180graus

Concorrência em destaque - 16/04/2009 às 21h03

Para levar vantagem, empresas imitam a logomarca de outras

Produtos que copiam a identidade visual de marcas de sucesso para enganar o consumidor

Laurice - Projetos
DR GERMANO
Unimed
COMSERV
COELHO FORTE E DOURADO

Há duas formas de colocar um novo produto à venda. A primeira dá trabalho e custa dinheiro. Sem contar o investimento direto na produção, os empresários que investem em inovação arcam com despesas que vão da pesquisa de mercado ao desenvolvimento da marca propriamente dita. Um dos gastos é com a \"cara\" do produto. Publicitários, designers e marqueteiros trabalham para criar embalagens, logomarcas e campanhas que ajudem o novo produto a entrar na lista de preferências do consumidor.

A outra forma é pegar carona numa marca consagrada. Não dá trabalho e custa pouco. O empresário que prefere levar vantagem na base da imitação se apropria de características que definem um produto já existente e faz apenas algumas alterações para enganar o consumidor com sua cópia. Exemplos dessa apropriação indébita não faltam. A distribuidora de combustíveis BR, por exemplo, tem um concorrente chamado 13R, que usa um logotipo quase idêntico para atrair clientes (confira as imagens abaixo). “Não é uma estratégia muito inteligente”, diz Jorge Ávila, presidente do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), órgão do governo federal que registra marcas e patentes. “O empresário acaba processado, tem o produto retirado do mercado e pode pagar multa”. Mas, em tempos de crise, essa tem sido a estratégia de pequenos (e até grandes) empresários para garantir algum lucro.

Em dezembro do ano passado, uma empresa do ramo de cosméticos tentou registrar a marca “Dave” para sabonetes. A Unilever, dona da marca de sabonetes Dove, ganhou uma ação na Justiça impedindo a comercialização do sabonete “Dave”. Na sentença, o juiz afirma que “o registro da marca DAVE apresenta indiscutível semelhança com a marca DOVE, sendo capaz de provocar erro, dúvida ou confusão em relação aos consumidores não devendo, portanto, coexistir diante da plena identidade gráfica e fonética entre elas”.

Para o advogado José Antônio Faria Correa, sócio da Dannemann Siemsen Advogados, a mais respeitada firma jurídica brasileira no campo da propriedade intelectual, o encolhimento do mercado torna a disputa entre as marcas mais acirrada. “O empresário pensa várias vezes antes de fazer o registro de uma marca porque é um gasto a mais”, afirma Correa. Quem ainda não registrou sua marca vai pagar mais caro a partir de 1º de junho. O Inpi anunciou para a data um reajuste de 24% na tabela de marcas e patentes.

Em 2008, a multinacional Danone tentou tirar do mercado o macarrão Activita, produzido pela paulista Adria. Além do nome, a embalagem verde-escura em muito se assemelhava ao iogurte Activia, responsável por 30% do faturamento da Danone. As duas empresas acabaram encontrando uma saída amigável para o caso.

Há basicamente três tipos de litígio na área da identidade visual. O mais comum é quando há o uso indevido da roupagem de um produto, o que é conhecido no meio como trade dress, o conjunto de elementos que caracteriza a imagem do produto. A garrafa da Coca-Cola, por exemplo. Se alguém lançar um refrigerante com rótulo diferente, mas naquela garrafa, viola o trade dress, item protegido na lei que regula a propriedade industrial. “Sempre vai haver um empresário inescrupuloso se aproveitando da boa fama ou do prestígio de terceiros”, diz Rodrigo Caiuby, advogado especializado em direito de propriedade intelectual. “O que se chama ‘concorrência desleal’ é muito comum no mundo comercial”, afirma Caiuby, que já defendeu marcas de empresas como Bom Bril e Motorola.

Um exemplo de violação de “trade dress” foi levado aos tribunais em 2006 pelo fabricante da colônia Leite de Rosas. Um concorrente usava embalagem quase idêntica para vender seu Leite de Flores. A embalagem dos dois era essencialmente idêntica. A Justiça deu ganho de causa ao Leite de Rosas. O trade dress também é comum no segmento de animações infantis. Assim que um arrasa-quarteirões como Carros e Rei Leão é lançado, produtoras desenvolvem filmes com argumentos parecidos e lançam diretamente em DVD.

Outro tipo é o que os advogados chamam de “uso parasitário”. Ele ocorre quando um empresário lança um produto ou serviço com o nome de outro, que opera num segmento diverso. “Houve um motel de São Paulo que usava a marca Absolut”, diz Caiuby. “E perdeu na Justiça o direito de usar esse nome em função da notoriedade da marca Absolut no mercado de vodca”.

O terceiro tipo de uso indevido é a pirataria pura e simples. Os exemplos estão em todo lugar. São produtos muitas vezes fabricados na China que estampam marcas famosas com alterações no nome ou no desenho da logo. “O registro de marcas e patentes procura proteger o esforço criativo. Isso beneficia todo o sistema, a começar pelo consumidor, que não se vê frustrado diante de um produto falso”, diz Ávila, do Inpi. “Acho que a crise deve ser um momento de soluções criativas e inovadoras. Não de contravenção”.

Fonte: Época

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Phocus Galerie
Dr. Wilson Gondim
Unimed
Terno e Cia
Unimed
Últimas Notícias
00h29 Parnahyba confirmado na Série D do Brasileirão em 2017 21h32 Veja a programação de palestras no Centro Espírita Paulo de Tarso para outubro 19h50 Candidato a prefeito e PM morrem, e vice-governador de Goiás é baleado 18h54 Lollapalooza Brasil confirma as atrações para 2017; veja aqui a lista 18h33 Chamada de ‘gorda’ por Trump, ex-Miss Universo apoia Hillary 18h23 Coligação ‘Nossa Senhora dos Remédios para todos’ realiza penúltimo comício no Povoado Santo Antonio 18h15 Após 9 anos, jornalista Boris Casoy troca a Band pela RedeTV! 17h58 Mãe do cantor Wesley Safadão tem candidatura a vice-prefeita cassada 17h51 Veja aqui 7 sinais de que seu relacionamento está por um fio 17h49 Justiça nega busca e apreensão na casa de Dr Helder em Campo Maior 17h35 Chico César faz show 'Estado de Poesia' no Theatro 4 de Setembro 17h33 Selena Gomez se interna em clínica de reabilitação para tratar depressão 17h17 Químico britânico cria bebida alcoólica que não dá ressaca 17h14 Aposentada é sequestrada e durante o resgate é baleada;bandidos escaparam 17h11 Ministério anuncia novo medicamento no SUS para os paciente com vírus HIV 16h45 Corpo de homem é encontrado com genital mutilada, na zona Sul de THE 16h35 Senado debate PL que reduz bancada do Piauí na Câmara 16h05 Voto nulo não invalida a eleição, diz cientista político; tire suas dúvidas! 15h11 Rádio Cidade FM realizará debate com candidatos a Prefeitura de Parnaíba 15h06 PRF-PI: Moto roubada em Santos-SP é recuperada em município do Piauí 14h55 Resultado do Enem 2015 por escola será divulgado no dia 04 de outubro 14h34 TRE-PI sorteia sábado seções que terão votação paralela; entenda 14h02 Debate MN tem troca de acusações, denúncias e até choro de candidato 13h59 Artista visual Valdsom Braga faz Releitura de Frida Kahlo. em Vitoria-ES 13h33 Piauí terá 33 seções adaptadas para deficientes, sendo 9 em THE

Laurice - Projetos
Terno e Cia
Dr. Wilson Gondim

Mais Lidas

    DR GERMANO ADV
    SUNSET

    Enquete

    Você acha que a Miss Piauí Lara Lobo tem chance de ganhar o Miss Brasil?

    Total de Votos: 429

    Válida de 15/09/2016 a 30/09/2016

    Casa do cartucho
    Silva, Guedes & Barroso
    Dr. Wilson Gondim
    Dr. Diogo Caldas(Escritório de advocacia)

    180graus no Instagramno Instagram

    Dr. Wilson Gondim
    Panificadora Canindé