180graus

Queixas sobre material coletiv - 13/01/2014 às 07h33

Pais reclamam da lista de materiais das escolas particulares; abusos e altos valores

Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

Dr. Igor Martins
UNIMED DIA COOPERAR
180 - Advogados





A bacharel em direito Raíres Cunha trocou os filhos de escola este ano. No momento da matrícula, pagou uma taxa estipulada pela escola para a aquisição de materiais, como caixa de giz, pincel e cola. Quando veio a lista de material individual, uma surpresa: lá estavam elencados materiais bem parecidos. Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

No Distrito Federal, mais de 200 pais procuraram a Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino (Aspa-DF) para reclamar de possíveis abusos e tirar dúvidas sobre listas de materiais escolares. As queixas são principalmente sobre a exigência de material coletivo, o que é proibido por lei, e a não especificação do uso dos produtos solicitados. A entidade recebeu reclamações também de pais de outros estados.

“Acho um absurdo. Se eles pedem um valor para comprar material de uso coletivo das crianças, por que a gente tem que comprar mais material ainda?”, reclama Raíres. “Aqui [aponta a lista coletiva] diz que a gente paga um pincel. Na outra [individual], pedem outro pincel”.

Tudo isso pesa no bolso. O presidente da Aspa-DF, Luis Claudio Megiorin, calcula que todo o material solicitado no início do ano letivo e durante o ano, como os extras, representam um acréscimo de 15% a 20% no gasto anual das famílias com a mensalidade escolar.

Sancionada no ano passado, a Lei 12.886/13 prevê o direito de comprar apenas o que o próprio filho vai consumir, individualmente ou coletivamente. O texto diz: “Será nula cláusula contratual que obrigue o contratante ao pagamento adicional ou ao fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo dos estudantes ou da instituição”.

A presidenta da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Amábiles Pacios, informa que o material coletivo a que se refere a lei é o de uso de expediente, como material de limpeza, papel higiênico e sabonete. Itens como cartolinas, giz de cera e pincéis podem ser pedidos pela escola, para uso do aluno em sala de aula. Mas, para esses materiais, o centro de ensino deve especificar a finalidade de cada um.

“Os pais devem comprar aquilo que for usado pedagogicamente em uma construção coletiva. Esse material volta para o pai em forma de trabalho das crianças”, diz Amábile, acrescentando que os pais com dúvida devem procurar as instituições, que estão à disposição para explicar sobre o uso dos materiais. Ela esclarece que não existe uma única regra e “as escolas têm autonomia para desenvolver propostas pedagógicas e solicitar o material para que ela seja desenvolvida”.

Na semana passada, o Procon-DF constatou que o plano de execução não está sendo apresentado aos pais por algumas instituições. A Operação Passa Régua fiscalizou 13 escolas, sendo que nove foram autuadas por apresentar irregularidades como a falta desse plano.

O Procon-DF recomenda que os pais exijam o plano de execução das escolas e fiquem atentos quanto às exigências da lista. Qualquer dúvida, devem procurar a instituição e registrar a queixa. A Aspa-DF orienta os pais a etiquetar todo o material comprado e deixado na escola. Ao final do ano, eles devem solicitar às escolas a devolução de pincéis, lápis de cor e do que não for completamente consumido ao longo do ano. “Isso pode ser guardado e usado no ano seguinte”, ressalta Megiorin.

Fonte: Agência Brasil

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Dr. Igor Martins
UNIMED DIA COOPERAR
UNIMED DIA COOPERAR
UNIMED - DIGA 33
Últimas Notícias
11h21 Juiz defende legalidade de buscas no apartamento funcional de Gleisi Hoffmann 11h20 Fies tem mais de 213 mil inscritos; prazo termina nesta quarta-feira 11h15 Receita da indústria da construção civil tem queda de 0,8% em comparação 11h12 Desemprego chega a 11,2% no trimestre e atinge 11,4 milhões de pessoas 11h05 Temer anuncia reajuste do Bolsa Família e R$ 700 milhões para educação 10h59 Relator de recurso de Cunha quer mais tempo para entregar parecer 10h57 Jogos Olímpicos Pedrossegundenses agitam as torcidas 10h57 Escola Municipal Genésio Moreira promove tradicional Arraiá Junino 10h49 Homem fica gravemente ferido após ser atacado por três pitbulls 10h44 Após 5 anos, CETAM passa, de fato, a funcionar 10h39 Localidade Natal:Prefeitura de Sigefredo Pacheco vai entregar mais uma praça na zona rural 10h34 Governo confirma pagamento do 13º dos aposentados em agosto 10h32 Senar e prefeitura de Altos qualificam mais de 300 pessoas em curso de capacitação 10h31 Cunha recebeu propina de uma das empresa de Eike Batista, diz delator 10h29 Problema com silicone leva Valesca Popozuda para a mesa de cirurgia 10h29 CONTINUAÇÃO: Escola Genésio Moreira promove tradicional Arraiá Junino 10h25 Miss Brasil 2004 é encontrada morta em casa; polícia investiga causa 10h21 Delegacia e Fazenda da Paz incineram mais de 150 kg de drogas apreendidas 10h10 Cantor Fagner denuncia esquema no São João realizado em Caruaru 10h01 Prefeito de Teresina assina portaria de nomeação dos 50 'guardas municipais' 10h01 Câmara acata pedido que pode afastar prefeito do suborno 09h58 Nota de Falecimento 09h53 Conheça a história do bebê Gabriel, que tem uma doença sem cura e precisa de ajuda 09h52 3º Festival de Quadrilhas do Novo Horizonte venha fazer parte desta festa 09h36 Bairro São José registra mais uma tentativa de homicídio

180 - Advogados
Contratamos designer gráfico

Mais Lidas


    Enquete

    Escândalos de corrupção têm sido cada vez mais frequentes no noticiário. Pagamentos de propina à nível nacional envolvem até políticos do Piauí. Você acha que ainda tem jeito pro Brasil?

    Total de Votos: 241

    Válida de 16/06/2016 a 23/06/2016

    180 - Advogados
    180 - Advogados

    180graus no Instagramno Instagram

    sunset