Venha passar raiva novamente! · 21/01/2020 - 14h00 | Última atualização em 21/01/2020 - 18h03

Filmes | Os maiores fracassos de bilheteria da década


Compartilhar Tweet 1



 

 

Hype é uma gíria usada para definir algo que está sendo muito repercutido, chamando a atenção das pessoas. Hype também pode ser usado para definir o sentimento quando as pessoas estão muito entusiasmadas sobre algo.

Nas últimas décadas o cinema americano entendeu como funciona isso e hoje a máquina de hype de Hollywood pode ser bastante eficaz. Milhões e milhões de dólares são investidos na promoção de um filme para que ele atraia público para as salas de cinema o mais rápido possível. Mesmo com um serviço qualificado quanto é o trabalho dos filmes americanos de se venderam para as massas, as vezes a coisa não funciona. Se o filme entregado na telona falhar, nem todos os efeitos especiais caros e propaganda de marketing no mundo serão suficientes para salvá-lo.

Desde que a era de ouro do cinema de super-heróis começou com o advento do Universo Cinematográfico da Marvel, as empresas de marketing dos estúdios andam com um mercado cada vez mais movimentado, competitivo e caro. Levar filmes (heróis, grandes franquias, adaptações) para o cinema demanda tempo, dinheiro, muito dinheiro e um produto que consiga vender para o público. E conseguir esse público empolgado ir para o cinema, é a chave para seu sucesso, mas também significa que, quando eles fracassam, deixam um gosto extra de merda na boca dos fãs que inevitavelmente vão para as mídias sociais em massa para sarcasticamente se perguntar o que todo esse hype era.

De 2010 até 2019, foi uma era exagerada para o cinema blockbuster, principalmente para esses filmes abaixo que fizeram um estrondo ensurdecedor de marketing e que entregaram um balão gigante, porém, vazio para nós.

Conheça os filmes mais hypados da década que foram simplesmente uma tragédia e um prejuízo sem tamanho para seus estúdios e enganou todo mundo com seus trailers da década passada.

Essa lista é baseada nos filmes que eu assisti. Tem outros filmes fora da lista que queira adicionar? Existe um espaço chamado “Comentários” que serve para isso. Todos os filmes estão com os nomes em sua versão brasileira.

 

O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio


 

 

Destino Sombrio tinha todos os ingredientes para renovar uma das franquias mais importantes do cinema. Ignorando os filmes mais ruins da série, trouxe de volta o produtor James Cameron e a estrela Linda Hamilton, apresentou um elenco de jovens estrelas e foi dirigido pelo muito competente Tim Miller (Deadpool). O filme teve uma campanha de marketing maciça, e o Twitter explodiu de elogios após as primeiras exibições. Mas sua primeira semana foi uma tragédia.

Destino Sombrio se tornou um dos maiores fracassos de bilheteria no cinema de 2019, recebendo apenas US $ 261 milhões contra um orçamento de US $ 185 milhões. A teoria predominante e que eu escrevi: o público mais jovem simplesmente não se importava (Exterminador 2 de 1991, ao qual Destino Sombrio vem como uma sequência direta), e o público principal da franquia de espectadores mais velhos simplesmente não foi suficiente. Podem esquecer a franquias dos anos 80 e 90 que o futuro é outro.

 

Linda Hamilton, Arnold Schwarzenegger, Natalia Reyes, e Mackenzie Davis em Exterminador do Futuro: Destino Sombrio (2019)
Linda Hamilton, Arnold Schwarzenegger, Natalia Reyes, e Mackenzie Davis em Exterminador do Futuro: Destino Sombrio (2019) 

 

Liga da Justiça

 

 

Até hoje, eu só assisti esse filme uma vez e foi porque paguei pelo ingresso no cinema.

A Liga da Justiça (2017) deveria ter sido um sucesso de bilheteria. Claro, o Batman v Superman: Dawn of Justice do ano anterior teve um desempenho ruim para DC/Warner (na verdade, eles ficaram irritadíssimos com o Zack Snyder), uma vez que apresentou os maiores ícones das empresas juntas pela primeira vez e não deu certo. A Liga trouxe quase todo mundo para o cinema, incluindo Batman de Ben Affleck, Mulher Maravilha de Gal Gadot, Ezra Miller de Flash, Cyborg de Ray Fisher e Superman de Henry Cavill. Infelizmente, problemas levantaram os nossos olhos antes da estreia do filme, quando o diretor Zack Snyder foi forçado a deixar a produção devido a uma tragédia familiar.

Sem diretor, alguém teve a incrível ideia de trazer Joss Whedon, dos Vingadores, para terminar o filme e, de acordo com alguns relatos, ele refez mais da metade do filme – e, ao fazer isso, alterou drasticamente a narrativa original que Zack havia imaginado e gravado. Você sente as vistas quais cenas o Snyder fez e quais o Whedon teve que costurar. Esse filme é uma tragédia. A Liga da Justiça custou US $ 300 milhões, e alguns relatórios colocam o número verdadeiro (após as refilmagens de Whedon) para quase 400 milhões. Mesmo lançando uma campanha de marketing massiva, o filme precisaria arrecadar cerca de um bilhão de dólares em todo o mundo apenas para se pagar. De alguma forma, porém, o primeiro filme da Liga no cinema ganhou apenas US $ 658 milhões nas bilheterias do mundo todo, e seu fracasso levou a uma correção maciça de curso para o Universo Estendido da DC. Os fãs pedem até hoje que o corte de Snyder seja lançado, o que parece altamente improvável de acontecer.

No final o filme, apesar de ter momentos incríveis, é uma bagunça e o efeito especial do bigode do Super é uma tragédia.

 

Ben Affleck, Jason Momoa, Gal Gadot, Ezra Miller, e Ray Fisher em Liga da Justiça (2017)
Ben Affleck, Jason Momoa, Gal Gadot, Ezra Miller, e Ray Fisher em Liga da Justiça (2017) 

 

 

Pan

 

O Pan foi lançado em 2015, conta a história de origem de Peter Pan com um orçamento de US $ 150 milhões e lançado durante o período que antecedeu a temporada de férias no cinema americano, o marketing do filme fez tudo, bombardeando o público com spots, comerciais, brinquedos e vendendo um filme com efeitos especiais nunca visto até ali. Além disso, a produção ostentava um elenco de estrelas que incluía Hugh Jackman, Rooney Mara, Amanda Seyfried e Cara Delevingne, e sua versão atualizada de uma história clássica parecia que era sucesso garantido.

Infelizmente para o estúdio Warner Bros., dois fatores significativos frustraram esse plano: as crianças realmente não se importaram com a origem de Peter Pan, e o filme em si não é bom. Os críticos o detonaram por sua narrativa fraca e dependência excessiva de CGI, para não mencionar algumas opções criativas altamente questionáveis (“Smells Like Teen Spirit” do Nirvana, cantado por um bando de piratas fanáticos não foi uma escolha inteligente). Sem contar que Perdido em Marte e Hotel Transilvânia 2 entraram nos cinemas na mesma época e provaram ser o prego no caixão de Pan, que nem chegou perto de recuperar seu orçamento com uma receita global de US $ 128 milhões.

 

 

 

Ben-Hur

 

 

Alguém lembra que teve um remake de Ben-Hur em 2016? Pois teve. O Ben-Hur de 1959, um épico bíblico estrelado por Charlton Heston, foi o filme mais caro já feito na época, com os maiores cenários já criados para uma produção cinematográfica; ganhou 11 prêmios da Academia e se tornou o segundo filme de bilheteria mais lucrativo da história, atrás apenas de E o Vento Levou. Sua sequência de corrida de carros com cavalos também estabeleceu um padrão para acrobacias nos filmes de Hollywood; ninguém poderia argumentar que o filme não era incrivelmente significativo e histórico para a indústria. Mas alguém pensou que com apenas US $ 100 milhões, um remake lotado de CGI seria uma boa ideia.

O remake chegou em um momento em que épicos históricos em geral estavam caindo nas bilheterias; seu marketing tentou reproduzir as sequências de ação e batalha para o público mais jovem, que estava muito mais interessado em assistir Homem de Ferro e Capitão América se digladiarem em Guerra Civil. Gastos adicionais de marketing destinados a chamar o público mais velho e religioso até que surtiu algum efeito, mas com uma imagem tão cara de produzir quanto Ben-Hur, isso simplesmente não foi suficiente. Ainda coloque um elenco de desconhecidos e críticas pesadas e selvagens ao filme, e você tem uma receita para um dos maiores fracassos de bilheteria de 2016, o filme deu um prejuízo final de US $ 120 milhões para os estúdios Paramount e MGM.

 

    Reprodução

 

O Cavaleiro Solitário

 

 

Antes que qualquer coisa sobre O Cavaleiro Solitário, eu gosto desse filme pra caramba, hein! Principalmente sua trilha sonora!

Mas o filme começou a mostrar que seria problemático bem antes do seu lançamento no cinema, o orçamento final do filme ficou alto demais até para Disney bancar, US $ 250 milhões até hoje – no auge dos blockbuster – é muito dinheiro investido para uma produção e as primeiras fotos promocionais de Johnny Depp como Tonto tiveram uma reação negativa em toda a Internet. O filme, destinado a atrair o tipo de público familiar que adorou Piratas do Caribe de Depp, estreou no início de julho de 2013 no vermelho. E a crítica? O negócio não foi fácil para o marketing do filme.

O filme foi uma tempestade de problemas; filmes westerns estão fora de moda desde 1970, Armie Hammer provou ser um ator que dá prejuízo (procura aí todos os filmes que ele fez depois de O Cavaleiro Solitário), e teve Meu Malvado Favorito 2 que levou todo mundo ao cinema, só para citar alguns. O Cavaleiro Solitário se tornou uma das maiores bombas do ano, arrecadando apenas US $ 260 milhões nas bilheterias do mundo e somando uma perda impressionante de US $ 190 milhões para a Disney, após despesas de marketing.

    Disney

 

Homens de Preto: Internacional

 

 

Bem, aqui todos somos unânimes que esse filme seria uma bomba. A ideia do filme foi dar uma continuação e quem sabe mais sequências para a franquia, seus trailers pareciam ótimos, e suas estrelas Chris Hemsworth e Tessa Thompson vinham do grande sucesso da Marvel. Thor: Ragnarok e Avengers: Endgame, no qual eles exibiram uma química cômica sem esforço, do tipo que parecia perfeito para um novo filme dos Homens de Preto. Homens de Preto: Internacional estreou contra praticamente nenhuma concorrência, e seu enorme impulso de marketing deveria ter dado certo. Deveria…

O primeiro final de semana conseguiu apenas 30 milhões de arrecadações, e de longe o mais baixo da história da franquia, e lutou para que uma bilheteria global de US $ 253 milhões. A Sony não teve mais prejuízo por ter dividido o financiamento com mais uma produtora, um acordo que pode ter impedido essa produção de se tornar o fim da franquia para sempre. Mas ainda assim, a Sony perdeu US $ 110 milhões.

 

Liam Neeson, Chris Hemsworth, e Tessa Thompson em Men in Black: International (2019)
Liam Neeson, Chris Hemsworth, e Tessa Thompson em Men in Black: International (2019) 

 

John Carter

 

 

Esse aqui quase levou a Disney a falência. Inúmeras tentativas foram feitas para adaptar os romances de Edgar Rice Burroughs, mas sem sucesso. A história era “Senhor dos Anéis” demais para investimentos pequenos. Publicado no início do século 20, os romances tratam de um veterano da Guerra Civil chamado John Carter, que é transportado para Marte, onde ele se vê envolvido em uma luta por recursos fraudulentos entre os habitantes do planeta.

Essa história foi um dos divisores de água para as legiões de obras de ficção científica que surgiram depois, e a adaptação do primeiro romance da Disney em 2012, poderia ter iniciado uma franquia de sucesso, se tivesse sido tratada adequadamente. Vamos ser francos, o filme em si não é ruim, mas seu enorme impulso de marketing fazia parte do problema. Os trailers eram vagos, cheios de ação, mas desprovidos de elementos da trama, não davam aos espectadores absolutamente nenhuma noção do que era a história ou por que deveriam se preocupar com isso; além de nomearam o filme como John Carter – a história original do filme é baseada no primeiro livro da série, A Princesa de Marte – soava genérico, e Taylor Kitsch não empolgou como protagonista. Aqui no Brasil, ainda tentaram aliviar colocando John Carter – Entre Dois Mundos, mas não ajudou em nada.

Se tem uma coisa legal do filme é sua trilha sonora feita pelo grande músico Michael Giacchino. Cara, é sensacional.

John Carter fez presidente entregar cargo, fechar todo um despertamento de marketing e foi a primeira vez que a formidável máquina de marketing da Disney falhou completamente. O filme custou US $ 250 milhões e arrecadou mundialmente US $ 284 milhões, assegurando que entraria na história como uma das maiores bombas de todos os tempos; após os custos de marketing, a maioria das fontes avalia a perda da Disney em cerca de US $ 200 milhões.

 

    Disney

 

A Múmia

 

 

Existem franquias que foram fracassos, escrevi duas nessa lista. E existe “A Múmia”, cujo fracasso condenou todo um universo cinematográfico. No papel, parecia uma coisa certa; um reboot sombrio e corajoso de uma franquia de filmes popular (lançada com o mesmo nome em 1999 liderado por Brendan Fraser), estrelando uma das estrelas mais lucrativas de Hollywood (Tom Cruise), abrindo-se contra uma concorrência inexistente e um orçamento incrível. Infelizmente, os filmes não são feitos no papel.

A relação orçamento / receita bruta do filme não foi tão ruim; custou US $ 125 milhões para produzir e ganhou US $ 409 milhões em todo o mundo. O Studio Universal, no entanto, precisava mais da margem de lucro. Como a empresa pretendia lançar seu Universo Sombrio interconectado, com todas as suas propriedades de monstros que tem, o estúdio investiu uma quantia irracional de marketing em A Múmia. As bilheterias domésticas mornas ilustravam o quão pesadamente as entradas futuras teriam que depender de retornos internacionais para serem lucrativas, e elas não teriam o benefício de Cruise vendendo o filme pelo mundo. No final, acabou sendo não apenas o primeiro filme no Universo Sombrio, mas o último. Em tempo de não perder mais dinheiro, a Universal, em parceria com a Blumhouse (Invocação do Mal), estão apostando em filmes de monstros de baixo orçamento e parece que está dando certo.

 

© 2017 – Universal Pictures
© 2017 – Universal Pictures 

 

Quarteto Fantástico

 

A Primeira Família da Marvel, o Quarteto Fantástico, mostrou-se notoriamente difícil de adaptar para o cinema, por incrível que isso possa parecer. Dois filmes produzidos pela Fox Studios em 2005 e 2007 tiveram bilheteria mediana e até geraram reações ainda mais medianas dos fãs (e estrelaram o futuro Capitão América Chris Evans como Johnny Storm), mas o reboot de Quarteto Fantástico de 2015 (inexplicavelmente estilizado como Fant4stic) ostentou o envolvimento de um jovem diretor (Josh Trank) e jovens atores (Michael B. Jordan, Miles Teller e Kate Mara), e a publicidade prometendo um filme mais sério e científico. Nunca fomos enganados tanto na vida.

Trank culparia a intromissão do estúdio, e o estúdio culparia Trank pelo destino do filme: fracasso absoluto, completo e lendário. O Quarteto Fantástico conseguiu algumas das piores críticas de praticamente qualquer filme de super-herói, e sua bilheteria global de US $ 167 milhões – insignificante para os padrões dos filmes de quadrinhos em geral e de cair o queixo para uma propriedade da Marvel – foi relatada como resultado de uma perda de cerca de US $ 60 milhões para a Fox. O filme foi simplesmente terrível, e deixou os telespectadores se perguntando se um dos principais times de super-heróis da Marvel era simplesmente inacessível.

 

© TM & © 2015 Marvel & Subs. TM and © 2015 Twentieth Century Fox Film Corporation.
© TM & © 2015 Marvel & Subs. TM and © 2015 Twentieth Century Fox Film Corporation. 

 

A Torre Negra

 

 

Precisei assistir esse filme para escrevê-lo na lista. Até agora não acredito como ele passou no corte dos investidores.

A obra-prima de Stephen King não tem sorte. Além disso, é complexa para uma adaptação de uma hora e meia de tela. Os estúdios Universal Pictures e Warner Bros. passaram anos desenvolvendo diferentes iterações do projeto; diretores J.J. Abrams e Ron Howard estavam juntos em vários pontos e, por algum tempo, parecia que o épico se estendia por vários filmes, além de uma série de TV. Em 2015, a Sony Pictures assumiu a tarefa de adaptar A Torre Negra em um único longa-metragem, deixando qualquer pessoa familiarizada com os romances de King intrigada sobre exatamente como isso funcionaria.

Pegar sete volumes, mais de 4000 páginas escritas e comprimir tudo em uma hora e meia de filme. Nossa, como daria certo!

Apesar de uma intrigante campanha de marketing centrada na presença carismática de Idris Elba no papel principal de Roland Deschain, o filme foi afundado em grande parte pelo anúncio boca a boca, que confirmou que era uma bagunça. Se fosse apenas uma bagunça seria legal, mas o filme é totalmente desnecessário e sem finalidade. Embora tenha sido modestamente orçado em US $ 60 milhões, as surpreendentes e ruins bilheterias globais da Torre Negra de US $ 113 milhões garantiram que a Sony sofresse uma perda enorme na imagem e que suas sequências planejadas nunca fossem concretizadas.

A Amazon comprou os direitos da obra para adaptar em série de TV, mas esta semana (escrevendo isso em 19 de Janeiro de 2020), o serviço de streaming desistiu do projeto. E A Torre Negra com sua magistral história segue sua maldição de não conseguir sair do papel.

Matthew McConaughey e Idris Elba em A Torre Negra (2017)
Matthew McConaughey e Idris Elba em A Torre Negra (2017) 

 

Independence Day: O Ressurgimento

 

 

O filme de ficção científica / ação de 1996, Independece Day, foi um clássico no qual alienígenas assassinos invadem a Terra para serem repelidos por um bando de heróis destemidos, A Fox Studios fez uma grana alta com ele na época, dirigido por Roland Emmerich. Ajudado pela estrela de Will Smith em sua bilheteria, o filme arrecadou US $ 817 milhões em todo o mundo; se uma sequência tivesse sido produzida nos poucos anos que se seguiram, quase certamente também teria dado muito certo. Infelizmente, a Fox decidiu esperar 20 anos para lançar Independence Day: Resurgence nos cinemas – e a enorme diferença entre os filmes era o menor dos problemas da sequência tardia.

Antes de mais nada, Smith não voltou a reprisar seu papel; segundo, o marketing do filme se concentrava em seus imensos cenários de ação pesados em CGI, prometendo um filme desprovido da personalidade do original. Seu lançamento no verão de 2016 lutava com Batman v Superman: Dawn of Justice e X-Men: Apocalypse, que também apresentavam grandes doses de destruição de CGI, e o sucesso da Pixar, Procurando Dory (em apenas sua segunda semana de lançamento) ainda estava devorando das bilheterias. O resultado foi previsível. Independence Day: O Ressurgimento registrou um fim de semana surpreendentemente fraco de US $ 41 milhões e uma arrecadação global de US $ 389 milhões. A presença de Smith teria revertido sua fortuna? Nunca saberemos.

 

© TM & © 2015 Twentieth Century Fox Film Corporation.
© TM & © 2015 Twentieth Century Fox Film Corporation. 

 

X-Men: Fênix Negra

 

Fênix Negra, foi lançada após a absorção dos estúdios pela Disney. Isso trouxe um problema sério no Marketing do filme; o público experiente sabia muito bem que os personagens do universo dos mutantes estavam prestes a serem reiniciados Universo Cinematográfico da Marvel. Além disso, a história da Fênix Negra – uma das mais populares de todas as histórias da Marvel – havia sido adaptada e atrapalhada antes, na bagunça de 2006 X-Men: O Confronto Final, e o escritor desse filme, Simon Kinberg, estava retornando não apenas para escrever Fênix Negra, mas para dirigir.

Eu escrevi um texto explicando os diversos problemas desse filme.

Meu amigo editor Rafael também escreveu um texto sobre o filme.

O final de Fênix Negra é um insulto para os fãs e não fãs de filmes de super-heróis. X-Men: Fênix Negra encerrou sua passagem pelos cinemas marcando como a pior arrecadação nas bilheterias da franquia dos mutantes. Considerando custos com marketing e distribuição, estimam-se que o longa tenha causado um prejuízo de US$ 120 milhões, uma despedida amarga da Fox aos mutantes, que agora são propriedade da Disney. Um dos piores momentos do cinema em 2019.

 

Escrevi esse texto originalmente no site da Quinta Capa.


Comentários