180graus

Concorrência em destaque - 16/04/2009 às 21h03

Para levar vantagem, empresas imitam a logomarca de outras

Produtos que copiam a identidade visual de marcas de sucesso para enganar o consumidor

REVISAO FINAL
Osório - Ed. Neuton Oliveira
RESERVA HELICONIA
Anilson Feitosa Kangaço
ZAP ZAP DO BETO
CEV

Há duas formas de colocar um novo produto à venda. A primeira dá trabalho e custa dinheiro. Sem contar o investimento direto na produção, os empresários que investem em inovação arcam com despesas que vão da pesquisa de mercado ao desenvolvimento da marca propriamente dita. Um dos gastos é com a \"cara\" do produto. Publicitários, designers e marqueteiros trabalham para criar embalagens, logomarcas e campanhas que ajudem o novo produto a entrar na lista de preferências do consumidor.

A outra forma é pegar carona numa marca consagrada. Não dá trabalho e custa pouco. O empresário que prefere levar vantagem na base da imitação se apropria de características que definem um produto já existente e faz apenas algumas alterações para enganar o consumidor com sua cópia. Exemplos dessa apropriação indébita não faltam. A distribuidora de combustíveis BR, por exemplo, tem um concorrente chamado 13R, que usa um logotipo quase idêntico para atrair clientes (confira as imagens abaixo). “Não é uma estratégia muito inteligente”, diz Jorge Ávila, presidente do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), órgão do governo federal que registra marcas e patentes. “O empresário acaba processado, tem o produto retirado do mercado e pode pagar multa”. Mas, em tempos de crise, essa tem sido a estratégia de pequenos (e até grandes) empresários para garantir algum lucro.

Em dezembro do ano passado, uma empresa do ramo de cosméticos tentou registrar a marca “Dave” para sabonetes. A Unilever, dona da marca de sabonetes Dove, ganhou uma ação na Justiça impedindo a comercialização do sabonete “Dave”. Na sentença, o juiz afirma que “o registro da marca DAVE apresenta indiscutível semelhança com a marca DOVE, sendo capaz de provocar erro, dúvida ou confusão em relação aos consumidores não devendo, portanto, coexistir diante da plena identidade gráfica e fonética entre elas”.

Para o advogado José Antônio Faria Correa, sócio da Dannemann Siemsen Advogados, a mais respeitada firma jurídica brasileira no campo da propriedade intelectual, o encolhimento do mercado torna a disputa entre as marcas mais acirrada. “O empresário pensa várias vezes antes de fazer o registro de uma marca porque é um gasto a mais”, afirma Correa. Quem ainda não registrou sua marca vai pagar mais caro a partir de 1º de junho. O Inpi anunciou para a data um reajuste de 24% na tabela de marcas e patentes.

Em 2008, a multinacional Danone tentou tirar do mercado o macarrão Activita, produzido pela paulista Adria. Além do nome, a embalagem verde-escura em muito se assemelhava ao iogurte Activia, responsável por 30% do faturamento da Danone. As duas empresas acabaram encontrando uma saída amigável para o caso.

Há basicamente três tipos de litígio na área da identidade visual. O mais comum é quando há o uso indevido da roupagem de um produto, o que é conhecido no meio como trade dress, o conjunto de elementos que caracteriza a imagem do produto. A garrafa da Coca-Cola, por exemplo. Se alguém lançar um refrigerante com rótulo diferente, mas naquela garrafa, viola o trade dress, item protegido na lei que regula a propriedade industrial. “Sempre vai haver um empresário inescrupuloso se aproveitando da boa fama ou do prestígio de terceiros”, diz Rodrigo Caiuby, advogado especializado em direito de propriedade intelectual. “O que se chama ‘concorrência desleal’ é muito comum no mundo comercial”, afirma Caiuby, que já defendeu marcas de empresas como Bom Bril e Motorola.

Um exemplo de violação de “trade dress” foi levado aos tribunais em 2006 pelo fabricante da colônia Leite de Rosas. Um concorrente usava embalagem quase idêntica para vender seu Leite de Flores. A embalagem dos dois era essencialmente idêntica. A Justiça deu ganho de causa ao Leite de Rosas. O trade dress também é comum no segmento de animações infantis. Assim que um arrasa-quarteirões como Carros e Rei Leão é lançado, produtoras desenvolvem filmes com argumentos parecidos e lançam diretamente em DVD.

Outro tipo é o que os advogados chamam de “uso parasitário”. Ele ocorre quando um empresário lança um produto ou serviço com o nome de outro, que opera num segmento diverso. “Houve um motel de São Paulo que usava a marca Absolut”, diz Caiuby. “E perdeu na Justiça o direito de usar esse nome em função da notoriedade da marca Absolut no mercado de vodca”.

O terceiro tipo de uso indevido é a pirataria pura e simples. Os exemplos estão em todo lugar. São produtos muitas vezes fabricados na China que estampam marcas famosas com alterações no nome ou no desenho da logo. “O registro de marcas e patentes procura proteger o esforço criativo. Isso beneficia todo o sistema, a começar pelo consumidor, que não se vê frustrado diante de um produto falso”, diz Ávila, do Inpi. “Acho que a crise deve ser um momento de soluções criativas e inovadoras. Não de contravenção”.

Fonte: Época

Publicado Por: Redação 180graus

ZAP ZAP DO BETO
VAL PRAEIRO HELICONIA
Curta a nossa fanpage
WX - Village Leste
Duas cabeças pensam melhor do que uma
THREVO PIATZ
VAL PRAEIRO HELICONIA
Últimas Notícias
03h14 CNBB critica projetos de terceirização e de redução da maioridade penal 02h56 Programa da Globo News entra na grade de programação da Globo 02h34 HBO começa a rodar segunda temporada do seriado 'Psi' 02h13 Pedrinhas: 'Presos que estão fugindo têm certo poder aquisitivo', diz promotor 01h32 Produção de Adam Sandler para Netflix é acusada de racismo por índios 01h17 Imposto de Renda: 11 milhões de ainda não entregaram a declaração 00h54 Racionamento: Cartilha da CNI alerta empresas sobre uso da água 00h33 'Eu não sou gay', diz Bruce Jenner ao falar sobre transição de gênero 00h32 Morro Branco 00h14 Malafaia critica horário de programa, mas elogia imparcialidade da Globo 23h51 Lava Jato: Justiça bloqueia R$ 153,9 milhões da empreiteira Engevix 23h33 Cunha diz que financiamento público de campanha não terá apoio 23h26 Série de entrevistas na RADCOM; Marli Veloso Secretária Mun. de Cultura é a entrevistada do sábado 23h12 Ex-deputada nega ter atuado a pedido de Cunha para pressionar delator 23h07 Nos 50 anos da Globo, Cid Moreira e Sérgio Chapelin voltam à bancada do JN 22h56 Forças Armadas tem mais investimento brasileiro do que israelense 22h31 PGE garante vitória no STJ sobre tributação do terço constitucional de férias 22h28 Governo e Ministério da Defesa realizarão etapa especial do Projeto Rondon em municípios do Mais IDH 22h24 Pesquisadores criam um humano transgênico e provocam polêmica 22h03 Para financiar o BNDES o governo quer usar dinheiro do fundo de garantia 21h59 Governo investe em curso de Operações de Sobrevivência em Área Rural 21h53 Joaquim Levy aprende a fazer política para salvar Dilma 21h44 Livro 'Estado Contemporâneo' é lançado pela OAB-PI em solenidade 21h36 Sistema de inteligência artificial ajuda a detectar câncer 21h25 Iracema participa de visita ao complexo eólico da Chapada do Araripe
Duas cabeças pensam melhor do que uma
Curta a nossa fanpage
ZAP ZAP DO BETO

Mais Lidas

    VAL PRAEIRO HELICONIA

    Enquete

    Sobre a estreia do tão esperado filme Vingadores: Era de Ultron...

    Total de Votos: 36

    Válida de 24/04/2015 a 01/05/2015

    ZAP ZAP DO BETO
    THREVO POETIC
    VAL PRAEIRO
    Duas cabeças pensam melhor do que uma
    Curta a nossa fanpage

    180graus no Instagramno Instagram

    THREVO POETIC
    WX - Village Leste
    VAL PRAEIRO HELICONIA