Política

Será investigado · 18/05/2017 - 14h44

STF autoriza abertura de inquérito contra presidente Temer

A partir de agora, presidente é oficialmente investigado no âmbito da Operação Lava Jato


Compartilhar Tweet 1



Um pedido de abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer (PMDB) foi aberto nesta quinta-feira (18/05) pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Temer é acusado de suposto envolvimento em esquema para "comprar" o silêncio de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, que está preso.

As informações foram prestadas pelo empresário Joesley Batista, do Grupo JBS, em delação premiada, e vieram à publico na noite de ontem em reportagem divulgada por O Globo. Ele afirma ter gravado Temer em uma conversa ocorrida em 7 de março no Palácio do Jaburu.

Segundo o empresário, ao dizer "tem que manter isso, viu", Temer autorizou o pagamento de uma mesada de R$ 500 mil por semana a Cunha.

Delação homologada
Fachin também homologou a delação premiada dos irmãos Joesley Batista e Wesley Batista, donos do grupo JBS. Os empresários firmaram o acordo com o Ministério Público Federal (MPF) no âmbito da Operação Lava Jato. Fachin é o relator da operação no STF.

- Foto: Marcos Corrêa/PR

____________________________

Leia ainda

- Vai acabar todo mundo preso, disse Joesley sobre conteúdo da delação

- Ministro do Supremo Edson Fachin homologa delação premiada da JBS

- Supremo negou pedido de prisão de Aécio; foi citado em delação da JBS

- PEC que prevê eleições diretas começa a ser debatida na próxima semana

De acordo com a reportagem, outra gravação feita por Batista diz que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), teria pedido R$ 2 milhões ao empresário. O dinheiro teria sido entregue a um primo de Aécio. A entrega foi registrada em vídeo pela Polícia Federal. A PF rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que o montante foi depositado numa empresa do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).