180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

ABC IMOVEIS





O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Terno e Cia
Marquinhos do Pará
Últimas Notícias
15h21 ‘Blue & Lonesome’: Rolling Stones abraçam o bom e velho blues em disco 15h14 Benmakhlouf: Livro apresenta Montaigne e a criação do ensaio 14h49 Wellington Dias prestigia a posse do reitor e destaca parcerias com a UFPI 14h47 Detentos do Piauí se preparam para o Enem, prova será nos dias 13 e 14/12 14h36 Serviço de Nutrição e Dietética do HUT está completamente reformado 14h30 Confira as festividades do primeiro dia do movimento cultural de São Miguel da Baixa Grande 14h28 É hoje! Wesley Safadão traz Garota VIP que vai agitar noite em Teresina 14h21 Ex-secretário particular de Dilma recebia mesada da Odebrecht 14h16 Prefeito Firmino Filho define nomes para Semduh, Semel e Semjuv; veja 14h05 Conté, ex-zagueiro do PSG é preso ao agredir jovem com taco de beisebol 13h58 Aos 42 anos, Zé Roberto renova com o Palmeiras por Libertadores 13h52 ‘Tapetão’:CBF denuncia Internacional por falsificação de documentos 13h34 Saiba com vai ficar a Basílica da Sagrada Família, em Barcelona 13h33 2016, o ano da despedida de Felipe Massa da Fórmula 2016, o ano da despedida de Felipe Massa do autó 12h57 Jennifer Lawrence recebe críticas por fazer piada com crença havaiana 12h50 Semdec recebe currículos e envia à empresa que oferece vagas em THE 12h31 Jovem é 'queimado' dentro de casa abandonada em THE 11h59 Dorgival Dantas encerra as festividades do 53º aniversário de Demerval Lobão 11h44 Junior Rodrigues reúne amigos prefeitos para jantar em sua residência 11h39 TCE decide suspender concurso para 93 vagas em município do estado;veja 11h33 Deputado Georgiano Neto prestigia aniversário de Miguel Leão 11h29 Demerval Lobão comemora 53 anos de emancipação política com direito a corte de bolo gigante 11h26 Homem é espancado e leva tijolada de mulher durante um 'desentendimento' 10h54 Novos cidadãos demervalenses são prestigiados em câmara de vereadores 10h50 Delação da Odebrecht: Medidas Provisórias custaram R$ 22 milhões

Laurice - Projetos
Terno e Cia
Islamar - A melhor hospedagem em Luís Correia

Mais Lidas

    CLIQUE AQUI

    Enquete

    O STF foi correto ao proibir Vaquejadas no Brasil?

    Total de Votos: 734

    Válida de 2016-10-17 18:46:00.0 a 2016-10-31

    Casa do cartucho
    CLIQUE AQUI

    180graus no Instagramno Instagram

    ABC IMOVEIS
    sunset