180graus

TJ-PI incia campanha segunda - 07/03/2015 às 14h57

Ações do CNJ e dos TJ's fortalecem os direitos das mulheres em todo o País

Desde a Lei Maria da Penha, já foram criados aproximadamente 100 juizados da mulher

comserv
Maria Brasileira - Limpeza e cuidados
Você no controle do Processo





Nos últimos anos, apesar do elevado número de denúncias de violência contra a mulher, o Brasil assiste a concretização de uma política nacional de enfrentamento à violência doméstica. No Poder Judiciário, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vem contribuindo para dar efetividade às ações de combate à violência doméstica, em especial a difusão da Lei Maria da Penha (11.340/2006), em âmbito nacional e de maneira sistematizada por todo Judiciário brasileiro.

Uma das mais importantes ações do CNJ foi a Recomendação n. 9/2007, que apenas seis meses após a entrada em vigor da lei indicou a criação e a estruturação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher nas capitais e no interior dos estados, e deu outras importantes providências.

Em seguida vieram as Jornadas Maria da Penha, realizadas anualmente, e o Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Fonavid), que orientou os procedimentos dos operadores do Direito e servidores, relativos aos casos de violência doméstica. Um dos enunciados nascidos do Fórum, por exemplo, determinou que, para a incidência da Lei Maria da Penha, não importa o tempo de relacionamento entre a vítima e o agressor, nem o tempo decorrido desde o seu rompimento.

“A partir da edição da Lei Maria da Penha, o Judiciário se mostrou bem mais munido para o enfrentamento desse problema. O incremento das varas especializadas em violência contra a mulher em todo o Brasil, dentro das possibilidades, vem mostrando a confiabilidade da mulher nesse instrumental legal. A Maria da Penha é uma força inibitória às condutas masculinas de agressão nas relações domésticas”, avalia a conselheira Ana Maria Amarante, coordenadora do Movimento Permanente de Combate à Violência Doméstica e Familiar, do CNJ.

Movimento – Criado em 2014 a fim de fortalecer a aplicação plena da Lei Maria da Penha nos estados, o Movimento Permanente de Combate à Violência contra a Mulher vem acompanhando de perto o cumprimento da Resolução n. 128/2011, que determinou a criação das Coordenadorias Estaduais da Mulher no âmbito dos Tribunais e suas competências. Desde a Lei Maria da Penha, já foram criados aproximadamente 100 juizados ou varas de violência doméstica em todo o País.

Na avaliação da conselheira Luiza Frischeisen, a iniciativa teve um importante efeito dominó. “Com a aprovação da Lei Maria da Penha, foi determinada a criação de juizados especializados em violência doméstica. Paralelamente, as promotorias de Justiça também se especializaram. O mesmo ocorreu com as delegacias de polícia e as defensorias públicas. Ou seja, todo o sistema de Justiça saiu fortalecido nesse sentido”, disse a conselheira, membro do Ministério Público da União.

Manual de Rotinas – Em 2010, outra medida tomada pelo CNJ foi a elaboração de um Manual de Rotinas e Estruturação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar, a fim de que os atendimentos nas unidades jurisdicionais fossem relativamente semelhantes, respeitando as particularidades regionais, em termos de qualidade e celeridade. Um ano depois, o órgão estabeleceu a Resolução nº 128, determinando aos tribunais dos estados de todo o País a criação, dentro de suas estruturas administrativas, de Coordenadorias Estaduais da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar para a elaboração, aprimoramento e viabilização das diretrizes estabelecidas pelo CNJ nessa área.

“As campanhas do CNJ ajudaram muito a divulgar a Lei Maria da Penha. Várias iniciativas, como a campanha Compromisso e Atitude, revelam o compromisso do CNJ em divulgar o direito à igualdade, auxiliando a mulher brasileira na busca pela solução de seus conflitos no Judiciário”, afirmou a conselheira Débora Ciocci, citando a campanha feita em parceria com órgãos dos três Poderes, também com o mesmo objetivo.

Considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das três melhores leis de proteção à vida da mulher, a Lei Maria da Penha proibiu a aplicação de penas pecuniárias aos agressores e possibilitou a concessão de medidas protetivas de urgência às vítimas de agressão, normalmente perpetrada por seu cônjuge ou companheiro.

“A Constituição Federal dispõe que qualquer lesão aos direitos individuais ou coletivos será apreciado no Judiciário. Um dos direitos assegurados é o de não discriminação, decorrência do direito maior, que é o da igualdade. Além da Constituição, leis ordinárias, como a Lei Maria da Penha asseguram, no plano concreto, essa efetivação do direito. O cidadão confia no Judiciário e nós temos essa responsabilidade. O Poder Judiciário é a garantia do cidadão”, reforçou a conselheira Maria Cristina Peduzzi.

Fonte: Com informações da Assessoria

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Agente PRF
Quer mudar de vida?
Informática p/ concursos
Agente PF
Casa do Cartucho
Informática Cespe/UNB
Últimas Notícias
04h14 CCJ da Câmara aprova criação de 52 funções comissionadas no TRT do PI 03h11 Festeja Cocal 2017 é encerrado com grande público e muita animação 03h01 Em festa da OAB-PI, Chico Lucas destaca importância de ter a advocacia unida 02h39 Esperança Garcia e Oeiras recebem medalha Mérito Conselheiro Saraiva 02h00 Bancada do Piauí estaria indecisa sobre criar fundo de R$ 3,6 bilhões 01h29 Vem Pra Rua parece ter acordado e se posiciona contra o fundo partidário 01h15 EVOLUÇÃO: casas do Minha Casa Minha Vida terão até paisagismo 00h53 Copa Piauí: Vitória do River no clássico com o EC Flamengo. Veja os gols! 00h37 Confira a abertura dos Jogos Escolares Piauienses - JEP'S 22h41 Copa do Médio Sertão 2017 21h07 Municípios se reúnem para discutir plano de Gestão Integrada 20h59 Comissão aprova proposta que valoriza Agentes Comunitários de Saúde e de Combate às Endemias 20h44 Câmara realiza sessão especial em homenagem a Teresina 20h42 Inscrições para o Garantia-Safra já começaram em Pimenteiras 20h42 Assaltante armado de faca tenta roubar e se dá mal em PHB 20h40 Caixa reduz limite de financiamento de imóveis novos e também usados 20h34 Famílias lotam a praça do Poti Velho para 'cantar os parabéns' a Teresina 20h29 Resultado das inscrições no 'Revalida' já está disponível;a 1ª etapa do Exame 20h13 Uninassau realizará aula inaugural em Educação à Distância 20h10 Sesc Caixeiral promove Festeja Parnaíba 19h46 Vereadores acusam prefeito de Dirceu de formar quadrilha 19h26 Encerramento dos Festejos na barraca do Chico Neto 18h46 Bakanas do forro no Bar do Veloso 17h32 STJ condena Jair Bolsonaro por ele dizer que não ‘estupraria’ deputada 17h17 INTERPI promove Audiência Pública na Câmara Municipal para regularizar assentamentos.

Informática p/ concursos

Mais Lidas


    Enquete

    Você acredita que Michel Temer vai...

    Total de Votos: 290

    Válida de 2017-05-29 15:46:00.0 a 2017-06-05

    Cespe/UNB
    Cespe/UNB
    Podium - Professor Atualidades

    180graus no Instagramno Instagram