180graus

Queixas sobre material coletiv - 13/01/2014 às 07h33

Pais reclamam da lista de materiais das escolas particulares; abusos e altos valores

Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

ABC IMOVEIS





A bacharel em direito Raíres Cunha trocou os filhos de escola este ano. No momento da matrícula, pagou uma taxa estipulada pela escola para a aquisição de materiais, como caixa de giz, pincel e cola. Quando veio a lista de material individual, uma surpresa: lá estavam elencados materiais bem parecidos. Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

No Distrito Federal, mais de 200 pais procuraram a Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino (Aspa-DF) para reclamar de possíveis abusos e tirar dúvidas sobre listas de materiais escolares. As queixas são principalmente sobre a exigência de material coletivo, o que é proibido por lei, e a não especificação do uso dos produtos solicitados. A entidade recebeu reclamações também de pais de outros estados.

“Acho um absurdo. Se eles pedem um valor para comprar material de uso coletivo das crianças, por que a gente tem que comprar mais material ainda?”, reclama Raíres. “Aqui [aponta a lista coletiva] diz que a gente paga um pincel. Na outra [individual], pedem outro pincel”.

Tudo isso pesa no bolso. O presidente da Aspa-DF, Luis Claudio Megiorin, calcula que todo o material solicitado no início do ano letivo e durante o ano, como os extras, representam um acréscimo de 15% a 20% no gasto anual das famílias com a mensalidade escolar.

Sancionada no ano passado, a Lei 12.886/13 prevê o direito de comprar apenas o que o próprio filho vai consumir, individualmente ou coletivamente. O texto diz: “Será nula cláusula contratual que obrigue o contratante ao pagamento adicional ou ao fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo dos estudantes ou da instituição”.

A presidenta da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Amábiles Pacios, informa que o material coletivo a que se refere a lei é o de uso de expediente, como material de limpeza, papel higiênico e sabonete. Itens como cartolinas, giz de cera e pincéis podem ser pedidos pela escola, para uso do aluno em sala de aula. Mas, para esses materiais, o centro de ensino deve especificar a finalidade de cada um.

“Os pais devem comprar aquilo que for usado pedagogicamente em uma construção coletiva. Esse material volta para o pai em forma de trabalho das crianças”, diz Amábile, acrescentando que os pais com dúvida devem procurar as instituições, que estão à disposição para explicar sobre o uso dos materiais. Ela esclarece que não existe uma única regra e “as escolas têm autonomia para desenvolver propostas pedagógicas e solicitar o material para que ela seja desenvolvida”.

Na semana passada, o Procon-DF constatou que o plano de execução não está sendo apresentado aos pais por algumas instituições. A Operação Passa Régua fiscalizou 13 escolas, sendo que nove foram autuadas por apresentar irregularidades como a falta desse plano.

O Procon-DF recomenda que os pais exijam o plano de execução das escolas e fiquem atentos quanto às exigências da lista. Qualquer dúvida, devem procurar a instituição e registrar a queixa. A Aspa-DF orienta os pais a etiquetar todo o material comprado e deixado na escola. Ao final do ano, eles devem solicitar às escolas a devolução de pincéis, lápis de cor e do que não for completamente consumido ao longo do ano. “Isso pode ser guardado e usado no ano seguinte”, ressalta Megiorin.

Fonte: Agência Brasil

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Terno e Cia
Marquinhos do Pará
Últimas Notícias
22h54 Grêmio empata com Atlético-MG e é campeão da Copa do Brasil 2016 21h52 Avelino Lopes ganha decoração pública natalina 21h25 Major picoense morre em acidente automobilístico 19h32 Nova Lei de Migrações é aprovada pela Câmara; veja as mudanças 19h13 Donald Trump é escolhido a personalidade do ano pela revista ‘Time’ 19h11 Motociclista quebra a perna após ser atingido por uma carreta na MA-201 18h57 Os pacientes com hemofilia poderão em breve ser tratados através de medicamentos em cápsulas 18h51 Ter carro ainda é símbolo de status, diz especialista em mobilidade 18h42 Iracema apresenta projeto do Atletismo piauiense à Caixa 18h35 Classificação de Dayse dá 9 pontos a MasterChef ‘machista’ 18h15 Chapecoense: Noiva diz que Alan Ruschel já soube da morte de colegas 18h03 Projeto do Governo para cobrir déficit da Previdência é aprovado na Alepi 18h01 Preso em THE sexto suspeito na morte de policial do Bope 17h33 Brasil vai exportar manga para Coreia do Sul; abertura de mercado é benéfica 17h31 Maioria do Supremo mantém Renan Calheiros na presidência do Senado 17h26 Jogador da Chapecoense deixa UTI após 9 dias do acidente e posta vídeo 17h20 Ministério da Educação repassa R$ 563 milhões para instituições federais 17h18 Deputado estadual Robert Rios critica Reforma de Governo Michel Temer 17h07 Presidente Nacional da OAB visita Teresina nesta quinta-feira (08) 17h02 Capitão Gervásio Oliveira conquista selo Unicef 2013-2016 17h02 Idoso é torturado até morrer após uma tentativa de assalto em município do PI 16h59 Prefeitura de Bela Vista do Piauí concluí matadouro público e está com calçamentos em andamento 16h58 OAB-PI visita Corregedoria do TJ-PI para discutir sobre custas 16h57 Prefeitura e Sesapi planejam realização de cirurgias eletivas no Hospital de Água Branca 16h57 Só existiriam 8 armas em condição de uso em gerência da Polícia do PI

Terno e Cia
Laurice - Projetos
Islamar - A melhor hospedagem em Luís Correia

Mais Lidas

    CLIQUE AQUI

    Enquete

    O STF foi correto ao proibir Vaquejadas no Brasil?

    Total de Votos: 734

    Válida de 2016-10-17 18:46:00.0 a 2016-10-31

    Casa do cartucho
    CLIQUE AQUI

    180graus no Instagramno Instagram

    ABC IMOVEIS
    sunset