180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

comserv
Maria Brasileira - Limpeza e cuidados
Você no controle do Processo





O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Quer mudar de vida?
Matemática e Raciocínio Lógico no Podium
Agente PRF
Matemática Básica
Casa do Cartucho
Informática Cespe/UNB
Agente PF
Últimas Notícias
09h06 PI: Motociclista morre após acidente envolvendo uma Mercedes no litoral 09h03 UTI do Hospital Justino Luz será inaugurada em outubro 08h53 Coordenadoria inicia vistoria em conjunto habitacional 08h44 Criança atingida por disparo acidental morre ao dar entrada em hospital no PI 08h38 Carro tomba após motorista perder o controle em zona rural no PI; foto 08h36 Presos destruíram 30 câmeras durante motim na Custódia 08h15 Enchente em 'Bangladesh' mata cerca de 100 e deixa 5 milhões desabrigados 08h07 CRAS de Agricolândia realiza festa com pais das crianças que participam do SPFV 07h57 Programa Criança Feliz e Cadastro Único Bolsa Família foi lançado nesse ultimo dia 19 de agosto 07h55 Diácono Balbino Miranda toma posse em Pimenteiras 07h54 Pronatec prorroga inscrições para os cursos técnicos até terça-feira (22) 07h40 Beneficiários do auxílio-doença devem procurar o INSS e agendar nova perícia 07h23 Confira como foi a festa em homenagem aos papais de Agricolândia 07h17 Menino é atingido com tiro acidental de espingarda em Campo Largo do Piauí 00h36 Autoridades marcam presença em aula inaugural do pelotão mirim de Colônia do Gurguéia 23h41 Operadores qualificados em Colônia do Gurguéia 22h46 Monalysa reencontra a família e tem almoço com prefeito de Ilhabela-SP 22h16 Prefeitura de Cocal lança 4ª edição do Realizando Sonhos 22h03 Militares e agentes controlam motim na Casa de Custódia 21h33 Presidente do IDEPI dá prazo de 730 dias para empreiteira investigada 19h56 Secretaria determina apuração em contrato de 2013 com construtora 19h29 Festa em dose dupla - Dia dos Pais e Dia do Maçom 19h09 IFMA, Campus Coelho Neto, realiza a 3ª edição do Instituto Cidadão 18h38 Transparência: juízes terão seus salários expostos aos cidadãos 18h38 Plenário da Câmara votará criação de cargos comissionados no TRT-PI

Matemática Básica

Mais Lidas


    Enquete

    Você acredita que Michel Temer vai...

    Total de Votos: 290

    Válida de 2017-05-29 15:46:00.0 a 2017-06-05

    Cespe/UNB
    Cespe/UNB
    Podium - Professor Atualidades

    180graus no Instagramno Instagram