Economia irá retornar? · 29/07/2021 - 10h00

Entenda quais são as tendências de trabalho para depois da pandemia


Compartilhar Tweet 1



Enquanto a vacinação acelera em todo o mundo, inclusive no Brasil, as empresas e profissionais começam a vislumbrar a volta da rotina sem pandemia. Mas, depois de tantos meses vivendo de uma forma, será que é possível retornar ao que era? Ou será que o distanciamento interferiu de maneira permanente no mercado de trabalho?

 

 

Embora pareça difícil prever o que está por vir, há alguns comportamentos que podem ser esperados. Veja quais são!

 

 

Modelo híbrido de trabalho

 

Antes da pandemia, havia empreendedores que não acreditavam no trabalho remoto. O fato de não poder supervisionar de perto os profissionais nem acompanhá-los no dia a dia gerava insegurança.

 

No entanto, por conta do fechamento temporário dos escritórios, eles precisaram rever essa postura. Apesar dos desafios do modelo de trabalho, ele se mostrou eficiente tanto para profissionais quanto para as empresas.

 

Segundo pesquisa do site Workana, 84,2% dos líderes desejam continuar com o sistema remoto, mesmo quando a volta aos escritórios for possível. Para eles, o equilíbrio entre vida pessoal e profissional traz muitas vantagens para todos.

 

Outro levantamento, feito com os colaboradores do Glassdoor, apontou que 70% acreditam que o modelo híbrido é o ideal. Ou seja, trabalhar alguns dias em casa e outros na empresa seria a melhor opção, já que é possível conciliar a vida pessoal, socializar com os colegas e manter o ritmo de produção.

 

 

Forma de se comunicar

 

Durante a pandemia, muitos profissionais perceberam que nem sempre a quantidade de reuniões significava produtividade. Tanto que se popularizou nas redes sociais o meme “a reunião que poderia ter sido um e-mail”. Ou seja, muitas vezes, os colaboradores se reuniam para discutir detalhes que poderiam ter sido tratados por mensagem.

 

Além disso, as reuniões digitais ganharam força - até porque, eram a única opção, em decorrência do distanciamento. Para os próximos anos, a expectativa é que os deslocamentos sejam menores, pois geram custos para as empresas e podem ser desnecessários. Afinal, existem várias opções de plataformas que permitem fazer videoconferência online de forma segura, prática e gratuita.

 

 

Carreiras de tecnologia

 

A tecnologia já estava presente na vida das pessoas antes da pandemia. Porém, grande parte dos negócios tiveram que acelerar o processo de digitalização para se manter de pé.

 

Segundo esta pesquisa divulgada na Forbes, cerca de 87,5% das empresas brasileiras realizaram alguma ação em direção à transformação digital no último ano. Isso inclui, por exemplo, restaurantes que se cadastraram em aplicativos para atender por delivery.

 

Diante dessa realidade, os profissionais de tecnologia, que já eram bastante demandados, ganharam ainda mais espaço. No Brasil, o déficit é ainda maior. De acordo com a consultoria IDC, faltam pelo menos 24 mil pessoas nesta área.

 

Essa falta explica também a valorização salarial, uma vez que os especialistas em tecnologia estão entre os profissionais que mais ganham no país. Por isso, aliás, está crescendo o número de bootcamps (espécie de curso intensivo) e outras formações de curta duração. Dessa forma, é possível aumentar o número de pessoas nessa área que, entre outras demandas, estão as de construir site, desenvolver aplicativos, extrair dados da internet e muito mais.

 

Como se vê, a pandemia acelerou muitos processos que estavam em andamento, e evidenciou o que poderia ser melhorado. Longas reuniões, especialmente presenciais, e dependência total do mercado offline, por exemplo, são comportamentos que tendem a ficar para trás. Isso é positivo para os profissionais e para as empresas. Pelo menos, esse período de desafios trouxe algumas soluções interessantes para o mercado!

 

 

 

Comentários