180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

IBIZA DRINKS
CND_VAGA
Festa de Natal no Kangaco
Casa do Cartucho
COLEGIO CEV
CASA DE PRAIA
GUIA DOS PARLAMENTARES II





O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Publicado Por: Apoliana Oliveira

Últimas Notícias
12h14 Heráclito: 'Ninguém deixa a casa que está por uma que está pegando fogo' 12h06 Veículo apreendido há mais de 4 anos é restituído ao dono 11h47 IFPI-Campus Corrente convoca alunos para matrícula em vagas remanescentes 11h42 Foi realizada no campus Corrente a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 11h40 PF confirma o vazamento do tema da redação pelo 'WhatsApp' no Piauí 11h36 Vereador da oposição vence eleição na Câmara Municipal 11h34 Secretaria Municipal de Saúde Realiza Confraternização 11h31 Secretaria de assistência social promove confraternização entre Idosos do CCI 11h28 Vera Mendes: Oposição vence eleição na Câmara Municipal 11h27 Assistência Social promove confraternização entre Idosos do CCI 11h23 Trégua parece que chegou ao fim, bandidos voltam a assustar população 11h22 Criança de dois anos morre após ser deixada pelo pai dentro de carro 11h17 Heráclito reúne jornalistas e afirma: 'Farei oposição sem racionamento' 11h15 Após morte de PM na BR-402 populares quebram muretas de anel viário 11h14 Prefeito Paulo Martins anuncia conclusão de obras em janeiro 11h14 Manoel Emídio foi responsável por 13% do desmatamento da Mata Atlântica 11h06 Aluísio Martins é diplomado e assumirá ALEPI em fevereiro 11h05 Emissão de carteiras de trabalho em Piripiri será feita via online 11h00 Nota de Pesar pelo falecimento de Francisco Messias de Sousa Olivera 10h55 Piauí sozinho foi responsável por 59% dos desmatamentos da Mata Atlântica 10h55 Alunos do Campus Valença visitam empresas agrícolas no Cariri cearense 10h43 CPI da Petrobras pode ser encerrada sem um relatório final; falta de quórum 10h34 Eletrobrás cobra valor exorbitante na conta de energia na zona rural em São Raimundo Nona 10h25 Grande incêndio atinge mercado no PI e compromete estrutura do local 10h16 Dois menores são espancados pela população após realizarem assaltos
GUIA DOS PARLAMENTARES II
CNH

Mais Lidas

    Enquete

    O piauiense Luis Henrique foi o terceiro colocado no 1º MasterChef Brasil. Você concorda com a vitória de Elisa?

    Total de Votos: 110

    Válida de 17/12/2014 a 24/12/2014

    180graus no Instagramno Instagram