Crime de stalking · 29/06/2022 - 09h06

No Piauí, 470 pessoas sofreram stalking; cresce suicídio e crime de importunação


Compartilhar Tweet 1



Recém sancionado, o crime de stalking, que é a perseguição virtual ou física, já prejudicou 471 piauienses de junho a dezembro de 2021, segundo o Anuário da Segurança Pública divulgado nesta terça-feira (28). As informações são do Cidades em Foco

    Cidades em Foco

O anuário é uma das principais referências de dados sobre a violência no País. Este ano, foi incluído o crime de stalking (perseguição) já que a lei foi sancionada em abril de 2021.

O duro retrato da violência no Piauí mostra que aumentou o número de estupro e a importunação sexual. No levantamento, houve um aumento de 55% no crime de importunação, passando de 180 casos registrados para 280.

O crime de assédio teve redução, de 104 denúncias para 87.  Já a violência psicológica passou de um caso para 302 denúncias.

O Anuário traz ainda o aumentou em 60% dos registros de suicídios, sendo 149 mortes em 2020 e 239 no ano passado.

Violência contra a população LGBTQI+ cresce em 200%

O Piauí teve um aumento de 200% no número de homicídios contra a população LGBTQI+, segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, que foi divulgado nesta terça-feira (28).

De acordo com os dados, em 2020 foram registrados dois homicídios dolosos, quando há a intenção de matar. Já em 2021 foram 6 mortes, ou seja, um aumento de 200%.

No caso de estupros, ocorreu uma redução de 5 para 4 casos, enquanto em lesão corporal dolosa foram 32 em 2020, e 12 em 2021, uma redução de 62%.

Outros estados

Para os dados apresentados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, nem todos os estados apresentaram informações, mas no caso das mortes, ocorreu um aumento de 167 para 179 em todo o país.

Goiás aparece com um aumento de 375%, saindo de 4 mortes em 2020, para 19 em 2021. Amazonas parece com aumento de 250%, passando de 4 para 14 mortes. Mato Grosso do Sul também aparece com 200% de aumento, de 2 para 6 casos.

''PostMidia'' (86) 9 8188-2907


Fonte: Cidades em Foco

Comentários