180graus

Queixas sobre material coletiv - 13/01/2014 às 07h33

Pais reclamam da lista de materiais das escolas particulares; abusos e altos valores

Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

TECNIQUIMICA
LB Fitness
Artcores
Kangaço
CEV

A bacharel em direito Raíres Cunha trocou os filhos de escola este ano. No momento da matrícula, pagou uma taxa estipulada pela escola para a aquisição de materiais, como caixa de giz, pincel e cola. Quando veio a lista de material individual, uma surpresa: lá estavam elencados materiais bem parecidos. Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

No Distrito Federal, mais de 200 pais procuraram a Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino (Aspa-DF) para reclamar de possíveis abusos e tirar dúvidas sobre listas de materiais escolares. As queixas são principalmente sobre a exigência de material coletivo, o que é proibido por lei, e a não especificação do uso dos produtos solicitados. A entidade recebeu reclamações também de pais de outros estados.

“Acho um absurdo. Se eles pedem um valor para comprar material de uso coletivo das crianças, por que a gente tem que comprar mais material ainda?”, reclama Raíres. “Aqui [aponta a lista coletiva] diz que a gente paga um pincel. Na outra [individual], pedem outro pincel”.

Tudo isso pesa no bolso. O presidente da Aspa-DF, Luis Claudio Megiorin, calcula que todo o material solicitado no início do ano letivo e durante o ano, como os extras, representam um acréscimo de 15% a 20% no gasto anual das famílias com a mensalidade escolar.

Sancionada no ano passado, a Lei 12.886/13 prevê o direito de comprar apenas o que o próprio filho vai consumir, individualmente ou coletivamente. O texto diz: “Será nula cláusula contratual que obrigue o contratante ao pagamento adicional ou ao fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo dos estudantes ou da instituição”.

A presidenta da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Amábiles Pacios, informa que o material coletivo a que se refere a lei é o de uso de expediente, como material de limpeza, papel higiênico e sabonete. Itens como cartolinas, giz de cera e pincéis podem ser pedidos pela escola, para uso do aluno em sala de aula. Mas, para esses materiais, o centro de ensino deve especificar a finalidade de cada um.

“Os pais devem comprar aquilo que for usado pedagogicamente em uma construção coletiva. Esse material volta para o pai em forma de trabalho das crianças”, diz Amábile, acrescentando que os pais com dúvida devem procurar as instituições, que estão à disposição para explicar sobre o uso dos materiais. Ela esclarece que não existe uma única regra e “as escolas têm autonomia para desenvolver propostas pedagógicas e solicitar o material para que ela seja desenvolvida”.

Na semana passada, o Procon-DF constatou que o plano de execução não está sendo apresentado aos pais por algumas instituições. A Operação Passa Régua fiscalizou 13 escolas, sendo que nove foram autuadas por apresentar irregularidades como a falta desse plano.

O Procon-DF recomenda que os pais exijam o plano de execução das escolas e fiquem atentos quanto às exigências da lista. Qualquer dúvida, devem procurar a instituição e registrar a queixa. A Aspa-DF orienta os pais a etiquetar todo o material comprado e deixado na escola. Ao final do ano, eles devem solicitar às escolas a devolução de pincéis, lápis de cor e do que não for completamente consumido ao longo do ano. “Isso pode ser guardado e usado no ano seguinte”, ressalta Megiorin.

Fonte: Agência Brasil

Publicado Por: Apoliana Oliveira

Últimas Notícias
10h56 Atenção para esse comunicado de emprego 10h53 Atenção para esse negocio 10h42 Missa de Sétimo dia de Falecimento 10h38 Agricultura familiar fornece produtos para a merenda escolar 10h31 Adutora do Sistema Italuís rompeu nesta terça-feira (2) 10h29 Juizado do Maiobão – inscrições para seleção de projetos encerram dia 17 10h19 W. Dias foge de Wilsão e candidato ao Senado diz ser 'o efeito Marina' 10h15 Comitê de Orçamento do TJ-PI elege novos membros; veja todos os nomes 10h15 'Eu quero ir a THE, Wilson Martins', diz Marina; data está sendo marcada 10h12 Várzea Grande deve enviar ações dos ODM para publicações nacionais 10h11 12 bairros de Teresina não terão táxi a partir das 20h de hoje; saiba quais 10h10 TCE multa deputado por má gestão na Secretaria das Cidades; 16 falhas 10h09 Bandidos invadem casa no PI, levam carro e depois incendeiam o veículo 10h02 CORPO de homem é encontrado mutilado no litoral do Piauí 09h58 Paraíso Clube colocado à venda 09h53 Prefeito Gilberto Júnior é aprovado em Pós de Gestão Pública Municipal com nota máxima 09h50 Municípios piauienses devem enviar ações dos ODM para publicações nacionais 09h36 No Piauí, 93,2 mil meninas devem receber a segunda dose da vacina contra HPV 09h35 Assalto a carro forte surpreendi cidade de Colônia do Gurguéia 09h30 Confira a programação da festa de 20 anos da ADEBH Assembleia de Deus 09h25 Polícia prende ex-prefeito Expedito Sindô por porte ilegal de arma no PI 09h22 Sete disputam vaga para promoção de Defensores Públicos no estado do Piauí 09h16 Apple investiga iCloud para determinar vazamento de fotos 09h06 Votação simulada: projeto encerra com êxito em Fernando Falcão 08h59 Cabeleireiros ensinam os truques do corte joãozinho
Mesário Voluntário

Enquete

Com o início de setembro, começa também o período mais quente para os piauienses: o chamado B-R-O-Bró. Com temperaturas castigantes, o que há de pior pra você neste período do ano?

Total de Votos: 183

Válida de 01/09/2014 a 08/09/2014

Mais lidas

    180graus no Instagramno Instagram