180graus

Queixas sobre material coletiv - 13/01/2014 às 07h33

Pais reclamam da lista de materiais das escolas particulares; abusos e altos valores

Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

Kangaço
Kangaco
Vestibular
Casa do Cartucho

A bacharel em direito Raíres Cunha trocou os filhos de escola este ano. No momento da matrícula, pagou uma taxa estipulada pela escola para a aquisição de materiais, como caixa de giz, pincel e cola. Quando veio a lista de material individual, uma surpresa: lá estavam elencados materiais bem parecidos. Em uma lista, pedia-se uma cola de 1 litro, na outra, a mãe deveria comprar duas colas brancas.

No Distrito Federal, mais de 200 pais procuraram a Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino (Aspa-DF) para reclamar de possíveis abusos e tirar dúvidas sobre listas de materiais escolares. As queixas são principalmente sobre a exigência de material coletivo, o que é proibido por lei, e a não especificação do uso dos produtos solicitados. A entidade recebeu reclamações também de pais de outros estados.

“Acho um absurdo. Se eles pedem um valor para comprar material de uso coletivo das crianças, por que a gente tem que comprar mais material ainda?”, reclama Raíres. “Aqui [aponta a lista coletiva] diz que a gente paga um pincel. Na outra [individual], pedem outro pincel”.

Tudo isso pesa no bolso. O presidente da Aspa-DF, Luis Claudio Megiorin, calcula que todo o material solicitado no início do ano letivo e durante o ano, como os extras, representam um acréscimo de 15% a 20% no gasto anual das famílias com a mensalidade escolar.

Sancionada no ano passado, a Lei 12.886/13 prevê o direito de comprar apenas o que o próprio filho vai consumir, individualmente ou coletivamente. O texto diz: “Será nula cláusula contratual que obrigue o contratante ao pagamento adicional ou ao fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo dos estudantes ou da instituição”.

A presidenta da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Amábiles Pacios, informa que o material coletivo a que se refere a lei é o de uso de expediente, como material de limpeza, papel higiênico e sabonete. Itens como cartolinas, giz de cera e pincéis podem ser pedidos pela escola, para uso do aluno em sala de aula. Mas, para esses materiais, o centro de ensino deve especificar a finalidade de cada um.

“Os pais devem comprar aquilo que for usado pedagogicamente em uma construção coletiva. Esse material volta para o pai em forma de trabalho das crianças”, diz Amábile, acrescentando que os pais com dúvida devem procurar as instituições, que estão à disposição para explicar sobre o uso dos materiais. Ela esclarece que não existe uma única regra e “as escolas têm autonomia para desenvolver propostas pedagógicas e solicitar o material para que ela seja desenvolvida”.

Na semana passada, o Procon-DF constatou que o plano de execução não está sendo apresentado aos pais por algumas instituições. A Operação Passa Régua fiscalizou 13 escolas, sendo que nove foram autuadas por apresentar irregularidades como a falta desse plano.

O Procon-DF recomenda que os pais exijam o plano de execução das escolas e fiquem atentos quanto às exigências da lista. Qualquer dúvida, devem procurar a instituição e registrar a queixa. A Aspa-DF orienta os pais a etiquetar todo o material comprado e deixado na escola. Ao final do ano, eles devem solicitar às escolas a devolução de pincéis, lápis de cor e do que não for completamente consumido ao longo do ano. “Isso pode ser guardado e usado no ano seguinte”, ressalta Megiorin.

Fonte: Agência Brasil

Publicado Por: Apoliana Oliveira

Últimas Notícias
14h11 Move Over e Fabrícia e Banda encerram hoje a campanha Outubro Rosa em Caxias 14h06 Cauã cai de moto e sofre lesão durante filmagens em Pernambuco 14h01 MOTORISTA sem habilitação foge da PRF após abordagem 13h59 28 de Outubro o Presidente da AMPAR e Prefeito de Agricolândia Walter se reunira com 26 prefeitos 13h53 Integração de Claro, Embratel e NET será finalizada em 2015 13h40 Vereador João Ferreira da Silva Neto procurou o 180 de Agricolândia para fazer um pronunciamento 13h21 Diamante rosa se partirá em quatro e cairá em mãos erradas 13h07 Equipe Albatroz realiza prisão de assaltantes na capital 12h56 Justiça Eleitoral verifica sistemas de totalização para o 2º turno da eleição 12h53 Planejamento autoriza seleção para o Ministério do Desenvolvimento Social 12h49 PC 'de bolso' roda Windows 8.1 e conta com processador Intel x64 12h46 Polícia de José de Freitas prende homem e recupera motocicleta roubada 12h44 Encerramento dos festejos da comunidade São Mateus . FOTOS 12h29 Serviço Social de Pimenteiras receberá prêmio nacional por boas praticas 12h28 Continuação 12h26 Continuação 12h25 Prefeita Edimê realiza inauguração e solenidade para oficializar a entrega de mais uma grande obra 12h20 Titulares de Real e Barça valem mais do que jogadores da final da Copa 12h19 Prefeitura inaugura escola na comunidade Canto Alegre de Coivaras 12h17 Semana do Bebê em Pimenteiras será de 28 a 31 de outubro 12h06 Horário da votação no Piauí não muda com o horário de verão, diz TRE 11h57 Revoltados com 'Veja', militantes do PT protestam na editora Abril em SP 11h55 Mega-Sena acumulada pode pagar R$ 60 milhões neste sábado 11h23 Autoridades politicas municipais marcam presença nos Festejos de São Mateus 11h19 IPhone 6 custará a partir de R$ 3.199 no Brasil; veja mais valores
TRE

Mais lidas

    Enquete

    Na sua opinião, dos novos deputados estaduais eleitos, qual realizará o melhor trabalho?

    Total de Votos: 1,456

    Válida de 21/10/2014 a 28/10/2014

    180graus no Instagramno Instagram