Dicas para empreendedores · 30/10/2020 - 18h00 | Última atualização em 30/10/2020 - 18h07

Black Friday vem aí: o que comerciantes e consumidores esperam da data


Compartilhar Tweet 1





Depois de meses com o comércio estagnado, por conta da pandemia do novo coronavírus, o mercado está ansioso pela Black Friday - que ocorrerá no dia 27 de novembro. No começo de outubro, as principais tendências para a data foram discutidas no evento on-line Temporada Black Friday¹, organizado pelo Google.

 

Embora o preço baixo seja um dos grandes atrativos para os consumidores comprarem, o encontro revelou que apenas isso não é suficiente para o público. De acordo com o Google, o volume de buscas por cupom é 35x maior do que cashback. A razão para essa diferença deve ser porque os brasileiros já estão acostumados ao termo “cupom de desconto”, enquanto “cashback”, mesmo tendo um sentido semelhante, é algo mais recente, sem contar que é inglês.

 

Veja quais são as expectativas dos empreendedores e do público para o próximo grande evento do varejo!

 

Mais compras digitais

 

Por conta do fechamento das lojas físicas, muitos brasileiros descobriram o comércio eletrônico este ano. Segundo informações do Ebit², no primeiro semestre, 7,3 milhões de pessoas compraram pela internet pela primeira vez, um aumento de 38% com relação a 2019.

 

Diante disso, a expectativa é alta para a Black Friday. Quem antes tinha insegurança para comprar on-line este ano pode dar uma chance para o evento, movimentando ainda mais os e-commerces.

 

Maior experiência

 

Por outro lado, quem já tem experiência em comprar on-line percebe quando uma promoção é vantajosa ou não. Esse aspecto somado ao fato de que os consumidores estão prevendo as prioridades - depois de terem passado pelo isolado - pode fazer com que as exigência sejam ainda maiores.

 

Do lado das empresas, a Black Friday pode ser um momento para divulgar descontos realmente atraentes, lançarem novos produtos e conquistar os clientes.

 

 

Intenção de compra

Existem alguns produtos que costumam ser mais buscados durante a Black Friday. Entre agosto e setembro deste ano, diversas categorias analisadas pelo Google já eram mais buscadas do que durante a Black Friday de 2019.

 

Os produtos das categorias de televisores, eletrodomésticos, telefonia, móveis e decoração lideram as buscas mais uma vez. A surpresa é o segmento de comidas e bebidas - que sofreu aumento de preços nos últimos meses. Os consumidores estão procurando 40% e 23% mais por esses itens do que no mesmo período do ano passado. A expectativa, então, é que no evento deste ano haja um aumento nessas vendas, mesmo sendo uma importante data comercial no meio da pandemia³.

 

Retomada das lojas

Embora o comércio eletrônico seja o grande destaque da Black Friday no Brasil, as lojas físicas neste ano terão uma importância maior. Muitos comerciantes estão aguardando a oportunidade para voltar a receber os consumidores.

 

Ainda assim, a internet pode ser uma aliada no processo. As Lojas Cem Online⁴ são um exemplo disso. No ano passado, a rede de eletrodomésticos anunciou no site e nos catálogos digitais as promoções. No entanto, a empresa não vende pela internet. A divulgação foi feita para levar os clientes até às lojas físicas.

 

Em comércios como Leroy Merlin, Magazine Luiza e Carrefour a compra pode ser feita de forma omnichannel, ou seja, em dois canais. A pessoa pode comprar pelo internet e retirar o produto na loja, se for mais fácil para ela.

 

Como visto, a Black Friday é o fôlego que os comerciantes e consumidores precisam. De acordo com as informações já divulgadas pelo Google, mais pessoas estão comprando pela internet e interessadas em comprar comidas e bebidas, além dos produtos mais buscados nos anos passados. Por sua vez, as empresas podem aproveitar a oportunidade para fazer ótimos negócios, lançar produtos e se aproximar de quem estava distante das compras, por causa da pandemia.

 

 

Fontes:

 

1:https://canaltech.com.br/black-friday/google-tendencias-black-friday-2020-172606/

 

2:https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2020/08/27/comrcio-eletrnico-fatura-r-388-bilhes-no-1-semestre-e-tem-alta-recorde-de-47-pontos-percentuais.ghtml

 

3:https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2020/10/08/internas_economia,1192483/black-friday-brasil-em-meio-a-pandemia-como-sera-este-ano.shtml

 

4:https://www.portafolhetos.com.br/lojas-cem/


Comentários