'Muito desesperador' -

'A gente torce é que o vulcão entre em erupção', diz brasileira que deixou casa em cidade evacuada

Jéssica Costa, uma brasileira que está a uma semana distante de seu lar, encontra-se na expectativa de que o vulcão Fagradalsfjall entre em erupção. Enquanto aguarda, Jéssica, que está no sétimo mês de gestação, vive a angústia de não saber quando poderá retornar para casa, ou mesmo se terá a possibilidade de fazê-lo. Ela é uma das mais de 3,6 mil pessoas que residem na cidade de Grindavik, situada na península de Reykjanes, na Islândia. Na noite da última sexta-feira (10/11), todos eles tiveram que abandonar suas residências e a maior parte de seus pertences em questão de horas. As informações são do Terra.

Foto: Reprodução/Instagram/@jecacostaa

A cena é apocalíptica. Jéssica conta ao Terra que sentiu como no filme 2012, em que a humanidade é ameaçada por catástrofes naturais. "Era muita gente na rua. Era o posto de gasolina cheio. Eram as pessoas indo embora. Foi muito desesperador", relembra a chef de cozinha.

Ela e a família perceberam que havia algo errado antes mesmo do anúncio do governo de que seria necessário evacuar a cidade. Naquela tarde de sexta, Jéssica estava ajudando uma amiga, também brasileira e grávida, a enrolar brigadeiros para o seu chá de bebê.

"A casa fazia um tremor, um balanço. E continuava. Era como se você estivesse em uma cachoeira rasa. Essa é a sensação. Como se eu estivesse em uma cachoeira rasa, sentindo a água forte passar por ali", explica. Os abalos sísmicos são comuns na Islândia e Jéssica já estava acostumada com eles. Mas quando os tremores se tornaram ininterruptos, ela e o marido se assustaram e decidiram deixar o local. Até então, eles achavam que iriam apenas passar uma noite fora.

Cidade repartida

Quando retornar, Jéssica não sabe se vai encontrar tudo no lugar. Registros da cidade de Grindavik mostram fendas enormes que se abriram no chão. "Metade da cidade de Grindavik se partiu em duas partes, e tem uma parte da cidade que está afundando. A gente já sabe que tem lugares que estão destruídos, casas destruídas. A gente já sabe que algumas pessoas não vão conseguir voltar", diz.

A informação que Jéssica tem é de que sua casa ainda está de pé, mas ela teme por danos estruturais que podem ter atingido o imóvel. Em dado momento, foi estimado que 100 terremotos atingissem a região da cidade a cada uma hora.

A brasileira considera que está em uma situação privilegiada em meio ao caos. Ela, que trabalha como chef no renomado spa termal de Blue Lagoon, está abrigada com o marido, o filho e a gata em um apartamento cedido pela empresa do esposo.

"A gente tem muita sorte em relação a isso, porque não estamos precisando pagar aluguel. Já que todo mundo que mora ali ainda tem que pagar as suas casas, que estão para trás. E todo mês é um valor altíssimo que a gente tem que pagar de financiamento de casa", diz.

Ela explica que o governo da Islândia não está oferecendo ajuda financeira aos que precisaram deixar suas casas, mas oferece abrigo a quem precisa. Uma queixa de Jéssica é com relação aos bancos que, mesmo com a situação, não trouxeram opções de congelamento de parcelas para as famílias. "As coisas aqui na Islândia são absurdamente caras. E claro, quando você fala que uma pessoa perdeu a casa dela, ela perdeu tudo."

A certeza na incerteza

Daqui menos de dois meses, a única coisa que Jéssica sabe que irá acontecer é a chegada de mais um menino em sua família. Ela preferiu não revelar o nome do neném que está por vir, mas garantiu que os familiares do Brasil saberão pronunciá-lo, mesmo com a influência islandesa.

Das coisas que não havia conseguido levar, o que mais a preocupava era o enxoval do bebê. Por sorte, ou pressentimento, ela havia arrumado todas as roupinhas do filho e as deixado juntas. Na última segunda-feira, 13, os moradores de Grindavik receberam uma autorização para retornar à cidade para buscar pertences e o marido de Jéssica conseguiu recuperar o enxoval do pequeno. "Já me tranquilizou", diz a brasileira.

Instagram

Comentários

Trabalhe Conosco