180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

Vestibular
Kangaco
Kangaço
MUNICIPIO CONTABILIDADE

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Publicado Por: Apoliana Oliveira

Últimas Notícias
22h35 Sejap encerra campanha Outubro Rosa 22h32 Reforma dos prédios sede e anexo do TJ-PI vai custar mais de R$ 1 milhão 22h15 Promotoria Itinerante é instalada no bairro Santo Antônio 22h05 Escola do município promove inclusão de estudantes surdos 22h03 Concurso de redação do TRE-PI: prazo de inscrição encerra dia 14 de novembro 21h57 Força Tática da 6ªCI Prendem Assaltantes da Agência dos Correios da Cidade de Paraibano/MA 21h55 SEEB-MA recepciona novos bancários da Caixa Econômica 21h51 Caso da chacina em São Miguel do Tapuio é destaque no Jornal Nacional 21h35 Pedreiras e Lago da Pedra recebem unidades de registro civil 21h34 De preto, Patrícia Poeta se despede do JN e anucia Renata Vasconcelos 21h15 Judiciário aguarda aprovação da proposta orçamentária de 2015 20h59 Moradores Fazem Protesto Devido Grandes Atropelamentos 20h54 Programa Brasil Alfabetizado faz capacitação em Avelino Lopes 20h28 Encerramento da Campanha Outubro Rosa 20h18 Maior Atletista do Maranhão juntamente com seu Instrutor 20h17 Neuma Café receberá o Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor 20h13 Pedro II sediará a 1ª Feira Cidade Empreendedora 20h11 CEEP Angelina Mendes apresenta Projeto Pedro II em Foco 20h09 Servidores do Solon Brandão participam de confraternização 20h07 Produtos orgânicos são comercializados em feira na praça 20h02 Especial 97 tem Bandas 100 Stress e Mella Pinto, confira 19h56 Guadalupe ficou sem água por 24 horas 19h51 IBGE aponta queda do analfabetismo entre as mulheres 19h51 Mais uma família perde tudo após incêndio em casa em Guadalupe 19h40 Ministra determina incluir reajustes de Supremo e MP no Orçamento de 2015

Mais lidas

    Enquete

    Qual o maior desafio que a presidente Dilma Rousseff terá em seu novo mandato?

    Total de Votos: 981

    Válida de 27/10/2014 a 03/11/2014

    DR ANTONIO CARLOS

    180graus no Instagramno Instagram

    MUNICIPIO CONTABILIDADE