92% eram homens -

2,5 mil pessoas foram libertados de condições semelhantes à escravidão em 2022

A Inspeção do Trabalho resgatou 2575 trabalhadores em condições de trabalho análogo ao escravo no Brasil em 2022. Os dados foram publicados pelo Ministério do Trabalho em Emprego nesta terça-feira (24/01). Com informações Metrópoles.

O maior resgate de trabalhadores em condições análogas à escravidão aconteceu em uma fazenda de cana-de-açúcar em Varjão de Minas (MG), quando 273 trabalhadores foram resgatados em condições degradantes de trabalho. No total, 73% das ações ocorreram na área rural.

O maior resgate de trabalhadores em condições análogas à escravidão aconteceu em uma fazenda de cana-de-açúcar em Varjão de Minas (MG), quando 273 trabalhadores foram resgatados em condições degradantes de trabalho. No total, 73% das ações ocorreram na área rural.

Violação

O chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), auditor fiscal do Trabalho, Maurício Krepsky ressalta que “o resgate tem por finalidade fazer cessar a violação de direitos, reparar os danos causados no âmbito da relação de trabalho e promover o devido encaminhamento das vítimas para serem acolhidas pela assistência social”.

Já em relação ao perfil dos resgatados, que 92% eram homens, e 29% deles tinham entre 30 e 39 anos. Mais da metade, 51%, residiam na região nordeste e outros 58% eram naturais dessa região. No total, 83 % deles se autodeclararam negros ou pardos e 15% brancos e 2% indígenas.

Os dados foram divulgados na semana alusiva a 28 de janeiro, instituído como o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo em homenagem aos auditores fiscais do Trabalho Eratóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva e ao motorista Aílton Pereira de Oliveira, mortos em ação no ano de 2004. O caso ficou conhecido como como Chacina de Unaí.

PostMídia: (86) 9 9999-5841

Comentários