Compartilhar Tweet 1



Uma das aves mais raras e ameaçadas de extinção do Brasil foi encontrada por pesquisadores pela primeira vez desde o final da década de 1970: o mutum-pinima foi localizado na região do mosaico do Gurupi, no Maranhão. Trata-se, segundo especialistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), de uma das espécies pertencentes à família dos cracídeos mais ameaçadas em todo o mundo.

O analista ambiental do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave) do ICMBio, Diego Mendes, fez parte da expedição que partiu em busca do mutum-pinima. Ele conta que foram encontrados dois exemplares da espécie: um macho e uma fêmea, que foram registrados pela primeira vez em cerca de 40 anos. Os pesquisadores do ICMBio também gravaram um áudio com o canto da ave.

A expedição também foi uma oportunidade de colher, com o auxílio de indígenas da região, dados a respeito da espécie, como hábitos de alimentação, repouso e reprodução. Cada uma dessas informações poderá auxiliar nas futuras expedições de busca, de acordo com o analista ambiental do Cemave, Emanuel Barreto. “Um casamento perfeito entre conhecimento científico e conhecimento tradicional dos povos indígenas, auxiliando na conservação desta espécie", ressalta.

    Foto: Emanuel Barreto

Luta contra a extinção
De acordo com o ICMBio, o desmatamento e a caça são as principais razões pelas quais o mutum-pinima é uma das espécies mais ameaçadas em todo o mundo. A criação em cativeiro – medida que o Brasil possui estrutura e criadores experientes para executar – é uma das maneiras mais “eficientes e comprovadamente reconhecidas, uma salvaguarda de longo prazo”, informa o instituto.


Fonte: Governo do Brasil, com informações do ICMBio
Cuidadores pedem ajuda · 05/12/2017 - 16h28

Cadela perde todos os filhotes após ser atropelada em Parnaíba


Compartilhar Tweet 1



Uma cadela perdeu todos os filhotes após ser atropelada por um veículo no bairro São José, em Parnaíba, cidade no norte do Estado.

Resgatada pelo grupo Protetores de Animais de Parnaíba, a cadela foi internada em estado grave.

Após passar por uma cirurgia, os veterinários removeram o útero do animal. Dos filhotes, apenas um ainda estava com vida, mas não resistiu e morreu nesta madrugada de terça-feira (05/12).

Os cuidadores que resgataram a cadela agora fazem campanha nas redes sociais para ajudar nos custos do tratamento. A situação da cadela ainda é complicada, apensar de estável. Somente a cirurgia custou R$ 450,00.

Ainda não há informações sobre o motorista que atropelou o animal.

As doações podem ser feitas através de transferência. Banco do Brasil, Conta 49277- 9, Agência 0023 - X; ou Caixa Econômica, Conta:00033131-0, Agência 0030, Operação 023.

Será levada para um santuário · 12/11/2017 - 22h14 | Última atualização em 12/11/2017 - 22h28

Ursa Marsha | Polêmica sobre transferência do animal é destaque no Fantástico


Compartilhar Tweet 1



A polêmica em torno da transferência da Ursa Marsha, de 32 anos, que vive no Zoobotânico de Teresina, foi destaque na edição deste domingo (12/11) do Fantástico, da Rede Globo. 

A reportagem de Neyara Pinheiro deu ênfase à decisão da Justiça Federal, provocada por uma ação civil pública, determinando que a ursa seja levada para um santuário no interior de São Paulo, onde viveria em clima mais ameno, em condições menos adversa, mais próximas de seu habitat natural.

Clique na imagem para assistir à reportagem
Clique na imagem para assistir à reportagem 

A ação, movida pela jornalista e ativista Carolina Mourão, aduz que a ursa sofre maus-tratos, principalmente pela alimentação servida, em alguns casos, ração de cachorro.

Representantes do Zoobotânico ouvidos na reportagem confirmam que a ursa come ração, mas como fonte de proteína e opção de manejo, já que nos 20 anos que viveu em um circo, rodando Norte e Nordeste, foi assim alimentada.

Apesar do consenso quando à necessidade do animal viver em clima agradável, especialistas divergem sobre o destino da ursa. Para alguns, o recinto com fosso, jatos d'água e "piscina" é suficiente para garantir o bem estar de Marsha.

Mas para o biólogo Frank Alarcón, a situação da ursa é controversa, e acredita ser improcedente que o animal tenha de fato qualidade de vida.

 

Protetores pedem doações · 07/11/2017 - 17h01 | Última atualização em 07/11/2017 - 17h03

PHB | Com dívida em clínica, grupo suspende resgate de animais


Compartilhar Tweet 1



O grupo Protetores de Animais de Parnaíba teve de interromper os resgates de animais que realiza na cidade.

Com dívida de quase R$ 600,00 na clínica Saúde Animal que atende os cães e gatos resgatados, o estabelecimento não recebe mais animais levados pelo grupo, até que a dívida seja zerada.

Por conta da interrupção no trabalho dos protetores, um filhote de gato que apresenta ferimentos graves no pescoço, não pode ainda receber atendimento.

"Infelizmente não podemos ajudar enquanto não pagarmos", diz o grupo em post no Facebook, pedindo ajuda dos seguidores através de doações para que a dívida seja paga.

Brechó solidário
No próximo dia 11 o grupo irá realizar um brechó, cuja renda será destinada ao pagamento de consultas, exames e tratamento de animais resgatados, e também na compra de ração para os cães e gatos acolhidos pelos protetores.

Doações de roupas, calçados, bolsas e bijuterias podem ser feitas ainda durante essa semana. Mais informações pelo telefone (86) 99964-6149.

 


Compartilhar Tweet 1



A Peste Suína Clássica, também conhecida como peste suína, cólera suína ou febre suína clássica é uma doença infecciosa, altamente contagiosa causada por um vírus que acomete suínos domésticos e silvestres. É ainda uma enfermidade de notificação compulsória para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) por apresentar alta morbidez e mortalidade, o que repercute em significativas consequências ao bem-estar animal e prejuízos socioeconômicos, sanitários e ambientais.

Em Picos, no escritório da Agência de Defesa Agropecuária do Piauí (ADAPI), não há nenhuma notificação da doença, mas de acordo com o veterinário Edilton Pedro da Silva, é preciso estar atento à saúde dos animais.

Edilton Pedro Silva – Foto: Fabrício Sousa
Edilton Pedro Silva – Foto: Fabrício Sousa 

“Não foi ainda intensificado o trabalho da peste suína clássica, estamos no trabalho de divulgação do controle, não chegamos ainda às propriedades ou pelo menos criadores não chegaram a comentar com a gente alguma sintomatologia com relação à suspeita da doença”, revela o veterinário.

Sintomas da Peste Suína Clássica

Forma aguda
Febre alta, animais amontoados; lesões hemorrágicas (avermelhadas) na pele e extremidades (orelhas, membros, focinho e cauda); falta de apetite e fraqueza; conjuntivite (inflamação nos olhos); alta mortalidade, podendo ocorrer em 5 a 14 dias após o início da doença.

Forma crônica
Apetite irregular, febre, diarreia, recuperação aparente com recaída posterior e morte; problemas reprodutivos (aborto, natimorto, e repetição de cio); nascimento de leitões fracos e debilitados; retardo no crescimento e morte.


Fonte: Grande Picos
'Como se tivesse uma tromba' · 04/11/2017 - 15h53 | Última atualização em 04/11/2017 - 17h05

Porco nasce sem boca, com único olho e desperta curiosidade no Piauí


Compartilhar Tweet 1



Um fato inusitado chamou a atenção dos campomaiorenses nesta sexta-feira (03/11). Um porco nasceu em uma residência no Bairro Matadouro sem boca e com apenas um olho. Segundo informações, o animal já nasceu morto. As imagens estão circulando nas redes sociais e causando curiosidade entre os internautas.

“O dono do animal mora próximo da minha casa, e me chamou para ver. É como se o animal tivesse uma tromba e não um nariz normal de porco, é bem esquisito”, comentou Maercio Bona.

Ainda não se sabe o que pode causar essas anomalias, mas, provavelmente, seja em decorrência de alterações genéticas durante a gestação.

 


Fonte: Portal De Olho
Ação tem apoio da PMT · 28/10/2017 - 08h15

Apipa vai realizar feira de adoção neste sábado, na Potycabana


Compartilhar Tweet 1



A Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (APIPA), vai realizar neste sábado (28/10), no Parque Potycabana, uma feira de adoção com cães e gatos adultos e castrados, abrigados pela entidade.

A ação começa a partir das 16h.

Os interessados em adotar um animal devem levar cópia do comprovante de residência, do documento de identidade, foto 3x4, ser maior de 18 anos, e terão ainda de preencher uma ficha de adoção.

Devem ainda levar coleira ou guia para os cães, e caixa de transporte para os gatos.

A feira tem apoio da Prefeitura de Teresina e do grupo Anjos Sem Asas.

 


Compartilhar Tweet 1



Caminhada ao ar livre e interação com plantas e animais. Parece passeio de fim de semana, mas é só mais um dia de aula. Ao menos para os alunos de escolas que adotam o contato com a natureza como ferramenta pedagógica. Segundo os professores desses colégios, a estratégia não só estimula o respeito pelo meio ambiente como ajuda no desenvolvimento do senso de responsabilidade e até na adoção de hábitos alimentares mais saudáveis.

Na fazendinha da escola infantil Arara Azul (entre o Park Way e Águas Claras), os alunos entram em contato com pôneis, minivaca — da qual tiram leite —, pavão, jabuti, galinhas e, claro, arara-azul, a mascote do local. Fernanda de Paula, mãe de Bento, 4 anos, elogia o método, que, segundo ela, proporciona um contato com animais que as crianças da cidade pouco veem. “É muito mais fácil entender como o bichinho se comporta, vive e se alimenta se há contato com ele. É diferente do livro”, ressalta.

Coordenadora pedagógica da instituição, Michelli Domingos concorda. “A criança começa a estabelecer o respeito do ser humano com o animal. O cuidar da natureza só começa quando a criança convive com isso”, diz. E não há dúvida de que os pequenos amam. Às sextas-feiras, quando visitam a fazendinha, são os dias preferidos dos alunos, especialmente agora, quando estão apaixonados pela filhote de pônei Amora, nascida no mês passado. Como é o caso da estudante Ana Luiza, que adora passear com os animais.

    Foto: Correio Braziliense

A potrinha Amora é filhote de dois dos bichos mais queridos pelos alunos, os pôneis Lola e Alazão, que garantem muitos passeios divertidos. O nome do animalzinho foi escolhido por meio de votação na internet que mobilizou toda a comunidade escolar.

Para especialistas em desenvolvimento infantil, esse tipo de atividade constante certamente traz outros benefícios para os pequenos. “As crianças podem apresentar ganhos nas habilidades sociais e na integração emocional”, analisa Renata Fernandes, neuropsicóloga e especialista em terapia cognitiva comportamental. Segundo ela, a relação respeitosa com os animais também ajuda o aluno a assumir mais responsabilidade, a ter mais iniciativa e a melhorar a autoestima. “Além de ajudar a estimular a fala, estabelecer vínculos terapêuticos e fortalecer o desenvolvimento sensorial”, enumera.

Coelhos amados

Outra escola que oferece um espaço semelhante é o La Salle, também em Águas Claras. Lá as visitas são semanais e os estudantes têm contato com animais maiores, como avestruz, porcos e ovelhas. Mas o preferido das crianças são os coelhinhos. O supervisor agropecuário e responsável por orientar os alunos nos passeios, Pedro Eloi Welter, diz que, por serem menores e fazerem parte do imaginário das crianças, os bichinhos de orelhas compridas recebem mais atenção. “Todos amam, porque são os mais carinhosos, mais fáceis de se adaptar”, explica.

A coordenadora do ensino infantil da escola, Daniela Maurício de Almeida, também ressalta a lição de respeito à natureza que essa experiência traz. Segundo ela, ao manter contato com os bichos, a criança entende que ela faz parte da biodiversidade e começa a aprender a importância de preservar. “E criança aprende muito rápido”, garante.

Daniela ressalta ainda que, antes de passarem a visitar a fazendinha, os alunos recebem um preparo prévio, para que não estranhem o ambiente. “Toda semana, eles fazem esse contato, mas antes aprendem na sala de aula a teoria, para chegarem mais preparados”, detalha.

    Foto: Correio Braziliense

Todo cuidado

Para que os bichos não fiquem estressados com a presença de tantos alunos, Pedro Eloi Welter explica para as crianças como se comportar na hora da visita e o quanto é importante ter cuidado com os animais. “A gente ensina que estamos entrando na casa deles, então, não pode ter barulho nem muita movimentação na hora do contato. Cada animal tem seu hábitat e exige um cuidado diferente”, aponta. Além disso, as escolas contam com veterinários e cuidadores para que não haja maltrato.


Fonte: Com informações do Correio Braziliense
450 m² de área · 26/10/2017 - 11h44 | Última atualização em 26/10/2017 - 12h01

Zoobotânico de Teresina tem o maior recinto para ursos no Brasil


Compartilhar Tweet 1



O Parque Zoobotânico de Teresina possui o maior recinto para abrigar ursos no Brasil. São 450 metros quadrados, área de cambeamento (local onde o animal é confinado de forma segura), duas maternidades, duas piscinas e aspersores de água para amenizar o calor, especialmente no período mais quente do ano, entre setembro e dezembro. Além disso, o espaço de exposição é arborizado.

É neste local que vive a ursa Marsha da espécie parda. Ela tem 26 anos e pesa 210 kg. Chegou ao Zoobotânico em setembro de 2011, resgatada do Circo d'Itália, que estava no Pará, em agosto daquele ano; Marsha vivia em uma jaula de dois metros quadrados. “O espaço onde está a ursa, assim como os demais recintos do parque, cumprem as determinações estabelecidas pelas resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) e também pelo Ibama, no que diz respeito ao confinamento. A Marsha é bem cuidada e recebe alimentação adequada. Temos médicos veterinários, biólogos, nutricionistas e tratadores treinados para desenvolver as atividades de atendimento aos animais”, garante o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Ziza Carvalho, que solicitou oficialmente ao Conselho Regional de Medicina Veterinária uma avaliação da ursa por um profissional isento.

Funcionário do Zoobotânico, o biólogo Celso Mendes falou sobre a alimentação do animal. “Diariamente a ursa é alimentada com cerca de 15 kg de alimentos, que conta com carne de frango, frutas legumes e verduras. Além disso, recebe complementação de proteína, por meio de ração. Este tipo de alimento a Marsha já recebia quando estava no circo e nós mantivemos porque já estava habituada a comer e não faz mal à sua saúde", informou.

O coordenador do Parque, José Renato Uchôa, explica que, infelzmente, Marsha apresenta estresse adquirido enquanto estava no circo. “Este animal passou 20 anos rodando o país, em uma jaula pequena. E ela já é idosa, tem 26 anos, o cansaço é da idade. Nós cuidamos muito bem dela. Qualquer pessoa interessada em conhecer sua rotina, sua dieta, pode nos procurar para ter mais informações”, ressalta Jósé Renato.

Unidade de Conservação

O Parque Zoobotânico compreende uma área de 136 hectares, no coração da capital do Piauí, Teresina. Sua vegetação predominante é caracterizada por floresta estacional semidecídua mista com floresta dicótilo/palmácea, além de mata ciliar nas margens do rio Poti e riachos.

No parque é possível encontrar as mais variadas espécies típicas de áreas de transição entre os biomas da amazônia, cerrado e caatinga, com destaque para palmáceas mais frequentes, sendo o babaçu, a macaúba, o tucum, o pati e árvores como jatobá, sapucaia, angico branco, chichá, gonçalo alves, mororó, pitombeira, violeta, ipê-amarelo, embaúba e outras.

Com uma rica fauna e flora, o Parque Estadual Zoobotânico foi  enquadrado na categoria de Unidade de Conservação estabelecida na Lei do SEUC/SNUC. Decreto assinado pelo governador Wellington Dias e o Secretário Ziza Carvalho no último dia 17 de outubro, no Theatro 4 de Setembro.


Fonte: Prefeitura de Teresina - Ascom
Hulk entrou com os padrinhos · 14/10/2017 - 12h19 | Última atualização em 15/10/2017 - 11h26

Cachorro entra de penetra em cerimônia de casamento em Teresina


Compartilhar Tweet 1



Por Apoliana Oliveira
 

- E se um cachorro entrasse de penetra no seu casamento?


Na última semana o vira-lata Snoop conquistou os internautas, após "entrar sem convite" no casamento da servidora Marília Pieroni e do projetista Matheus Martins, no interior de São Paulo. Para se abrigar da chuva, o animal não só invadiu a cerimônia, como resolveu descansar no véu da noiva.

Após participar da festa, o cachorro sumiu, mas quando o casal voltou da lua de mel, Snoop foi adotado.

Pois no Piauí, um caso bem parecido foi registrado na última quinta-feira (12/10), durante o casamento da empresária Luiza Freitas e do advogado Lucas Adalicio, na igreja do Bairro Morada do Sol. No momento da entrada dos padrinhos, a presença de um pit bull chamou a atenção dos convidados.

"Tivemos uma participação especial de um dog lindo que estava na dúvida se era padrinho ou pajem do casamento", comentou Luiza, em postagem feita no seu Instagram.

Falamos com a noiva por telefone. Ela contou que antes de sair do carro, já havia percebido a movimentação próximo à grade da igreja, e até pensou que fosse um gatinho. "O pessoal me contou que na hora que ele entrou com a minha madrinha, fez o caminho todo e foi sentar perto da banda", relata.

Luiza diz que foi avisada pelo marido sobre a presença do animal. "Meu marido disse, 'Luiza tu não vai acreditar, entrou um cachorro na igreja'. A cerimônia rolando, eu olho para o lado, ele lindo, pleno, do tamanho do mundo, maravilhoso. Eu morrendo de vontade de rir e o padre seríssimo. Mas ele [cachorro] estava super à vontade, acho que estava com calor e aproveitou o ar-condicionado da igreja. Não atrapalhou em nada, foi super engraçado", diz a empresária.

Registros do momento foram postadas também pela fotógrafa Kátia Barbosa. "Esse 'moço' aí, apareceu sem ser convidado, mas foi a 'atração' do casamento da @luiza_aafreitas e Lucas, que amaram a presença dele", contou. Ela ainda garantiu que o animal esteve o tempo todo comportado durante a cerimônia.

 

[♡]

Uma publicação compartilhada por Kátia Barbosa Fotógrafa (@katiabarbosafotografia) em

A jovem Isadora Maia, que resgatou o animal, disse que ficou preocupada ao ver que alguns convidados tentavam retirar o cachorro da igreja, pois imaginava que o mesmo estava perdido, e então decidiu pegá-lo, na intenção de tentar localizar o dono. Nas redes sociais, ela divulgou um aviso, com seu contato telefônico, e felizmente neste sábado (14), o pit bull conseguiu voltar para casa.

Postagem feita por Isadora, que ajudou Hulk a voltar para casa
Postagem feita por Isadora, que ajudou Hulk a voltar para casa 

Dono do pit bull, Valber Nóbrega disse ao 180 que Hulk fugiu naquele dia 12, pela manhã, e afirma que o animal sempre foi dócil. "Ele nunca foi criado preso", explica. O reencontro foi graças à postagem feita por Isadora no Instagram. Ele estava viajando, e soube através de um amigo que o cão havia fugido. Os registros do casamento que deixaram seu pet famoso nas redes sociais, ele ainda não viu.

Mais um final feliz, para os noivos, e para Hulk.

    Foto: Katia Barbosa Fotografias

 

Momento de carinho e distração · 30/09/2017 - 15h32

Animais atuam como terapeutas no tratamento de doenças


Compartilhar Tweet 1



A cadelinha da raça Shih-Tzu Milli passeia abanando o rabo entre os corredores do Hospital de Apoio (HAB), na Asa Norte, em Brasília. Com banho tomado e lacinhos nas orelhinhas, está pronta para proporcionar um momento de carinho e distração aos pacientes atendidos na unidade.

Quando ela passa, a mudança no clima hospitalar é evidente: funcionários e pacientes são todos sorrisos e querem brincar com Milli. A cadela de três anos foi a primeira voluntária do projeto Pet Amigo, iniciativa que promove visitas quinzenais e ajuda na recuperação de pacientes com câncer em estágio avançado e em recuperação de sequelas de acidentes.

Uma das primeiras pacientes a ser visitada pela cachorrinha é Andreia Cristina, de 33 anos. Ela está internada há cinco meses no HAB. Há cerca de quatro anos, Andreia faz tratamento contra o câncer. “Já tirei o útero, ovário, trompas, intestino e outros órgãos. A vida segue. Me deram apenas até julho para viver, mas ainda tô aqui. Quem sabe fico até julho do ano que vem”, profetiza. Seu rosto se ilumina com a presença de Milli e outros cachorrinhos em sua maca.

Desde de 2016, os pacientes do HAB têm recebido a visita de cachorros de estimação como forma de terapia. A iniciativa foi ideia de uma veterinária, que já era voluntária no hospital e é a atual presidente da organização não governamenal (ONG) Pet Amigo, Nayara Brea. O projeto conta com 27 voluntários e 15 cães.

Andreia, que sempre gostou de animais e tinha cachorros antes de adoecer, acredita que esse tipo de terapia faz bem para o seu tratamento. “Por eu amar, por eu ter um, a visita deles e o carinho é muito bom. Durante o momento que eles estão aqui, a gente nem lembra do problema pelo qual a gente está passando, depois a gente sabe que volta, mas aquele momento com eles é sagrado”, conta emocionada.

Para a dona da cadela Milli, a assistente social Márcia Brea, a visita faz com que os pacientes evoquem memórias felizes do contato com animais. “Há uma transferência de afeto natural do cachorro. Ele não cobra, ele não julga, então ele não pergunta da doença”, explica.

Pet Terapia
O membro do Conselho Nacional de Medicina Veterinária (CNMV) Nordman Wall conta que um dos focos da medicina veterinária é justamente trabalhar a saúde do animal na relação com o ser humano. A premissa se enquadra dentro do conceito de saúde única, defendido pelo conselho, que fundamentou o novo Código de Ética do Médico Veterinário publicado em setembro, mês em que se comemora o Dia do Médico Veterinário.

“Eu acho que essa é a maior missão que o médico veterinário tem: preservar essa boa relação entre o homem, o animal e o meio ambiente”, diz Wall.

Segundo o conselheiro, o veterinário não atua apenas para tratar doenças físicas do animal, mas preconiza também seu bem-estar psicológico, que sofre influência da relação com o ser humano. “Temos hoje diversos trabalhos apresentados sobre uma maior qualidade de vida quando você tem um animal dentro de casa, em doenças como o Alzheimer ou limitantes como paralisia cerebral”, destaca Wall.

Esse tipo de tratamento é conhecido como Terapia Assistida por Animais (TAA), ou pet terapia. Além de cães, outros animais como coelhos, tartarugas e até répteis também podem participar. “Esse projeto usa cachorros, mas existem projetos com outros animais para a melhora clínica de patologias humanas, a gente chama isso de zooterapia. Eu acredito que esse tipo de interação melhora patologias do animal também”, declara uma das veterinárias do projeto, Marcela Oliveira Marques.

De acordo Marcela, a interação dos cães com o ser humano é uma troca de energia mútua e por isso a terapia pode ser benéfica também para os animais. “Os cães aprendem a conviver, ficar mais calmos e a controlar a ansiedade. São animais que se tornam mais dóceis em casa”, explica. Para ela, todos ganham com esse tipo de ação, até os veterinários. “A gente acaba trocando essa energia fora do comum e sai com uma energia renovada”, completa.

Cão voluntário
Marcela explica que os cachorros precisam passar por alguns testes antes de se tornarem voluntários. A intenção é comprovar quesitos de saúde e de comportamento. Na lista estão pontos como: os animais devem ser sociáveis e gostar mais de gente do que de outros animais, já que as visitas são feitas em grupo (com outros cachorros); estar em dia com a vacinação e devidamente vermifugado, exigência dos hospitais e controle de zoonoses; usar coleira contra a leischmaniose; atender a alguns comandos básicos de adestramento, como senta, deita e fica; e tomar banho 24 horas antes da visita. Além disso, os donos também precisam assumir o compromisso de adestrá-los e acompanhá-los nas visitas.

Para Maria Cristina Scandiuzzi, diretora de Atenção à Saúde do HAB, os cachorros trazem alegria para os pacientes e para os funcionários. Ela explica que, na área de cuidados paliativos oncológicos, onde as pessoas estão vivendo seus últimos dias de vida, muitos enfrentam dores fortes e outros sintomas comuns ao paciente terminal. “A gente percebe que o cachorro é um facilitador da comunicação da equipe de saúde com o paciente, muitas vezes eles [os pacientes] não se abrem diante do sofrimento e da dor”, diz.

Segundo Cristina, a visita do animal é benéfica em diversas situações, além de evocar a memória afetiva. “Para os pacientes que têm grandes incapacidades, que estão em reabilitação, também tem a questão do movimento que o cachorro traz. Além da alegria, principalmente para o público mais jovem que vem de situação de vulnerabilidade social”, declara Cristina Scandiuzzi.

Outra médica veterinária que integra o projeto é Vanessa Viegas. Ela conta que existem estudos nacionais e internacionais que demonstram os benefícios do contato do cão ou de qualquer outro animal com a pessoa hospitalizada ou em asilo. “A gente tem tanto benefícios físicos imediatos – como uma baixa da frequência cardíaca e pressão arterial –, como emocionais e psicológicos. A pessoa diminui o estresse, aumenta a formação de vínculo e de confiança”, explica.

Vanessa explica que a literatura sobre terapia com animais recomenda visitas de aproximadamente uma hora e meia, com descanso a cada 40 minutos para evitar que ele se estresse.

Equoterapia
Ainda com relação à terapia com animais, a fisioterapeuta Alessandra Prieto, da Associação Nacional de Equoterapia (Ande), explica que na terapia com cavalos, os animais são usados como agente para ganhos motores, emocionais, psicológicos e comportamentais. “A gente usa aqui o termo praticantes e não pacientes. A grande maioria dos casos que atendemos aqui são os transtornos do espectro autista e os indivíduos com paralisia cerebral, mas também temos síndrome de Down, dislexia e outros”, explica.

Alessandra conta que, assim como ocorre com os cachorros, os cavalos que participam da equoterapia também se beneficiam. “Falando de transtornos como o autismo, por exemplo, a gente observa praticantes que não se vinculam com o mediador, às vezes nem com o familiar, mas a gente observa uma grande entrega ao cavalo. E isso também beneficia o animal. O cavalo te aceita do jeito que você é, independentemente de você ser marginalizado pela sociedade”, declara.


Fonte: Agência Brasil

Compartilhar Tweet 1



O grupo Protetores de Animais de Parnaíba está pedindo ajuda em sua página no Facebook, para custear o resgate de uma gata que foi resgatada na cidade.

O animal estava quase sem vida.

Levada para atendimento no veterinário, descobriu-se que a gata possui, dentre outros problemas, distúrbios no sistema urinário.

Tratado, o animal já está melhor em seu quadro de saúde, mas o grupo, que já tem diversas dívidas por conta do resgate de animais abandonados, precisa de ajuda para custear o atendimento clínico e tratamento.

Doações podem ser feitas através da conta 49277-9, agência 0023 - X, do Banco do Brasil.

 

Imagens viralizaram na Web · 19/09/2017 - 18h18 | Última atualização em 19/09/2017 - 18h39

'Velório' de gato no interior do Piauí ganha repercussão nas redes sociais


Compartilhar Tweet 1



Uma família contratou uma funerária para realizar a preparação do corpo de um gato de estimação e o caso ganhou muito repercussão nas redes sociais.  O fato inusitado aconteceu no município de Picos no último domingo (17/09), mas já é bastante comum no Brasil e no mundo.

A funerária disponibilizou um pequeno caixão branco e preparou o corpo para família que ficou sensibilizada com a morte do bichano.

O gato estava na família há 14 anos e os donos resolveram fazer esta homenagem. As fotos da preparação do corpo do animal repercutiram rapidamente nas redes sociais e dividiu a opinião dos internautas.

O dono chegou a informar que não se tratou de um velório, apenas da preparação do animais para enterro, e que o valor do procedimento é cerca de R$ 500.

Foto: Divulgação / Facebook
  Foto: Divulgação / Facebook

 

Ação durou cerca de três horas · 04/09/2017 - 13h05 | Última atualização em 04/09/2017 - 16h42

Gata fica presa em motor de carro e bombeiros realizam resgate em THE


Compartilhar Tweet 1



O proprietário de um veículo, em Teresina, precisou se dirigir nesse domingo (03/09), ao quartel do corpo de Bombeiros para pedir ajuda e retirar uma gata que ficou presa no motor do seu carro.

Os bombeiros ajudaram no resgate e o animal estava assustado, tentando morder a todo momento, então chamaram o veterinário Jammyr Monteiro, para fazer a sedação e retirá-la do local.

Em conversa com o 180graus, o veterinário disse que recebeu o chamado para o resgate na tarde de ontem. Ele levou medicações anestésicas para ajudar na retirada e também para evitar dor, já que a mesma permanecia no local há um bom tempo.

Ela estava com a cabeça presa em uma fissura na lataria do carro e felizmente era numa região onde não tinha engrenagens, o que facilitou o trabalho e não pôs a vida do animal em risco.

"Apliquei relaxante muscular com tranquilizante, depois um anestésico. Em menos de 5 minutos conseguimos retira-la ilesa, só tivemos que desmontar alguns componentes do carro como bateria e farol. Apliquei medicações injetáveis como antibiótico, anti inflamatório e dei banho. Mas os animais da rua são muito ariscos, assim que ela recuperou totalmente da anestesia, fugiu pulando o muro, eu havia levado para minha casa depois do resgate", declarou o Jammyr.


Compartilhar Tweet 1



Entre os dias 26 de agosto e 03 de setembro acontece no Teresina Shopping, a exposição “Toy Dog Art”, que contará com as esculturas produzidas pelos alunos do Atelier Luciana Severo Kids de Teresina em parceria com o escritório de artes Sciacco Studio de São Paulo.

Serão apresentadas 60 esculturas em fibra de vidro de cachorros vira-lata, customizadas por crianças de 5 a 12 anos, como as artes do ator mirim do canal Gloob, Luigi Montez.

A exposição tem como objetivo conscientizar as pessoas sobre o abandono de animais e também sobre a necessidade se mudar essa realidade.

Em Teresina, pessoas como o humorista Jackstênio, a apresentadora Alexandra Teodoro, o colunista Péricles Mendel, o cantor Frank Aguiar entre outros serão algumas das personalidades que também terão o trabalho apresentado.

Para Luciana Severo, artista plástica, professora e organizadora da exposição; o evento é importante, pois estimula os alunos a desenvolverem o senso crítico, além da questão social. “Esse evento é muito importante para as crianças, pois estarão estreando no mundo das artes plásticas e eu como professora fico extremamente feliz em trazer essa exposição nacional para Teresina. Paralelo a isso, tem a questão de educar as crianças para o cuidado com os animais, em especial os cachorros”, finaliza a professora.


Fonte: Com informações da assessoria

Compartilhar Tweet 1



Foi operado na semana passada o cão vira-lata que por pouco não morreu, após ter o pescoço dilacerado por uma linha com cerol. Segundo o grupo Protetores de Animais de Parnaíba, o animal, que ganhou nome de Guerreiro, passa bem, e em breve poderá ser adotado.

A situação do cachorro comoveu nas redes sociais, principalmente pelas fortes imagens. Era até difícil acreditar na recuperação de Guerreiro.

Mas após ser isolado pela equipe de veterinários, para evitar infecções, e agora já conseguindo se alimentar, apresenta boa recuperação.

Contudo, ele ainda permanece internado e precisando de cuidados.

Segundo o grupo, são altas as despesas para o tratamento do cachorro.



As doações podem ser feitas na Clínica Saúde Animal, em Parnaíba, ou através de transferência ou depósito, nas contas: Banco do Brasil - CC 49277-9/ Agência: 0023 - X ou Caixa - CC 00033131-0/ Agência: 0030/ Operação: 023

Ambientalistas denunciam · 17/08/2017 - 09h38 | Última atualização em 17/08/2017 - 09h38

Filhote de golfinho morre ao ser tirado da água por turistas para fazer selfie


Compartilhar Tweet 1



Na praia de Mocajar, na Espanha, um golfinho filhote morreu após turistas retirá-lo da água para tirar selfie. O animal sofreu um estresse, segundo os ambientalistas do grupo Equinac e do 'Metro' e não resistiu.

O grupo ambientalista realizou uma denúncia sobre o abuso e alertam as pessoas nas redes sociais sobre o perigo de se retirar os animais da água.

O caso ganhou muita repercussão nas redes sociais e ao redor do mundo muitas pessoas se manifestaram contra esse tipo de atitude quem tem sido cada vez mais comum, apesar de consequências nefastas.

Fotos: Reprodução / Facebook

Fazer uso da mistura é crime · 04/08/2017 - 08h34 | Última atualização em 04/08/2017 - 08h41

Cachorro se enrosca em linha com cerol e fica com pescoço dilacerado


Compartilhar Tweet 1



O grupo Protetores de Animais de Parnaíba resgatou um cachorro que teve o pescoço dilacerado após se enroscar em uma linha com "cerol". O animal foi localizado no bairro Rodoviário e está agora internado em uma clínica veterinária. Seu estado de saúde é delicado.

Apesar de estável, o cachorro apresentou diarreia com sangue, sinalizando para uma possível infecção. O animal foi isolado pela equipe de veterinários, até mesmo para evitar nova contaminação no ferimento, que é bastante grande. Visitas não são permitidas no momento.

Nas redes sociais a situação do animal causou indignação. Sensibilizadas, as pessoas se mobilizam para arrecadar dinheiro para o custeio do tratamento do cachorro, bastante caro tendo em vista seu estado de saúde.

Riscos do cerol
O cerol é feito comumente com a mistura de cola e caco de vidro moído. Aplicado às linhas de pipas, tem a finalidade de cortar a linha de outras pipas, numa espécie de competição entre os praticantes da brincadeira, que acaba tornando-se perigosa, e neste caso criminosa. Empinar pipa com linha cortante é crime.

Neste período do ano, com a intensidade dos ventos acima do normal, a brincadeira de pipa se torna mais corriqueira, e o cerol se torna uma ameaça. Motoqueiros, principalmente, são mais suscetíveis aos riscos. Mas os próprios envolvidos na brincadeira podem se ferir.

Doações
Quem quiser ajudar com o tratamento do animal pode doar através de depósito ou transferência em conta. No Banco do Brasil, Conta: 49277 - 9; Agência: 0023 - X, ou na Caixa Econômica Federal, na Conta 00033131 - 0; Agência: 0030 e Operação: 023.


Compartilhar Tweet 1



O estoque de ração para os animais que vivem no abrigo da Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (APIPA) acabou no início desta semana.

O grupo, que se mantém unicamente por doações, precisa urgente de ajuda.

Por dia são quase 40 quilos de ração consumidos pelos animais, atualmente mais de 380 entre cães e gatos.

Para suprir a necessidade de alimentação dos bichos, por muitas vezes, como agora, coordenadoras da Apipa tiram do próprio bolso para a compra de ração.

As doações podem ser feitas na Apipa, e também na Criar, Loja Animal's, Climvet, Pet House, Per Of Dreams, ou através de depósito em conta (dados abaixo).

Além de ração, a Apipa precisa ainda de doação de material de limpeza, jornais, luvas de procedimento e medicamentos.

Contas Bancárias da APIPA (doações)
CNPJ: 10.216.609/0001-56

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Agência: 0855
Operação: 013
Conta Poupança: 83090-0

BANCO DO BRASIL
Agência: 3507-6
Conta Corrente: 57615-8

ENDEREÇO
Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (próximo à UNINOVAFAPI) Teresina, PI - CEP 64073-167 - (86) 98846-8020

- Com dívidas, Apipa faz trabalho que deveria ser do poder público

Pedem ajuda para o tratamento · 12/07/2017 - 17h51 | Última atualização em 12/07/2017 - 17h51

ONG resgata cachorro que foi esfaqueado em THE; vivia em boca de fumo


Compartilhar Tweet 1



Após receber uma denúncia anônima, a ONG Protetores de Patinhas resgatou um cachorro que foi esfaqueado em Teresina

O animal, que tinha um ferimento profundo na barriga, foi encontrado próximo ao prédio da TV Meio Norte, bairro Monte Castelo.

Segundo postagem feita no Facebook da ONG, o animal vivia com os "donos" em uma boca de fumo.

Lotado de carrapato, o cachorro que ganhou o nome de Bento, tinha outras cicatrizes no corpo.

"Ficamos indignadas com esse caso, esses crimes bárbaros contra a vida de animais não podem mais continuar, onde está a tal delegacia de proteção aos animais que seria inaugurada em Teresina?", questiona a ONG, que agora pede ajuda para custear o tratamento do animal.

" Nossos resgates estão suspensos, nossas dívidas cada dia maior, mas como negar o direito de viver a esse animal? Assumimos mais esse resgate", diz a postagem.

As doações podem ser feitas através de conta no Banco do Brasil (Ag 3507-6/ Cc: 64920-1).

Vira-lata de nove meses · 07/07/2017 - 11h10 | Última atualização em 07/07/2017 - 17h48

Cadela comove a web ao compartilhar coberta com cão que estava na rua


Compartilhar Tweet 1



A atitude de uma cadela de nome Lana, chamou atenção dos internautas. Adotada por um casal do interior do Rio Grande do Sul, a vira-lata de nove meses compartilhou sua coberta com um cachorro que estava na rua, através das grades que cercam a residência onde ela vive. Um rapaz que passava com a namorada, compartilhou a foto da ação do animal nas redes sociais e comoveu os seguidores.

Em entrevista ao G1, a Jornalista Suelen, que publicou a foto, diz que “foi um tapa na cara, porque o que ela fez é espontâneo, sem pensar em ganhar nada em troca, uma atitude completamente despretensiosa. Foi um gesto lindo.” A publicação teve mais de 17 mil compartilhamentos, 28 mil reações e quase 5 mil comentários.

A atitude surpreende por ser um animal que, por natureza consideramos irracional, e o ser humano que tem a habilidade de raciocinar, possui compreensão, por muitas vezes não tem a sensibilidade de ter atitudes assim com os seus semelhantes que se encontram em situação de risco.

O animal foi capturado ferido · 27/06/2017 - 09h25 | Última atualização em 27/06/2017 - 09h25

Tubarão ferido nada próximo a praia e assusta turistas; veja o vídeo


Compartilhar Tweet 1



Turistas passaram por uma situação de pânico no litoral da Espanha. O caso aconteceu neste final de semana, de acordo com o jornal The Guardian, um tubarão ferido apareceu na praia onde os banhistas se divertiam.

O animal foi visto pela primeira vez no sábado (24/06), os salvas vidas alertaram os turistas hasteando as bandeira vermelhas e pediram que os mesmo retornassem a areia, no domingo a tarde foi localizado e capturado, o animal se encontrava com um ferimento na cabeça causada por um arpão.

Causa está sendo investigada · 23/06/2017 - 10h55 | Última atualização em 23/06/2017 - 10h55

Cavalo comprado por quase R$ 7 milhões morre um mês após o leilão


Compartilhar Tweet 1



No dia 19 de maio de 2017, o Leilão da Santa Edwiges quebrou recordes. O garanhão Equador de Santa Edwiges, um dos mais reconhecidos reprodutores na atualidade, teve 21 cotas comercializadas que totalizaram o valor de R$ 6,97 milhões, com diversos investidores, incluindo dois novos entrantes na raça, dividindo a compra.

Mas aconteceu o que ninguém esperava. Na noite da última segunda-feira (19/06) o cavalo morreu após apresentar um quadro de desconforto abdominal em Pelotas no Rio Grande do Sul. Ele foi encaminhado para o Hospital Veterinário da Universidade Federal de Pelotas, mas não resistiu. É aguardada necropsia para identificar as causas da morte do animal.

Segundo informações divulgadas no site Freio de Ouro, o cavalo está relacionado no Registro de Mérito da ABCCC e era pai, entre outros, do Freio de Bronze JA Impecável, do Reservado Grande Campeão da Expointer, JA Impulso e do Freio de Ouro JA Libertador. Criado pela cabanha Santa Edwiges, de São Lourenço do Sul/RS, o reprodutor tinha a sua propriedade atual compartilhada em cotas entre um condomínio de criadores.

Foto: Divulgação / ABCCC

Caso inusitado · 19/06/2017 - 15h11 | Última atualização em 19/06/2017 - 15h12

Atendendo desejo da avó, jovem disfarça cachorro de bebê para entrar em hospital


Compartilhar Tweet 1



A avó de Shelby Hennick, Dona, que estava internada em um hospital na Califórnia (EUA),tinha um grande desejo de rever a sua cachorrinha, Patsy. Foi então que a Jovem de 21 anos teve a ideia de disfarçar o animal como se fosse um bebê.

A jovem, técnica em veterinária, já acostumada a cuidar de animais, enrolou Patsy num lençol e conseguiu entrar no hospital. Segundo ela, a cachorra reagiu tranquilamente parecendo até que sabia aonde ia.

“Petsy ficou quietinha o tempo todo e, na verdade, não parou de lamber meu braço”, contou, ela registrou a aventura em uma sequência de fotos no Twitter e a publicação rapidamente viralizou e já ultrapassa as 550 mil curtidas. Confira:


Vários casos registrados · 15/06/2017 - 09h12 | Última atualização em 15/06/2017 - 09h12

Moradores se revoltam e denunciam envenenamento de animais no Piauí


Compartilhar Tweet 1



Os moradores da rua Antônio Benedito, bairro COHAB de Picos, estão indignados com o envenenamento dos seus animais de estimação. A fotógrafa Mari Gonçalves relatou que em uma manhã se deparou com o seu gato sofrendo com claros sinais de envenenamento.

O mesmo foi verificado com outros dois gatos de estimação dos seus vizinhos, além de um cachorro, que ela encontrou morto na calçada da sua casa. Os donos dos animais mortos covardemente se expressaram pelas redes sociais e receberam apoio dos amigos que também demonstraram indignação com o que chamaram de “verdadeira chacina”.

Como muitas residências no bairro COHAB possuem câmeras de monitoramento, as imagens serão analisadas na tentativa de descobrir o covarde responsável por tal crime.

Mais relatos
Outros relatos apontam que o mesmo vem acontecendo em outros bairros de Picos, como a Aerolândia, nas imediações da TV Picos, onde já foram verificados cinco gatos mortos, provavelmente por envenenamento.

Punição
Crimes como o assassinato e maus-tratos contra animais domésticos são tipificados no Artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais, de 1998. A lei prevê multa e prisão, que pode variar de três meses a um ano.

Fonte: Folha Atual