministério Público do Estado do Piauí - MPPI

Comentários