Caso repercutiu no Piauí · 15/07/2021 - 05h00

Após saída de animais do Zoobotânico, internautas sugerem colocar presos no lugar


Compartilhar Tweet 1



A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar) anunciou que vai fazer o esvaziamento e libertação dos animais do parque Zoobotânico de Teresina. A ação inédita no país e a Semar firmou parceria com a Confederação Brasileira de Proteção Animal e prepara um protocolo.

A notícia gerou grande repercussão no Piauí e logo internautas sugeriram que o local, que deve ficar vazio, seja ocupado por presos.

Sobre a ação da Semar
A medida é pioneira, uma vez que em nenhum lugar do país foi elaborado um documento que trace e regulamente os aspectos técnicos de segurança e bem estar físico e psicológico de transporte e transferência de animais cativos em zoológicos para santuários ecológicos.

A coletiva de imprensa contará com a presença, por videoconferência, da Presidente da Confederação Brasileira de Proteção Animal, Carolina Mourão.

A finalidade do parque após a liberação dos animais será relevada durante a entrevista.

Além da Confederação Brasileira de Proteção Animal, a outra instituição parceira do programa é a Força Aérea Brasileira (FAB), que irá colaborar com o transporte dos animais aos seus destinos definitivos de liberdade e convívio com a natureza.

“Entendemos que a associação de lazer e diversão com animais em recintos fechados está totalmente ultrapassada. O que a Semar busca com essa ação está em sintonia com as melhores práticas mundiais de bem-estar animal e conservação ambiental”, destaca a secretária do Meio Ambiente, Sádia Castro.

A Confederação está fazendo o levantamento dos santuários aptos a receberem esses animais. O corpo técnico da Semar está providenciando a regularização das espécies junto ao Sistema Nacional de Fauna Silvestre (Sisfauna) e elaborando as instruções normativas do protocolo de transferência.

Segundo a presidente da Confederação, Carol Mourão, esta inciativa é considerada precursora mesmo em âmbito internacional. “Acredito que esse protocolo subsidiará diversas outras ações com o mesmo objetivo. Por essa razão, a Confederação tem muito interesse em contribuir com o processo. Somos totalmente favoráveis ao desenvolvimento dessa parceria que irá viabilizar a operacionalização das transferências”, afirmou.

A ação foi inspirada na experiência exitosa e pioneira realizada entre o Estado do Piauí e a Confederação que conseguiu a transferência da ursa Marsha, posteriormente renomeada Rowena, para o santuário Rancho dos Gnomos, em Joanópolis (SP). A ursa foi transportada em um avião da Força Aérea Brasileira, fato que mereceu reconhecimento internacional.

A Semar está organizando e escalonando os grupos e espécies que serão transferidos paulatinamente durante o programa. Para dar início à operação, foram selecionados espécimes da família dos macacos barrigudos , espécie ameaçada de extinção, formada por cinco membros, entre os quais um filhote recém-nascido no próprio parque. Há, ainda, dois felinos de grande porte, a leoa Mimi e uma onça pintada.

De acordo com Sádia Castro, o objetivo é transferir todos os animais, sendo que os exóticos irão para santuários e os nativos reinseridos nas áreas de soltura certificadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

A ação está inserida no programa Bicho Solto, em execução pela Semar desde o início de 2021, que tem como objetivo reinserir animais silvestres e exóticos ao seu habitat natural. A primeira fase da campanha, voltada a animais silvestres, reinseriu 71 aves, entre ararinhas, jandaias, papagaios e periquitos. Na segunda fase, a ser realizada em 28 de julho, será a vez dos primatas. Depois, ocorrerá a reinserção dos felinos e, por último, dos répteis.

Comentários