Compartilhar Tweet 1



A Mega-Sena 2277 desta quarta, dia 8 de julho, pode pagar um prêmio de R$ 32,6 milhões – valor confirmado antes do sorteio. Confira os números sorteados e veja se você foi o vencedor!. As informações são do Metro.

Resultado da Mega-Sena 2277:

10, 22, 23, 37, 53, 60

 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



    Reprodução/Metrópoles

O apresentador do Bom Dia São Paulo, da Globo, Rodrigo Bocardi, divertiu os telespectadores na manhã desta quarta-feira (08/07) com um pequeno erro de cálculo de multiplicação que rendeu boas risadas. As informações são do Metrópoles.

Na entrada ao vivo, o repórter Rômulo D’Avila falava sobre uma tapioca vendida a R$ 3, em São Paulo. Bocardi então fez o cálculo que, se 100 unidades fossem vendidas em um dia, o faturamento seria de R$ 3 mil. A colega Glória Vanique rapidamente corrigiu o colega, falando que seriam R$ 300.

Na esportiva, Bocardi riu e brincou com os colegas. Já nas redes sociais, os internautas comentaram que o jornalista deveria deixar o programa para ser o novo ministro da Economia. O apresentador se divertiu com os comentários e entrou na brincadeira.

“Obrigado pela descontração e bom humor. Depois dessa, deixei todas as contas e números por conta da Glória, para não correr nenhum risco”, riu Bocardi. D’Avila também entrou na brincadeira e postou em seu Twitter: “A tapioca de três reais (que vezes 100 é 300)! Hehehehhe”.

Veja a repercussão:

    Reprodução
    Reprodução
    Reprodução
    Reprodução
    Reprodução
    Reprodução

 

Comentar
Combate a Covid-19 · 08/07/2020 - 11h13 | Última atualização em 08/07/2020 - 11h30

Em 3 meses, supermercados implantam mais de 60 protocolos em lojas para prevenção à Covid-19


Compartilhar Tweet 1



Uma das atividades mais habituais no dia a dia da população, a ida ao supermercado mudou completamente desde o início da quarentena decretada como forma de prevenção à Covid-19 – no Piauí, a medida entrou vigor no dia 22 de março e completou 100 dias na semana passada.  

Nas lojas do Extra e Pão de Açúcar, mais de 60 protocolos sanitários foram implementados e milhões de insumos foram comprados ao longo do período para garantir um ambiente de consumo seguro para clientes e colaboradores. 

Para se ter uma ideia da dimensão das medidas adotadas, nos últimos três meses as redes adquiriram, juntas, mais de 3 milhões de máscaras de proteção facial para distribuição a seus funcionários (e também a clientes, quando necessário). Seria o suficiente para distribuir a toda a população dos Estados do Acre, Amapá e Roraima somados, por exemplo, e ainda sobraria quase um milhão de unidades. Já o volume comprado de álcool em gel, considerando apenas a quantidade destinada às operações internas (como a reposição dos dispositivos instalados nas lojas), foi superior a 350 mil litros. 

De adesivos sinalizadores do distanciamento social no piso das lojas à medição da temperatura de funcionários durante o horário de entrada e saída do expediente, as medidas abrangem todos os pontos de operação do varejo alimentar. E apontam agora para o que deverá se tornar o novo padrão em um momento de reabertura econômica. 

“Os supermercados estão em constante evolução para se tornarem um ambiente a cada dia mais seguro e protegido para todos, a consumidores e funcionários. Para isso, temos atuado com reforços constantes das medidas preventivas de combate ao novo coronavírus e monitoramos o seu andamento para que possam ser aperfeiçoadas ou repensadas, quando necessário, sempre em linha com as recomendações das autoridades de saúde nacionais e internacionais.

Como uma atividade essencial à vida em sociedade, os supermercados nunca fecharam e, por isso, precisaram se adaptar à luz dos acontecimentos, apontando os caminhos do que deverá se tornar o padrão neste momento em que se debate como seguir a vida em um cenário pós-pandemia”, analisa Luiz Costa, Diretor de Operações do varejo alimentar do GPA – grupo que controla as bandeiras Extra e Pão de Açúcar.

No campo social, por meio do Instituto GPA, as bandeiras realizaram, ainda, a doação de mais de 2 toneladas de alimentos e produtos de higienes para 350 instituições sociais parceiras, com alcance estimado de mais de 130 mil famílias. O Extra e o Pão de Açucar, junto com as demais bandeiras do GPA, se uniram, também, à iniciativa do Instituto Avon no enfrentamento à violência contra as mulheres.

Desde o final de junho, os aplicativos Pão de Açúcar Mais e Clube Extra passaram a contar com um banner que direciona as mulheres que estão sofrendo violência para uma página online onde poderão entrar em contato com uma assistente virtual via WhatsApp, que as ajudará a entender se estão passando por violência, informará sobre os serviços públicos disponíveis na rede de proteção e indicará quais recursos elas podem acessar.

Medidas preventivas

As medidas preventivas começaram a ser implantadas pela rede antes mesmo do decreto oficial que promulgou o isolamento social no Estado, com os primeiros protocolos sanitários adotados ainda na primeira quinzena de março. O primeiro estabeleceu um padrão ainda mais rígido para a higienização das lojas, com colaboradores dedicados para a desinfecção de cestos e carrinhos de compras, além de equipes reforçadas para a limpeza das unidades e demais pontos de contatos nas unidades. O segundo foi o afastamento imediato, temporário e remunerado de todos os funcionários em grupos de risco. Na sequência, um grande processo seletivo foi aberto para a contratação de cinco mil novos colaboradores temporários que tiveram a função de apoiar as operações.

Na semana do dia 16 de março, as redes chegaram a limitar a quantidade de compra de itens básicos de mercearia e primeiras necessidades como forma de estimular o consumo consciente junto com os consumidores e permitir que todas as famílias pudessem se manter abastecidas – a medida foi suspensa poucos dias depois com a normalização do consumo. Em paralelo, as redes veicularam filmes em redes nacionais de televisão para reafirmar o compromisso de não repassarem reajuste de preços aos consumidores.

No dia 18 de março, o Pão de Açúcar instituiu o horário de atendimento exclusivo para clientes idosos e em grupos de risco em suas lojas de todo o país, tornando-se a primeira grande rede do varejo a adotar a medida.

O Extra viria a implementar a mesma medida nas semanas seguintes. Ainda no mesmo mês, as lojas tiveram sua configuração completamente redesenhada. Inicialmente, receberam adesivos e placas de acrílico para sinalizar e reforçar o espaço necessário ao distanciamento social entre as pessoas.

Os materiais foram instalados em todos os pontos de atendimento das unidades, como os caixas e demais balcões de serviços. Os adesivos tiveram a função de ser uma referência para a organização de filas e demais espaçamentos necessários, enquanto as placas de acrílico contribuíram para reduzir o risco de contágio, uma vez que constituíram barreira sanitária para evitar o contato direto.

No total, foram 8700 placas de acrílico instaladas em todas as lojas do país. Além desses materiais, foram instalados dispositivos de álcool em gel também em todos os pontos de atendimento e em locais estratégicos, como próximos a saídas de elevadores e nos subsolos de estacionamento para carros.

Em paralelo, os pontos sociais das lojas, como os Espaços Café, e a promoção de fornecedores com degustações de alimentos ou bebidas, foram todos suspensos – os espaços forem reaproveitados como locais de vendas de produtos sazonais ou especiais. 

Nos meses seguintes, conforme mais informações foram obtidas sobre a pandemia de covid-19, os supermercados continuaram a implantar mais protocolos sanitários. A obrigatoriedade da utilização de máscaras de proteção facial foi implantada nas lojas a partir de abril. E quando a medida se tornou obrigatória, por meio de decreto estadual promulgado em 14 de abril, materiais de comunicação visual reforçaram e esclareceram a medida e unidades descartáveis foram adquiridas pelas redes para serem distribuídas a clientes.

Para manter uma distância segura entre todas as pessoas, as lojas adotaram o controle de acesso para limitar a quantidade de consumidores dentro de uma mesma unidade – colaboradores foram designados especificamente para esta função, realizando a checagem de clientes nos espaços internos e externos, e também auxiliando que as pessoas em eventuais filas do lado de fora mantivessem a distância necessária entre todos.

Os colaboradores também passaram a ter a sua temperatura corporal aferida todos os dias durante os horários de entrada e saída do expediente. Em caso de qualquer alteração ou suspeita de infecção, o funcionário deveria ser temporariamente afastado e encaminhado para o atendimento médico. 

O desenho das lojas também seguiu em constante evolução, com o recebimento de novos acessórios para auxiliar nas medidas preventivas. Totens de álcool em gel acionados por pedais foram instalados nas unidades, assim como o reforço de comunicações visuais com informações sobre como aumentar o nível de proteção, como os cartazes que orientam os consumidores a evitar que toquem nos produtos antes de terem a certeza se levarão o item para a casa.

“Além de todas as medidas que já foram implantadas, seguimos também com um monitoramento constante das legislações municipais e estaduais em todas as regiões onde temos lojas. Com isso, conseguimos executar quaisquer adequações que se façam necessárias em um curto prazo de tempo, reforçando as medidas preventivas à covid-19 e aumentando a segurança de clientes e colaboradores em conjunto com os poderes públicos de cada região”, finaliza Costa.


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
Ao lado de residência · 08/07/2020 - 11h03 | Última atualização em 08/07/2020 - 11h11

Corpo de Bombeiros faz resgate de jacaré na zona urbana de Picos


Compartilhar Tweet 1



Na terça-feira (07), o Corpo de Bombeiros de Picos conseguiu realizar a captura de uma cobra e um jacaré, ambos na zona urbana e com tamanho aproximado de 1,5m cada um. As informações são do portal Cidades na Net.

De acordo com informações repassadas pelo Sargento Sousa Júnior, por volta das 10h, a corporação recebeu uma ligação informando de que havia uma cobra no quintal de uma residência no bairro Canto da Várzea, em Picos.

Ao chegarem ao local, a guarnição confirmou a veracidade do fato e detectou a presença de uma jiboia. Eles a pegaram para restituí-la ao habitat natural.

No fim da tarde, o Corpo de Bombeiros realizou a efetivação de uma outra ocorrência. Desta vez, para capturar um jacaré que se encontrava ao lado de uma residência no bairro Paraibinha.

    Foto: Reprodução/Cidades na Net

O Sargento Sousa Júnior enfatizou que após a captura dos animais, eles são levados de volta à natureza, de forma responsável.

“Quando a gente faz a captura desse animal a gente o recoloca no seu habitat natural. A gente procura um local distante da zona urbana e de residências, o mais afastado possível. Quando capturamos cobras, nós as soltamos na vegetação. Já quando é jacaré, procuramos soltar em açudes, lagoas, distantes também da zona urbana”, explicou.

Ele disse que é importante essa distância da zona urbana e das residências tanto pela proteção da população quanto dos próprios animais.

“Soltamos longe porque, além da questão do risco para a população, há pessoas que quando descobrem o local, muitos vão em busca do animal para fazer a captura do mesmo, matar e comê-lo. Então procuramos soltar em uma região distante da zona urbana”, concluiu.

Comentar
Após mais de 3 meses fechado · 06/07/2020 - 12h29

Confira detalhes do protocolo de laboratórios clínicos e postos de coleta


Compartilhar Tweet 1



O Governo do Estado publicou o decreto relativo aos protocolos específicos com medidas de prevenção e controle da disseminação da Covid-19 para o setor de serviços de saúde – segmento laboratório e postos de coleta. É um dos autorizados a reabrir nesta segunda-feira (6), após mais de três meses fechado.

Os laboratórios só poderão funcionar se atenderem às condições dos protocolos específicos e o protocolo geral de recomendações higiênicas e sanitárias. Para iniciar o funcionamento, o estabelecimento é obrigado a apresentar o Plano de Segurança Sanitária e Contenção da Covid-19. A apresentação se dará em meio virtual com a inserção do Plano de Segurança no site Pro Piauí, link propiaui.pi.gov.br.

Entre as medidas a serem adotadas, estão agendar, quando possível, as coletas laboratoriais. Além disso, o laboratório deve primar pelo pelo atendimento domiciliar, especialmente de pacientes idosos, com comorbidades, ou suspeitos de infecção pela Covid-19.

Além disso, o espaço destinado à sala de espera dos pacientes deverá ser bem ventilado, permitindo que os pacientes em espera fiquem afastados, com fácil acesso a suprimentos de higiene das mãos e utilizando máscara. Outra orientação é que os pacientes devem comparecer preferencialmente desacompanhados.

Manter distância mínima de 2 metros entre as pessoas, não utilizar bebedouros coletivos com bico injetor, aumentar o distanciamento entre os atendentes no balcão e técnicos no laboratório, evitar o compartilhamento de materiais, como canetas, são outras ações a serem seguidas.

O profissional deve usar uniforme exclusivamente no local de trabalho e trocá-lo diariamente. Os responsáveis pela coleta devem lavar as mãos e usar álcool a 70% com frequência, usar gorro/touca descartável, óculos de proteção ou protetor facial, máscara cirúrgica descartável, avental impermeável de mangas longas, sapato fechado, etc.

ACESSE O DECRETO


Fonte: Com informações da Ascom
Comentar
Orientação para a população · 06/07/2020 - 12h26

Barreira sanitária em Parnaíba orienta motoristas no combate à Covid-19


Compartilhar Tweet 1



O Governo do Piauí, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), realizou, nesse fim de semana, uma barreira sanitária em Parnaíba, com o objetivo de orientar a população sobre medidas de prevenção ao novo coronavírus e identificar pessoas com possíveis sintomas da Covid-19.

Durante a ação, a equipe, composta por 12 profissionais da saúde, orienta motoristas e passageiros quanto ao comportamento do vírus, transmissibilidade, uso de equipamentos de proteção e a importância do distanciamento social. Na ocasião, a equipe também aferiu a temperatura e distribuiu máscaras.

Segundo a gerente de Atenção Básica da Saúde, Dília Falcão, a barreira sanitária auxilia ainda na identificação precoce de casos. “Nas blitzen, nós fazemos entrevistas e quem passa por ali relata se já foi diagnosticado com Covid-19, se houve algum caso na família, se já teve sintomas semelhantes, se possui comorbidades, dentre outros. Dessa forma, podemos rastrear os possíveis casos e orientá-los sobre o tratamento adequado”, disse Falcão.

Em Parnaíba, muitas pessoas passaram pela barreira sanitária, mas a orientação é que todos ainda se mantenham em isolamento social. “Nós atendemos a todos e trabalhamos com muita responsabilidade para ajudar na contenção dos casos de Covid-19, mas estamos alertando à população que os casos no município estão aumentando e não é hora de passear, nem tirar férias nas praias. Quem puder, deve ficar em casa”, atentou Dília.

Além da barreira sanitária, estão sendo realizadas em Parnaíba as ações do programa Busca Ativa, que identifica as pessoas com Covid-19. A equipe está no município há uma semana e cerca de 300 testes foram aplicados. Atualmente, Parnaíba tem 3.456 casos confirmados da doença e 70 óbitos.


Fonte: Com informações da Ascom
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Uma situação trágica, se não cômica, aconteceu nesta quarta-feira (1º/7) na emissora Sky News, na Inglaterra. A repórter Deborah Haynes entrou ao vivo para dar informações direto de sua casa quando foi interrompida pelo filho pequeno com um pedido muito importante. As informações são do Metrópoles

    Reprodução

“Desculpa, meu filho está chegando. Desculpa, que vergonha, desculpa”, disse a jornalista, envergonhada. O pequeno chegou para a mãe e perguntou: “Posso pegar dois biscoitos, por favor?”.

Ainda sem graça, Haynes deixou que o pequeno comesse os desejados biscoitos. O apresentador, porém, tomou posse do sinal novamente para que a repórter cuidasse de seus deveres: “Vamos deixar a Deborah com seus deveres domésticos, isso que acontece quando você dá as notícias durante o lockdown“.

Veja o vídeo:

 

 

Comentar
Programa do Governo Federal · 29/06/2020 - 13h54

Bancários da Caixa defendem ampliação do auxílio emergencial


Compartilhar Tweet 1



Com o avanço das contaminações pelo novo coronavírus e dos impactos causados pela pandemia, cresceu a pressão social para a extensão do auxílio emergencial de R$ 600 como forma de socorrer a população mais carente e também a economia. Segundo o Executivo, o benefício será pago por mais três meses; porém, com valor mensal reduzido: R$ 500 (julho), R$ 400 (agosto) e R$ 300 (setembro). “Defendemos a ampliação do auxílio, mas não do jeito que o governo está propondo", afirma o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sérgio Takemoto. "Entendemos também que o benefício precisa continuar por um prazo maior. O desemprego vai subir, a crise não vai acabar tão cedo e reduzir o auxílio emergencial prejudicará milhares de brasileiros", acrescenta.

Segundo avalia Takemoto, os R$ 600 mensais ajudam a manter a economia funcionando porque as famílias de baixa renda estão utilizando os recursos para o consumo de itens essenciais, como alimentos, além do pagamento de contas e outras necessidades básicas. A redução do auxílio emergencial também é criticada no Congresso. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é contrário à posição do governo e defende o pagamento de mais duas parcelas no atual valor mensal. 

Outros parlamentares engrossam a defesa pela extensão do auxílio até o final do ano. É o caso do senador Jean Paul Prates (PT-RN), autor do Projeto de Lei 2.627/2020, que estende o benefício até dezembro.

As três parcelas do auxílio emergencial, em R$ 600 mensais, foram aprovadas pelo Congresso, em março, para ajudar os trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais e desempregados no período de quarentena imposto para conter a disseminação da covid-19. O valor do benefício aprovado pelos congressistas contrariou a proposta inicial do governo, que pretendia conceder o auxílio no valor de R$ 200 por mês.

TERCEIRA PARCELA
Depois de uma longa espera, o governo começou a pagar a terceira parcela do auxílio emergencial para os beneficiários que receberam a primeira parcela até 30 de abril e não fazem parte do calendário do Bolsa Família. Os pagamentos, por meio da poupança social digital, iniciaram neste sábado (27). 

Segundo a direção da Caixa, mais R$ 19,7 bilhões foram destinados ao pagamento de 31 milhões de beneficiários. O crédito do auxílio continua sendo feito de maneira escalonada, conforme o mês de aniversário do beneficiário.

Inicialmente, o dinheiro poderá ser usado apenas digitalmente para pagamentos de contas, boletos e compras por meio do cartão de débito virtual. Saques e transferências só serão liberados a partir do próximo dia 18.

Os depósitos serão realizados nas seguintes datas:

• 27 de junho (sábado): foram depositados para os nascidos em janeiro e fevereiro

• 30 de junho (terça-feira): para os nascidos em março e abril

• 1º de julho (quarta-feira): para os nascidos em maio e junho

• 2 de julho (quinta-feira): para os nascidos em julho e agosto

• 3 de julho (sexta-feira): para os nascidos em setembro e outubro

• 4 de julho (sábado): para os nascidos em novembro e dezembro

BOLSA FAMÍLIA
A Caixa está pagando também a terceira parcela do auxílio emergencial para os beneficiários do Bolsa Família. Neste caso, as pessoas não precisam esperar para sacar o dinheiro. O pagamento começou dia 17 e termina amanhã (30), de acordo com o último dígito do Número de Identificação Social (NIS). Hoje (29), recebem os beneficiários com NIS final 9.


Fonte: AsCom
Comentar
07, 17, 29, 55, 78. · 28/06/2020 - 10h31

Cinco apostas foram vencedoras da Quina de São João


Compartilhar Tweet 1



O sorteio da Quina de São João deste sábado (27/06) teve cinco apostas vencedoras. Cada uma terá o prêmio e R$ 30.517.183,25. Os números sorteados foram 07, 17, 29, 55, 78.

    Reprodução

As apostas ganhadores foram de Fortaleza (CE), Conceição das Alagoas (MG). Belém (PA), Cambé (PR), e Cotia (SP). 

Na faixa da quadra, 1.830 apostas ganhadoras receberão R$ 6.472,20 cada. Já o temo, quando são três números sorteados, teve 139.675 apostas ganhadoras de R$ 127,51. Houve também 3.272.755 menos sortudos que acertaram dois números, o duque e receberão o prêmio de R$ 2,99.

O concurso especial chegou à sua 10ª edição este ano. As cinco dezenas  do concurso 5.299 da Quina foram sorteadas no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário do Tietê, na cidade de São Paulo.

O prêmio deste concurso especial não acumula e, caso não haja vencedores na faixa principal, o prêmio é dividido entre os vencedores da segunda faixa (quatro números) e assim por diante.

Para concorrer, o apostador marca de cinco a 15 números entre os 80 disponíveis no volante. O preço de uma aposta simples, com cinco números marcados, custa R$ 2.


Fonte: Agencia Brasil
Comentar
Veja como fazer a inscrição · 28/06/2020 - 10h01

Cidadãos poderão avaliar serviços públicos digitais pela internet


Compartilhar Tweet 1



Os cerca de 2 mil serviços públicos federais fornecidos pela internet poderão ser avaliados em um clique. A Secretaria de Governo Digital criou uma página onde o cidadão poderá avaliar e sugerir melhorias nos serviços digitalizados oferecidos pelo portal gov.br.

Os interessados deverão inscrever-se no endereço gov.br/pesquisacomusuarios. Pessoas de todo o país podem participar. Os voluntários serão entrevistados remotamente. Após a conclusão da pesquisa, os participantes receberão um certificado online e serão informados de novidades e de melhorias no serviço avaliado.

Segundo o Ministério da Economia, a pesquisa é essencial para tornar os serviços públicos digitais mais simples e acessíveis à população, ao permitir ao governo verificar eventuais dificuldades na interação com o meio digital. Na avaliação da Secretaria de Governo Digital, as chances de recomendação do serviço aumentam à medida que o cidadão está satisfeito com a qualidade.

Estratégia

A avaliação integra a Estratégia de Governo Digital 2020–2022, lançada em abril. Nos próximos meses, estão programadas pesquisas sobre a emissão do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV) por meio do aplicativo da Carteira Digital de Trânsito e a prova de vida para serviços do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que poderá ser simplificada com o uso de biometria.

Antes do lançamento da estratégia 2020–2022, o governo vinha fazendo pesquisas com o cidadão. Desde o início de 2019, foram entrevistadas cerca de 2 mil pessoas sobre o aprimoramento de serviços como a Carteira de Trabalho Digital, o eSocial e o Portal Gov.br.

Atualmente, o governo federal oferece mais de 3,5 mil serviços à sociedade. Desse total, 57% são fornecidos por meios digitais (sites ou aplicativos). Entre as metas da estratégia, está a digitalização de 100% dos serviços públicos federais até o fim de 2022.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Exercício para a criatividade · 27/06/2020 - 11h10

Artistas buscam formas alternativas de se sustentar durante a Pandemia


Compartilhar Tweet 1



Em função da crise sanitária provocada pela Covid-19, eventos culturais de grande porte, que acabam movimentando a economia dos locais onde são realizados, foram adiados, alguns sem anunciar nova data. A organização do Festival de Cinema de Gramado, um dos principais do país, resolveu manter quase inalterada a programação, somente transferindo o evento de agosto para setembro. Mais cautelosa, a 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que recebe, em média, 600 mil visitantes a cada edição, ficou para 2022.

    Reprodução/ Agência Brasil

Ao mesmo tempo em que os espaços culturais precisam adotar o fechamento como medida de combate à Covid-19 e eventos são adiados pelo mesmo motivo, artistas têm tido dificuldade de encontrar uma fonte de renda. Por essa razão, estão recorrendo às redes sociais para passar o chapéu (como se denomina, no meio artístico, a prática de recolher contribuições voluntárias após uma apresentação). 

Em um clique, encontram-se diversas postagens de artistas que, individual ou coletivamente, pedem doações ou realizam lives (transmissões online, ao vivo) para arrecadar recursos. O perfil é bastante heterogêneo. São artistas iniciantes e outros mais consolidados, como os do Teatro Oficina Uzyna Uzona, companhia que completa 62 anos de existência, este ano, e foi fundada por José Celso Martinez Corrêa, mais conhecido como Zé Celso, um dos ícones da tropicália.  

Para amparar os trabalhadores do setor, o Senado Federal aprovou, em 4 de junho, o projeto de Lei Aldir Blanc (PL nº 1075), que prevê a concessão de benefício no valor de R$ 600, além de possibilitar a distribuição de quantias para garantir a manutenção de empresas e espaços culturais. Segundo o texto, a quantia que será repassada da União, por meio do Fundo Nacional de Cultura, para estados, Distrito Federal e municípios totaliza R$ 3 bilhões. A proposta, apresentada pela deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ), segue agora para sanção do presidente Jair Bolsonaro. 

 

Obstáculos

Como outros colegas de profissão, a artista e brincante Bruna Luiza tem passado por momentos difíceis durante a pandemia já que não há trabalhos a serem feitos. Professora de circo, ela conta que nunca conseguiu manter uma reserva financeira e que costumava complementar a renda com aulas de reforço escolar.

Sem dinheiro guardado, ela e seu companheiro decidiram deixar Brasília para ir morar em uma vila de Alexânia, interior de Goiás, onde o custo de vida é menor. Com duas crianças em casa, uma de 6 anos de idade e outra de 7, o casal está vivendo com o auxílio emergencial concedido pelo governo federal.

"Quando começou a pandemia, nossa renda vinha das aulas de circo e tínhamos vários trabalhos fechados [já acordados]. Todas essas fontes de renda se foram. Atualmente, a gente está vivendo do auxílio emergencial. A gente está se inscrevendo em todos os editais que têm, mas são perspectivas futuras, porque nenhum edital foi para agora”, afirma.

“Meu companheiro tem feito algumas lives e rodado o chapéu, mas não é nada que gere muito dinheiro, é um valor pequeno, com que dá para fazer a feira, o mínimo. Eu ainda estou precisando me adaptar a essa nova realidade para buscar uma forma de trabalho", completa.

Sobre os editais de fomento à cultura, ela critica a lógica de rivalidade que esse modelo de financiamento promove, defendendo que o processo seja revisado, tendo em vista que a crise atingiu parte significativa da classe artística.

"Eles lançam edital, no meio dessa pandemia, em que colocam em competição os artistas, que já estão em um estado de vulnerabilidade muito grande", lamenta.

Bruna comenta que muitos artistas têm disponibilizado aulas e apresentações gratuitas, o que encara como positivo para o público e, ao mesmo tempo, como obstáculo para os artistas que poderiam conseguir remuneração ensinando o que sabem e garantir parte do sustento durante a pandemia.

"Tem muito conteúdo sendo fornecido de graça. O que você quiser saber sobre circo, flexibilidade, força, acrobacia, tem muito material sendo disponibilizado. Vejo que tem dois lados interessantes. Um é que fica acessível para muita gente. Mas também fica difícil de trabalhar, porque tem muita coisa de graça. E tem muita gente apertada [financeiramente]."

 

Museus

Em meados de maio, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) emitiu informe em que estimava que 13% dos museus de todo o mundo poderiam encerrar, em definitivo, suas atividades, em decorrência das consequências da pandemia de covid-19. Já naquele período, mais de 85 mil instituições, que representam 90% do total (95 mil), haviam suspendido visitações, a fim de evitar contaminações pelo novo coronavírus, e parte delas buscava se adaptar para manter exposições online. 

No comunicado, a Unesco destacou que apenas 5% dos museus localizados em países da África e países insulares em desenvolvimento estavam conseguindo manter atividades em ambiente virtual. Como essa situação, existem também outras que indicam que o segmento de cultura está sob ameaça, não apenas sob o ponto de vista de circulação do conhecimento e preservação do patrimônio cultural, mas de sustento dos profissionais do ramo.

De acordo com a Unesco, a falta de receita dos museus afeta também os funcionários dessas instituições e os artistas, muito deles autônomos ou trabalhando com "contratos precários".

 

Criatividade em números

De acordo com o Mapa Tributário da Economia Criativa, elaborado pelo extinto Ministério da Cultura, em parceria com a Agência Brasileira de Cooperação e a Unesco, a classe criativa correspondia a 1,8% dos trabalhadores formais brasileiros, em 2015. Em 2013, a proporção era de 1,7%. Atualmente, a economia criativa responde por 2% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. O documento foi divulgado em dezembro de 2018.

Publicado em janeiro de 2019, um relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) aponta que as exportações de bens criativos do Brasil, em que se sobressaem bens de design, como moda, design de interiores e joias, somaram US$ 923,4 milhões em 2014. Naquele ano, somente as novas mídias produzidas no país, que incluem filmes, movimentaram US$ 102 milhões. Artes visuais, por sua vez, geraram US$ 92 milhões e artes e artesanato, US$ 73 milhões.


Fonte: Agencia Brasil
Comentar
Aproximação de uma nuvem · 25/06/2020 - 15h32

Baixa temperatura deve dificultar entrada de gafanhotos no Brasil


Compartilhar Tweet 1



Nesta semana a aproximação de uma nuvem de gafanhotos da região Sul do Brasil gerou preocupação de autoridades, produtores e da população. Mas a previsão de baixa temperatura na região pode ser um obstáculo importante e dificultar a entrada desse grupo de insetos no território nacional. Hoje o Ministério da Agricultura declarou emergência fitossanitária em razão do fenômeno.

A nuvem saiu de uma região entre a Bolívia e o Paraguai. A população de gafanhotos teria crescido muito em razão de altas temperaturas e da seca. A migração teria sido motivada pela busca por alimentos em outros locais, chegando nesta semana à Argentina, no norte da província de Santa Fé e na província de Corrientes, que fazem divisa com o oeste do Rio Grande do Sul.

Segundo o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Dori Navas, esta região gaúcha teve baixas temperaturas, na casa dos 0 graus, ao longo desta semana e para a próxima a previsão é ficar abaixo dos 10 graus.

“Isso é fator importante que faz com que gafanhoto tenha dificuldade de voar. Eles estão migrando porque altas temperaturas favorecem. Com a frente fria dificilmente continuará a descer. Ele não vai ter condições de temperatura para migrar. Acredita-se que nuvem fique estacionada sobre o território argentina”, explica o pesquisador.

Ele acrescenta que a frente fria está vindo acompanhada de ventos no sentido sul-norte, o que em vez de direcionar a nuvem para o Brasil pode fazer com que ela faça “o caminho contrário” ou impactar o agrupamento. “Provavelmente o inseto não migre mais. Ele deve permanecer no local onde está ou se dispersar”, comenta Nava.

Cuidados

Caso a nuvem entre no Brasil, o pesquisador esclarece que não há riscos aos humanos, no máximo dificuldade de deslocamento. O risco maior é para as plantações, que servem de alimento. Em uma eventual presença desses insetos, a medida de combate é o disparo de produtos tóxicos por aeronaves no local de concentração delas.

A federação de produtores rurais do estado (Farsul) informou à Agência Brasil que está monitorando o avanço da nuvem. Caso os insetos adentrem o território brasileiro, a orientação aos agricultores é avisar as autoridades fitossanitárias para que essas possam agir.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Relatório da Controladoria Geral do Estado do Rio de Janeiro (CGE-RJ) mostrou que as irregularidades e os problemas na fiscalização de organizações sociais (OS) que gerenciam unidades de saúde do estado resultaram na perda de R$ 1,02 bilhão no período de 2012 a 2019.

O relatório de auditoria feita em 2019 revelou que, entre os problemas encontrados no contrato e fiscalização dessas organizações pela Secretaria Estadual de Saúde estão “graves problemas" relativos à falta de sistemas informatizados para prestação de contas e controle de gastos. Foram detectadas "fragilidades" no sistema de fiscalização financeira, que tem quantitativo insuficiente de servidores.

O órgão constatou ainda "inércia" da Secretaria Estadual de Saúde em cobrar infrações pelo descumprimento de cláusulas contratuais e legais.

“Outros problemas dizem respeito à transparência da política pública, que possui um canal de transparência deficiente e não possibilita amplo acesso das informações aos usuários. Além disso, as ouvidorias não concluem as demandas nos prazos legais estabelecidos e a secretaria não detém controle administrativo e hierárquico sobre as mesmas nas unidades de saúde”, informou o relatório.

Segundo a controladoria, para evitar novas perdas, é preciso mover ações para melhorar gestão e controle das OS contratadas para gerir as unidades de saúde estaduais.

Outra constatação é de que “a transferência da gestão das unidades de saúde resultou na redução do volume assistencial do serviço público de saúde ofertado, quando comparado ao anteriormente praticado pela Secretaria de Saúde, juntamente com o aumento dos valores envolvidos na operacionalização das unidades”.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde informou que tem tomado diversas medidas para adequar seus procedimentos administrativos e financeiros. "Todos os contratos de organizações sociais que administram hospitais do Estado do Rio de Janeiro estão sendo revisados pela pasta, em conjunto com a Procuradoria Geral do Estado e Controladoria Geral do Estado.”

A Secretaria informou ainda que já foi criado um grupo de trabalho entre três subsecretarias com o objetivo de agilizar a análise dos contratos.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Autocadastro para restaurantes · 23/06/2020 - 17h50 | Última atualização em 23/06/2020 - 18h02

99Food: plataforma inicia entregas em Teresina nesta terça-feira (23)


Compartilhar Tweet 1



A 99Food, plataforma de intermediação de entregas dos melhores estabelecimentos locais, amplia seu serviço de entregas para Teresina, no Piauí. A partir desta terça-feira, 23 de junho, os consumidores já podem fazer seus pedidos no app.

Oferecendo entregas de qualidade e uma seleção de opções gastronômicas, a 99Food proporciona a facilidade dos consumidores fazerem o pedido através da mesma plataforma onde já são solicitadas as corridas da 99. Ao abrir a aba Comida, é possível visualizar os restaurantes que atendem naquela área de entrega e fazer o pedido.

O objetivo da empresa é oferecer um serviço eficiente para consumidores, restaurantes e entregadores: "Enxergamos o potencial de crescimento dos pequenos estabelecimentos, e a riqueza e a diversidade da gastronomia local das diferentes regiões do Brasil", reforça Danilo Mansano, diretor-geral da 99Food no Brasil.

O serviço já está disponível para pedidos em Belo Horizonte, Varginha e Divinópolis (MG), em Curitiba (PR) e em São José dos Campos (SP).

A 99Food segue com a missão de entregar resultados cada vez mais consistentes e duradouros, lançando e aprimorando novas ferramentas. 

Autocadastro para restaurantes

Para agilizar o processo de cadastramento dos restaurantes e garantir a segurança de todos os envolvidos durante o período de quarentena, a 99Food possui a opção de autocadastro. Antes, o comerciante fazia a inscrição no site da 99Food e aguardava a visita presencial da equipe de operações para finalizar o procedimento. Agora, os donos de estabelecimentos podem realizar o procedimento com mais autonomia acessando o site (clique aqui).

Sobre a 99Food

A 99Food é uma plataforma de intermediação de entregas dos melhores estabelecimentos locais de uma maneira tão simples quanto solicitar uma corrida dentro do app 99. A 99Food usa a mais alta tecnologia para conectar os sabores e cultura gastronômica do Brasil e oferecer para as pessoas uma ampla variedade de locais com opções simples, acessíveis e deliciosas para comer todos os dias. A companhia faz parte da empresa global DiDi Chuxing ("DiDi") e está disponível para usuários do aplicativo 99Food (para Android e iOS). Saiba mais em http://Food.99app.com

• Operação começa nesta terça-feira, 23 de junho

• Pedidos podem ser feitos na mesma plataforma onde já são solicitadas as corridas da 99

• Autocadastro para restaurantes está aberto


Fonte: AsCom
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Mais um espaço de Teresina conta com a Rede Wi-Fi Piauí Conect da Piauí Conectado. Desta vez, o Terminal Rodoviário Governador Lucídio Portella recebeu um ponto de acesso público, com internet gratuita e de qualidade disponível 24h. Em um mês desde a implantação do Wi-Fi, mais de 1.300 pessoas que passaram pelo Terminal Rodoviário já acessaram a rede Piauí Conect.

O taxista Jenison Lopes foi um dos beneficiados com a nova rede wi-fi no Terminal Rodoviário de Teresina. Ele faz parte da Cooperativa de Taxistas da Rodoviária e conta que a internet é uma ferramenta essencial no seu trabalho e que boa parte dos clientes se comunicam com ele por meio de aplicativos de mensagem. Dessa forma, Jenison acredita que possuir uma rede Wwi-fi de qualidade vai ajudá-lo.

“Cerca de 80% dos meus clientes solicitam viagens pelo WhatsApp. Além disso, vai me ajudar a diminuir os custos que tenho com internet móvel, além de também facilitar para quando algum cliente quiser falar comigo. A internet é de boa qualidade e veio numa boa hora”, comenta o taxista.

Antes da pandemia do coronavírus, cerca de cinco mil pessoas circulavam por dia pela rodoviária. Segundo Robson Silva, coordenador do Terminal Rodoviário de Teresina, a rede wi-fi Piauí Conect trará muitos benefícios para os usuários que chegam de outro estado e precisam se deslocar dentro da cidade por meio de GPS ou solicitar um serviço de transporte, além também de favorecer os comerciantes do local.

“Está sendo muito satisfatório, pois é uma internet rápida e muito boa. Essa rede gratuita vai ajudar viajantes de outras cidades ao chegarem em Teresina ou até mesmo aqueles que vão viajar e chegam na rodoviária com antecedência e precisam aguardar, pois já se conectam e ficam usando a internet até o horário da viagem. É benéfico para todos”, frisa o coordenador.

Segundo Leonardo Chagas, diretor de Operações da Piauí Conectado, a rede conta com total segurança de dados dos internautas que se conectarem à Piauí Conect. Para ter acesso, basta o usuário fazer um rápido cadastro e se conectar na rede wi-fi.

“É mais uma ação para proporcionar conforto e conectividade aos teresinenses e àqueles que chegam à capital do Piauí por meio do Terminal Rodoviário. Serão bem recebidos com uma rede wi-fi de qualidade. Por ser um local que tem um fluxo muito grande de pessoas, vai ser muito benéfico para todos”, afirma Chagas.

Sobre a Piauí Conectado

A Piauí Conectado é uma empresa que possui contrato na modalidade de Parceria Público-Privada (PPP) com o Estado do Piauí, por meio da Superintendência de Parcerias e Concessões (Suparc) e Agência de Tecnologia da Informação do Estado (ATI/PI).

O objetivo do projeto Piauí Conectado é modernizar os serviços públicos e a comunicação do Estado, com o intuito de elevar o nível de desenvolvimento tecnológico do Piauí com a oferta de soluções tecnológicas nas áreas prioritárias do governo: educação, segurança e saúde.


Fonte: Com informações da assessoria
Comentar
Saiba mais · 21/06/2020 - 11h29 | Última atualização em 21/06/2020 - 18h33

Dicas para manter equilíbrio emocional das crianças na quarentena


Compartilhar Tweet 1



Mais telas, mais sobremesas, mais “sim” e o “não” passou a ser usado só para situações inevitáveis. Para manter a saúde emocional das crianças - e dos adultos - que estão a cerca de 90 dias em isolamento social, não há apenas uma resposta certa, mas em comum está a liberdade maior do que nos períodos em que as crianças podiam circular livremente.

“Eu abri mão da cobrança em relação a escola, se está disposto faz, se nao quiser, nao cobro”, diz a médica Lorena Tostes, 44 anos, mãe de duas criança, uma de sete e outra de quatro anos. 

“Eu abri mão da pressão de dormir cedo e acordar cedo. Deixo elas mais livres. Também não estou controlando muito tablet. Guloseimas mais liberadas também. Resumindo: perda de controle total”, conta a médica Daniela Barra, 39 anos, mãe de duas meninas.

Revisitar os acordos é uma das atitudes “básicas” para manter o equilíbrio emocional dos filhos na quarentena, de acordo com a psicóloga Roberta Desnos, coordenadora pedagógica do Laboratório Inteligência de Vida.

Segundo Roberta, acreditar que as regras anteriores a pandemia podem continuar sendo seguidas sem alteração é um forte equívoco. “As rotinas foram alteradas drasticamente, e por isso de tempos em tempos é preciso rever o que foi combinado com as crianças e fazer as adaptações necessárias para diminuir os possíveis conflitos gerados pela intensidade da presença e a restrição de saídas e deslocamentos.”

Para a psicóloga, é importante também ampliar o diálogo e explicar a situação. “Converse com as crianças de maneira tranquila e honesta e de acordo com a capacidade de compreensão de cada idade. Não infantilize a criança ou desconsidere sua percepção da realidade. As crianças estão passando por esse período de distanciamento social e também tiveram suas vidas alteradas, portanto também precisam ser consideradas como sujeitos”. Segundo Roberta, o momento serve para explicar sobre o novo coronavírus, incentivando as crianças a desenhar o vírus, seus medos, os desejos pós pandemia e, claro, a própria família.

“Reforçar que essa situação é passageira que elas não estão sozinhas e podem contar com o seu cuidado como adulto é muito valioso. O tempo todo as crianças estão fazendo leituras e tentando compreender o mundo e muitas vezes se sentem responsáveis ou culpadas ao perceber que algo está errado. Converse com seu filho e filha sobre o que está acontecendo e sempre pergunte suas opiniões e versões sobre o que ele ou ela acha que tudo isso significa”.

Mudança, mas nem tanto

A rotina mudou, mas ainda é importante manter uma organização para lidar melhor com o distanciamento social. A psicóloga incentiva a planejar o dia e as atividades, para que as crianças tenham um ambiente seguro que favoreça a diminuição de sintomas como estresse e ansiedade. 

“Estabelecer horários para dormir, acordar, fazer as refeições, assim como as atividades escolares e de lazer, pode promover maior bem estar em todos os membros a família. Não é preciso ser algo extremamente rígido, mas estabelecido de modo a favorecer a dinâmica da casa”, destaca.

A chefe de gabinete parlamentar Patrícia Paraguassu, 37 anos, mãe de uma menina de 7 anos, viu, na prática, que liberar demais só deixou as coisas mais complicadas. “Ela antes gostava mais das aulas, tinha mais paciência. Agora está desinteressada. Eu liberei de assistir algumas aulas, achei que poderia ficar cansativo e, acabei liberando. Daí agora ela corre pra TV e, se deixar, não sai mais. Percebi que não adianta ceder tanto. As vezes eu acho que a rotina tem que ser mantida de alguma maneira”, conta.

Brincar

Segundo a psicóloga, é preciso preservar tanto a brincadeiras e jogos estruturados e direcionados, como momentos de livre brincar. Na casa da médica Roberta Catarfina, 37 anos, a brincadeira aumentou. “Tempo de tela aumentou e nós compramos um vídeo game, compramos uma segunda cachorra, começou aula de guitarra, anda de skate todos os dias, assiste aula apenas duas ou três vezes na semana e faz 50% das tarefas ou menos”, conta. 

Na casa de Magali Dantas, 51, a servidora pública também investiu nas brincadeiras. “Além das sobremesa todos os dias e noites, teve chuteiras, patinete, bike. Já teve três natais aqui”, diz.  

 “As crianças precisam se movimentar e por conta da diminuição considerável das atividades físicas, não podemos neglicenciar o corpo nesse momento tão atípico. Se possível, faça jogos e circuitos para que as crianças pulem, dancem, corram e etc. Investir em atividades artísticas como pintura, desenho, contação de histórias é fundamental para as crianças darem vazão ao que estão sentindo também”, destaca a psicopedagoga.

Confira dicas do Laboratório Inteligência de Vida para manter o equilíbrio das crianças no isolamento:

Descanso: Crie hiatos entre as atividades, para não fazer nada por um breve instante. Lidar com o tédio é um aprendizado importante no auto-conhecimento, gestão das emoções e o desenvolvimento do potencial criativo.

Autonomia: estimule atividades e depois deixe a criança brincar sozinha. Identifique junto com ela quais são as ações que são possíveis serem realizadas sem a ajuda de um adulto (se vestir, escovar os dentes).

Tarefas domésticas: Inclua as crianças na realização das atividades. Além de ajudar a desenvolver a autonomia, isso aumentará o senso de responsabilidade e favorece a manutenção dos vínculos familiares.

Uso de telas:  Nesse momento flexibilizar o uso das telas é algo necessário, mas é preciso estar atento ao tempo adequado de acordo com a idade da criança e evitar uso sobretudo nas horas que antecedem o sono.

Sono: assegurando sonecas ao longo do dia (se forem bebês ou crianças pequenas), estabeleça rituais de sono pouca luminosidade, aparelhos eletrônicos fora do ambiente ou desligados.

Rede social: Estimule que a criança mantenha algum tipo de contato com as crianças e adultos que faziam parte da sua vida antes da pandemia. 

Humanize-se: Mostrar que você também fica preocupado em alguns momentos, que sente saudade das pessoas que não pode ver e que experiência tristeza e alegria, assim como ela, fará com que ela não se sinta só e entenda que as oscilações são naturais nesse momento.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Você já ouviu falar sobre a vitamina D, certo? Ela é uma substância essencial para nossa saúde é produzida, principalmente, quando temos contato com o sol. Contudo, durante o inverno, o uso de roupas mais compridas e a menor frequência de saídas ao ar livre fazem com que o nível de vitamina D no nosso corpo acabe ficando comprometido. As informações são do Metrópoles e MilDicasdeMãe.

Para se ter uma ideia, entre os meses de maio a setembro, estima-se que 77% da população sofra com carência de vitamina D.

Por isso, invista em alimentos como ovos, cogumelos e peixes; além de sardinha, atum e salmão. O salmão cozido é, inclusive, uma das principais fontes da substância, tendo 12,5mcg em 100g. O ideal, para saber quanto consumir de cada alimento, é verificar com um nutricionista a quantidade da vitamina de que o corpo precisa e quanto cada alimento oferece.

Comentar
Novo sorteio será 24/06 · 21/06/2020 - 10h41

Ninguém foi sorteado e Mega-Sena acumula R$ 45 milhões


Compartilhar Tweet 1



Ninguém acertou as seis dezenas no Concurso 2272 da Mega-Sena sorteadas na noite desse sábado (20/06) no Espaço Loterias Caixa, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo. As dezenas sorteadas foram 02, 05, 11, 24, 41 e 49. 

A quina teve 71 acertadores e cada um vai receber R$ 45.670,97. Os 5.667 ganhadores da quadra receberão o prêmio individual de R$ 817,42.

O próximo concurso será quarta-feira (24/06) e deverá pagar o prêmio de R$ 45 milhões a quem acertar as seis dezenas.

As apostas na Mega-Sena podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio em lotéricas ou pela internet.

A aposta simples, com seis dezenas, custa R$4,50.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Um projeto de pesquisa financiado pelo Edital de Inovação para a Indústria do Senai busca o desenvolvimento de um tecido de malha com propriedades antivirais que possa aumentar a proteção de máscaras e outros equipamentos de proteção individual. Tecidos desse tipo são chamados de funcionais, porque são fabricados com produtos químicos e materiais que acrescentam determinadas funções, como proteção contra raios ultravioleta ou ação antimicrobiana.

O projeto ocorre em parceria entre a empresa Diklatex, o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (Senai/Cetiqt) e Bio-Manguinhos, cujos laboratórios têm sido usados para a realização dos testes. O coordenador da plataforma de Fibras do Instituto SENAI de Inovação em Biossintéticos e Fibras, Adriano Passos, explicou que, além da eficácia das substâncias usadas, outras questões importantes estão sob avaliação, como a toxicidade no contato com a pele e a durabilidade após lavagens.

"Não adianta matar o vírus e fazer mal ao ser humano. Então, estamos tendo todo esse cuidado", afirma Passos. Os primeiros testes já comprovaram a eficácia contra os vírus causadores da caxumba e do sarampo em ensaios in vitro.

No último dia 17, uma nova rodada de testes começou a ser realizada, desta vez em um laboratório com o nível de segurança exigido para pesquisas com o SARS-COV-2. O resultado deve ser divulgado até o fim de junho, mas Passos adianta que duas formulações testadas tiveram "performance ótima" contra o novo coronavírus.

A comercialização de tecidos com propriedades antivirais já é uma realidade e Passos acredita que a expansão dessa tecnologia pode ser uma tendência não apenas para serviços de saúde, mas para roupas e estofados de modo geral. "Nossa ideia é que isso seja uma solução para profissionais de saúde, mas que pode ser desenvolvida para o público geral".


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Mulheres lideram nos pedidos · 20/06/2020 - 11h50

Aumenta procura por divórcio durante a pandemia


Compartilhar Tweet 1



A procura por divórcio tem aumentado durante o período de isolamento social provocado pela pandemia da covid-19. Segundo a advogada da área de Família e Sucessões, Débora Guelman, o convívio intenso em virtude da quarentena tem sobrecarregado física e emocionalmente as famílias brasileiras.

“Esse isolamento social forçado pela pandemia aumenta o convívio entre os casais e justamente esse aumento do convívio gera conflitos. Por conta disso, a probabilidade de haver mais divórcios é muito maior”, disse Débora Guelman, em entrevista à Rádio Nacional.

A advogada afirma que cerca de 70% dos pedidos de divórcio são iniciados pelas mulheres, e a reclamação mais frequente é a tripla jornada. “Essas mulheres trabalham, cuidam dos filhos e cuidam da casa. Então, elas não aguentam relacionamentos machistas”, afirmou.

No Brasil há dois tipos de divórcios. No mais simples, chamado de “extrajudicial”, casais podem se separar de forma mais rápida, pelo cartório, amigavelmente. Já o divórcio judicial ou litigioso é realizado diante de um juiz e envolve questões mais complexas como falta de consenso entre o casal, partilha de bens, pensão e guarda de filhos.

“Se divorciar não é um processo rápido, pelo contrário. É um processo demorado e muito doloroso. Principalmente no aspecto emocional e no aspecto financeiro. Então, essa decisão de se divorciar envolve diversos fatores, que são impedimentos até para pessoa efetivar esse divórcio. Normalmente, a pessoa pensa por um ano e meio, até dois anos, antes de se efetivar o pedido”, explicou Débora Guelman.

Apoio

Em Brasília, um grupo terapêutico formado por duas psicólogas e uma advogada foi criado para auxiliar mulheres que estão passando por esse momento. O grupo se reune por meio de uma plataforma online, com participação de três a seis pessoas.

“O isolamento causado pela pandemia acirrou os conflitos nas relações, mas, por outro lado, dificultou o acesso aos advogados e ao Judiciário; e a recursos essenciais em uma separação, como mudar de casa, por exemplo”, explicou a psicóloga Lívia Magalhães, uma das responsáveis pela condução do grupo.

O grupo reúne mulheres que passam pelo momento pós-divórcio e aquelas que ainda estão se preparando para tomar essa decisão.

“Muitas vezes elas não têm com quem compartilhar suas angústias, suas dores, não tem o conhecimento de outras para aprenderem, não tem o acolhimento de quem passou pelo que elas estão vivendo”, disse a psicóloga.

“O isolamento causado pela pandemia acirrou os conflitos nas relações, mas, por outro lado, dificultou o acesso aos advogados e ao Judiciário, e a recursos essenciais em uma separação, como mudar de casa, por exemplo”, completou.

Segundo Lívia Magalhães, depois do atendimento em grupo, as mulheres passam por uma escuta individual para orientações específicas.

“A posteriori do grupo, ofereceremos um plantão de acolhimento individual para essas mulheres entrarem em contato e para que possamos escutá-las na sua singularidade. Não é um dispositivo terapêutico. Mas um espaço para acolher alguma demanda ou sofrimento que por ventura o grupo possa ter desencadeado”, acrescentou a psicóloga.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Será um milagre? · 20/06/2020 - 11h32 | Última atualização em 20/06/2020 - 11h41

Menino de 3 anos sobrevive após cair do 29º andar de um prédio


Compartilhar Tweet 1



Um menino de apenas 3 anos conseguiu sobreviver após cair do 29º andar de um prédio em Changzhou, China. Segundo a imprensa local, o garoto, identificado como Yang, foi deixado sozinho no apartamento, subiu na janela da cozinha e despencou, caindo em um canteiro de flores. O acidente ocorreu em 8 de junho. As informações são do Metrópoles.

A avó de Yang, que deixou o menino sozinho, voltou para casa e não o encontrou. “Ela procurou em todos os lugares e achou o garoto no canteiro de flores do prédio. Ao ver a cena, entrou em pânico e começou a gritar e chorar”, disse Zhou, pai de Yang à emissora de rádio e televisão Jiangsu. A criança foi levada para o hospital e estava em estado crítico.

Segundo o responsável pelo hospital, o médico Sou Guojin, o garoto chegou com falha na respiração e múltiplas fraturas. Uma equipe com 10 especialistas de diversas áreas cuidaram do menino na Unidade de Terapia Intensiva. Nove dias depois, ele já estava consciente e com um quadro estável. No entanto, segue internado e sem previsão de alta.

Comentar
Crescimento de 310% · 20/06/2020 - 11h16

Covid-19 aumenta busca por imóveis com quintal ou varanda


Compartilhar Tweet 1



A necessidade de isolamento social definiu a residência como o lugar mais seguro para quem quer passar incólume pela pandemia. Ter, em casa, um quintal; ou, no apartamento, uma varanda passou a ser desejo, necessidade ou vontade de muitas famílias, o que, inclusive, acabou por impactar sensivelmente no mercado de imóveis, tanto para compra como para aluguel.

O covid-19 deu nova conotação à palavra “morar”. “Quero uma casa com quintal, onde, nesses tempos de covid-10, eu possa ter uma horta e que haja espaço suficiente para a minha família praticar seus hobbies. Onde tenhamos espaço para ampliar nossa liberdade de criação”, disse à Agência Brasil a intérprete de libras Magda Petter Oliva, 46, mãe de duas estudantes com 12 e 20 anos.

Por causa da pandemia, as três têm ficado direto em casa. “Agora, até o cachorro parece ocupar um espaço enorme. Descobrimos que moramos em um apartamento muito pequeno”, disse ela referindo-se ao imóvel de pouco mais de 70 metros quadrados.

Magda está, desde março, tentando trocar o apartamento de dois quartos na Vila Mariana, em São Paulo, por uma casa com jardim, no mesmo bairro. Ela diz que “o estalo” para ir atrás desse desejo ocorreu logo após as primeiras notícias de que o covid-19 se espalhava rapidamente pelo país.

As filhas da intérprete têm como hobbie pintura e yôga. E Magda pratica tecido acrobático, esporte de origem circense, que envolve acrobacia aérea executada em um longo tecido suspenso. “De fato, é impossível fazermos tudo isso dentro do apartamento”.

Após três meses de busca, Magda chegou à conclusão de que o covid-19 acabou aumentando a procura por casas, a ponto de refletir no valor cobrado pelo aluguel. “Os preços estão subindo, me forçando a rever a faixa de preço que pretendo pagar, que passou de R$ 5 mil para R$ 6 mil mensais”.

Quintais, varandas e imóveis rurais

A percepção de Magda é corroborada pela gerente de Marketing Brasil do Imovelweb Angélica Quintela. Levantamento feito pela empresa, que atua nas 27 unidades federativas, aponta que, em maio, foi registrado um crescimento de 19% na busca por imóveis com quintais, quando comparado a abril.

“Na comparação com maio de 2019, a alta na procura por esse tipo de imóvel ficou em 96%”, detalhou a gerente de Marketing.

Além disso, houve um aumento de 20% na procura por imóveis com varandas, na comparação a abril. “Comparando maio de 2019 a maio de 2020 o crescimento ficou em 128%. Esse movimento já havia sido observado em abril, e continuou crescendo em maio”, completou.

O levantamento aponta também que, a partir de março, houve aumento na busca por imóveis rurais. Entre fevereiro e março o aumento ficou em 52%. Entre março e abril, 40%; e, entre abril e maio, mais 23%. Na comparação com 2019, o crescimento chegou a 310%.

Medo do Coronavírus

Foi pelo medo que tem do covid-19 que a dona de casa Amélia Vieira, 58, fechou a casa que tem em Valparaíso de Goiás (GO), região do Entorno do Distrito Federal, para morar em uma chácara em Luziânia (GO).

“Sou hipertensa e tenho uma filha cardíaca, de 24 anos. Levei, nas primeiras semanas, meu pai, de 93 anos, que além de ter Alzheimer usa marca-passo, para ficar com a gente. Somos todos do grupo de risco e isso me preocupa muito”, disse Amélia à Agência Brasil.

Como a opção pela mudança foi repentina, não deu para preparar a chácara para o pai, que acabou tendo de voltar pois requer muitos cuidados. “Lá havia risco até de ele se perder, por causa do Alzheimer”, disse Amélia que, devido às necessidades do pai, acaba retornando, uma semana a cada mês, a Valparaíso. “Por precaução, minha filha permanece na chácara”, disse.

Dificuldades e visitas online

Mudar de um apartamento para uma casa era algo que já estava nos planos do consultor de projetos da indústria de alimentos Bauducco Carlos Dilinski, de 50 anos. A chegada da pandemia ao Brasil acabou fazendo com que ele buscasse uma casa mais espaçosa do que a pretendida inicialmente.

“O covid-19 acabou atrasando todo o plano traçado por mim e minha família, porque inviabilizou as visitas aos imóveis que pretendemos alugar”, disse ele ao relatar a dificuldade para conseguir mudar do município paulista de Guarulhos, onde mora com a esposa e três filhos, para Bragança Paulista (SP), cidade mais próxima de seu trabalho.

Na pressa por evitar os longos deslocamentos que faz até o trabalho e de dar uma qualidade de vida ainda melhor para a família – que devido ao isolamento social tem ficado bem mais em casa –, Dilinski aderiu até a videoligações para conhecer, de longe, os imóveis disponíveis.

Segundo a gerente da Imovelweb, há atualmente diversas ferramentas tecnológicas que permitem as visitas online, sem necessariamente a pessoa se dirigir ao imóvel.

“Um outro dado interessante, que também obtivemos por meio de uma pesquisa com nossos usuários é de que 27% das pessoas fechariam negócio apenas com fotos e vídeos do local, sem realizar uma visita presencial”, disse Angélica à Agência Brasil.

Escolha difícil

A tecnologia, no entanto, ainda deixa inseguros alguns clientes na hora de assinar o contrato. “Estou tentando, mas é muito difícil fechar um negócio dessa forma. Apesar de ter feito visitas desse tipo, prefiro esperar a situação melhorar para ir conhecer de perto os imóveis”, pondera Dilinski.

A intérprete de libras Magda Petter tem opinião parecida. “Já fiz algumas visitas online, mas acho muito mais difícil, tanto a escolha como a tomada da decisão pelo imóvel”, disse.

Magda relata que esse tipo recurso é uma forma de compensar a falta de pessoas disponíveis para mostrar o imóvel, preocupadas com o risco de contaminação pelo covid-19. “Em parte, porque muitos dos corretores estão na idade considerada de risco para o novo coronavírus. E, também, pelo temor de alguns proprietários em abrir o imóvel [para possíveis locatários]”, disse.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Apostas até as 19h · 20/06/2020 - 10h57

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 37 milhões


Compartilhar Tweet 1



A Mega-Sena sorteia neste sábado (20/06) o prêmio de R$ 37 milhões. As seis dezenas do concurso 2.272 serão sorteadas, a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias Caixa, no Terminal Rodoviário Tietê, na cidade de São Paulo.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa, em todo o país ou pela internet. O volante, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.

Quina de São João

As apostas para a Quina de São João podem ser feitas nas lotéricas de todo o país. O concurso especial chega à sua 10ª edição este ano.

O sorteio do concurso 5.299 da Quina será realizado no dia 27 de junho, às 20h, e a estimativa inicial do prêmio é de R $ 140 milhões.

O prêmio não acumula e, caso não haja vencedores na faixa principal, o prêmio será dividido entre os vencedores da segunda faixa (quatro números) e assim por diante.

Para apostar, basta marcar de cinco a 15 números entre os 80 disponíveis no volante. O preço de uma aposta simples, com cinco números, custa R$ 2 reais.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Evento em que Erika estava ocorreu em um bar na cidade de Jacksonville, no estado norte-americano da Flórida
Evento em que Erika estava ocorreu em um bar na cidade de Jacksonville, no estado norte-americano da Flórida     Reprodução/Redes Sociais

São Paulo - No último dia 8, a norte-americana Erika Crisp e mais 15 amigos foram celebrar o aniversário de uma das integrantes do grupo e o fim da quarentena na cidade de Jacksonville, no estado da Flórida, em um bar da região. Cerca de uma semana depois, ela descobriu que todos acabaram infectados pelo Covid-19. As informações são do O Dia.

Em entrevista para a emissora de TV News4jax, Crisp revelou que começou a sentir dificuldade de respirar e, ao conversar com algumas amigas que estiveram no evento, descobriu que elas estavam enfrentando os mesmos problemas. No fim, a confirmação de positivo para o novo coronavírus (Sars-Cov-2) veio para todos.

"Aconteceu na primeira noite em que tivermos autorização para sair. A única coisa que todas nós temos em comum é exatamente aquela ida ao bar. Acho que fomos muito descuidadas. Nós não estávamos usando máscaras e nem respeitamos as regras de distanciamento social", relembrou ela.

Segundo ela, todos os integrantes do grupo respeitaram as regras da quarentena por três meses, mas acabaram deixando de lado as recomendações na primeira oportunidade em que tiveram: "As autoridades disseram que tudo estava bem, então nós tiramos vantagem disso".

Distante dos familiares desde a confirmação, Crisp disse que aprendeu a lição e acredita que os governantes autorizaram a reabertura de estabelecimentos cedo demais.

Após a divulgação do episódio, os proprietários do pub irlandês Lynch, local em que a festa ocorreu, decidiram fechar novamente o estabelecimento e realizar uma limpeza completa. De acordo com a News4jax, a expectativa é de que o bar seja reaberto ainda nesta semana.

Comentar
Decisão da 3ª Vara Federal · 16/06/2020 - 18h28 | Última atualização em 16/06/2020 - 18h59

Juiz arquiva inquérito da facada, mas diz que caso pode ser reaberto se houver novos elementos


Compartilhar Tweet 1



O juiz que acompanha o caso da facada sofrida por Jair Bolsonaro em 2018 determinou nesta terça-feira (16) o arquivamento do inquérito da Polícia Federal que concluiu que o autor do crime agiu sozinho, mas deixou em aberto a possibilidade de retomada do caso se surgirem novos elementos na investigação.

Bruno Savino, da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora (MG), mencionou na decisão a única pendência apontada pela PF no relatório parcial do caso: a autorização para a perícia em materiais apreendidos no escritório do advogado Zanone Manuel de Oliveira, que assumiu a defesa de Adélio logo após o atentado.

    Reprodução

A análise dos celulares e documentos depende de decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), mas o processo ainda não começou a tramitar na corte. O TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) decidiu remeter o assunto ao STF por envolver sigilo profissional garantido pela Constituição.

O processo teve baixa definitiva no sistema do TRF-1 em 28 de maio, mas ainda não deu entrada no STF. A ação para proteger o sigilo do advogado foi movida pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

No despacho desta terça, o magistrado de Juiz de Fora afirmou compartilhar "do entendimento de que foram esgotadas todas as diligências investigativas –à exceção da análise do conteúdo do aparelho de celular do principal advogado de defesa de Adélio Bispo de Oliveira".

Ele escreveu ainda que é possível fazer o desarquivamento do inquérito "na hipótese do surgimento de novos elementos informativos".

Savino concordou com a manifestação do MPF, que no início do mês defendeu o arquivamento provisório do inquérito, o segundo aberto pela PF para apurar o ataque ao então candidato a presidente da República durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

Nos dois casos, a PF concluiu que Adélio agiu por vontade própria e descartou a existência de mandantes ou comparsas. O exame dos materiais apreendidos com o antigo advogado, no entanto, é considerada fundamental pelos investigadores para esgotar as frentes de apuração.

Uma das hipóteses é que a análise poderia elucidar a existência de financiadores da defesa e, com isso, revelar eventuais conexões de Adélio. Desde o fim de 2019, Zanone Oliveira não é mais o advogado do autor, que passou a ser defendido pela DPU (Defensoria Pública da União).

O ex-defensor e seus sócios já deram diferentes versões sobre a entrada no caso. A principal foi a de que o advogado foi procurado por um representante de uma igreja evangélica frequentada por Adélio que lhe entregou R$ 5.000 em dinheiro para assumir a causa, mas depois o tal filantropo desapareceu.

Agentes ligados ao caso na PF e na Justiça disseram à reportagem que a hipótese considerada mais provável é a de que Zanone tenha trabalhando de graça, em troca de repercussão na mídia. Ele sustenta que sua atuação no caso se deu dentro dos princípios legais.

As investigações feitas até o momento não apontaram a participação de outras pessoas no planejamento ou na execução do ataque nem confirmaram teorias da conspiração que proliferam em redes sociais.

Adélio está preso desde 2018 na penitenciária federal de Campo Grande (MS). Ele recebeu, em junho de 2019, a chamada absolvição imprópria -foi reconhecido como autor do crime, mas não pôde ser responsabilizado penalmente por ter uma doença mental, o transtorno delirante persistente.

Na época, Savino determinou que ele fosse submetido a tratamento psiquiátrico.

Na semana passada, o juiz discordou da decisão que permitia a transferência do autor do crime para uma unidade em Minas Gerais. A mudança foi autorizada em março pelo juiz que faz o acompanhamento da prisão do esfaqueador, Dalton Igor Kita Conrado, da 5ª Vara Federal Criminal de Campo Grande.

A transferência, que é uma vontade de Adélio endossada pela DPU, tinha como objetivo permitir que ele fosse levado para um local onde possa receber tratamento adequado de saúde mental. O único estabelecimento em Minas apto a acolhê-lo, no entanto, não tem vagas.

Com o impasse sobre a transferência, a questão terá que ser decidida pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Comentar