America racista? · 11/06/2019 - 15h07 | Última atualização em 11/06/2019 - 17h38

Resenha | Olhos Que Condenam – O conto angustiante sobre racismo da Netflix


Compartilhar Tweet 1



 

Artistas superlativos… Aunjanue Ellis e Ethan Herisse em When They See Us. Foto: Atsushi Nishijima / Netflix
Artistas superlativos… Aunjanue Ellis e Ethan Herisse em When They See Us. Foto: Atsushi Nishijima / Netflix 

 

Ava DuVernay não dá socos nesta releitura surpreendente de um caso de agressão que abriu uma janela contra a injustiça na América em Olhos que Condenam.

A diretora Ava DuVernay não passa muito tempo estabelecendo a normalidade das vidas dos jovens adolescentes Kevin Richardson, Antron McCray, Yusé Salaam, Korey Wise e Raymond Santana. Onde outros poderiam ter optado por insistir nisso, ela toma como um fato – como os jovens fizeram, antes daquela noite fatídica em 1989, quando se juntaram a uma multidão de outros garotos que vinham do Harlem para o Central Park, que por causa da parcialidade da imprensa e o mau trabalho da polícia e da promotoria no caso, transformaram qualquer negro e latino em estupradores, no que ficou conhecido como o caso Central Park Five.

Olhos que Condenam (When They See Us) é um relato dramático de como os cinco garotos foram presos, condenados e sentenciados por estuprar e espancar quase até a morte Trisha Meili.

Todos os sinais iniciais apontam para um único atacante que a arrastou do caminho que sempre fazia cooper para a vegetação rasteira. Mas quando a chefe da unidade de crimes sexuais da promotoria, Linda Fairstein, ouve que jovens negros foram presos em outro lugar do parque, uma nova narrativa começa a se formar. E em nenhum momento, esta furiosa mulher, tratou os jovens como seres humanos, para ela, eles não passavam de “um bando de animais”. Assim como no estabelecimento precoce da normalidade dos meninos, Fairstein e sua equipe nunca são explicitamente rotulados como racistas. (Fairstein é interpretado por Felicity Huffman, cujo recente caso no tribunal, se declarou culpada de pagar para fraudar um exame de admissão em uma faculdade para sua filha, acrescenta um certo frisson ao elenco.) Seu preconceito está simplesmente embutido em todas as hipóteses que os meninos são os suspeitos óbvios, que eles “devem” ter feito isso. Fairstein respira essas certezas como o ar.

Uma lista aleatória de possíveis suspeitos do grupo é elaborada por policiais que se espalham pelo Harlem para encontrá-los. O nome de Korey nem está na lista, mas ele acompanha seu amigo Yusef para a delegacia, porque ele calcula que sua mãe ficará zangada se ele não o fizer.

A desorientação dos rapazes durante as horas de interrogatório desacompanhados e sem registro – sem comida, sem fraturas no banheiro, o rosto de Kevin inchado pelo golpe que recebeu de um policial no parque – resulta em falsas confissões de todos eles. (A mãe de Yusef consegue chegar a tempo e removê-lo antes de assinar qualquer coisa, mas o dano já tinha sido feito na vida deles.) No julgamento, onde a ausência de provas físicas e testemunhas, e as alegações de ação coercitiva da polícia não são o suficiente para mover um juiz e um júri que respiram as mesmas certezas de Fairstein.

Falsa confissão… Caleel Harris em When They See Us. Foto: Atsushi Nishijima / Netflix
Falsa confissão… Caleel Harris em When They See Us. Foto: Atsushi Nishijima / Netflix 

 

A promotora Elizabeth Lederer demonstra ter suas dúvidas. Quando a evidência de DNA da cena do crime não coloca os garotos lá, ela oferece a eles uma barganha. Mas eles não admitem algo que não fizeram. Eles são todos condenados, entre 6 e 13 anos de prisão, com Korey julgado e condenado como um adulto. E isso foi apenas os dois primeiros episódios.

O penúltimo episódio se concentra nos quatro homens que emergem de suas sentenças juvenis e nos obstáculos para recomeçar a vida como um criminoso conhecido e sexual. Yusef quer ser professor, mas é proibido. Raymond não consegue um emprego e acaba recorrendo ao tráfico de drogas. Kevin e Antron também tem suas vidas destroçadas. Como o barbeiro de Yusef comenta numa cena: “Quando eles pegam você, eles ficam com você”. O episódio final se concentra no sofrimento particular de Korey e a confissão do verdadeiro estuprador.

A série poderia facilmente tornar-se agitprop*, mas resiste à tentação. É uma série densa e rápida que examina não apenas os efeitos do racismo sistêmico, mas os efeitos de todos os tipos de privação de direitos (embora você possa argumentar que todos eles têm a mesma causa básica) em pessoas negras americanas que ecoa até hoje. A falta de dinheiro que leva a advogados inadequados e mães incapazes de visitar seus filhos encarcerados em lugares distantes. A vida de medo e vulnerabilidade que faz com que um dos pais encoraje seu filho a assinar a confissão. A impotência diante de uma autoridade que não se parece com você nem se importa com você.

 

Inocência perdida … Niecy Nash e Jharrel Jerome. Foto: Atsushi Nishijima / Netflix
Inocência perdida … Niecy Nash e Jharrel Jerome. Foto: Atsushi Nishijima / Netflix 

 

Veredito

As atuações dos jovens atores e veteranos, são uniformemente surpreendentes – especialmente de Asante Blackk, Caleel Harris, Ethan Herisse, Marquis Rodriguez e Jharrel Jerome, a maioria dos quais estão na casa de 20 anos. Eles capturam a inocência, em todos os sentidos, dos adolescentes e a permanência de sua perda. Parece um grande privilégio vê-los e assistir esta série é muito importante para qualquer pessoa. Recomendo.

*Agitprop é o termo que sintetiza a expressão agitação e propaganda. Esse termo foi disseminado por diversos países, bem como as experiências dos grupos, brigadas ou coletivos de agitadores e propagandistas.


Comentários