Primavera no Japão! · 07/04/2020 - 10h25

Guia de Animes: Animes de Abril de 2020


Compartilhar Tweet 1



 

    Netflix (Reprodução)

 

A Pandemia por causa do COVID-19 é uma realidade, ainda não sabemos quando ela passará, por isso, o distanciamento social ainda é a melhor forma do vírus não se propagar e causar uma tragédia humana. Todos os países estão sofrendo, rico ou pobre, o nosso futuro e do entretenimento foi comprometido.


 

Por causa disso, a indústria de anime tem sofrido alguns problemas (Re: Zero Season 2 é um bom exemplo disso), outro exemplo é os atrasos que FUNimation está enfrentando. Então quando reclamar de atraso de seu anime preferido, pense e pare, os animadores estão trabalhando duro remotamente para lhe trazer entretenimento num momento em que mais precisamos dele.


 

Aqui está os maiores e mais esperados lançamentos de animes temporada Primavera de 2020.


 

FRUITS BASKET (SEASON 2)

 

 

Temporada 1 do “novo” Fruits Basket em anime cobriu quase as mesmas coisas que assistimos em sua versão 2001, porém, a coisa teve mais sofisticação na animação. Season 2 entrará no arco que ainda não foi adaptado para anime na versão anterior, na verdade, a Season 2 de Fruits Basket abordará algumas das partes mais intensas de shojo mangá clássico de Natsuki Takaya. Os mistérios da família Sohma finalmente ganhando vida na tela.


 

Fruits Basket Season 2 estréia 06 de abril.Aqui no Brasil, os animes da FUNimation entram quase direto no catálogo do Prime Video. Você pode até conferir a Season One lá.


 

BNA: BRAND NEW ANIMAL


 

Fãs japoneses já estão empolgadíssimos com BNA: Brand New Animais, que estreou na Netflix japonesa e dia 09 de abril na TV aberta. BNA: Brand New Animal é de Yoh Yoshinari, criador do sucesso mundial Little Witch Academia.


 

A história conta a vida de Michiru. uma colegial que se transforma em um tanuki, em um mundo onde os animais humanoides vivem em sociedade. Será que estamos chegamos na era dos Furries?


 

Tanuki é uma criatura mística, travessa e alegre, que adora tomar saquê. Imagens desta criatura são consideradas amuletos de boa sorte e prosperidade. O Tanuki é um personagem do folclore japonês desde tempos antigos.


 

SWORD ART ONLINE: ALICIZATION – WAR OF THE UNDERWORLD (SEASON 2)


 

Tecnicamente este é o primeiro bloco de exibição da segunda parte (War of the Underworld) do que é considerado a terceira temporada (Alicization) do anime Sword Art Online. É meio confuso assim mesmo, já que essa temporada não inclui as séries spinoff em sua linha temporal, mas não foi apenas eu que ficou confuso, muita gente fã da franquia também está.


 

Porém, Sword Arte Online ganhou uma séquito de fãs mundo afora e sempre com boas histórias, vale a pena a conferida. Sua estreia está programada para 25 de Abril.
 

TOWER OF GOD


 

Tower of God é a série animada mais cara da temporada do Crunchyroll. É também a segunda “Crunchyroll Original” anime e o primeiro em colaborações com o maior site coreano de streaming de quadrinhos, Webtoon. Tower of God é famoso, tem milhões, eu disse, MILHÕES de leitores apenas no Oriente.


 

A trama acompanha Baam, um jovem que passou a maior parte de sua vida preso embaixo de uma torre. Sua única amiga é Rachel, que lhe faz companhia. Porém, quando ela entra na torre, Baam vai atrás e enfrenta vários desafios em cada andar do local.


 

Primeiro episódio do anime está disponível no Crunchyroll.


 

KAGUYA-SAMA: LOVE IS WAR (SEASON 2)

 

 

Kaguya-sama: Love is War foi o grande hit da temporada de inverno 2019. Cada episódio contou com vários esquetes que demonstram uma disputa absurda de gênios do ensino médio Kaguya e Miyuki, tentando evitar confessarem o amor que um tem pelo outro. Kaguya-Sama é um poço sem fim de risos e esperado por uma legião de fãs que gostam desse gênero de anime. Aqui no Brasil, ele faz bastante sucesso.


 

FUNimation está prometendo a estreia da Season 2 no dia 11 de Abril.


 

APPARE-RANMAN!


 

Appare-Ranamn já um clássico! Isso aconteceu, graças aos fãs de Jojo´s que estão espalhando que o anime é cheio de meme “Esta é uma referência Jojo?”


 

Se você respira e está nas mídias sociais, você provavelmente já foi atingido por referências de Jojo´s que está completando 25 anos de bizarrices.


 

A história do anime se passa no século XIX, e mostra a viagem do jovem engenheiro Sorano e o samurai Isshiki que acabam saindo do Japão para os Estados Unidos. Falidos, eles acabam participando da Trans-America Wild Race, uma corrida de carros que atravessa todo o país, para ganhar o prêmio e retornar ao Japão.


 

Sua estreia está programada para estrear em 10 de abril, com FUNimation licenciando os direitos de streaming.


 

Shokugeki no Soma (Season 5)


 

 

Eu ainda não entendi como um mangá de comida conseguiu chegar na sua quinta temporada em versão anime. Ninguém imaginaria que um anime que mostra jovens e belos chefs de cozinha fazendo garotas ter orgasmos por causa de comida chegaria tão longe, mas aqui estamos.


 

A Season 5 de Shokugeki no Soma começa a ser exibida na TV japonesa em 11 de abril, aqui no Brasil, o Crunchyroll será streaming de série.


 

GHOST IN THE SHELL: SAC_2045


 

De todos os lançamentos da temporada, Ghost in the Shell: SAC_2045 pode ser o mais controverso. Por quê? Ao contrário de temporadas anteriores de Ghost in the Shell: Stand Alone Complex, este é inteiramente CGI, e as opiniões estão divididas sobre isso. Tem que gosta, mas a maioria esmagadora dos fãs não ficou muito feliz por essa escolha.


 

Ainda assim, Kenji Kamiyama, o diretor das temporadas anteriores continua como co-diretor com Shinji Aramaki, então pode valer a pena assistir, mesmo que seus olhos precisam de tempo para se adaptar. Estreia na Netflix dia 23 de Abril em todo o mundo.


 

NO GUNS LIFE (SEASON 2)


 

 

Baseado no mangá de Tasuke Karusama, No Guns Life é uma série cyberpunk noir. Depois da guerra, existiam muitos “Extends” na cidade, que eram pessoas que tiveram os corpos modificados para serem transformados em armas mortais. Inui Jyuuzou é um deles, e ele não possui lembrança alguma da sua vida antes de ter a sua cabeça transformada em uma arma.


 

Estranhamente, a sua arma em formato de revólver é desenhada para que alguém possa puxar o gatilho. Jyuuzou sobrevive solucionando casos envolvendo extends na cidade, e ele é auxiliado pela Mary, uma jovem e inteligente mulher que ele colocou sob a sua proteção.


 

O anime foi sempre planejado com 24 episódios divididos em duas temporadas. A Season one do anime foi ao ar no outono de 2019 e depois de fazer uma pausa para o inverno, a segunda temporada começa no dia 9 de abril. Se Ghost in the Shell: SAC_2045 não fosse suficiente, este anime cyberpunk certamente satisfará as suas necessidades.


 

GLEIPNIR


 

 

Furries estão na moda, é? Como em muitos animes, o protagonista, Shuichi Kagaya tem o poder de se transformar em um animal monstruoso. Ao contrário de outros, sua forma animal se parece exatamente com um traje mascote, completo com um zíper e um sorriso cartoonizado. Sim, ele parece um Funko gigante e isso é o tiro do gato desta série. É um set-up único para um anime que traz ação e aventura, além de bastante comédia romântica.


 

Estreou dia 05 no Japão e FUNimation vai lançar ainda este mês mundo afora.


 

MY TEEN ROMANTIC COMEDY SNAFU (SEASON 3)


 

 

Os fãs de desse anime esperaram por pela tereceira temporada por dois anos. Mas a demora deu uma reposta positiva para a série, já que foi graças a esse hiato que o My teen Romantic Comedy Snafu ganhou uma legião de fãs no ocidente.


 

A versão original japonesa se chama Oregairu (Yahari Ore no Seishun Love Come wa Machigatteiru) e discorre sobre a vida de Hachiman Hikigaya e as pessoas que vão fazendo parte da sua vida.


 

Hachiman é um personagem depressivo e sádico, dando um clima especial para o anime. Ele acredita firmemente que a juventude alegre não é nada além de uma farsa, e todo mundo que diz o contrário é apenas mentir para si. Sua professora o faz entrar para o Clube de Serviço Voluntário onde ele conhece uma personagem muito séria e aparentemente fria, Yukino Yukinoshita. Juntos eles usam seu raciocínio para resolver os problemas de quem busca a ajuda do grupo.

 

O anime abrange diversas personalidades e destaca a de pessoas que costumam ficar deslocadas, sem deixar de abranger populares e comuns, permitindo que o público possa se identificar com a personalidade e as situações cotidianas de um ou mais personagem.


 

A Season 3 estréia dia 9 de abril, mas sem previsão de vim para o ocidente.


 

SOL LEVANTE


 

A Netflix e a Production IG estão prontas para te apresentar uma nova anime, Sol Levante.


 

Sol Levante é o mais recente esforço da Netflix para apresentar animações feitas no Japão. É um anime desenhado à mão, pensada para a era 4K e HDR.


 

Sol Levante é uma Original Net Animation e lançada pelo estúdio de aclamadas produções como "Ghost in the Shell", "Guilty Crown" e "Psycho-Pass", produzida por uma equipe repleta de talentosos veteranos.


 

A Production IG descreve Sol Levante como um trabalho de grande beleza e detalhe, repleto de cor e contrastes que vão aguçar o seu imaginário. Através deste novo anime, os responsáveis esperam ainda dar início a uma nova era na animação Japonesa.


 

Está disponível na Netflix e é impressionante.


 

MY LIFE AS A VILLAINESS: ALL ROUTES LEAD TO DOOM!

 


 

My life as a Villainess é mais uma estreia desta temporada que promete divertir bastante quem assistir. Apesar de ter alguns detalhes que podem ser considerados clichês, a obra traz diferenciais bem interessantes e abre espaço para obras similares.


 

Primeiramente é bem legal deixar claro que aqui temos mais um isekai com o seguinte nome grande: Otome Game no Hametsu Flag shika Nai Akuyaku Reijou ni Tensei shiteshimatta… sim, é mais uma obra que tem uma frase como nome. Ah, apesar de ser um isekai, dessa vez temos uma protagonista feminina e talvez um harém inverso. Ao invés de uma garota indo para outro mundo como um isekai qualquer, aqui temos alguém que precisa evitar um final trágico para si mesma, que consiste em ser deportada ou morta. (Leia mais aqui).


 

Estreou dia 04 de Abril.


 

ASCENDANCE OF A BOOKWORM (SEASON 2)


 

Esta temporada não vê apenas a estreia de uma nova série isekai com uma garota protagonista, mas também o retorno de um sucesso de 2019. Ascendance conta a história de um rato de biblioteca e aspirante a bibliotecária que morre em um terremoto e é reencarnada em um mundo medieval com baixa alfabetização de sua populaçao. Na 2 ª temporada, Myne, a protagonista, começa seu treinamento como uma sacerdotisa, que irá conceder-lhe mais acesso à literatura que ela anseia para ensinar a sociedade daquele mundo fantástico das garras do analfabetismo.


 

Já está disponível no Crunchyroll.


 

LISTENERS


 

 

A história se passa em um mundo onde o conceito de música não existe. Em um certo dia um garoto encontra uma estranha garota que tem uma entrada de áudio em seu corpo. Quando conectada em um amplificador, a garota é capaz de criar algo nunca antes visto naquele mundo, mudando os rumos dele a partir de então.


 

Se gostou de Carole & Tuesday, Listeners é um deleite. Mas nem é isso que chama atenção desse anime, mas seu staff:


 

Diretor: Hiroaki Ando (Ajin, Gambo, Mahou Shoujo Tai Arusu)

Roteiro: Dai Sato (Eureka Seven, Wolf’s Rain, Samurai Champloo, Cowboy Bebop)

Adaptação do design: Shinpei KAMADA (Chefe de animação em alguns episódios de Banana Fish)

Música: Jin (Kagerou Project, Mekaku city Actors)

Estúdio: Mappa (Dororo, Kakegurui)

Saiba mais clicando aqui.

Comentar
Fique em casa vendo filme! · 03/04/2020 - 13h33 | Última atualização em 03/04/2020 - 18h00

Os melhores filmes de mistério que você pode assistir na Netflix durante quarentena


Compartilhar Tweet 1



 


 

Eu nunca imaginei falar isso, mas estamos vivendo um dos piores momentos da história humana. A boa notícia é que – mesmo enquanto esperamos para ver se o mundo pode encontrar uma maneira de se manter unido – também estamos vivendo um tempo que permite intermináveis ​​distrações e entretenimentos para manter até os nossos mais tolos medos à distância.


 

Como historicamente tem sido o caso, os filmes são o ponto zero para muitos em busca algo que melhore a alma assombrada. Hoje em dia, mais do que nunca, isso inclui relaxar em casa e desfrutar de algumas horas de insanidade cultural. Embora aparentemente não haja fim para os tesouros cinematográficos que se pode descobrir, já que estamos vivendo a era do streaming, não podemos deixar de sentir que essa incerteza torna o momento melhor do que nunca para mergulhar em um bom filme de mistério e suspense. E a boa notícia é que existem muitos mistérios implorando para serem descobertos na Netflix.


 

De quebra-cabeças psicológicos e narrativas desconcertantes, esses são os melhores filmes de mistério e suspense que você pode assistir no Netflix no momento.


 

The Discovery


 

A mortalidade é uma condição que nos aflige desde quando nos entendemos por espécie. Datam-se de dezenas de milênios atrás os primeiros rituais funerários registrados e a narrativa escrita mais antiga da História que se tem notícia remete à epopeia de Gilgamesh, de aproximadamente 5000 a.c, sobre um imperador que busca a imortalidade mas defronta-se com a negativa dos deuses que lhe avisam da morte como condição natural e inevitável de se ser humano. Seguindo a linha desta temática que nos é tão cara, que gerou religiões e civilizações, “The Discovery” é um filme que trata da possibilidade de vida após se morrer. Assunto poderoso, complexo e conflituoso; e que por isto mesmo, ao ser tratado, merece a devida grandiosidade – coisa que a produção original da Netflix não faz.


 

Em elenco estrelado, com Jason Segel (“How I Met your Mother”), Rooney Mara (“Millenium”, “A Rede Social”) e Robert Redford, a história acompanha o neurologista Will (Jason Segel) em um mundo em que foi descoberto cientificamente que existe “algo” após a morte, apesar de não se saber exatamente o quê; descoberta responsável por uma onda de suicídios por todos os lugares. Na jornada, Will conhece Isla (Rooney Mara) ao ir em direção a sua ilha natal, onde vai visitar seu pai, Dr. Thomas Harbor (Robert Redford), o responsável por descobrir o novo “plano de existência” pós-“morte”. (Leia mais sobre o filme aqui).


 


 

Ao Cair da Noite


 

O filme narra a história de Paul (Joel Edgerton), que lida com uma ameaça não identificada que aterroriza o mundo. Seguro em um lar isolado, ao lado de sua esposa Sarah (Carmen Ejogo) e o filho Travis (Kelvin Harrison Jr), Paul vive medo, dor e paranoia em meio a recursos escassos para sobreviver no dia a dia. Quando o jovem casal Will (Christopher Abbott) e Kim (Riley Keough) e seu filho pequeno são acolhidos pela família, cresce o sentimento de pânico e desconfiança, ao mesmo tempo em que os horrores do mundo exterior parecem cada vez mais próximos. Mas isso não se compara aos horrores dentro da casa, onde Paul descobre que proteger sua família pode custar até a sua própria alma. (Leia mais sobre o filme aqui).


 

 

Freaks

 

O filme traz a jovem Lexy Kolker no papel de Chloe, que vive com seu pai, Henry (Emile Hirsch, finalmente num bom papel em uma produção de nível), em uma casa escura e empoeirada. A questão é que seu pai insiste que ela não pode sair de casa, em nenhum momento, sob nenhuma circunstância. E porquê ela não pode sair? No início não fica muito claro, nem para o espectador e nem mesmo para Chloe, mas Henry é categórico ao afirmar que sair da casa pode significar suas mortes.


 

A intimidade claustrofóbica da primeira porção do filme é forte. Em poucos minutos já fica abundantemente claro que a garota Kolker é um verdadeiro achado, e que ela é a âncora da produção. Seus diálogos com Hirsch são impecáveis e possibilitam que o público tenha uma crescente curiosidade sobre o misterioso relacionamento entre os dois. Num minuto, Henry é um pai amável e carinhoso, no minuto seguinte, está trancando sua preciosa garotinha no armário, supostamente para sua própria segurança. Mas seria esta realmente a verdade ou há algo ainda mais sinistro que Henry está escondendo? (Leia mais sobre o filme aqui).


 

Todos Já Sabem


 

Todos Já Sabem, primeiro filme do diretor e roteirista iraniano Asghar Farhadi falado na língua espanhola, com produção de Pedro Almodóvar e um enorme elenco encabeçado por Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín.


 

Em uma chave de thriller mais intensa que de seus longas anteriores, que ainda possuíam elementos de mistério em meio a um drama naturalista e cheio de camadas, Farhadi cria aqui um “whodunit” à sua maneira e dá início a Todos Já Sabem de forma notável. A introdução, que apresenta mais de uma dezena de personagens que se reúnem em uma cidadezinha para comemorar o casamento de um familiar, trata a todos como pessoas de interesse em um mistério que se revelará apenas posteriormente. A montagem recorre frequentemente a ângulos que representam o ponto de vista das personagens, incluindo até mesmo um drone, criando um efeito desorientador. (Leia mais sobre o filme aqui).


 

Wheelman

 

 

Sempre tem algo acontecendo em Wheelman, o que torna a experiência magnética – ainda que demasiadamente rápida, mais parecendo o episódio de uma série do que um longa. O que, no fim, conta a seu favor. É um plot interessante e divertido por sua ambientação, mas seria cansativo caso se estendesse demais. O clímax, aliás, é intenso e, tecnicamente, um dos momentos mais chamativos do projeto, pontuando com elegância a narrativa. Pode não ser, num todo, memorável, mas é um bate e volta carismático o suficiente para deixar o espectador apertadinho no banco do carona por pouco mais de uma hora. (Leia mais sobre o filme aqui).

 


 

February


 

February (ou The Blackcoat’s Daughter) é escrito e dirigido pelo estreante Osgood Perkins que é simplesmente filho de Anthony Perkins. Isso mesmo! O eternizado Norman Bates de Psicose (1960). Oz, como é creditado, se mostra muito seguro em sua estreia na direção, optando por uma narrativa que, além de extremamente lenta e minimalista, vai contra o estilo do cinema de horror mainstream atual.


 

O roteiro, também escrito pelo próprio Oz, é bem sutil e daqueles que conforme o filme avança, tudo vai se configurando um puta quebra-cabeça cabuloso pra montar. Não há apelação com sustos gratuitos aqui. Tudo se sustenta pelo clima tenso e depressivo das personagens, nas quais, tudo gira em torno. Neste aspecto, o longa lembra o ótimo filme vampiresco sueco Deixe Ela Entrar (Låt den rätte komma in, 2008), inclusive por suas paisagens gélidas e desoladoras. (Leia mais sobre o filme aqui).

 


 

Noite de Lobos


 

 

Baseado no livro Hold the Dark de William Giraldi, a adaptação cinematográfica conta a história do naturalista especialista no estudo de lobos, mas agora aposentado e escritor Russell Core que recebe uma carta de ajuda escrita por Medora Sloane, mãe que teve seu filho possivelmente morto por lobos, assim como outras três crianças da região. Agora, Russell Core terá que rastrear os animais nas montanhas do Alaska, e vingar em nome da mãe do garoto.


 

Curiosa é a semelhança entre Noite de Lobos e o ótimo Terra Selvagem, faroeste metade contemporâneo, metade revisionista do diretor Taylor Sheridan. Em ambos, temos protagonistas rastreando tipos de predadores, no caso do filme de Sheridan tratam-se de predadores sexuais, e no filme original Netflix são do tipo natural de espécie.


 

O excepcional trabalho de Jeremy Saulnier pode ser visto e sentido em cada um dos aspectos técnicos do filme. Saindo do suspense básico e desaguando no terror, assim como seu filme anterior Green Room. Tais predicados já dão as caras no roteiro, que vagueia pelo especulativo e incerto, e se afasta das exposições comuns e falas explicativas. O roteirista e ator Macon Blair compreendeu um dos princípios essenciais, seja para texto ou audiovisual, que é saber que personagem é ação, e vice-versa. A manutenção de certos pontos expositivos abre o leque de opções para o diretor trabalhar diferentes caminhos narrativos, e ajuda especialmente na parte de construção das personagens entre cineasta e atores, em resumo, as vezes menos é mais. (Leia mais sobre o filme aqui).


 

Sobre Meninos e Lobos


 

Como diz a mais sábia de todas as leis do nosso mundo, a lei de Murphy, “quando uma coisa tem de dar errado, ela dará”. E é exatamente isso que acontece com os protagonistas de Sobre meninos e lobos (Mystic River, 2003). Sean (Kevin Bacon), Dave (Tim Robbins) e Jimmy (Sean Penn) são três meninos que moram na periferia de Boston e bem cedo acabam descobrindo que o mundo não é um lugar muito bom para se crescer.


 

Tudo aconteceu muito rápido. Em um minuto eles estavam brincando, no instante seguinte Dave estava dentro do carro, sendo levado por um policial e um padre. Este foi o início do fim de suas vidas.


 

Nos vinte e cinco anos seguintes, cada um foi para um lado, sem nunca se afastar muito do bairro. Dave não cuidou de seus demônios interiores e até hoje eles o perturbam. Jimmy, já foi preso e, entre outras coisas, tem um mercadinho no bairro em que cresceram. Sean virou um policial e está encarregado de investigar a morte de Katie, filha mais velha de Jimmy. Com este empurrão (ou deveríamos dizer rasteira?) do destino, o caminho dos três volta a se cruzar e é visível que não há saudosismo entre eles.


 

 

O Espião que Sabia Demais


 

O que nos impede de nos matarmos? Seria disciplina, um senso de preservação, um código social, um medo específico? Em Deixa Ela Entrar, fazer o mal é uma tentação sempre presente, estimulada pelo poder de destruir. Para o diretor sueco Tomas Alfredson, o mundo opera numa sucessão de violências a serem contidas - a questão é entender como contê-las.

 

Muito oportuno, O Espião Que Sabia Demais (Tinker, Tailor, Soldier, Spy), trata da principal sinuca-de-bico que a humanidade enfrentou nessa ânsia de se matar: a Guerra Fria. É um filme tão moral quanto Deixa Ela Entrar, e que também passa por pequenos dramas domésticos, mas numa escala obviamente muito maior.

 

A trama se ambienta no início dos anos 1970, quando o Serviço de Inteligência do Reino Unido já se encontra alienado do conflito cerebral entre a CIA e a KGB, embora continue no meio do fogo cruzado. Seria uma posição só melancólica se não fosse perigosa; para todos os efeitos, àquela altura todo espião britânico sabia demais, e livrar-se de um ou outro não faria tanta diferença.

 

George Smiley (Gary Oldman) é um deles. Integrante do Circus, a divisão de elite do serviço secreto, Smiley é dispensado quando uma operação desastrosa em Budapeste custa o cargo de seu chefe, conhecido pelo codinome Control (John Hurt). O ex-espião então faz o que se esperaria de qualquer empregado público aposentado: vai pra casa. O descanso não dura muito, porém. Suspeita-se que um dos quatro remanescentes do Circus seja um homem duplo, infiltrado pelos soviéticos, e o governo convoca o veterano Smiley para descobrir quem. (Leia mais sobre o filme aqui).


Saiba mais clicando aqui.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

 

A conta oficial de Twitter do Gabinete do primeiro-ministro japonês foi quem compartilhou o link para o mangá que detalha uma série de dicas para os cidadãos japoneses.

A indústria de anime e mangá, assim como quase todos os outros setores no mundo, tem sido impactado pelo COVID-19, a pandemia que assola o mundo, mas o Japão pensando em criar uma consciência maior para os cidadãos japoneses, criaram um mangá que informa sobre o que é o COVID-19 bem como as pessoas podem combatê-lo. Distanciamento social, lavar as mãos e evitar reuniões públicas são apenas algumas das “dicas” que são dadas neste mangá.

    Reprodução

 

Durante a quarentena, diversos eventos de animes e convenções foram cancelados e adiados, a fim de “achatar a curva” do vírus, como foi os eventos do Japão de Pokémon e Yu-Gi-Oh! . Além de tudo isso, uma série de animes atrasaram suas datas de estréia em parte graças ao vírus, e por enquanto, as produtoras estão descobrindo a melhor maneira de continuar seu trabalho na produção dos animes ao mesmo tempo, certificando-se para ajudar a parar a propagação do COVID-19.

A conta oficial de Twitter do Gabinete do primeiro-ministro japonês foi quem compartilhou o link para o mangá que detalha uma série de dicas governos japonês:

 

Claro que tudo está em Japonês, porém, este site traduziu diversas páginas. Dá uma conferida clicando aqui.

    Reprodução

 

A indústria de animes e mangá não única grande indústria de entretenimento que tem sido prejudicado graças à pandemia, Hollywood precisou adiar uma série de filmes e suas datas.

Essa iniciativa do governo japonês pode servir de exemplo para outros governos ou até mesmo para desenhistas que estão em quarentena produzirem algo parecido.

Eu contei também no site da Quinta Capa.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

Agora é possível descobrir o que o Hubble, telescópio espacial da NASA que observa o universo 24 horas por dia e sete dias por semana, fotografou no dia do seu aniversário.

Para saber, basta inserir seu dia e mês de aniversário no site da NASA (disponível clicando aqui) e ver o que o telescópio registrou. Além da imagem feita pelo Hubble, o site também dá uma breve descrição da descoberta.

Como exemplo, colocamos o dia de 23 de março, no site, e esse foi o resultado:

    No dia 23 de Março de 2006, a Galáxia Anã Holmberg IX foi vista pela primeira vez. 23 de Março é meu aniversário.

 

A ação faz parte da comemoração de 30 anos do telescópio. Além disso, a NASA está publicando uma imagem tirada pelo Hubble por dia em um álbum do Flickr, que você confere aqui.

Em 2020, o Hubble completa 30 anos em órbita. Lançado em 1990, o telescópio consegue ver além da distorção da atmosfera, sendo capaz de identificar objetos astronômicos e fenômenos com mais consistência e detalhes do que observatórios terrestres.

Segundo o site da NASA, os dados obtidos pelo telescópio serviram como base para mais de 16 mil publicações científicas de diversas áreas. Uma lista destaca 13 das mais importantes contribuições do Hubble, e, mesmo se você não entende inglês muito bem, vale a pena conferir pelas imagens e vídeos:

 

Confira mais fotos e vídeos das principais descobertas do Hubble clicando aqui (em inglês) e no site interativo do telescópio.


Fonte: NASA
Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

Em seis dias, a campanha “Vamos Vencer” arrecadou e entregou mais de 4.587 itens de prevenção ao Coronavírus no Piauí. Ao todo foram entregues 478 litros de álcool em gel, 3.429 máscaras, 570 aventais e 120 protetores a 23 instituições piauienses, entres hospitais, abrigos e estabelecimentos comerciais. A iniciativa é da Rede Pense Piauí que tem mobilizado empresas e profissionais do setor público e privado das mais diferentes áreas de atuação, tanto para a doação de insumos como para a confecção dos itens e entrega.

 

A rede montou uma complexa equipe de voluntários, onde o principal centro de recolhimento e distribuição é o Centro Integrado de Reabilitação (CEIR), localizado na Avenida Higino Cunha, no bairro Ilhotas.  A meta dessa ação voluntária é viabilizar 120 mil itens de equipamentos  de Proteção Individual, 300 mil litros/mês de álcool 70.

 

O médico Benjamim Vale, um dos coordenadores da rede, destacou o apoio de todos os setores da sociedade, diante  da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. “Já temos mais de 53 mil itens na produção e queremos poder contar com a colaboração de mais empresas e da sociedade civil, como patrocinadores e também como voluntários. Neste momento precisamos de governos e sociedade comprometidos com a cidadania e o zelo permanente pelas soluções de demandas coletivas em parcerias. Vamos Vencer!”, declarou.

 

A Rede Pense Piauí também tem arrecadado dinheiro através de financiamento coletivo para manter essas ações por meio de uma parceria com a FADEX/UFPI para o recebimento das doações. “Temos também nos unido a outros projetos de forma articulada para apoiar as pessoas em situação de vulnerabilidade social. Nos preocupamos com a alimentação e higiene, além de estar levando uma comunicação direta com essas comunidades, alertando sobre os efeitos da doença, cuidados e necessidade do isolamento social”, pontuou o médico.

 

Para doar ao FUNDO DE ENFRENTAMENTO AO CORONAVÍRUS NO PIAUÍ é possível realizar depósitos na conta Banco do Brasil, Agência 3791-5, Conta corrente 10250-4 FADEX PENSE PIAUI FADEX - Fundação Cultural e de Fomento à Pesquisa, Ensino, Extensão e Inovação CNPJ 07.501.328/0001-30. A FADEX é fundação de apoio da Universidade Federal do Piauí e do Instituto Federal do Piauí.

 


Fonte: CEIR
Comentar
Quadrinhos · 25/03/2020 - 13h11 | Última atualização em 25/03/2020 - 15h49

Asterix e Obelix enfrentaram 'coronavírus' em HQ de 2017


Compartilhar Tweet 1



 

Reprodução/livro
Reprodução/livro "Asterix e a Transitálica" - 19.out.2017 

 

Personagem com mesmo nome do causador da Covid-19 disputou corrida com o gaulês em edição de 2017.

Profecia ou não, na edição 37º da HQ criada por René Goscinny e Alberto Uderzo, morto neste terça (24), ao 92 anos; os personagens Asterix e Obelix disputam contra um vilão chamado “Coronavírus”.

A história chamada “Asterix e a Transitálica” se passa na Itália –país europeu no qual a Covid-19 tem avançado e feito vítimas. 

 

Reprodução
Reprodução 

 

ASTERIX E A TRANSITÁLICA

 

Trata-se da 37ª aventura de Asterix, herói dos quadrinhos franco-belgas criado pelo roteirista René Goscinny e pelo desenhista Albert Uderzo.

O nome “Coronavirus” é 1 caso de uma brincadeira recorrente da série: em “Asterix”, todos os personagens romanos têm nomes com o sufixo us, assim como os de gauleses sempre acabam em ix –Asterix, Obelix, Panoramix. Os autores usam estas regras para nomear personagens com nomes alusivos ou com trocadilhos; assim, temos na série personagens como o centurião Acendealus ou o questor Enxaquecus –ou, em “Asterix e a Transitálica”, o mascarado Coronavírus.

Nos quadrinhos, os gauleses Asterix e Obelix estão em Roma quando 1 escândalo de corrupção é descoberto. Para desviar a atenção da opinião pública, 1 senador cria uma corrida de bigas onde Asterix e Obelix. Coronavírus é 1 dos participantes.

No fim das contas, os gauleses vencem a prova e Coronavírus mostra ser ninguém menos que o imperador Julius César tentando provar seu poder sem revelar a identidade.

Comentar

 

 

Os remédios à base de hidroxicloroquina e cloroquina sumiram das farmácias após serem citados como possíveis tratamentos contra o novo coronavírus. Indicados para o tratamento de doenças como lúpus e malária, até a última sexta, eles poderiam ser comercializados sem receita.

 

Porém, com o aumento da procura, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) incluiu os remédios na lista de controlados e agora só podem ser vendidos com prescrição e retenção de receita nas farmácias para controle da venda.

 

"A hidroxicloroquina também conhecida como reuquinol é indicado e prescrito para pacientes com doenças autoimunes como lúpus, artrite reumatoide, malária e algumas condições dermatológicas", explica a farmacêutica do Hospital Francisco Vilar, Lígia Vasconcelos.

 

Apesar da alta procura, Lígia acrescenta que de acordo com a Anvisa, os estudos sobre a eficácia em relação ao coronavírus são promissores, porém não conclusivos. "Portanto não há indicação para Covid-19 até o momento, muito menos como prevenção dessa doença", ressalta.

 

A profissional faz um alerta sobre o uso indiscriminado dos medicamentos. "Enquanto a utilização não for recomendada para tratamento da Covid-19, outras pessoas que realmente precisam serão prejudicadas pela falta deles nas farmácias. Em pacientes com doenças reumáticas a ausência poderá dificultar a mobilidade e não reduzir o edema da articulação. O uso de maneira contínua melhora o estado de saúde trazendo mais qualidade de vida e diminuindo os sinais e sintomas da doença", alerta.

 

A farmacêutica pontua que a decisão da Anvisa foi uma maneira de barrar a venda irracional destes produtos, evitando assim a automedicação e impedindo que pessoas que já usam esse medicamento ficassem sem o seu tratamento.

 

Com notícias direta de Ivana Machado.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

    Reprodução

 

Na semana passada, a Netflix e o YouTube reduziram a qualidade de transmissão depois de a Comissão Europeia ter pedido às plataformas de streaming para adaptarem os serviços ao aumento da procura em altura de isolamento social pelo surto de covid-19 (confira aqui).

Durante o dia, 23,  as gigantes tecnológicas preocupadas com o estado da Internet, tomaram medidas para prevenir um ‘apagão’. Dessa forma, a Apple, a Amazon e o Youtube estão decidindo reduzir a qualidade de transmissão de vídeo, ‘poupando’ assim o tráfego de streaming de um maior gasto.

No Brasil, Netflix, Prime Video e Youtube já começaram a reduzir a qualidade transmissão hoje, segundo o Estadão. A meta é evitar sobrecarga na rede, com tráfego 25% menor de dados. As empresas informarão aos seus usuários em no máximo dois dias.

Com as medidas, que inicialmente serão válidas por 30 dias para todo o território nacional, a Netflix, junto de outros sites de vídeo, como Amazon Prime e YouTube,  é uma das maiores responsáveis pelo fluxo de informações na rede atualmente. 

Iniciativas

Aqui no Brasil, outras empresas também decidiram adotar a redução de qualidade de vídeos para evitar a sobrecarga da infraestrutura de internet. No domingo, 22, a Globo anunciou que vai cortar as transmissões em 4K e Full HD dos seus serviços de streaming, incluindo Globoplay, Globosat Play, Globoesporte.com, GShow e o site G1. Todos os vídeos serão exibidos apenas em alta definição (720p), buscando gerar economia de tráfego – segundo a empresa, isso significa uma economia de 52% no tráfego de dados em um capítulo de novela de 60 minutos que era transmitido originalmente em Full HD. 

Quem também entrou na mesma linha foram Facebook e Instagram, sem detalhar suas medidas, e o serviço de streaming Looke, que tem catálogo de filmes e também aluguel de lançamentos do cinema. 

 

 

 

 

 


Fonte: Estadão
Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

    Reprodução

 

MOSTRE SEU TALENTO

 

POESIA LIVRE 2020


Concurso Nacional Novos Poetas

 

Inscrições gratuitas.

Até 05 de abril de 2020.

Edital e formulário de inscrição:

www.poesialivre.com.br


Fonte: Vivara Editora Nacional
Comentar
La Casa de Papel de volta! · 19/03/2020 - 14h53

Netflix: Estreias de abril reforçam entretenimento durante quarentena


Compartilhar Tweet 1



 

O professor, da série La Casa De Papel que será um dos lançamentos de Abril (Foto: Divulgação/ Netflix)
O professor, da série La Casa De Papel que será um dos lançamentos de Abril (Foto: Divulgação/ Netflix) 

 

Março já se encaminha para o seu final e, com os olhos no próximo mês, a Netflix divulgou nesta quinta-feira (19) quais serão as novidades do seu catálogo para o mês de abril de 2020.

Com a pandemia de coronavírus pelo mundo e o período de prevenção em casa no Brasil, a tendência é que os serviços de streaming sejam mais consumidos pelas pessoas até que tudo esteja resolvido.

Portanto, ficar ligado no que chega ao catálogo nas próximas semanas é importante, para estar por dentro do que mais possa te agradar para passar o tempo. Ao todo, são cinco categorias de conteúdo: séries, filmes, documentários e especiais, crianças e família, e anime.

Sem mais delongas, chegou a hora de conferir todas as novidades da Netflix para o próximo mês de abril. Aproveite também para deixar o seu comentário sobre o que achou da lista.

Séries

 

La Casa de Papel: Parte 4 (03/04/2020) – Original Netflix

The Midnight Gospel (20/04/2020) – Original Netflix

Irmãos Cervejeiros (10/04/2020) – Original Netflix

Planeta Bizarro (22/04/2020) – Original Netflix

Fauda: Temporada 3 (16/04/2020) – Original Netflix

Outer Banks (15/04/2020) – Original Netflix

 

Para quem gosta de cozinhar

 

Mandou bem: Temporada 4 (sem data) – Original Netflix

Receita da Boa (sem data) – Original Netflix

Cozinhando com Nadiya (sem data) – Original Netflix

Filmes

 

 

Coffee & Kareem (03/04/2020) – Original Netflix

La Casa de Papel: O Fenômeno (03/04/2020) – Original Netflix

Um Amor, Mil Casamentos (10/04/2020) – Original Netflix

A Grande Luta (10/04/2020) – Original Netflix

Sergio (17/04/2020) – Original Netflix

Resgate (24/04/2020) – Original Netflix

Um Senhor Estagiário (01/04/2020)

O Estranho que Nós Amamos (12/04/2020)

Feito na América (26/04/2020)

Ricos de Amor (30/04/2020) – Original Netflix

O Silêncio do Pântano (22/04/2020) – Original Netflix

 

Três clássicos imperdíveis

Forrest Gump (sem data)

Clube dos Cinco (sem data)

Encontro Marcado (sem data)

 

Documentários e Especiais

Maurício Meirelles: Levando o Caos (16/04/2020) – Original Netflix

O DNA da Justiça: Temporada 2 (15/04/2020) – Original Netflix

Atrás da Estante (22/04/2020) – Original Netflix

 

Crianças e Família

The Big Show Show (06/04/2020) – Original Netflix

Os Irmãos Willoughby (22/04/2020) – Original Netflix

Oi Ninja: Temporada 2 (sem data) – Original Netflix

Spirit – Cavalgando Livre: Academia de Equitação (sem data) – Original Netflix

O Pequeno Stuart Little 2 (sem data)

 

Anime

 

 

Hi Score Girl: Temporada 2 (09/04/2020) – Original Netflix

Drifting Dragons (30/04/2020) – Original Netflix

 

Coleção Studio Ghibli

Da Colina Kokurico (sem data)

Pompoko: A Grande Batalha dos Guaninnis

Vidas ao Vento

As Memórias de Marnie


Fonte: Netflix
Comentar
Prevenção do COVID -19 · 19/03/2020 - 14h39

Confira o novo horário ao público no Teresina Shopping:


Compartilhar Tweet 1



 

A partir desta quinta-feira (19) o Teresina Shopping funcionará em horário reduzido:

 

De Segunda a Sábado: das 12h às 20h

Aos Domingos: das 14h às 20h

 

A exceção deste horário serão as Lojas de Alimentação. O Hiperbompreço, Lojas Americanas e Farmácias (por serem considerados de atividade essencial para atual situação) também manterão o horário normal de funcionamento sem redução.

 

O Teresina Shopping continua atento as orientações do Ministério da Saúde e da Associação Brasileira de Shopping Centers – ABRASCE.

 

Desta forma, para auxiliar na prevenção do COVID -19 – Coronavírus, estamos adotando os seguintes procedimentos:

 

Maior frequência e intensidade na limpeza de mesas, cadeiras, corrimões, elevadores;

Redução dos assentos nas Praças de Alimentação em um terço possibilitando o maior afastamento dos clientes;

Suspensão do empréstimo de carrinhos de bebê e de cadeiras de rodas;

Disponibilização de sabonete líquido e orientação quanto à lavagem das mãos em todos os banheiros;

Manter as portas de acesso do Teresina Shopping abertas para renovação do ar.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

Ilustração de Isaac Newton segurando a maçã na mão e olhando para a árvore. (Foto: Getty Images)
Ilustração de Isaac Newton segurando a maçã na mão e olhando para a árvore. (Foto: Getty Images) 

 

Em 1665, a Inglaterra vivia um momento complicado: a Grande Praga de Londres (leia aqui para saber mais). Por isso, diversas universidades mandaram os alunos para casa, como a Trinity College, em Cambridge. Foi o caso do jovem Isaac Newton, que deve de voltar para Woolsthorpe Manor, propriedade na qual vivia a família. 

 

Como relata o The Washington Post, por causa da doença, Newton teve de ficar mais de um ano longe da universidade – período que, mais tarde, seria chamado de “ano miraculoso”. 

 

Ele seguiu com estudos de matemática e foi durante essa “quarentena” que ele decidiu sentar embaixo da árvore que o faria elaborar a Teoria da Gravidade, quando a maçã caiu na cabeça do matemático. 

 

Woolsthorpe Manor, o real local onde nasceu a ideia que geraria a Teoria da Gravidade e a famosa macieira. (Foto: Getty Images)
Woolsthorpe Manor, o real local onde nasceu a ideia que geraria a Teoria da Gravidade e a famosa macieira. (Foto: Getty Images) 

 

Newton só pode voltar aos estudos em 1667. Ele chegou a Cambridge com sua teoria escrita e, em dois anos, já era professor. Entre 1665 e 1666, um quarto da população de Londres morreu por causa da doença. 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

Idris Elba anunciou nesta segunda-feira (16) que testou positivo para o Coronavírus. A informação foi dada por meio do twitter do astro, que aproveitou para tranquilizar os fãs.

 

O ator, que participou de Velozes & Furiosos, relatou que não sofreu os sintomas iniciais da doença ainda.
 

 

"Nesta manhã, eu obtive um resultado positivo para o COVID-19. Eu me sinto bem, não tive sintomas até agora, mas estou isolado desde que descobri que poderia ter sido exposto ao vírus. Fiquem em casa, pessoal, e sejam sempre pragmáticos. Eu vou continuar mantendo-os atualizados sobre o que estou fazendo. Sem pânico", escreveu na rede sociais.
 

 

Também deu positivo o teste do ator Kristofer Hivju, conhecido por interpretar Tormund em Game of Thrones. Ele anunciou em uma publicação no Instagram:

 

 

“Saudações da Noruega! Sinto em dizer que, hoje, testei positivo para o COVID-19, o coronavírus. Minha família e eu estamos nos mantendo isolados em nossa casa o máximo possível. Nós estamos com boa saúde — tenho apenas sintomas leves de uma gripe. Existem pessoas que estão no grupo de risco, para as quais esse vírus pode ser um diagnóstico terrível, então eu peço a todos vocês que tomem extremo cuidado; lavem as mãos, mantenham a distância de 1,5 metro dos outros, fiquem em quarentena; apenas faça o máximo possível para que esse vírus não se espalhe. Juntos, podemos lutar contra esse vírus e reverter as crises nos hospitais. Por favor, tomem cuidado, mantenham a distância e fiquem saudáveis! Visitem o site do Ministério da Saúde do país de vocês, sigam as instruções e protejam não apenas vocês, mas a comunidade que vocês moram, especialmente os mais velhos e aqueles com doenças crônicas.”

Comentar
População, fiquem em casa · 16/03/2020 - 20h29 | Última atualização em 16/03/2020 - 21h00

Pico de jogadores online, sinal aberto nas TVs e outras medidas geradas pelo coronavírus


Compartilhar Tweet 1



 

Com a crescente necessidade de isolamento em diversos países por conta do COVID-19, o coronavírus, as pessoas estão buscando formas de entretenimento sem saírem de casa, o que está causando um aumento significativo no consumo de serviços digitais.

Durante o final de semana dos dias 14 e 15 de março, a plataforma Steam, que funciona como uma loja e uma biblioteca de jogos digitais, bateu o recorde de usuários online simultaneamente, ultrapassando a marca de 20 milhões de pessoas conectadas. Essa foi a primeira vez que o aplicativo passou da marca de 20 milhões de usuários online, embora apresente picos com frequência.

 

Número de jogadores simultâneos ultrapassou 6 milhões | Fonte: SteamDB
Número de jogadores simultâneos ultrapassou 6 milhões | Fonte: SteamDB 

 

O jogo Counter-Strike: Global Offensive, popularmente conhecido como CS:GO, também bateu um recorde e chegou a ter 1 milhão de jogadores simultâneos.

Os gamers também usaram seus Xbox para jogar no final de semana, e isso pode ter causado sobrecarga nos servidores do Xbox Live, serviço online do console, que sofreu instabilidades no período.

Outras medidas

Serviços de televisão por assinatura como a NET e Sky liberaram o sinal de parte de seus canais, para quem já é assinante, por tempo indeterminado para apoiar as recomendações de que a população permaneça em casa. A Oi TV estará com o sinal aberto até o dia 28 de março, e a Claro TV também terá canais liberados com prazos diferenciados. Canais de notícias como o CNN Brasil e o GloboNews também estarão disponíveis gratuitamente ao longo das próximas semanas.

Sites como Folha de S. Paulo e Nexo, que contam com sistema de assinatura, estão com notícias e matérias relevantes sobre o coronavírus disponíveis gratuitamente.

Sobre os serviços de streaming, a Globoplay deixará diversos títulos infantis com acesso gratuito durante 30 dias. Procuramos a Amazon e Netflix, que não falaram sobre isso.

Medidas semelhantes também acontecem do outro lado do mundo: no Japão, a editora Shueisha, responsável pela Shonen Jump, liberou diversas obras na íntegra gratuitamente para incentivar os leitores a ficarem em casa. Entre os títulos disponíveis, estão Demon Slayer e One Piece, que estão com seus capítulos liberados na versão japonesa do aplicativo Manga Plus — até o momento de publicação, os mangás não estão disponíveis na versão ocidental.

Com notícias de Priscila Ganiko, Jovem Nerd.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



 

 

Pandemias de vírus não são novidade no cinema – e durante um bom tempo renderam produções de ação com bons números de bilheteria.

 

Enquanto o Brasil começa a sentir com força a propagação do coronavírus e medidas de restrição do contágio, como suspensão de aulas, trabalho em esquema de home office e cancelamento de eventos públicos, passam a se tornar realidade, ficar em casa parece ser mesmo a única alternativa para os próximos dias. A quarentena, adotadas antes somente em países da Europa e China, deve chegar por aqui, principalmente para quem está no grupo de risco para a infecção do Covid-19, ou seja, pessoas acima dos 60 anos de idade. Mas o medo de pegar uma doença sobre a qual ainda se sabe pouco e de conviver com situações como mercados de prateleiras vazias, ruas sem nenhuma alma viva passando ou isolamento involuntário não é nenhuma novidade para diversas tramas cinematográficas.

De olho nesse gênero bem específico de ação – que antes parecia ser uma fábula, muito, muito distante, listamos aqui as 5 produções mais bem-sucedidas do gênero. Quase todas têm algo em comum: um especialista que alerta todo mundo sobre o perigo de uma pandemia, só que é solenemente ignorado por seus pares, pelas autoridades até que a contaminação sair de controle e milhares de pessoas morrem. Ninguém poderá dizer que essa premissa é pura ficção, inclusive, no caso da infecção atual.

CONTÁGIO (2011)

 

Diversos filmes do começo dos anos 2000 abordaram o tema, entre eles, o drama com suspense “Contágio”, de 2011, estrelado por Matt Damon, Kate Winslet e Jude Law, além de Gwyneth Paltrow em começo de carreira. Dirigido por Steven Soderbergh (o mesmo da série “Onze Homens e Um Segredo”), narra como um vírus mortal se propaga pelos Estados Unidos deixando todos em alerta. Enquanto cientistas e autoridades tentam descobrir como controlar o andamento da contaminação, aeroportos, ruas, mercados, tudo vai ficando vazio. Mas aqui, a epidemia é altamente letal. A produção arrecadou mais de 135 milhões de dólares em bilheteria. Qualquer semelhança com as cenas dos últimos dias…

Disponível na Netflix.

 

“EPIDEMIA – FORA DE CONTROLE” (1995)

 

Um dos primeiros longas-metragens a abordar o assunto, este filme teve a bilheteria impulsionada pelo segundo grande surto de ebola na História, que começou em 1995 no Congo, na África. Dos 315 infectados inicialmente, 254 pessoas morreram. Na trama ficcional, um pequeno macaco capturado em uma floresta africana é traficado para uma loja de animais na Califórnia. Carregando um vírus mortal dentro de si (em alusão direta ao ebola praticamente), o animal selvagem dissemina a doença, que deve ser impedida de se propagar por um grupo de cientistas do Exército norte-americano. Estrelado por Rene Russo, Dustin Hoffman e Morgan Freeman, “Epidemia” arrecadou mais de 180 milhões de dólares em bilheteria.

Disponível na Netflix.

“EU SOU A LENDA” (2007)

 

Na trama que é um dos maiores sucessos da carreira de Will Smith, o vírus mortal não causa nenhuma doença inflamatória assassina. Ele, na verdade, te transforma mesmo é em um zumbi comedor de gente. O thriller que tem também a brasileira Alice Braga no elenco se passa em um futuro não muito distante no qual uma epidemia matou boa parte da população e transformou quem sobrou em morto-vivo ambulante. Will interpreta Robert Neville, um cientista sobrevivente dessa carnificina que todos os dias tenta se manter vivo diante da ameaça mutante. Difícil encontrar quem não tenha visto essa produção, que rendeu mais de 500 milhões de dólares de bilheteria e uma continuação, que estreou no ano de 2019.

“OS 12 MACACOS” (1995)

 

Brad Pitt e Bruce Willis estão juntos nessa ficção que mistura elementos de filmes de pandemia com sci-fi. Dirigida por Terry Gillian (de “Irmãos Grimm”), a história se passa em 2035, quando um prisioneiro é mandado de volta ao passado para tentar salvar a humanidade da extinção depois de um vírus se espalhar por todo o planeta. A ideia é encontrar algo que ajude a desenvolver um remédio de cura. Os poucos sobreviventes desse futuro horrendo vivem em abrigos subterrâneos. O longa deu o que falar na época por causa de sua linha de narrativa pouco convencional e está listados entre as ficções científicas mais cult da década de 90. 

“PANDEMIA” (2020)

 

A série documental da Netflix traz, em seis episódios, acontecimentos relacionados à diversas epidemias pelo mundo, passando pelo Influenza, nome científico da gripe comum, além do surto de ebola, gripe aviária, H1N1, entre outras. A história começa com a Gripe Espanhola, que chegou a matar milhões de pessoas no começo do século 20. Cientistas em busca de vacinas, médicos que tratam das doenças e especialistas em pandemia estão nos capítulos. Ninguém sabia que o coronavírus seria o vírus de contágio da vez, mas não se pode negar o timing bem-sucedido do documentário.

 

Comentar
Veja as novas datas · 13/03/2020 - 13h44 | Última atualização em 13/03/2020 - 14h01

Por causa do Coronavírus, distribuidoras adiam lançamentos de filmes e séries


Compartilhar Tweet 1



 

Efeito Coronavírus na cultura pop.

 

COVID-19 é uma nova mutação da família coronavírus que está se espalhando em ritmo alarmante desde dezembro de 2019. A China foi o primeiro país vítima da epidemia, com infecções e mortes confirmadas em todas as suas províncias. Desde então, a presença do vírus foi confirmada em quatro continentes - incluindo a América do Sul, com casos no Brasil, Argentina e Chile.

 

A pandemia do Coronavírus está afetando diversos mercados pelo mundo, incluindo o do entretenimento. Para evitar aglomerações, eventos e estreias de filmes foram canceladas ou adiadas, até que o surto seja controlado e seja seguro para todos comparecer aos locais.

Disney e Universal Studios na Florida fecharão as portas de 14.03 a 28.03; - As gravações de Grey's Anatomy, Carnival Row, Grace & Frankie e NCIS foram suspensas; - As visitas aos estúdios da Paramount, Warner e Sony estão canceladas.

Novas produções da Paramount TV Studios, Showtime e CBS estão SUSPENSAS, ou seja, pilotos de séries encontraram seu hiatus antes mesmo da estreia; - 'Pedro Coelho 2' e 'Troll 2' tiveram suas estreias adiadas.

Confira as novas datas de estreias no cinema até Julho de 2020:

- 09/04: 007: Sem Tempo Para Morrer que tinha estreia para 09/04 mudou para 20/11;

- Trolls 2 que tinha estreia para 16/04  mudou para 30/04;

- Viúva-Negra (até o momento) mantém ainda a data para  14/05; 

- Scooby e 'A Mulher na Janela' (Ainda não foi confirmada a mudança)

- Velozes e Furiosos 9 que tinha estreia para 21/05 mudou para Abril de 2021;

- Armis Fowl: O Mundo Secreto que tinha estreia para 04/06 e Mulher-Maravilha 05/Junho mantém a data por enquanto;

- Soul também manteve sua data estreia no mesmo mês: Entre 12 a 26 de Junho;

A Disney anunciou também o adiamento de três filmes de seu calendário, por conta do surto de coronavírus: “Mulan”, “Os Novos Mutantes” e “Espíritos Obscuros” (via Variety). “Mulan”, o novo remake live-action do estúdio, estrearia em 26 de março no Brasil. Já “Os Novos Mutantes”, um lançamento 20th Century Studios, estrearia em 2 de abril. “Espíritos Obscuros”, um lançamento Searchlight Pictures, estrearia em 17 de abril nos EUA, sem data anteriormente anunciada no Brasil.

Comentar
SIEC 2020 · 13/03/2020 - 08h00 | Última atualização em 13/03/2020 - 09h25

Empresas que incentivam a produção cultural podem ter desconto no pagamento do ICMS


Compartilhar Tweet 1



 

    Reprodução

 

O valor da renúncia fiscal destinado ao Sistema de Incentivo Estadual à Cultura supera os R$ 8 milhões

Empresas do Piauí podem ter desconto na contribuição mensal do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) mediante financiamento de projetos culturais como música, artes gráficas, cinema e artesanato, por meio do Sistema de Incentivo Estadual à Cultura (SIEC) com a lei nº 4.997, que tem por objetivo estimular o desenvolvimento cultural do Estado.

No Piauí, o Sistema têm como fator principal a valorização da criação e produção de expressões culturais e dos processos de preservação e proteção do patrimônio do Estado. Durante encontro com segmentos que compõem a cadeira produtiva do Estado, o secretário estadual de Cultura, Fábio Novo, explicou a importância da lei e os benefícios que traz com o financiamento das empresas aos projetos culturais.

"A nossa lei estadual de incentivo à cultura permite que os empresários possam financiar projetos culturais. Em troca disso, eles abatem 100% do valor do ICMS que pagariam para o Estado. Ou seja, nós aprovamos uma lista de projetos e ao aprovar essa lista, os empresários podem escolher um desses. Por exemplo, se a empresa paga R$100 mil por mês de ICMS e ela resolver financiar um projeto de R$30 mil, naquele mês não vai pagar 100 e sim R$70 mil", informa.

O valor da renúncia fiscal destinado ao SIEC supera os R$8 milhões.  A quantia corresponde a 0,3% de renúncia do ICMS líquido. Pela lei, o recurso será dividido entre os municípios do Piauí com distribuição de 50% para capital, 30% para o interior e 20% para projetos de interesse da Secretaria de Cultura. O presidente do Centro das Indústrias do Estado do Piauí (CIEPI), Andrade Júnior, comenta que o foco principal é oportunizar a participação e acesso de pessoas, principalmente as menos favorecidas, aos projetos culturais desenvolvidas no Estado.

"O CIEPI tem assento no SIEC. Lá nós podemos definir, através da renúncia de ICMS que o Estado faz, o financiamento de projetos culturais como música, arte, dança, direcionados principalmente para pessoas menos favorecidas. No meu entendimento, esse têm que ser o principal foco", relata.

Andrade Júnior comenta ainda os benefícios da participação do empresariado na fomentação da cultura. "Eu acho interessante que nós empresários possamos entender que contribuindo para um projeto desse recebemos uma carta de crédito de ICMS, se credita nesse imposto, não se tira nenhum real do bolso, e ajudamos uma grande causa", finaliza o presidente.

Comentar
Lançamentos da semana! · 12/03/2020 - 20h31 | Última atualização em 12/03/2020 - 20h44

‘Mulher’, ‘Inaudito’ e ‘Um Lugar Silencioso - Parte II terão pré-estreia nos Cinemas Teresina


Compartilhar Tweet 1



 

Nesta semana os Cinemas Teresina terão três pré-estreias especiais: ‘Mulher’, ‘Inaudito’ e ‘Um Lugar Silencioso - Parte II’. Além disso, chegam à telona do cinema filmes como ‘Technoboss’, ‘Fim de Festa’ e muito mais.

 

    Reproduçãoi/Divulgação

 

O documentário ‘Mulher’ será exibido no sábado (14), às 21h10. O filme traz reflexões sobre o mundo de hoje a partir da perspectiva de 2000 mulheres de diferentes países. Tal observação é sombria quando revela injustiças às quais as mulheres são submetidas. Em um mundo onde a desigualdade afeta uma mulher durante toda a sua vida, forçado-as a casar, privando da educação, do direito de votar ou até mesmo de sair sozinha, milhões de mulheres apenas suportam suas vidas, ao invés de vivê-las.

 

‘Inaudito’ tem pré-estreia no domingo (15), às 10h30. O filme é um documentário realizado com Lanny Gordin, guitarrista fundamental da Tropicália. Nascido na China, ele fez carreira como músico no Brasil, durante as décadas de 60 e 70. Neste período, trabalhou em discos e shows de Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Erasmo Carlos, Jards Macalé e outros ícones da música popular brasileira. O ostracismo veio no final da década de 70, associado ao desenvolvimento de esquizofrenia. Aos 65 anos, Lanny relata sua chegada ao país e revela seus pensamentos sobre a vida e, especialmente, sua relação com a música.

 

 

‘Um Lugar Silencioso - Parte II’ terá sessão na quarta-feira (18), às 21h10. Logo após os acontecimentos mortais, a família Abbott precisa agora encarar o terror mundo afora, continuando a lutar para sobreviver em silêncio. Obrigados a se aventurar pelo desconhecido, eles rapidamente percebem que as criaturas que caçam pelo som não são as únicas ameaças que os observam pelo caminho de areia.

 

A comédia portuguesa ‘Technoboss’ é mais uma novidade da semana. Nada que uma música não conserte. Esse é o lema de Luís Rovisco, um homem divorciado e já na casa dos 60 anos. Para driblar as armadilhas deixadas pela tecnologia, pelos colegas de trabalho e pelo chefe estranhamente ausente, ele passa seus dias atrás do volante, sempre sorrindo e criando músicas para o que ele vê no caminho. Parece que nada pode abalar as canções de Luís, até que Lucinda, recepcionista do Hotel Almadrava, dá um tom diferente.

 

O drama policial ‘Fim de Festa’ também chega aos Cinemas Teresina. No longa, Breno (Gustavo Patriota) e Penha (Amanda Beça) conhecem Ângelo (Leandro Villa) e Indira (Safira Moreira), um casal que veio da Bahia para festejar o carnaval. Em uma confraternização, os quatro jovens se reúnem na casa de Breno, mas a quarta-feira de cinzas traz uma má notícia: uma jovem francesa é brutalmente assassinada por asfixia. O crime faz com que o pai de Breno (Irandhir Santos), um policial civil, retorne mais cedo de suas férias para investigar o caso. Além do incômodo de ter estranhos em sua casa, o oficial acaba encontrando vestígios afetivos no desdobramento do crime.

 

A semana ainda traz o lançamento do terror ‘A Maldição do Espelho’. Depois que o terrível fantasma da Rainha de Espadas ressurge, os alunos de um antigo colégio interno viram as próximas vítimas do banho de sangue. O terror começa a partir do momento em que eles recitam antigos encantamentos no banheiro do local para conquistar tudo o que desejam — mesmo que o preço seja suas almas.

 

Para fechar, tem muita ação com ‘Bloodshot’, novo filme com Vin Diesel. Bloodshot é um ex-soldado com poderes especiais: o de regeneração e a capacidade de se metamorfosear. Assassinado ao lado da esposa, ele é ressuscitado e aprimorado com a nanotecnologia, desenvolvendo tais habilidades. Ao apagarem sua memória várias vezes, ele finalmente descobre quem é e parte em busca de vingança daqueles que mataram sua família.

 

Clique no Banner e saiba mais:

 

Comentar
Disponível na Netflix! · 11/03/2020 - 09h50 | Última atualização em 11/03/2020 - 10h31

Crítica | O inferno não tem limites na terceira temporada de Castlevania


Compartilhar Tweet 1



 

    Netflix

 

Terceira temporada de Castlevania chegou na Netflix, eu estava um pouco preocupado como as coisas aconteceriam na terceira temporada sem que parecesse completamente arbitrária ou equivocada após o final da segunda temporada com todas aquelas mortes. Dito isto, fiquei impressionado com o quão incrível a terceira temporada foi. Nas temporadas anteriores, eu realmente só me importava com Alucard, Trevor, Sypha e Drácula. No entanto, desde o início até o final da terceira temporada, fiquei encantado com quase todos os personagens principais e coadjuvantes com suas histórias e motivações.


 

Tudo nesta resenha conterá spoilers das temporadas 1 e 2, mas tentarei evitar o máximo possível os spoilers da terceira temporada.


 

As duas últimas temporadas tiveram uma história bem dirigida e escrita – Drácula queria matar toda a humanidade por causa da morte de sua esposa. Os generais de sua corte estavam discutindo se isso era correto ou não porque alguns achavam que Drácula estava louco. Trevor e Sypha estavam trabalhando com Alucard para derrotar Drácula e salvar a humanidade. No entanto, após a morte de Drácula, o grupo principal se separou. A maioria do exército de Drácula e seus generais foi exterminada para salvar seus mestres da forja e Carmilla. Isso deixou todos em lugares diferentes, vivendo a vida com finais bem-feitos no fim da temporada 2. Então, eu estava muito preocupado em seguir histórias díspares que não tinham nada a ver um com o outro e eram apenas razões esfarrapadas para continuar com mais uma temporada. Estava certo sobre todo mundo estar em lugares diferentes com histórias diferentes, no entanto, cada nova história foi extremamente envolvente, poderosa e bem-sucedida. Sério, ter quatro núcleos separados durante uma temporada inteira ainda termina, assim como começou, é bastante impressionante do ponto de vista de como fazer um roteiro.


 

Cada uma das histórias ocorreu em uma variedade de locais e ambientes: desertos, montanhas cobertas de neve, castelos, cidades humildes, cada área com uma aparência incrível. Nenhuma despesa foi poupada aqui no quesito animação em Castlevania. As batalhas foram cruéis, o drama tangível e a amplitude do design dos personagens também foi impressionante. De sonhos alucinantes a sexualidade intensa ou violência brutal a histórias sutis, esta série animada é um banquete visual.


 

Por fim, a dublagem era um ponto chave desde primeira temporada (original e em português). Como mencionei, há muito mais personagens, e são parcialmente as histórias deles que os tornam mais relacionáveis. Mas a dublagem de todos esses personagens, de todo o mundo, realmente vende os sentimentos e motivações de seus personagens. De conversas sutis sobre as filosofias da humanidade aos gritos de vingança, era difícil não se envolver totalmente com suas performances.


 

 

A terceira temporada de Castlevania não apenas provou que ainda tem um motivo para existir, mas nos deixa querendo muito mais. É sem dúvidas uma das melhores adaptações de um videogame para um filme ou série. Sim, existem algumas coisas questionáveis ​​aqui ou ali, mas é tão fácil olhar além delas com a enorme quantidade de conteúdo que os 10 capítulas nos transmitiram. Nem sequer mencionei a natureza hilariante de um Alucard solitário, as incríveis habilidades mágicas de Sypha ou os mestres da forja e suas grandes histórias; há tanto conteúdo bom nesta temporada que ficou difícil cobrir tudo. Com ótimas tramas, ritmo, atuação e animação fantástica, esta temporada supera as outras temporadas e quase todos os outros programas de TV ou filmes feitos a partir de um videogame.



 

Comentar
Nostalgia total! Confira! · 10/03/2020 - 12h00 | Última atualização em 10/03/2020 - 12h01

Os Melhores Desenhos Animados que passaram no Brasil na década de 80 | Parte 2


Compartilhar Tweet 1



 

 

Esse artigo é a segunda parte da lista dos melhores desenhos animados da década de 80, volta para a postagem anterior clicando aqui.

 

Os Caça-Fantasmas

 

Os Caça-Fantasmas foi criado pelos atores Dan Aykroyd e Harold Ramis em 1984, desenvolvido pela Sony Pictures Television, e produzido pela Columbia Pictures Television, DiC Entertainment e a Coca-Cola, baseado no filme “Ghostbusters” que foi um sucesso de bilheteria na época. Inicialmente o nome do desenho animado seria somente “Ghostbusters” como o filme, mas devido a uma disputa com a produtora Filmation, que tinha o direito sobre a marca Ghost Busters, baseado num outro filme chamado “The Ghost Busters”, da década de 70, que nada tinha a ver com esta nova animação. Assim, ficou The Real Ghostbusters.

O desenho animado que estreou na TV americana apenas em 1986. A história era centrada nas aventuras dos quatros protagonistas do filme, basicamente dando mais profundidade a eles e como fundaram a empresa especializada de caças fantasmas e para isso contavam também com a prestimosa ajuda da secretária Janine e do fantasma Geléia. O quarteto era formado pelo Doutor Peter Venkman, Doutor Egon Splenger, Doutor Ray e o Winston Zeddemore, o único sem patente de doutor ou cientista, mas que era o cara mais corajoso do grupo.

Contou com 78 episódios e tinha um ar mais voltado ao folclore, crenças populares e personagens característicos do feriado de Halloween, bem como referência as outras séries animadas, tais como as Tartarugas Ninjas e filmes famosos como Star Wars e Batman. Por causa do sucesso, surgiram ainda mais duas animações: “Geleia! E os Verdadeiros Caça-Fantasmas” e outra apenas em 1997 que chegou aqui como “Os Novos Caça-Fantasma”’, onde as histórias eram centradas basicamente num grupo de jovens liderados pelo velho Egon, Janine e Geleia.

 

 

He-Man e os Defensores do Universo

 

Produzida pelo Filmation Studios entre 1983 e 1985. Estreou na Rede Globo, depois saiu pulando do canal pago Boomerang, Rede Record, Rede Família, RBTV. He-Man foi o primeiro desenho animado a ganhar destaque em nível global na década de 80 no Brasil, ele chegou aqui em 1984 no programa Balão Mágico e continuo suas exibições também no Xou da Xuxa. A audiência era tamanha que até hoje é considerado o desenho de maior audiência da história brasileira.

He-Man e seus amigos defendem o planeta Eternia e o Castelo de Grayskull das forças malignas comandadas pelo vilão Esqueleto. Ele foi criado inicialmente como brinquedo e dentro da caixa ainda vinham mini-histórias em quadrinhos. Originalmente o He-Man portava um machado e o Mentor não possuía bigode.

Acontece que, em 1982, a Mattel produziu os bonecos baseados no filme Conan, mas devido ao nível de violência do filme, ela resolveu parar a produção. Para não perder dinheiro com isso, trocou as cabeças dos bonecos pelas do He-Man.

Quando a adaptação para a TV em forma de desenho animado foi feita, vários elementos tiveram de ser alterados, para que a série animada pudesse estar de acordo com a censura.

A origem do He-Man é a seguinte: enquanto o pai do príncipe Adam, Rei Randor, é um Eterniano, sua mãe Marlena, duvido que lembrava que nome dela era esse, veio da Terra. Ela era uma astronauta da NASA em missão, que, após sua nave ser colocada fora de curso, acabou pousando em Eternia. Ela foi encontrada pelo Rei Randor, os dois acabaram se casando e, eventualmente, deu à luz o príncipe Adam. Essa história só veio à tona quando 1982, antes mesmo da série animada ser feita, o He-Man trocou socos de igual para igual com o Superman! Curiosamente, a primeira vez que a mãe do He-Man apareceu como sendo da Terra, foi nos quadrinhos originais da DC. Na história, Marlena contou para o filho das façanhas do Homem de Aço quando Adam era criança. Ninguém sabia disso, eu tenho certeza!

O Principe Adam, ganha uma Espada Mágica depois de ser levado ao Castelo de Greyskull pelo amigo Mentor. Erguendo a espada de Greyskull e gritando “Pelos poderes de Greyskull… Eu tenho a Força!” Ele transformava-se em He-Man, o homem mais poderoso do universo. Ao seu lado estava seu tigre de estimação, o medroso Pacato, que quando tinha a espada de Greyskull apontada para ele durante a transformação de He-Man, virava o “Gato Guerreiro”, um animal forte e feroz e que servia de montaria para o herói.

Apesar de Super bombado, dos 130 episódios do desenho animado, He-Man não feriu qualquer criatura viva. Ele não vai usar sua espada para outra coisa senão cortar obstáculos ou desviar raios lasers. Se He-Man tinha a necessidade de se envolver em um confronto físico com outro ser, ele os agarrava e jogava em um barril, uma poça de lama, de água, etc. A Filmation queria ter certeza de que não tinha conteúdo censurável. Esse também é um dos motivos do programa sempre contar com a lição de moral ao fim dos episódios.

Em 2002, lançaram uma nova versão do desenho animado, desenvolvida por Michael Halperin, criador da série original. Ela serviu como uma atualização da série da década de 1980, na mesma época que a nova linha de brinquedos foi lançada no mercado, mas durou apenas duas temporadas. Foi aqui que ficamos sabendo que o Esqueleto é na verdade, seu tio. Seu nome verdadeiro é Keldor, na tentativa de tomar o trono de seu irmão, voltou-se para a magia negra e as coisas não deram muito certo. Tem o resto sem pele por causa do ácido que havia preparado para seu irmão, mas Randor desvia e o liquido acaba caindo sobre seu crânio. Sobrevivendo com a ajuda de Hordak e prometendo servir ao mal para sempre. Ele é azul por causa de sua linhagem Gar, a mesma que matou o Rei Grayskull. Mas eu não sei e não existe explicação aparente para a diferença de cor dele com o irmão ou mesmo com Adam.

Inexplicavelmente, o nome do personagem Orko (o amigo flutuante do príncipe Adam) foi trocado na dublagem brasileira por Gorpo. Com isso, muitas pessoas não entendiam porque ele tinha a letra “O” estampada em sua roupa.

Segundo o dublador de He-Man no Brasil, Garcia Júnior, He-Man e Príncipe Adam teriam dubladores diferentes em nosso país. Ele, Garcia dublaria apenas o Príncipe Adam e outro profissional, não citado por ele, dublaria o herói. Com a desistência do dublador que faria o He-Man a diretora Ângela Bonatti escalou Garcia Júnior para fazer os dois personagens.

Como He-Man tem na sua roupa uma cruz semelhante à cruz Pátea (chamada cruz de malta no Brasil), os torcedores do Vasco da Gama passaram a utilizá-lo como símbolo em suas bandeiras.

Sem motivo aparente a dublagem da Herbert Richers inseriu em alguns episódios do desenho três músicas incidentais que não eram da trilha original: “Timesteps”, de Walter Carlos, “Fantasía de Piratas” e “Fu-Man-Chu”, do grupo eletrônico Azul y Negro.

Em 1987 a Cannon Films produziu um filme baseado na linha de personagens de He-Man e os Mestres do Universo. Uma grande porcaria, tudo era ruim no filme e até é uma vergonha para a cultura pop. Mas não podíamos esperar nada de um filme estrelado por Dolph Lundgren como He-Man e Frank Langella como Esqueleto.

Mestres do Universo, nova série do He-Man, será produzida por Adam Bonnett (Descendentes), Christopher Keenan (Liga da Justiça), entre outros nomes da produtora Mattel Television.

Mestres do Universo deve chegar na Netflix em 2020.

 

As Tartarugas Ninjas

 

 

Estreia original foi em 1987 e durou até 1996. Só perdeu o posto de desenho animado americano com mais tempo no ar para os Simpsons e os novos desenhos do Scooby Doo. No Brasil começou no final dos anos 80 e durou por anos na Globo, passou também na Locomotion e Rede Record. Até uma música em homenagem as Tartarugas foi lançada pelo Trem da Alegria.

Também foi exibido na TV Record dentro do horário chamado Record Kids, sendo levado ao ar pela manhã aos domingos.

As Tartarugas Ninja, foram criadas em 1984 por Kevin Eastman e Peter Laird, inspirados nos quadrinhos de Frank Miller dos quais eles eram fãs, para as histórias independentes da Mirage Comics. Publicadas em preto e branco e com o título de “Eastman and Laird´s Teenage Mutant Ninja Turtles” rapidamente as quatro criaturinhas alcançaram um grande sucesso.

Das páginas dos quadrinhos, as Tartarugas Ninja invadiram a TV em um desenho animado com episódios de meia hora de duração. Com direção de Yoshikatsu Kasai, as personagens chegaram na televisão em 1987, primeiramente numa minissérie produzida por Osamu Yoshioka. Algumas mudanças foram realizadas na história das Tartarugas. As cores das bandanas foram alteradas, originalmente as quatro eram vermelhas, alteração que acabou passando para todas as outras mídias; A origem do Mestre Splinter e a profissão de April O’Neil, (que foi de programadora para repórter) também sofreram alterações.

O programa também trouxe personagens que ainda não tinham aparecido nos quadrinhos, como o vilão alienígena Krang e os capangas tapados Bebop e Rocksteady.

Na animação Splinter, foi um ratinho de estimação de um grande mestre de artes marciais no Japão, chamado Hamato Yoshi. Yoshi era rival de um cara chamado Nagi, os dois gostavam da mesma garota e em um acesso de fúria e por ter levado um fora dessa garota, pois ela gostava mesmo era do Yoshi, Nagi declara guerra ao rival. Só que Nagi acaba sendo morto por Yoshi e ele foge para os Estados Unidos com alguns pertences e o ratinho Splinter, mas sua gaiola se quebrou quando seu dono foi encontrado e morto pelo irmão de Nagi. Assim passou a vagar pelas ruas, alimentando sentimento de vingança, isso ele sendo um simples rato. rs

Até quem um dia um caminhão deixou cair um container radioativo. Este bateu em um garoto que ia passando com um aquário com quatro tartarugas. O aquário e o container caíram dentro de um buraco na rua. O container se rompeu, banhando as pequenas tartarugas no líquido radioativo. Presenciando tudo, Splinter resgatou as tartaruguinhas e cuidou delas. Com o passar dos dias, as quatro tartarugas e ele começaram a crescer e assumir uma forma humanoide. Então passou a ensinar as tartarugas tudo o que havia aprendido observando seu antigo mestre Yoshi e as batizou com o nome de quatro grandes artistas renascentistas. Leonardo, Rafael, Donatello e Michelangelo.

Elas passaram a defender a cidade do Destruidor (do clã Nagi), um poderoso vilão que possuía uma armadura especial. Mesmo tão diferentes, as quatro colegas tinham em comum a sede de justiça, o bom humor e gosto exagerado por pizzas. Na versão dublada eles eram chamados de irmãos e assim acabou ficando.

 

Pole Position

 

Sua estreia foi em 1984 e só durou apenas uma temporada. Na verdade, ela só tinha 13 episódios. Fomos tapeados novamente!!Pole Position foi uma série animada produzida pela Namco para promover o lançamento do jogo de Atari com o mesmo nome. No Brasil Pole Position foi exibido pelo SBT em 1987. A excelente dublagem e o tema de abertura foram destaques do desenho em sua exibição por aqui. É para mim, a maior abertura da vida de um desenho animado.

Na trama, os irmãos Tess, Dan e Daisy procuram seu pai, que desapareceu após uma explosão durante uma corrida.

Eles fazem parte da Pole Position, uma organização secreta que combate o crime com o auxílio de dois carros computadorizados, Wheels e Rodão.

Com episódios cheios de aventuras e obviamente com muitas corridas, mas não que esse fosse o único objetivo do desenho, mostrar carros em movimento, as histórias longe dos volantes também eram atrativas e com muita ação. Os veículos apresentam inúmeros aparelhos embutidos, como esquis aquáticos e jatos que os fazem pairar. Os computadores dos carros são portáteis e podem ser removidos dos painéis e transportados. Eles são frequentemente chamados de “módulos”. Além das apresentações e a incessante busca pelo pai desaparecido, os jovens combatiam o crime com a orientação de seu tio, Dr. Zachary, que dirigia uma “Força Secreta” governamental.

A versão animada de Pole Position, estreou ao mesmo tempo em que o mercado de videogame entrava em crise. A chegada do Sistema Nintendo reviveu o mercado, mas Pole Position não sobreviveu à demora e foi cancelado após 13 episódios, mas foi reprisado nos Estados Unidos até o dia 30 de agosto de 1986.

 

ThunderCats

 

 

A série animada máxima da década de 80. Sua estreia foi em 1985 e durou até 1989. ThunderCats foi criado pelo inglês Ted Wolf em 1983 e passou 2 anos sendo produzido, só estreando em 1985. Por não ter nenhum grande canal de TV por trás, o desenho começou a ser exibido nos canais locais dos EUA, e em pouco tempo se tornou a maior audiência da época para um desenho animado. A série dos ThunderCats começou a ser exibida no Brasil pela Rede Globo em 1986, que mostrou somente os primeiros 100 episódios dos 130 produzidos. Inicialmente o seriado era apresentado apenas aos domingos num horário entre 10 e 11 horas.

Assim que começou a ser apresentada, a saga dos guerreiros felinos alcançou um gigantesco sucesso fazendo com que a Rede Globo exibisse dois episódios por semana em vez de um. Pouco depois o desenho passou a ser diário sendo exibido na Sessão Aventura e depois no programa Xou da Xuxa. Foi quando ganhou inclusive uma canção gravada pelo grupo infantil Trem da Alegria. Ele ainda passou no SBT.

O que chamava atenção era a animação ágil e os roteiros caprichados, que agradavam também o público jovem, adultos e fãs de HQs. A trilha sonora de Bernard Hoffer também é outro ponto que merece comentário, não só pelo tema de abertura como pela música incidental, simplesmente incrível. Ele também foi um dos primeiros maestros a usar música eletrônica em suas composições! O segredo da animação foi a seguinte, apesar de ser uma realização norte-americana da Rankin/Bass, a Telepictures Corporation e a Lorimar, praticamente toda a produção ficou para ser executada pela empresa japonesa Pacific Animation Corporation, por aproximadamente dois anos, tendo à frente uma grande equipe de desenhistas nipônicos.

Ainda sobre Bernard Hoffer, essa música é uma obra-prima:

 

Ainda em 1985, a Marvel Comics produziu uma série de história em quadrinhos que durou até o final da década. Publicada pela Editora Abril no Brasil. ThunderCats teve mais uma série em HQ no ano de 2002 com 25 edições, também chegou aqui, mas agora pela editora Panini.

A história contava que Thundera, o planeta natal dos ThunderCats, estava em colapso e iria se destruir, mas um grupo de felinos m grupo de felinos humanoides chega no terceiro planeta de um sistema solar. Entre os felinos estão: Lion, líder dos ThunderCats; Panthro, Tygra, Cheetara, Wilykit e Wilykat são as crianças do grupo, dois irmãos que possuem bombas de gás para qualquer eventualidade e pranchas voadoras como transporte; por último, mas não menos importante, o pequeno Snarf, protetor de Lion e responsável pelo lado mais cômico da série. Mesmo tendo que se adaptarem ao novo mundo que habitavam, eles trouxeram tecnologia, equipamentos e conseguiram fazer uma fortaleza que servia de proteção e de lar. A famosa Toca do Gatos.

Lion recebeu de seu mestre Jaga, o “Escudo Garra”, uma luva metálica em forma de uma pata de Leão capaz de refletir e deter raios de energi, além de possuir a capacidade de lançar cordas escondidas em compartimentos especiais; e a mais importante a Espada Justiceira, onde está o olho de Thundera, a fonte de força de todos os gatos do trovão. Com a Espada Justiceira, Lion pode invocar todos os seus amigos com o sinal dos ThunderCats, e também ter um aviso do perigo através da “Visão Além do Alcance”.

Mas os ThunderCats não estão sozinhos no terceiro mundo. Lá também está Mumm-Ra, um ser semelhante a uma múmia que vive numa pirâmide mística, mais especificamente dentro de um sarcófago. Quando está dentro de sua pirâmide, mantém uma forma envelhecida e desgastada pelos milhares de anos de vida. Porém ao invocar as forças dos espíritos do mal, a múmia envelhecida ganha músculos, altura e as faixas que recobrem seu corpo se partem, fazendo surgir um ser forte e de poderes quase ilimitados, com a aparência de um faraó semi-mumificado. Junto com Mumm-Ra age um grupo de mutantes vindos também de outro planeta, o Plun-Darr. O Escamoso, Abutre, Simiano e Chacal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar
Disponível na Netflix · 10/03/2020 - 09h28 | Última atualização em 10/03/2020 - 10h29

I Am Not Okay With This: Critica da 1ª temporada


Compartilhar Tweet 1



 

    Netflix

 

Série dos produtores de Stranges Things com o Diretor de The End of the F***ing World transforma mais uma vez uma história em quadrinhos em algo ousado, incrível e divertido de assistir.

Ser adolescente é um momento complexo em nossa vida, todos passarão por isso, imagina para uma adolescente que consegue fazer pessoas sangrarem ou abrir fendas no chão apenas pelo pensamento, o novo conto adolescente da Netflix da equipe Stranger Things conta a história de uma jovem que precisa enfrentar muito mais do que apenas espinhas e hormônios

O mais recente representante de nossa década cheia angústia e de hormônios chegou à Netflix. Sydney Novak (Sophia Lillis, vista pela última vez na tela pequena) é a adolescente em constante fluxo emocional no coração de I Am Not Okay With This (Eu não estou bem com isso). É a segunda adaptação televisiva dirigida por Jonathan Entwistle de uma graphic novel de Charles Forsman – a primeira foi The End of the F***ing World – e sua colaboração mais uma vez deu bons resultados.

Ainda sofrendo com o recente suicídio de seu pai (no porão de sua casa), Sydney tem muito o que lidar. Há a repentina mudança de sua família para uma pequena cidade no meio dos Estados Unidos; uma mãe brutalmente antipática e de luto, tendo que trabalhar em turnos sem fim para sobreviver. Apesar de parecer uma vida complicada, Sydney tem Dina (Sofia Bryant), sua melhor amiga e companheira naquele fim de mundo, mesmo ela sendo popular entre os garotos da escola. Para piorar mais um pouco, Sydney tem um surto de espinhas nas coxas. Ela também se tornou objeto de afeto pelo nerd local, Stanley Barber (Wyatt Oleff). De modo geral, a vida da garota é uma verdadeira cadeia de momentos ruins e sutis momentos que ela se sente a pessoa mais normal do mundo.

Não é de admirar, então, que a massa borbulhante de emoções dentro de Sydney busque uma fuga. Mas, em vez de se juntar às forças armadas ou trabalhar numa lanchonete como sua mãe, a turbulência interna de Sydney começa a se manifestar de maneira singular e nada habituais, como induzir acidentalmente uma hemorragia nasal no terrível namorado de Dina, Brad (Richard Ellis), enquanto o casal se aconchega à sua frente dentro de uma lanchonete. Logo, para sua consternação, Sydney involuntariamente abre buracos nas paredes sempre que ela fica com raiva de algo.

À medida que a série avança, Sydney precisa aprender a controlar seus crescentes poderes telecinéticos, especialmente à medida que crescem dinâmicas e perigos maiores, mas o verdadeiro prazer da coisa está no maravilhoso desempenho de Sophia Lillis, que consegue transmitir as profundidades e a dormência da perda sob as camadas de fúria e frustração mais comuns na adolescência, todas sob a pose tradicional de insatisfação sardônica. Você quer dar um tapa nela e mandar se tocar, defender ela, confortá-la, tudo ao mesmo tempo.

Apesar de tudo isso, I Am Not Okay With This é uma série sobre superpoderes – aqui vista como metáfora para mudanças do corpo na adolescência, entrando quase na vida adulta e todas as suas confusões e contradições. Os meninos têm os super-heróis da Era de Ouro; as meninas tiveram que esperar por décadas suas vez na TV, Cinema e Quadrinhos, mas isso vem mudando desde Carrie, cujo DNA está obviamente incorporado em I Am Not Okay With This, junto com um pouco de Buffy Summers e Eleven de Stranger Things (com quem a série compartilha alguns produtores) . Mas I Am Not Okay With This tem seu próprio charme, confiança e estilo, que vêm em grande parte do outro fio de sua dupla hélice. Sydney, especialmente nos trechos que narra seu diário, uma forma que a orientadora da escola pediu para ela fazer enquanto passa por esses momentos ruins e referências das séries Daria, Freaks and Geeks e Janis de Mean Girls. Eu consigo sentir algumas referências também do filme Heathers, Atração Mortal.

Mas talvez a maior referência usada como base para a série da Netflix sejam os textos do maior escritor de filmes adolescente dos anos 80, John Hughes. Talvez não seja um nome comum hoje, mas você deve lembrar de Clube dos Cinco, Curtindo a Vida Adoidado, Garota de Rosa Shocking, correto? Então, foi esse incrível escritor que criou esses filmes.

    Netflix

 

I Am Not Okay With This é a história de uma adolescente que explora a raiva reprimida que é transmutada na capacidade de destruir indivíduos, instituições e todos os pontos insatisfatórios entre eles e refazê-los de acordo com a sua própria vontade.

É assistir uma Sydney refazendo seu mundo e enfrentando ela mesma, seus amigos, sua sexualidade e as espinhas em suas coxas. Vale a pena assistir e tentei não soltar spoiler.

 

Saiba mais clicando aqui.

Comentar
Entrevista · 08/03/2020 - 17h38 | Última atualização em 08/03/2020 - 20h13

Amauri encerra temporada de comemoração de 25 anos de carreira


Compartilhar Tweet 1



 

 

U m dos maiores humoristas do Piauí conversa um bate e volta com nossa equipe sobre seu último show de comemoração de 25 anos de carreira.

O humorista piauiense Amauri Jucá faz neste domingo (08), às 20h, no Theatro 4 de Setembro, a última apresentação da temporada de comemoração dos seus 25 anos de carreira. Foi neste mesmo local, no dia 4 de Setembro de 1994, ano de comemoração do centenário do nosso principal teatro, que o artista fez sua primeira apresentação.

“Comecei fazendo teatro a convite do Arimatan Martins, no grupo Harém de Teatro. Logo depois, eu e Dirceu (Andrade) passamos a fazer apresentações juntos”, conta.

A partir de 2001, Amauri e Dirceu Andrade passam a fazer uma série de shows de humor que ficaram marcados na memória dos piauienses. O primeiro deles foi “O Jumento e Bode”, rico em situações engraçadas típicas da cultura nordestina, e mais ainda, de coisas que “só acontecem por aqui”. “Foram trabalhos muito importantes para minha carreira, que ajudaram muito a projetar nossos nomes”, reconhece Amauri.

Outro salto muito importante foi dado quando passou a explorar, além do teatro, ferramentas ligadas ao audiovisual. “Gravei uma série nacional que foi ao ar no final do ano passado na TV Brasil e foi muito bom, fez muito sucesso. Tem outra que fizemos no Maranhão e que deve estrear esse ano. E já estou me preparando pra fazer outra sobre a Batalha do Jenipapo, lembra.

Ter um programa na TV na local, como ele próprio define, foi um “divisor de águas”. “A partir do momento que comecei a aparecer na TV, principalmente na Meio Norte, me deu uma projeção enorme”, conta.

Para concluir essa conversa na QUINTA CAPA, Amauri disse está muito feliz com o que vem realizando nesses 25 anos de trabalho com humor. “É uma história construída com muita seriedade e pautada no respeito ao público. Espero continuar fazendo isso que amo tanto, que é contar histórias e fazer as pessoas rirem”, afirmou.

Entrevista realizada com editor Marcelo Costa.

Comentar
III Mostra de Cinema · 08/03/2020 - 07h49 | Última atualização em 08/03/2020 - 09h24

Entrevista: O dia que um Cônsul e um Produtor Italianos vieram para Teresina falar de Cinema


Compartilhar Tweet 1



 

Um dos maiores festivais de arte e cultura do Piauí, o Artes de Março, abriu sua programação com a 3ª edição da Mostra de Cinema quinta passada, dia 05 nos Cinemas Teresina exibindo gratuitamente um filme por dia, em sessão única às 19h30, e hoje, domingo (08), também uma matinê às 10h30.

Para este ano, a III Mostra de Cinema Artes de Março foi dedicada ao cinema italiano. A programação conta com oito filmes, englobando uma variedade de gêneros. Na abertura, dia 05, após a exibição de ‘Michelangelo Infinito’, aconteceu um bate-papo sobre a importância do cinema italiano na Sétima Arte, com o Cônsul da Itália Gabor de Zagon e o produtor-executivo da 8 ½ Festa do Cinema Italiano, Tommaso Mottironi.

A programação da Mostra ainda inclui uma homenagem a um dos mais importantes diretores de cinema do mundo, Federico Fellini, que completaria 100 anos em 2020.

Consegui conversar com os dois e foi dividida da seguinte forma:

 

Gabor de Zagon


 

Gabor de Zagon na III Mostra de Cinema 2020.
Gabor de Zagon na III Mostra de Cinema 2020.    Reprodução (Foto: Ivana Machado)

 

Gabor de Zagon entrou para carreira diplomática em 2013, começando a trabalhar na Direção Geral para os Italianos no Exterior e Políticas Migratórias do Ministero degli Affari Esteri em Roma, na área de assistência consular. Durante a Copa do Mundo Fifa de 2014 e as Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016, exerceu o cargo de Vice-Cônsul no Consulado do Rio de Janeiro. A partir de 29 de dezembro de 2016 é Cônsul da Itália em Recife.


 

Relação com o Cinema Italiano e visita a Teresina na III na mostra de cinema:


 

Gabor de Zagon: É um prazer está em Teresina, é a primeira vez que venho para essa cidade e estou aqui como Cônsul da Itália, tentando levar cultura e cinema italiano para todos os ângulos do nordeste brasileiro. Teresina é uma grande capital e um lugar importante por causa da parceria excelente com os Cinemas Teresina, pela pessoa do Douglas do Machado que nos procurou para realizar este evento de cinema. E o que aconteceu na verdade, quando cheguei em Recife para ser Cônsul (2016), o Festival de Cinema Italiano maior do Brasil – festival internacional itinerante 8 ½ Festa do Cinema Italiano – apenas acontecia em cidades do sul e sudeste.

 

Então pensei: “Isso não está certo. Tem muito interesse e muita demanda para a cultura italiana, para o cinema italiano no nordeste.”

 

Assim, fiz questão e batalhei para trazer este festival para o nordeste, já aconteceu em Recife, Fortaleza, Salvador, Natal e por que não em Teresina que faz parte do Nordeste? Deu muito certo. III mostra de cinema de Teresina é o primeiro projeto de cinema italiano do nordeste e também uma porta de entrada para acontecer o festival internacional itinerante 8 ½ Festa do Cinema Italiano.

 

A Itália o berço da cultura ocidental, tem um cinema muito diversificado e voltado para cultura, arte. A importância do público brasileiro junto ao cinema italiano:


Gabor de Zagon: Essa imagem da Itália como berço da cultura clássica é tudo real. Essa parte realmente existe. A Itália é um país de grande riqueza história, eu sempre falo que ser Cônsul da Itália é simples, já que é um país que todo mundo conhece e ama. Porém, é apenas uma visão parcial, já que nas últimas décadas, o cinema italiano está crescendo e se desenvolvendo com um novo ápice de qualidade.
 

A relação com os brasileiros é que existem muitos de origem italiana e eles querem assistir e saber como é o país de seus pais pela visão do cinema. Saber como esta a realidade hoje. É com bastante orgulho que estamos trazendo não apenas o cinema clássico, mas o cinema moderno e atual da Itália.

 

Qual sua relação com o Brasil, Cinema e Cultura:

 

Gabor de Zagon: Faz parte da vida diplomática mudar de país a cada quatro anos. Eu tenho um carinho pelo Brasil muito especial, meu pai morou em São Paulo quando eu era criança, então eu já tinha um pouco de conhecimento da cidade. Minha esposa também é brasileira do Rio de Janeiro. Minha relação com o Brasil é forte.

 

Quando estávamos ainda Roma, pensamos um lugar para ir e surgiu naturalmente a opção de vir para o Brasil, especificamente no nordeste, como uma oportunidade única de conhecer um Brasil mais raiz, mais verdadeiro. Por isso, escolhemos Recife e estamos morando lá há três anos.

 

Seu conhecimento sobre o cinema Pernambucano:

 

Gabor de Zagon: Recife é uma cidade onde o cinema é muito respeitado no mundo todo. Eu acompanho os eventos de cinema de lá e meu filme preferido é Aquarius, 2016. O filme se passa na cidade onde moro, os locais usados no filme ficam perto da minha casa.

 

A Relação da política brasileira atual e o Cinema:

 

Gabor de Zagon: Sobre isso, eu deixo para os brasileiros, meu trabalho é de promover a cultura, presença comercial e cultural dos direitos dos italianos que moram aqui. Como por exemplo, na hora que precisam votar nas eleições do nosso país.

Tenho um maior respeito pelo povo brasileiro e nunca entraria nesta questão que não me compete.

 

Expectativa com o público do Teresinense:

 

Gabor de Zagon: Sala cheia sempre é bom. Existe uma demanda grande pelo cinema italiano. O público gosta e será uma grande uma satisfação ver quando as coisas são organizadas e bem-feitas, o público responde e a sala do cinema lota.


 

Tommaso Mottironi

 

 

Tommaso Morttironi na III Mostra de Cinema 2020
Tommaso Morttironi na III Mostra de Cinema 2020    Reprodução (Foto: Ivana Machado)


 

Tommaso é editor, cineclubista e produtor cultural. Para surprir à falta de distribuição comercial do cinema italiano contemporâneo, em 2014 trouxe para o Brasil o festival internacional itinerante 8 ½ Festa do Cinema Italiano. Atualmente o festival está presente em 16 cidades brasileiras, visto por mais de 20 mil espectadores, não parando de crescer no panorama das mostras cinematográficas internacionais no Brasil. Em 2020, a 8 ½ Festa do Cinema Italiano entra também no circuito do Cinemas Teresina.


 

Como é ser o produtor do maior evento de cinema italiano no Brasil:


Tommaso Mottironi: Em 2013 começamos com o projeto, mas apenas em 2014 aconteceu a primeira edição festival internacional itinerante 8 ½ Festa do Cinema Italiano. Tinha essa falta de cinema comercial italiano sendo distribuído no Brasil, então essa ideia de trazer esses filmes começou em Porto Alegre. Usamos um espaço público para fazer isso e o festival cresceu graças ao Espaço de Itaú de Cinema e no terceiro ano de festival, já tínhamos ido a sete capitais.

 

No momento estamos com 16, a maioria sendo capitais e contamos que em 2020 estaremos em Teresina, a estrutura dos Cinemas Teresina permite isso acontecer. Trazer esse cinema de qualidade, que escape do blockbuster do cinema americano.


 

O cinema blockbuster e seu problema com de ocupar a maioria das salas de cinemas:

 

Tommaso Mottironi: Com certeza isso não é um bom sinal, se você ocupa mais salas com um mesmo filme, isso induz uma diminuição de variedades de filmes que poderiam passar no cinema. O ideal é tentar encontrar um equilíbrio.

Filmes blockbuster são sazonais, eles sabem exatamente quais meses conseguem faturar mais. Isso não legal para os cinemas também, você não cria um público continuo trabalhando dessa forma. Alguma coisa precisa ser feita, por exemplo, reduzir a cota de tela para esse tipo de filme. Outras propostas e uma variedade de filmes é algo muito importante pelo bem do cinema.

 

Relação do Brasileiro e o cinema Italiano:

 

Tommaso Mottironi: Eu moro no sul do Brasil, de modo geral, existe uma presença mais massiva de descendentes de italianos morando lá. Isso traz uma matriz cultural que está um pouco fora da realidade da Itália atual. Então, na verdade, o cinema acaba fazendo o papel histórico para essas pessoas descobrirem suas raízes, mas também descobrindo as mutações históricas que ocorreu e vem ocorrendo na Itália. Como se fosse uma janela para entenderem como os avós ou pais viviam e como as coisas estão hoje.

 

E porque trazer cinema italiano para o nordeste brasileiro:


 

Tommaso Mottironi: O público nordestino é muito aberto para esse tipo de iniciativa, por exemplo, muita das cidades que passamos o festival internacional itinerante 8 ½ Festa do Cinema Italiano, foram no nordeste. E em relação ao resto do país, foi representativo na questão de público.

 

O público nordestino está menos habituado a este tipo de evento, mas ao trazer isso para vocês, estamos colocando na pauta uma cinematografia que muitas vezes não é acessível e o público responde isso de forma positiva.

 

O amor do brasileiro pela Itália através do cinema:

 

Tommaso Mottironi: O laço do Brasil com a Itália é muito forte. Se for na Itália, verá o mesmo carinho que encontramos aqui no Brasil. É algo de certa forma, inexplicável. Apesar dessa matriz cultural, ela é condensada em São Paulo, Sul do Brasil, mas em todos os locais que vamos, por exemplo, Belém do Pará, as pessoas lá estão sedentos para assistir filmes italianos. O cinema é uma forma de aproximar essas culturas.

 


Confira a programação:

08/Março, Matinê adulta, 10h30
A DOCE VIDA [La dolce vita]
Direção: Federico Fellini
Drama | 2h53 | 1960

Sessão Noturna, 19h30
8 ½ [8 ½]
Direção: Federico Fellini
Drama | 2h18 | 1963

09/Março, 19h30
CARAVAGGIO - A ALMA E O SANGUE [Caravaggio anima e sangue]
Direção: Jesus Garcés Lambert
Documentário | 1h30 | 2018

10/Março, 19h30
LÚCIA CHEIA DE GRAÇA [Troppa grazia]
Direção: Gianni Zanasi
Comédia dramática | 1h50 | 2018

11/Março, 19h30
OS BOAS VIDAS [I vitelloni]
Direção: Federico Fellini
Comédia dramática | 1h44 | 1953

Comentar
Artes de Março · 04/03/2020 - 18h11 | Última atualização em 04/03/2020 - 18h24

Cinesemana dos Cinemas Teresina terá Mostra de Cinema com entrada gratuita


Compartilhar Tweet 1



 

 

Nesta quinta-feira (5) começa um dos maiores festivais de arte e cultura do Piauí, o Artes de Março. A programação inicia com a III Mostra de Cinema Artes de Março. Até o dia 11, os Cinemas Teresina exibirão gratuitamente um filme por dia, em sessão única às 19h30, e no domingo (08), também uma matinê às 10h30.

 

A Mostra traz o tema cinema italiano. A programação inclui oito filmes de uma variedade de gêneros. Na abertura, dia 05, após a exibição de 'Michelangelo Infinito', acontece um bate-papo sobre a importância do cinema italiano na Sétima Arte, com o Cônsul da Itália Gabor de Zagon e o produtor executivo da 8 ½ Festa do Cinema Italiano, Tommaso Mottironi.

 

A programação da Mostra ainda terá uma homenagem a um dos mais importantes diretores de cinema do mundo, Federico Fellini, que completaria 100 anos em 2020. Serão exibidos três filmes deste Mestre do Cinema: 'A Doce Vida', '8 ½' e 'Os Boas Vidas'.

 

Além da mostra, os Cinemas Teresina ainda trazem a estreia da animação "Dois Irmãos - Uma Jornada Fantástica". No filme, dois irmãos elfos adolescentes embarcam em uma extraordinária jornada para tentar redescobrir a magia do mundo ao seu redor.

 

Outra novidade da semana é o drama "Seberg Contra Todos". O filme se passa em Paris, 1968. A atriz Jean Seberg (Kristen Stewart) está no auge de sua popularidade, graças ao sucesso de vários filmes rodados na França. Ao chegar aos Estados Unidos ela logo se envolve com o ativista de direitos civis Hakim Jamal (Anthony Mackie), que conheceu ainda durante o voo. Jean logo se posiciona a favor dos Panteras Negras e passa a ser uma das financiadoras do movimento, ao mesmo tempo em que mantém um caso com Hakim. Tal situação é acompanhada de perto peo FBI, que mantinha um programa de vigilância para romper e expor os Panteras Negras. Dentre os agentes designados para espioná-la está Jack Solomon (Jack O'Connell), que começa a se rebelar quando o FBI inicia um plano de difamação contra a atriz.

 

Programação Mostra de Cinema Artes de Março:


05/Março, 19h30
MICHELANGELO INFINITO [Michelangelo infinito] Direção: Emanuele Imbucci
Documentário | 1h35 | 2018

 

06/Março, 19h30
EM GUERRA POR AMOR [In Guerra per amore] Direção: Pif
Comédia romântica | 1h39 | 2016

 

07/Março, 19h30
PARO QUANDO QUERO [Smetto quando voglio] Direção: Sydney Sibilia
Comédia policial | 1h45 | 2014

 

08/Março, Matinê adulta, 10h30
A DOCE VIDA [La dolce vita] Direção: Federico Fellini
Drama | 2h53 | 1960

 

Sessão Noturna, 19h30
8 ½ [8 ½] Direção: Federico Fellini
Drama | 2h18 | 1963

 

09/Março, 19h30
CARAVAGGIO – A ALMA E O SANGUE [Caravaggio anima e sangue] Direção: Jesus Garcés Lambert
Documentário | 1h30 | 2018

 

10/Março, 19h30
LÚCIA CHEIA DE GRAÇA [Troppa grazia] Direção: Gianni Zanasi
Comédia dramática | 1h50 | 2018

 

11/Março, 19h30
OS BOAS VIDAS [I vitelloni] Direção: Federico Fellini
Comédia dramática | 1h44 | 1953

 


Fonte: Cinemas Teresina
Comentar
Nostalgia! · 04/03/2020 - 09h23 | Última atualização em 04/03/2020 - 09h55

Os Melhores Desenhos Animados que passaram no Brasil na década de 80 | Parte 1


Compartilhar Tweet 1



 

 

A origem dos desenhos animados, sua pré-história, começou lá com os teatros de sombras chinês, ainda nos meados do ano 121 depois de Cristo. Mil e oitocentos anos depois, um francês chamado Émile Cohl em 1908 criou o primeiro desenho animado, na época ele desenhava e pintava seus desenhos, além disso era inventor. Foi Émile Cohl que desenvolveu um sistema de animação com um aparelho chamado “praxynoscópio”. Só que esta técnica de projeção já servia para projetar as imagens em movimento na parede ainda no século 19 e antes mesmo das invenções de Thomas Edson em 1880, na verdade, ele só deu um upgrade na coisa toda. Se conseguir imaginar essa imagem como um GIF, compreenderá melhor o que estou falando.

A mecânica é simples: a partir de fotografias, ele montava cena por cena, movimento por movimento é uma ordem lógica, dando assim a sensação que aqueles quadros estavam em movimento. Sabemos que o olho humano consegue captar 12 imagens por segundo, baseado nisso, Émile e antes dele, outros inventores, já tinham as primeiras ideias do que hoje conhecemos como frames por segundo e como isso revolucionaria o cinema e tornaria esta indústria uma das maiores da história da humanidade.

O desenho animado que se chamava “Fantasmagorie” de Émile Cohl era supersimples, não tinha áudio e durava apenas 1 minuto e 40 segundos. Contava a história de um palhaço contracenando com objetos mórficos.

Veja aqui, apesar de toda a importância é um desenho muito esquisito:


 

A imagem em movimento, criou conceitos, possibilidades e novas ideologias. O universo dos desenhos animados é bem amplo e variado: super-heróis, aventuras, dramas, diversão, maluquices, extravagâncias, ficção científica, crítica social e o que mais se puder imaginar. Um mundo da fantasia que cativas pessoas de qualquer idade. A força das animações é tão grande que boa parte das produções ainda resiste ao tempo, por sua mensagem universal.

Sabendo disso, fizemos um corte com as melhores séries animadas da história, a década escolhida foi a 80, porque somente no Brasil chegaram mais de 100 produções, praticamente todos os canais da TV aberta tinham desenhos animados em sua grade de programação e a coisa mais importante: fazer linha de brinquedos para crianças.

Essa lista é baseada numa enquete feita no twitter ainda em 2017.

Pela nostalgia, diversão e informação, venha sentir-se velho com a gente nesta lista!


 

#10 Cavalo de Fogo


 

“No meu sonho eu já vivi/Um lindo conto infantil/Tudo era magia/Era um mundo fora do meu/E ao chegar desse sono acordei”

Era assim começava um dos desenhos mais queridos de todos os tempos da televisão brasileira. O inesquecível “Cavalo de Fogo” (Wildfire), produzido pela Hanna-Barbera, empresa que detinha do monopólio de animações até 1993, ano em que foi adquirida pela Turner Enterprises, dona da Cartoon Network.

O desenho estreou em 1986 na TV americana, chegou no Brasil em 1988, nos extintos programas “Oradukapeta” do Sérgio Mallandro e “Show Maravilha” da Mara no SBT.

A história contava a vida de Sara, uma menina que ao fazer treze anos de idade percebe que o medalhão que sempre usou começa a brilhar, assim surgindo um lindo e imponente cavalo preto de crinas vermelhas, seu nome era Cavalo de Fogo, e ele foi o responsável de trazer Sara para nosso mundo para fugir das garras da terrível bruxa Lady Diabolyn na terra de Dar-Shan. Sara descobre que é uma princesa, filha da Rainha Sarana e do príncipe Kevin, e que precisa voltar ao planeta Dar-Shan para salvar o lugar das garras da bruxa e seus Espectros. Para ajudar na missão, Sara conta com criaturas mágicas e os amigos Dorin, Brutos e Alvinar.

Apesar de ficar no ar por mais de dez anos, Cavalo de fogo só tinha míseros 13 episódios! Quando somos crianças não percebemos como somos tapeados o tempo todo!

O desenho foi originalmente criado para meninas! Mas no Brasil, ele foi aceito por todos gêneros. Eu mesmo adoro o desenho até hoje e a música da abertura é uma das versões mais cantadas da história das aberturas de um desenho. Apesar disso, os episódios eram memoráveis, cheio de personagens inesquecíveis e roteiros muito bem escrito para um desenho infantil. Além do mais, o SBT nunca passou o desenho na ordem, o primeiro episódio é o que Cavalo de fogo aparece para a Sara e o último é que ele é escolhido para ser o Rei do Santuário dos Cavalos, mas abdica de sua coroa para se dedicar a cuidar de Sara e Dar-Shan.

 

#09 Caverna do Dragão

 

Sua estreia na TV americana aconteceu em 1983 e o último episódio passou em 1986, o mesmo ano que estreava na Rede Globo, suas idas e vindas na grande da programação da empresa carioca durou até 2014; é bastante tempo, dando a Caverna do Dragão o prêmio de desenho animado mais marcante de toda uma geração. Também foi o primeiro desenho que teve uma trilha sonora épica que grudava na cabeça igual a chiclete.

A história acompanhava um grupo de seis jovens que acabam entrando em outra dimensão por uma montanha-russa, nesta dimensão, eles recebem armas e poderes mágicos. Hank (Guerreiro), Eric (Cavaleiro), Diana (Acrobata), Sheila (Ladra), Presto (Mago) e Bobby (Bárbaro), eram os protagonistas das aventuras de Caverna do Dragão, além deles havia um filhote fêmea de unicórnio, a Uni. Neste novo mundo, eles recebiam ajuda do emblemático Mestre dos Magos, no original Dugeons Master – função do mestre de uma mesa de RPG, que surgia do nada, dava seus conselhos e sumia como fumaça; o Vingador, o vilão e mago das trevas que tentava a todo custo tomar as armas mágicas dos jovens para derrotar o Mestre dos Magos e seu pior inimigo, o dragão de cinco cabeças, Tiamat.

A animação era baseada no RPG 'Dugenons and Dragons', foi até por causa desse desenho que os primeiros jogos de RPG chegaram no Brasil no final da década de 80, a série foi criada por Gary Gygax, o mesmo autor do jogo e produzida pela Marvel Productions. Nos EUA foi um sucesso de audiência, aqui nem precisamos falar. Porém, na terceira temporada encerraram a produção, com apenas 27 episódios, mesmo com o episódio final escrito.

Por se passar no cenário de D&D, cada episódio era recheado de referências do jogo, cada função e personalidade dos protagonistas também trazia muita coisa que até hoje se usa em filmes de fantasia. O mundo de Caverna do Dragão era chamado simplesmente de “O Reino”. Apesar do sucesso, ele foi polêmico, por ter conjecturas adultas nos episódios, como morte, violência e um teor sombrio. Isso foi tão sério que em 1985, o desenho precisou colocar um aviso de classificação PG (violência e atenção dos pais) quando começava os episódios.

Por causa de não existir um final, Caverna do Dragão, talvez seja a primeira série que criaria o termo “Teoria da conspiração” para uma animação. Na verdade, as crianças teriam sofrido um acidente na montanha-russa e morrido. O Reino seria o inferno, Vingador e Mestre dos Magos, seriam o diabo e o Dragão Tiamat um Anjo que tinha a missão de avisá-los que estavam todos os mortos. Essa história sem fundamento durou por diversos anos e o próprio roteirista, Michael Reaves, precisou desmenti-la!

Coube ao cartunista brasileiro Reinaldo Rocha criar as imagens do episódio final de “Caverna do Dragão”, intitulado “Réquiem” e lançado em quadrinhos. A história mostra que, de fato, o Mestre dos Magos era um personagem dúbio e que enganava os jovens para que eles ajudassem a recuperar Vingador que, na verdade, era seu filho que seguiu para o caminho do mal.


 

#08 Duck Tales

 

Duck Tales teve quatro temporadas com 100 episódios, sua estreia original ocorreu em 1987 e encerrou em 1990, produzido pela Walt Disney Television Animation. Aqui no Brasil, ficou Ducktales – Os caçadores de Aventuras. As aventuras sempre envolviam Tio Patinhas, louco por dinheiro e seus sobrinhos, Huguinho, Zezinho e Luizinho atrás de relíquias e tesouros perdidos. Essas expedições tinham a função de ele vender o que achasse de valor.

Seu grupo ainda tinha o Capitão Boeing, um Pelicano, o professor Pardal que vez por outra chegava com alguma invenção nada convencional e uma lâmpada com pernas e braços chamada Lampadinho. Muitos personagens apareciam eventualmente como o primo Gastão, Vovó Donald e o Gansolino. A narrativa sempre lembrava Indiana Jones e isso era o grande segredo deste desenho tão legal. Eles ainda tinham que se livrar das tramas diabólicas da Maga Patológica que sempre queria roubar a moeda número um do Tio Patinhas, os irmãos metralhas e o Pão Duro Mcmoney.

No Brasil foi sucesso imediato, estreou em 1988, no SBT num domingo cinco e meia da manhã. Depois ele foi para o “Show Maravilha”. A versão da abertura nacional foi gravada pelo Luiz Ricardo (Cantor e o Palhaço Bozo). A série ainda ganhou um filme, sequências e uma linha de revistas em quadrinhos.

 

Em 2017 a Disney apostou mais uma vez nas aventuras do Tio Patinhas e sua família e trouxe de volta Duck Tales e mais uma vez o desenho foi um estouro de audiência e crítica, já contando com duas temporadas com 25 episódios cada. Está disponível na Netflix e recomendo muito! 

Abertura nova é cantada nada menos que Ivete Sangalo!


 

#07 Transformers

 

Transformers surgiu em 1984, quando a Hasbro, a maior empresa de brinquedos do mundo, se uniu à japonesa Takara, para explorar os direitos sobre duas linhas de bonecos-robôs: Micro Change e Diaclone. Com uma linha de bonecos, mas sem uma história por trás para atrair os jovens clientes, a Hasbro encomendou à Marvel Comics um enredo qualquer que explicasse quem eram tais robôs e o porquê lutavam. Assim, junto com a linha de brinquedos, foram lançados a primeira série em quadrinhos pela Marvel e o desenho animado, produzido pela Sunbrow Productions.

A história conta que no Planeta Cybertron, robôs que eram escravos de uma entidade superior, se rebelaram e tomaram o planeta. Se reproduzindo e criando novas tecnologias, eles prosperam. Só que então, o planeta acabou dividido em dois tipos de robôs: os Autobots (os cientistas e pesquisadores do Planeta) e os Decepticons (Militares), durante milhões de anos de guerra os Autobots a venceram pois descobriram a habilidade de se transformar, mas o planeta já não tinha vida, fontes de energia e condições de sobrevivência. Assim, eles enviaram uma nave-expedição com o intuito de buscar novas fontes de energia, mas ela foi atingida pelo Decepticons, caindo na Terra pré-histórica. Todos os robôs da nave, junto com os Decepticons entraram num modo de hibernação, acordando somente em 1984.

No Brasil foi um estouro, sua estreia foi em 1886, passava colado com “Comandos em Ação”. Nessa época a Globo não tinha programa infantil e seus desenhos passavam aos domingos pela manhã. Mas chegou o “Xou da Xuxa” e ela assimilou todos os desenhos para seu programa. O sucesso foi enorme, lançando até as linhas de brinquedos.


 

 

#06 Comando em Ação

Mais uma criação da Hasbro, o conceito de bonecos de ação é mais antigo que o próprio desenho, surgiu ainda em 1964. Até aquele ano o conceito de boneco era bem relativo para meninas, se você tivesse a possibilidade de comprar um boneco com 21 articulações, vestido de soldado e com 30 centímetros seria, com certeza, sucesso. E foi o que aconteceu.


 

Hasbro se tornou a maior empresa de brinquedos do mundo em apenas três anos, graças ao G.I Joe. Hoje a linha de bonecos já tem mais de 75 personagens. A produção deu uma pausa em 1978 e só retornando em 1982, agora com bonecos tde 10 centímetros e menos pontos articuláveis e cada um tinha sua própria história. Isso foi sucesso no mundo todo, eles usavam comerciais que chamavam atenção, na verdade, esses comerciais de brinquedos que aparecem na TV hoje existem graças ao modelo dos comerciais G.I. Joe, no Brasil esses vídeos ganharam o nome “Comandos em Ação”.

G.I. Joe apareceu a primeira vez na TV americana em 1983 e durou até 1986. Estão prestando atenção que 1986 está sempre aparecendo? Antes da série animada propriamente dita, foi produzido o “G.I. Joe: A Real American Hero” feito pela produtora Sunbow Productions com a Marvel. E O bagulho era colorido, tinha ação, roteiro muito bom e o principal: uma vasta galeria de personagens interessantes que a garotada já estava acostumada a consumir. Não tinha como dar errado, assim, em 1985 entrou no ar o desenho animado, onde os G.I Joe lutavam contra o terrorismo causado pelo grupo 'Cobra'.

No Brasil estreou em que ano? Advinha: 1986. Ele durou até o começo dos anos 90 e aconteceu a mesma coisa que foi dito com os Transformers acima. A função final dos desenhos animados da década de 80 era sempre a mesma: vender bonecos.

 

Como o artigo ficou grande, precisei dividir em duas partes. Mas sairá ainda esta semana! Espero que tenha gostado!

Comentar