180graus

Queixas sobre material coletiv - 13/01/2014 às 07h33

Pais reclamam da lista de materiais das escolas particulares; abusos e altos valores

Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

Kangaço
LB Fitness

A bacharel em direito Raíres Cunha trocou os filhos de escola este ano. No momento da matrícula, pagou uma taxa estipulada pela escola para a aquisição de materiais, como caixa de giz, pincel e cola. Quando veio a lista de material individual, uma surpresa: lá estavam elencados materiais bem parecidos. Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

No Distrito Federal, mais de 200 pais procuraram a Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino (Aspa-DF) para reclamar de possíveis abusos e tirar dúvidas sobre listas de materiais escolares. As queixas são principalmente sobre a exigência de material coletivo, o que é proibido por lei, e a não especificação do uso dos produtos solicitados. A entidade recebeu reclamações também de pais de outros estados.

“Acho um absurdo. Se eles pedem um valor para comprar material de uso coletivo das crianças, por que a gente tem que comprar mais material ainda?”, reclama Raíres. “Aqui [aponta a lista coletiva] diz que a gente paga um pincel. Na outra [individual], pedem outro pincel”.

Tudo isso pesa no bolso. O presidente da Aspa-DF, Luis Claudio Megiorin, calcula que todo o material solicitado no início do ano letivo e durante o ano, como os extras, representam um acréscimo de 15% a 20% no gasto anual das famílias com a mensalidade escolar.

Sancionada no ano passado, a Lei 12.886/13 prevê o direito de comprar apenas o que o próprio filho vai consumir, individualmente ou coletivamente. O texto diz: “Será nula cláusula contratual que obrigue o contratante ao pagamento adicional ou ao fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo dos estudantes ou da instituição”.

A presidenta da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Amábiles Pacios, informa que o material coletivo a que se refere a lei é o de uso de expediente, como material de limpeza, papel higiênico e sabonete. Itens como cartolinas, giz de cera e pincéis podem ser pedidos pela escola, para uso do aluno em sala de aula. Mas, para esses materiais, o centro de ensino deve especificar a finalidade de cada um.

“Os pais devem comprar aquilo que for usado pedagogicamente em uma construção coletiva. Esse material volta para o pai em forma de trabalho das crianças”, diz Amábile, acrescentando que os pais com dúvida devem procurar as instituições, que estão à disposição para explicar sobre o uso dos materiais. Ela esclarece que não existe uma única regra e “as escolas têm autonomia para desenvolver propostas pedagógicas e solicitar o material para que ela seja desenvolvida”.

Na semana passada, o Procon-DF constatou que o plano de execução não está sendo apresentado aos pais por algumas instituições. A Operação Passa Régua fiscalizou 13 escolas, sendo que nove foram autuadas por apresentar irregularidades como a falta desse plano.

O Procon-DF recomenda que os pais exijam o plano de execução das escolas e fiquem atentos quanto às exigências da lista. Qualquer dúvida, devem procurar a instituição e registrar a queixa. A Aspa-DF orienta os pais a etiquetar todo o material comprado e deixado na escola. Ao final do ano, eles devem solicitar às escolas a devolução de pincéis, lápis de cor e do que não for completamente consumido ao longo do ano. “Isso pode ser guardado e usado no ano seguinte”, ressalta Megiorin.

Fonte: Agência Brasil

Publicado Por: Apoliana Oliveira

Últimas Notícias
01h04 A emissora RedeTV! continua respondendo processos do 'Pânico' 01h01 São João da Serra recebe mais dois veículos, uma ambulância e um Caminhão de lixo 00h46 I dia de festa de aniversário da Igreja O Brasil para Cristo 00h18 Sidney Sampaio pediu para adiar casamento com Carol Nakamura, diz jornal 00h05 Fora de Casa, River-PI encara o Moto Club pela Série D do Brasileiro 00h04 Empresa promete cobrar multa de R$ 7 milhões se Anitta não cumprir contrato 23h57 Plantel do River está cheio de jogadores ‘bonzinhos ‘ 23h04 Hospital de tratamento de ebola entra em greve em Serra Leoa 22h41 Caso Bernardo: novos vídeos mostram garoto segurando uma faca durante discussão com o pai 22h20 Polícia faz alerta por suposta ameaça contra Obama nos EUA 22h04 Grupos de caminhadas mobilizam população em Oeiras 21h50 Brasil é centro de excelência na pesquisa da matemática avançada 21h30 Grande carreata é realizada nos Festejos da Padroeira Nossa Senhora de Nazaré 21h18 EUA: casal tira selfie com amigo morto 20h07 Medidas preventivas podem evitar 90% dos acidentes com crianças 19h57 Congresso Missionário na Primeira Igreja Batista de Teresina 19h51 Conferência Unidade Jovem no Rio de Janeiro 19h48 Neste dia 30 de Agosto, Cruzada Evangelística no Dirceu Arcoverde 2 19h48 Prefeitura de Altos firma convênio com Programa Água Para Todos 19h44 Dia 06 de Setembro, Pastor Lucinho em Teresina, imperdível! 19h40 Hoje, 30 de Agosto, as 20h, Vigilia na Primeira Igreja Batista de Agua Branca - PI 19h34 Missa de 3 anos de falecimento Jonas Victor 19h21 Louvorzão dirigido pelos Jovens hoje na Igreja Cristã da Família Teresina 19h20 Ato cultural na Praça Pedro II pede plebiscito para reforma política 19h06 Leões da Vila derrota o Vitória pelo placar de 3x0
Mesário Voluntário

Enquete

A morte de um taxista gerou um clima de revolta em Teresina. Um dos suspeitos já presos tinha várias passagens pela polícia, mas estava solto. Com um número cada vez maior de criminosos à solta, de quem você acredita que seja a culpa?

Total de Votos: 453

Válida de 29/08/2014 a 05/09/2014

Mais lidas

    180graus no Instagramno Instagram