180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

GM TAXA ZERO
GUIA DOS PARLAMENTARES II
VANGUARDA
INOCOOP
Anilson Feitosa - Kangaco
ISLAMAR
CAVALGADA
MELHORES IMOVEIS
COLEGIO CEV





O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Publicado Por: Apoliana Oliveira

INOCOOP
VANGUARDA
GUIA DE FESTAS
Últimas Notícias
04h30 Licença-maternidade é aprovada para servidoras militares 04h00 Requerimento de criação de CPI do HSBC é protocolado no Senado 03h47 Equipe econômica autoriza a redução de 23,7% em gastos do PAC até abril 03h30 Entrevista com Florinda fracassa no Ratinho e gera tensão nos bastidores 03h06 Tatá Werneck tentou entrar para o elenco do 'Pânico' 02h56 Prefeitura de Porto constrói barragens e estradas para fortalecer a agricultura familiar 02h52 Beijo de Fernanda Montenegro e Nathália Timberg pode ser exibido na estreia de 'Babilônia' 02h25 Monalisa Perrone dá 'bronca' em Maria Júlia Coutinho ao vivo 02h06 Marília Gabriela comenta beijo gay do filho: 'Assustador é o preconceito' 01h50 Queen toca no Rock in Rio com Adam Lambert nos vocais 01h34 Após propaganda gratuita, Netflix responde Silvio Santos 01h12 Juiz que dirigiu carro de Eike Batista é afastado de suas funções 00h56 Programa 'Encontro com Fátima Bernardes' ganhará edição especial aos sábados 00h34 Katy Perry e Madonna se transformam em vilãs de 'Babilônia' em vídeo 00h03 Família faz campanha na web para arrecadar dinheiro para tratamento de 'Ken' 23h58 Companheira de Suzane pode deixar presídio após ser beneficiada por semiaberto 23h49 Caso EC Flamengo: A solução é o empresário devolver o terreno do clube 23h48 PARFOR chega a 30 municípios piauienses e oferece quase 6 mil novas vagas 23h45 Capes divulga resultado do Programa Jovens Talentos no Estado 23h41 IFPI da cidade de Floriano abrirá inscrições para curso de Libras 23h37 Anatel aprova prorrogação de licenças de 2G para operadoras TIM e Oi 23h35 Nova Andressa Urach diz estar aprendendo a ser 'mãe integral' 23h31 Equipe econômica de Dilma fixa redução de 23,7% em gastos do PAC até abril 23h29 Prefeito Lukano Sá entrega premiação para vencedores do Corso de Oeiras 23h27 Desemprego no Brasil fica no patamar de 5,3% em janeiro, mostra IBGE
Vanguarda
ABC
ISLAMAR
VANGUARDA

Mais Lidas

    Imobiliaria

    Enquete

    Uma ordem judicial determina que o WhatsApp seja retirado do ar. Os motivos estão sob segredo de justiça. Como isso lhe afetaria?

    Total de Votos: 196

    Válida de 25/02/2015 a 04/03/2015

    GUIA DE FESTAS
    Dantas Imobiliaria

    180graus no Instagramno Instagram

    INOCOOP