180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

Negócios ou lazer em Parnaíba?
comserv





O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


podium
Últimas Notícias
23h00 Voo rasante feito durante o Corso de THE é investigado pela Aeronáutica 22h32 A Secretária de Educação Estadual recebe em seu gabinete o Prefeito de Itaueira 22h00 Governo e prefeitura unem forças para realização de ações e obra em Teresina 18h55 Marcus Paixão lançará o livro 'Ensaios do Norte' com várias reflexões históricas 18h39 Professores do Maranhão receberão maior salário do país após reajuste 18h21 Hoje tem Prévia de Carnaval no Brizolas Bar 18h16 Bloco Kamaleãozinho 2017 18h11 Presidente anuncia composição das comissões técnicas da Alepi na quinta, 2 18h07 Reunião com Organizadores dos Blocos do Carnaval 2017 18h06 Assembleia homenageia os 50 anos de atividades do Rotary Club Teresina Sul 17h59 Projeto que trata da recuperação fiscal dos estados foi enviado ao Congresso 17h57 Loteamento Vale do Amanhecer 17h54 Iniciada a Primeira Jornada Pedagógica 2017 17h50 Programa Saúde na Escola é desenvolvido em Guadalupe 17h40 Los Angeles é a cidade 'mais congestionada do mundo', diz estudo 17h39 Prefeita de Guadalupe participa da abertura dos trabalhos legislativos 17h34 Receita alerta sobre mensagens por e-mail e os riscos de golpe pela web 17h34 Vereadores elegem membros das comissões permanentes 2017/12018 17h33 Justiça Federal condena ex-prefeitos de 3 municípios do PI 17h30 Câmara Municipal inicia ano Lgislativo 17h19 Brasil tem maior número de casos de depressão na América Latina 17h13 Foragido apresenta documentos falsos para sair do flagrante, mas PM o detém 17h07 Fábrica da Volkswagen produz 'Mini Gol' para casal de anões 17h03 Melhores alunos são mais propensos a beber e fumar maconha 17h01 Corpo de Bombeiros reforça efetivo para garantir segurança dos banhistas no Litoral

Terno & Cia
Hospede-se no Islamar

Mais Lidas


    Enquete

    Você concorda com a decisão da Prefeitura de Teresina em não bancar os desfiles das escolas de Samba?

    Total de Votos: 290

    Válida de 2017-01-09 14:36:00.0 a 2017-01-16

    Casa do cartucho
    comserv
    Negócios ou lazer em Parnaíba

    180graus no Instagramno Instagram

    Negócios ou lazer em Parnaíba