180graus

Polêmicas na câmara - 19/12/2013 às 07h24

Defensor da 'cura gay', Feliciano sai da Comissão de Direitos Humanos

Ele causou polêmica com a votação do projeto apelidado de 'cura gay'

comserv
MEU BLOG
MEU BLOG
Alugue quitinete em Luis Correia
Negócios ou lazer em Parnaíba?





O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), encerrou nesta quarta-feira, 18, sua gestão com a aprovação de propostas consideradas homofóbicas e sob críticas de militantes da área. As pautas, porém, não avançaram fora da comissão, que neste ano ficou sob controle da bancada evangélica da Casa.

O primeiro enfrentamento promovido por Feliciano na cadeira de presidente foi a votação do projeto apelidado de "cura gay", que suspendia resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proibiu profissionais da área de oferecer tratamento para homossexualidade. O deputado conseguiu comandar a aprovação do projeto no colegiado em meio às manifestações de junho, mas os líderes da Casa levaram a proposta imediatamente a plenário para rejeitá-la com esmagadora maioria e mostrar que a Casa não referendava a atuação.

Após o revés, a comissão refluiu e só no fim de novembro temas polêmicos voltaram à pauta. Foi aprovada uma proposta de plebiscito para decidir sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, na tentativa de reverter decisão favorável do Supremo Tribunal Federal.

A comissão votou também a suspensão da decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios a celebrar casamentos de homossexuais. Foi aprovado um parecer contrário a um projeto que visava tornar lei que companheiros homossexuais de servidores e beneficiários da Previdência Social passariam a ser considerados dependentes.

Todas as propostas estão paralisadas em outros colegiados. A do plebiscito está na Comissão de Finanças e Tributação, a que susta a decisão do CNJ não tem nem relator definido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e o projeto sobre benefícios previdenciários passará ainda por três comissões.

Nesta quarta, no capítulo final de sua gestão - após o recesso, em fevereiro, outro parlamentar será eleito para o posto -, a comissão aprovou um projeto que eliminou a homofobia do rol de atos passíveis de serem considerados crime de discriminação. Em nova tentativa de negar a acusação de racismo, Feliciano conseguiu aprovar um parecer de sua autoria sobre o projeto da presidente Dilma Rousseff que institui cotas raciais de 20% no funcionalismo público. O deputado incluiu a reserva de 75% dessas vagas para quem estudou em escola pública e estendeu a previsão de cotas para os cargos de confiança.

BALANÇO
Acusado de racismo e homofobia, Feliciano fez um balanço positivo de sua atuação e disse que a produção só não foi maior pelo fato de partidos como o PT e o PSOL terem abandonado o colegiado.

Feliciano chegou à presidência da comissão em março, apesar de protestos de movimentos sociais e deputados com atuação na área por declarações nas redes sociais. O pastor tinha dito que "os africanos são amaldiçoados" e que "a podridão de sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, a rejeição". Com apoio da bancada evangélica, resistiu à pressão e ficou no posto. Feliciano disse que o debate sobre direitos humanos parou de ser feito para "beneficiar um ou dois grupos".

O deputado afirmou que teria disposição para disputar uma vaga ao Senado, mas demonstrou medo de enfrentar nomes como José Serra (PSDB) ou Gilberto Kassab (PSD). Ele preferiria enfrentar apenas o senador Eduardo Suplicy (PT).

Fonte: Com informações de Estadão

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Terno e Cia
MEU BLOG
podium
podium
Marquinhos do Pará
Últimas Notícias
07h17 Gene Cernan, último homem a andar na Lua, morre aos 82 anos 07h11 Repórter da Globo News é atacada ao vivo na frente de presídio 06h00 Curso de Dialogadores no Centro Espírita Semente Cristã 21h20 Jovem é preso suspeito de realizar assaltos a motos no município de Oeiras 20h38 Morte de jovem gay eleva mistério após novos depoimentos 20h03 Bandidos roubam malote de dinheiro de funcionários da empresa Babylândia 19h46 Neste Domingo tem mais uma Festa no Bar da Lagoa 19h43 Bloco Uh Papai Chegou 2017 19h41 Residencial e Loteamento Vale do Amanhecer 19h28 Bye Bye Férias 19h24 Estado faz 'ouvido de mercador' sobre caos nos presídios 18h35 Prefeitura de Água Branca forma comissão para acompanhar atividades de alunos aprovados no IFPI 18h17 Apontado como chefe de grupo que fraudou concurso se entrega à Civil 18h08 Fazer exercício apenas no fim de semana? Veja os benefícios 18h00 Moradores reclamam de lixo e risco de proliferação do mosquito da dengue 17h51 Promotor irá denunciar oito pessoas de participação na morte de policial 17h51 Prática de aluguel de carros se populariza entre turistas no Brasil 17h50 Grupo de Intervenção Prisional e Tropa de Choque montam base nos presídios de Teresina 17h42 Na Venezuela, iPhone custa quase US$ 100 mil; veja ranking 17h36 Destinado a empreendedores, Movera está funcionando no Espaço da Cidadania 17h23 Seleção de União segue em busca de classificação na Copa Norte de Futsal 17h19 Como será o prédio de 5 km de altura que combate a poluição 17h13 Inep decide antecipar divulgação do resultado do Enem para quarta (18) 17h04 13 áreas: Pós-graduação à distância da 'Uespi' obteve mais de 9,5 mil inscritos 17h01 Na Funasa, Dr. Heli assina termo para levar emenda parlamentar para cidade

Hospede-se no Islamar
MEU BLOG
Laurice - Projetos
Terno e Cia

Mais Lidas


    Enquete

    Você concorda com a decisão da Prefeitura de Teresina em não bancar os desfiles das escolas de Samba?

    Total de Votos: 290

    Válida de 2017-01-09 14:36:00.0 a 2017-01-16

    comserv
    Casa do cartucho
    Negócios ou lazer em Parnaíba

    180graus no Instagramno Instagram

    Negócios ou lazer em Parnaíba