180graus

Era Secretário em Brasília - 01/04/2014 às 19h31

Operação Lava Jato prende ex-secretário e policial por lavar dinheiro com doleiro

Júlio Luis Urnau é investigado por suspeita de ser "sócio informal" do doleiro Carlos Habib Chater

SAMBAIBA MODULADOS
JALES-PÓS GRADUAÇÃO
Laurice - Projetos
DR GERMANO
COELHO FORTE E DOURADO
Phocus Galerie
Shop Festa - Inauguração





Os doleiros investigados na operação Lava Jato também tinham ramificações no governo do Distrito Federal. O ex-secretário adjunto de Transportes do Distrito Federal Júlio Luis Urnau é investigado por suspeita de ser "sócio informal" do doleiro Carlos Habib Chater, na Valortur Câmbio e Turismo, e de ter se beneficiado de operações de lavagem de dinheiro. Não é a primeira vez que ele é alvo de um inquérito policial. Urnau chegou a ser preso em 2011 acusado de receber propina de uma cooperativa de transporte.

Na operação Lava Jato, a Polícia Federal investiga um esquema que movimentou cerca de 10 bilhões de reais em operações de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Há suspeitas de negócios das quadrilhas com a Petrobras e o Ministério da Saúde. Chater é um dos pivôs da investigação, junto com os doleiros Alberto Youssef, Nelma Kodama e Raul Srour. Desde o início do inquérito em meados de 2013, foram detectadas diversas ligações telefônicas que indicam transações financeiras entre Chater e Urnau. O ex-secretário é suspeito de lavagem de dinheiro, mas a Justiça Federal ordenou que seja melhor esclarecida a participação dele no esquema. Urnau foi secretário adjunto de Transportes no governo de José Roberto Arruda.

Outro funcionário do governo do Distrito Federal investigado na Lava Jato é o policial civil Clayton Rinaldi de Oliveira. Ele teve bens bloqueados por ordem da 13ª Vara Federal do Paraná. A polícia constatou que ele obteve dinheiro em espécie com a quadrilha comandada por Chater. Oliveira também fez transações consideradas atípicas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). De acordo com um relatório de inteligência financeira (RIF), o policial civil movimentou 947.267,00 mil reais de março a outubro de 2011 como pessoa física enquanto sua empresa Rinaldi Consultoria Empresarial girou 6,5 milhões de reais. E empresas ligadas a Chater estão na origem desses recursos. O agente da Polícia Civil recebeu cerca de 935.000,00 reais de um posto de gasolina que pertenceu ao doleiro e 344.500,00 reais de outro posto de combustíveis que ainda pertence a Chater.

Os investigadores suspeitam que o policial civil cometeu crime de lavagem de dinheiro, porque julgaram ser discrepante a movimentação financeira de sua empresa e os seus salários de policial civil.

O doleiro Chater motivou o início das investigações da Lava Jato. Ele foi flagrado inicialmente em uma aparente operação de lavagem de dinheiro de recursos do deputado federal José Janene (PP), que morreu em 2010 e foi um dos acusados no processo do mensalão, esquema de compra de apoio político de parlamentares de PP, PL (atual PR), PTB e PMDB pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva. No começo do inquérito da operação Lava Jato, foi detectado que Chater aplicou recursos de Janene na Dunel Indústria e Comércio, empresa da qual o deputado era sócio. As transações foram feitas por duas empresas controladas pelo doleiro, sem indicar que os recursos originalmente pertenciam ao político.

Fonte: Com informações da Veja Online

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Terno e Cia
JALES-PÓS GRADUAÇÃO
ISLAMAR
SAMBAIBA MODULADOS
Phocus Galerie
JALES-PÓS GRADUAÇÃO
SAMBAIBA MODULADOS
Marquinhos do Pará
Últimas Notícias
20h14 Operários em situação de escravidão são resgatados no PI 18h56 MP aciona o Exército por morte de onça na passagem da tocha 18h37 PP lança Fábio e Luzinete na chapa majoritária em Betânia do Piauí 18h32 Expectativa por resposta rápida no WhatsApp é cada vez maior 18h10 Quanto a velocidade do carro eleva o consumo de combustível 17h58 PP e PT se enfrentam em Barra d’Alcântara nas Eleições 2016 17h58 Cobrador é esfaqueado durante um assalto dentro de ônibus na capital 17h53 Jogador brasileiro corre da quadra na hora do terremoto em Mianmar 17h37 Cientistas descobrem 'Segunda Terra' onde pode ter vida alienígena 17h36 Incêndio florestal já dura quase quatro dias no Piauí e preocupa os moradores 17h32 Membros da Ouvidoria Penitenciária são designados no Piauí 17h28 Justiça Federal do Piauí indisponibiliza bens de ex-prefeito 17h15 TV Globo explica ausência de Ilze Scamparini em cobertura na Itália 17h04 Fies e Prouni bancam mais de um terço das matrículas em 18 Estados 17h02 Drones flagram suposta plantação de maconha 16h55 Mais de 18 mil alunos serão beneficiados pelo Poupança Jovem 16h26 Nova versão do Android Nougat começa a ser liberada nos celulares 16h19 Em Floriano, 355 trabalhadores têm benefício a receber do MTE 16h16 Fim da poeira e lama em ruas dos Bairros Santa Cruz e California em Campo Maior 15h49 Finlandek realiza parceria com blogueiras sobre dicas de decoração 15h45 Brigas políticas no Piauí já deixaram um morto e pelo menos seis feridos 15h41 Amadeu vai ouvir o Sindserm sobre liberação de precatórios do 'Fundef' 15h35 Justiça Eleitoral e MPE reúnem candidatos e coligações da 82ª Zona Eleitoral e estabelecem regras 15h28 82ª Zona Eleitoral: Justiça Eleitoral e MPE reúnem candidatos e coligações e discutem regras 15h18 Renan marca votação do reajuste dos ministros do STF para 6 de setembro

ISLAMAR
Phocus Galerie
Terno e Cia
SAMBAIBA MODULADOS
JALES-PÓS GRADUAÇÃO
Laurice - Projetos

Mais Lidas

    SUNSET
    DR GERMANO ADV

    Enquete

    O Senado Federal abriu consulta pública sobre projeto de lei que propõe diminuir o número de deputados e senadores. Você concorda com a proposta?

    Total de Votos: 67

    Válida de 23/08/2016 a 30/08/2016

    Casa do cartucho
    Silva, Guedes & Barroso
    Shop Festa - Inauguração
    SAMBAIBA MODULADOS
    JALES-PÓS GRADUAÇÃO
    Alves e Alves (Dr. Daniel)
    Dr. Diogo Caldas(Escritório de advocacia)
    ISLAMAR

    180graus no Instagramno Instagram

    Panificadora Canindé