180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

PIAUI FEST
MANINHO ATACADISTA
CONSTRUIR
CONSTRUTORA HIDROS
VAGA VENDAS
TELHAS MAFRENSE

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Publicado Por: Apoliana Oliveira

Últimas Notícias
14h30 Alunos da escola Bacelar Portela visitam a Vale 14h20 Servidores do Judiciário de Lago da Pedra aderem a paralisação 14h16 Jovem é baleado no peito por desafeto no Parque Lagoas do Norte; veja fotos 14h15 Grupo Potiguar realizará feirão gigante 14h11 Paróquia Divino Salvador celebra a Festa do Senhor Bom Jesus da Lapa 14h05 MPMA promove 1º Fórum Ministerial de Governança de Tecnologia da Informação 13h46 Segep realizará digitalização do acervo documental da Secom 13h43 Prefeitura investe na qualidade da merenda escolar 13h25 SABATINA 180: 'Não sou contra e nem a favor do aborto' 13h02 Google e Facebook vão colaborar na fiscalização da propaganda na internet 13h02 Higiene íntima masculina requer cuidados que muitos não tem 13h02 Escola de referência em Bezerros (PE) dá aulas em sistema de rodízio 13h01 6 coisas que as mulheres fazem para atrair os homens (mas que não funcionam) 12h50 UESPI adquire 236 câmeras de segurança para instalar em campus de Teresina 12h43 UFPI divulgada primeira chamada da lista de espera do SISU; Confira edital 12h36 Polícia Civil prende homem que aplicou golpes em vários empresários do Piauí 12h33 Jogos Escolares Piauienses iniciam competições em Teresina; veja fotos 12h32 Juliana Moraes realiza sua primeira caminhada na zona leste em Teresina 12h17 Deputado João Mádison recebe amigos em 39° ExpoCorrente 12h16 Idoso motorista de Carreta atropela e mata um ciclista na BR-222; vídeo! 12h06 Funcionários do Centro Administrativo de Teresina sofrem com arrombamento à seus veículos 12h03 Assistência Social comemora aniversário dos idosos do CCI em grande estilo 12h01 Brasil se sairia melhor no IDH com dados atualizados, diz governo 12h01 Luciano Paes Landim é lembrado novamente em pesquisa eleitoral 12h01 Candidatos com fichas-sujas terão que informar situação durante propaganda
Curso in company
ControlX
ControlX

Enquete

Violência no Piauí só cresce: você se sente uma pessoa segura hoje em dia?

Total de Votos: 111

Válida de 23/07/2014 a 30/07/2014

Mais lidas

    CONSTRUTORA HIDROS
    TELHAS MAFRENSE
    IRRITEC

    180graus no Instagramno Instagram