Datado a 230 milhões de anos · 26/12/2019 - 10h50

Fóssil primeiro dinossauro carnívoro da Terra é encontrado no Brasil


Compartilhar Tweet 1



Um fóssil encontrado na cidade de São João do Polêsine, no Rio Grande do Sul, pode ser do dinossauro carnívoro mais antigo da Terra. Datado a 230 milhões de anos atrás, o recém-nomeado Gnathovorax cabreirai viveu em uma área florestal durante o período Triássico, quando a América do Sul ainda fazia parte do supercontinente Pangeia. As informações são do Canaltech.

O esqueleto, que está em um incrível estado de conservação, é de um predador que caçava os ancestrais dos mamíferos que conhecemos hoje. A descoberta foi feita pela equipe do paleontólogo Rodrigo Muller, que estava trabalhando em uma cidade vizinha em 2014. Seus ajudantes foram achando as ossadas e enviando imagens à medida em que elas iam aparecendo. "Você já podia ver o fêmur, parte da cabeça, o crânio", dizia Muller, que estava terminando o curso na época. "Nós praticamente não temos esse tipo de dinossauro aqui. É muito raro e emocionante", comentou.

O animal morreu em uma planície de inundação, permitindo que os sedimentos de um rio próximo cobrissem seu esqueleto e criassem um fóssil incrivelmente intacto. A preservação quase perfeita dos ossos do dinossauro revelou uma caixa cerebral não danificada, algo extremamente raro que permitiu à equipe reconstruir o cérebro do réptil com tomografias computadorizadas.

Detalhes revelam predador voraz

Crânio do carnívoro brasileiro
Crânio do carnívoro brasileiro    Rodrigo Müller

 

A estrutura revela que essa espécie era um predador ativo, com boa visão, foco e equilíbrio, características que a ajudaram a usar dentes afiados e serrilhados e garras longas para capturar suas presas.

O fóssil também possui cicatrizes visíveis nos pontos de inserção muscular, o que permitirá à equipe reconstruir sua musculatura para entender como ele se moveu e se movimentou. "Agora, quando vamos estudar a anatomia de outros dinossauros, isso definitivamente funcionará como base para esse trabalho", diz Muller.

 


Comentários