180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

CASA DE PRAIA
NEWROADS
Kangaço
ARTE CONSTRUÇÕES
Galaxy

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Publicado Por: Apoliana Oliveira

Últimas Notícias
09h27 Bruna Marquezine fala sobre sensualidade: 'Uso nas horas certas' 09h26 Fiscalização retira publicidade das ruas na região do Grande Dirceu 09h20 CMT realiza audiência sobre abandono de hortas comunitárias nesta quarta 09h14 'Pago um preço alto por tentar falar a verdade', desabafa Luana Piovani 09h10 Assembleia aprova uso de precatórios para poder quitar os débitos tributários 09h09 A Clínica de Fisioterapia da Prefeitura de Agricolândia está literalmente sendo referência na cidade 09h06 Prefeitura de Teresina está renovando a pintura da sinalização da Frei Serafim 09h03 Presidente sanciona a lei que ameniza dívidas de estados e municípios; saiba 09h03 Sem sutiã, namorada de Thammy posa com decote aberto 09h01 Acidente com S10 deixa 2 feridos e veículo destruído após capotamento 08h57 Grazi Massafera brinca sobre vida pessoal e diz: 'Namorando um cisne' 08h55 CCJ da ALEPI aprova um empréstimo de R$ 232 milhões para estado do PI 08h55 Norueguês de 15 anos é 'assediado' e revela gosto do modelo do Real 08h53 Graciele Lacerda descarta casamento com Zezé: 'Não quero!' 08h47 Justiça Itinerante estará amanhã no município de NSR 08h46 Rainhas da 26° Festa do Leite desfilam e dançam com o prefeito Zé Sena 08h45 Tríplice Coroa x título inédito no maior clássico que MG já viu entra para a história 08h44 'Minha vida amorosa não diz respeito a ninguém', dispara Bruna Marquezine 08h42 Condenado por estupro em São Paulo, piauiense é preso em Teresina 08h40 Escolas de Samba retomarão desfile em 2015 e devem receber R$ 566 mil 08h40 Zé Filho recebeu o Estado com mais de R$390 milhões de dívidas a pagar 08h37 Na BR 343, criança morre ao ser atropelada 08h34 Prefeito participa de Seminário da CNM 08h30 Esportivo: Fiat lança no Brasil o pequeno e rápido 500 Abarth 08h28 Dia 30 começa o festejo de Santa Luzia na Mata Alta
CNH