180graus

Condições de trabalho - 20/03/2017 às 08h44

Metade dos professores não consegue cumprir conteúdo planejado

Os dados são do questionário da Prova Brasil 2015, aplicado a diretores, alunos e professores

Maria Brasileira - Limpeza e cuidados
comserv
Você no controle do Processo





Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Metade dos professores do ensino fundamental (51%) conseguiu desenvolver pelo menos 80% do conteúdo previsto para o ano. Na outra ponta, 11% concluíram menos de 60% daquilo que deveria ter sido ensinado aos alunos.

Os dados são do questionário da Prova Brasil 2015, aplicado a diretores, alunos e professores do 5º e do 9º ano do ensino fundamental de todo o país. As informações foram organizadas e divulgados hoje (20) na plataforma QEdu (www.qedu.org.br)

Quando considerados apenas os professores do 9º ano, menos da metade (45%) desenvolveu pelo menos 80% do conteúdo previsto para as turmas que fizeram a Prova Brasil em 2015. Já entre os professores do 5º ano, a porcentagem chega a 55%. A questão foi respondida por mais de 262 mil professores.

A maioria dos professores (91%) disse ainda que gasta até 20% do tempo da aula com tarefas administrativas como fazendo a chamada ou preenchendo formulários. Outros 20% da aula são gastos para manter a ordem e a disciplina em sala de aula para 70% dos professores.

O tempo que resta para atividades de ensino e aprendizagem é de menos de 80% do total para 57% dos professores. Considerando uma aula de 50 minutos, isso significa que, nos melhores cenários, menos de 40 minutos são dedicados de fato ao ensino.

Segundo o pesquisador da Fundação Lemann, sediada em São Paulo, Ernesto Faria, os dados são preocupantes. "Os alunos não estão tendo acesso a conteúdos importantes. Os professores conseguem cumprir uma parte, mas conteúdos importantes sequer são apresentados", disse.

O resultado pode ser visto no desempenho dos estudantes brasileiros na última divulgação da Prova Brasil. A avaliação de 2015 mostrou que, ao deixar a escola, no fim do ensino médio, apenas 7,3% dos estudantes aprendem o mínimo adequado em matemática e 27,5% em português.

De acordo com Faria, esses dados podem ser usados para se pensar a Base Nacional Comum Curricular, que atualmente está em discussão no Ministério da Educação. A base deverá orientar o que deve ser ensinado em cada etapa escolar.

"Não basta só ter um documento e currículo de altas expectativas e não resolver problemas de material didático e estratégias para aprendizagem. Não adianta ter um currículo bom, mas não cumprido na sala de aula", afirma. Os questionários foram respondidos por 52.341 diretores, 262.417 professores e 3.810.459 estudantes.

Condições de trabalho
Os problemas nas escolas são diversos. Segundo a maior parte dos diretores (70%), o ensino foi dificultado por falta de recursos financeiros. Mais da metade (55%) disse ter enfrentado dificuldades por falta de recursos pedagógicos.

Os dados mostram ainda que a maioria dos professores trabalha 40 horas ou mais (66%) e que 40% deles lecionam em duas ou mais escolas. Pelo menos um terço (34%), ganhavam, como professores, menos do que o piso salarial estabelecido pela Lei do Piso (Lei 11.738/2008) para aquele ano, que era de R$ 1.917,78.

A professora Cleonice Santos, 43 anos, concilia mais de um trabalho. Durante o dia, dá aulas de português para o 9º ano do ensino fundamental no Centro de Ensino Fundamental 10 do Gama, no Distrito Federal. À noite, leciona no ensino médio do Centro de Ensino Médio 2 do Gama.

"Tenho uma vida muito corrida. Trabalho de manhã, saio da escola, ajudo minhas filhas com o dever de casa, deixo nas escolas onde estudam, volto para a minha à tarde. Depois busco as minhas filhas, ajudo com o dever do dia seguinte e vou para a escola à noite. É corrido, cansativo, mas consigo levar com planejamento. Cleonice disse gostar muito da profissão. Consegue concluir o conteúdo do ensino fundamental, mas não do médio. Quando perguntada se se sente desvalorizada, Cleonice responde: "Estou em greve".

Assim como Cleonice, 30% dos professores acreditam que a sobrecarga, que dificulta o planejamento da aula, atrapalha a aprendizagem dos alunos; e 29% opinam que a insatisfação e o desestímulo com a profissão impactam também no aprendizado dos estudantes.

Considerando todas as escolas em que o professor trabalha, atualmente 36% gastam menos de um terço da carga horária para o planejamento das aulas. Pela Lei do Piso, esse é o tempo garantido ao professor para que planeje as atividades a serem desenvolvidas em sala de aula.

"Infelizmente, continuamos com muitas dificuldades. A começar pela própria infraestrutura das escolas. Temos reclamações de professores com salas superlotadas, salas muito quentes, que atrapalham o aprendizado, falta de luz, de água. Isso tudo somado ao não cumprimento da Lei do Piso", afirmou o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo. "Os governantes dizem que os alunos são prejudicados só quando tem greve. Isso não é verdade, eles precisam tomar uma atitude porque os alunos são prejudicados o ano inteiro", finaliza.

(Com informações da VEJA.com)

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Quer mudar de vida?
Matemática Básica
Teresina 165 anos
Matemática e Raciocínio Lógico no Podium
Tire sua CNH com a Autoescola Gallantys
Aux. Administrativo UFMA
Assist. Administrativo UFMA
Casa do Cartucho
Últimas Notícias
21h18 Polícia prende suspeitos de matar jovem após festa no PI 21h17 Professor Gilbert Gaertner II fará palestra sobre sonho de estudar no exterior 21h12 51 concursos oferecem salários de até R$ 26,1 mil em várias regiões do Brasil 21h07 Comissão especial conclui votação e antecipa fim das coligações partidárias 20h36 Número de mortos em naufrágio no Rio Xingu sobe para dez 20h32 Festival da Cajuína reúne produtores na capital durante três dias 20h31 Uespi lança edital com mais de mil vagas para especializações nesta quinta (24) 20h30 Secretário Estadual Fábio Abreu estará ao vivo no EugenioShow nesta quarta-feira 20h27 Semana universitária do ASA orienta estudantes do ensino médio na escolha de profissão 20h25 Ex-prefeito que sofreu acidente na BR-135 criticou sobre obra em vídeo 20h23 Técnicos da Secretaria de Agricultura visitam unidade de produção familiar em José de Freitas 20h17 Secretaria de saúde de Pimenteiras realiza mutirão com crianças 20h14 Prefeito Márcio Alencar tem prestações de contas aprovadas pelo TCE 20h14 Prefeito e secretária trazem aula de balé para Santa Cruz do Piauí 20h08 Prefeito Roger Linhares participa de evento em homenagem aos pais em José de Freitas 20h08 Cajazeiras: Dentistas realizam ações e entrega de kits para alunos 20h03 Audiência Pública apresentará direitos e deveres das famílias beneficiárias do Bolsa Família 20h03 Polícia prende homem suspeito de praticar furto em Esperantina 19h56 Joaquim Pires promoverá o segundo campeonato de futebol amador 19h54 Colisão deixa poste caído na 'Miguel Rosa' e dois motociclistas feridos 19h49 Secretaria de Educação de Joaquim Pires realiza o IV Seminário Municipal 19h48 Secretaria de saúde promove palestra sobre saúde bucal 19h38 Saiba como incentivar o seu parceiro a fazer mais sexo oral 19h35 Atleta medalhista ouro no Mundial de Paracanoagem é natural de Picos 19h27 Filme pornô: quando ele ajuda e quando atrapalha na relação

Matemática Básica
Tire sua CNH com a Autoescola Gallantys
Assist Administrativo UFMA
Aux. Administrativo UFMA

Mais Lidas


    Enquete

    Você acredita que Michel Temer vai...

    Total de Votos: 290

    Válida de 2017-05-29 15:46:00.0 a 2017-06-05

    Ajude!
    Podium - Professor Atualidades
    Assist. Administrativo UFMA

    180graus no Instagramno Instagram

    Aux. Administrativo UFMA