180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

COELHO FORTE E DOURADO
Unimed
COMSERV





O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Unimed
Dr. Wilson Gondim
Unimed
Últimas Notícias
22h56 Arena das Dunas:Esgotados ingressos para treino aberto da Seleção Brasileira 22h07 4 ônibus escolar foram incendiados no município de Morros-MA 20h13 Pesquisa Ibope mostra Firmino com 51% dos votos válidos em Teresina 19h23 Campo Largo do Piauí ganha reforço no policiamento para as eleições 2016 18h50 180 trará The Fevers para a Festa da Vitória no Theresina Hall, em 2017 18h00 Casal piauiense morre em colisão com carreta na BR-316 17h55 Moro decreta a prisão preventiva de Palocci; não tem prazo para soltura 17h55 Uber libera funcionalidade que permite agendar corridas no Brasil 17h40 Corrente: TRE-PI defere candidatura de Murilo Mascarenhas para prefeito 17h32 Claudia Ohana pede desculpa por ‘matar’ Cobain com cover: ‘Errei’ 17h16 THE: Após quase 7 horas, bombeiros resgatam corpo de soterrado em poço 17h15 Aeroportos de Picos e SRN ganham Carros Contraincêndio 16h53 Temer: 'Brasil tem pressa, quem perdeu emprego não pode esperar' 16h34 Presidente filipino se compara a Hitler: ‘Vou matar drogados’ 16h22 Juíza libera pesquisa do IBOPE que Dr. Pessoa quis impedir divulgação 16h15 Ator Antonio Fagundes rompe o silêncio sobre a peruca: ‘Ridícula’ 16h14 Site estima que Whindersson ganhe até R$ 880 mil por mês com Youtube 16h07 Confira como foi o último comício da coligação ‘Nossa Senhora dos Remédios para todos’ 15h48 Segunda via do título de eleitor pode ser entregue até amanhã 15h40 IPNE/Picos: Padre Walmir tem 46% e Gil Paraibano 36,5% 15h39 Governador Wellington Dias participa de comício em apoio a candidatura de Aylon Mássimo 15h32 CONTINUAÇÃO: Governador Wellington Dias participa de comício em apoio a candidatura de Aylon Mássimo 15h09 Sorteio de seções para votação paralela acontece neste sábado (01) 15h07 Prefeitura de São Francisco do PI abre Concurso para novas vagas;veja edital 15h06 Presidente do TSE alerta instituições sobre onda de violência nas eleições

Dr. Wilson Gondim
Terno e Cia

Mais Lidas

    DR GERMANO ADV

    Enquete

    Você acha que a Miss Piauí Lara Lobo tem chance de ganhar o Miss Brasil?

    Total de Votos: 475

    Válida de 15/09/2016 a 30/09/2016

    Casa do cartucho
    Silva, Guedes & Barroso
    Dr. Wilson Gondim
    Dr. Diogo Caldas(Escritório de advocacia)

    180graus no Instagramno Instagram

    Dr. Wilson Gondim
    Panificadora Canindé