Reforçam o alerta · 17/06/2022 - 11h09

A menos de dois anos do prazo final, maioria dos municípios do Piauí ainda possuem lixões


Compartilhar Tweet 1



O Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público do Piauí reforçaram o alerta às Prefeituras do Piauí para o fim dos lixões. Por isso, no último mês foi promovido um encontro com os prefeitos municipais e gestores ambientais para apresentar o projeto “Zero Lixões”. O prazo estipulado pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) se encerra em 2024 e em solo piauiense, a extinção dos lixões ainda está distante de se concretizar.

No mês em que se celebra o Dia Mundial do Meio Ambiente, o alerta versa para a destinação incorreta dos resíduos sólidos, haja vista que estimativa feita pelo TCE-PI aponta que 90% dos municípios piauienses têm lixões, ou seja, não destinam de modo correto os resíduos sólidos.

Desde 2012 o Piauí conta com a expertise da Sterlix Ambiental e Raiz Soluções em Resíduos, pertencente ao Grupo Natus Ambiental, que fomentam a gestão de resíduos de maneira eficiente e segura, sem danos ambientais e observando os parâmetros exigidos na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Nesse âmbito, o coordenador de Engenharia, Segurança e Meio Ambiente da empresa, Rafael Marques, reitera a importância de se ampliar a conscientização quanto à gestão dos resíduos e relata os riscos inerentes ao descarte incorreto do lixo, pontuando a relevância do cumprimento dos parâmetros para uma proteção mais efetiva do meio ambiente.

"Os danos dessa prática são incalculáveis, dentre os principais estão a contaminação do solo, a poluição do ar e os riscos à saúde pública. O descarte inadequado de resíduos também leva à formação de ilhas de lixo nos rios, prejudicando a sobrevivência da fauna e flora de diversas regiões", explica.

De acordo com Rafael Marques, os efeitos podem ser sentidos por muito tempo, visto que alguns materiais, como o plástico, demoram centenas de anos para se decompor. Outro problema causado pelo descarte inadequado de resíduos nos rios e terrenos baldios é a proliferação de insetos vetores de doenças, como o Aedes aegypti, que causa a dengue, a zica e a chikungunya. "Isso ocorre devido ao acúmulo de água parada no lixo, formando o criadouro ideal para esse mosquito", destacou.

Comentários