180graus

Reportagem traz detalhes - 14/04/2013 às 07h49

Especialistas falam sobre a 'Pec das Domésticas'; 180graus tira dúvidas

Entenda porque ainda existem tantas dúvidas entre empregadores e emrpegados

LB Fitness
Kangaço
TECNIQUIMICA
CEV
Artcores

Já está em vigor a PEC das Domésticas, regras aprovadas pelo Senado e que dão mais direitos à classe. Porém, o avanço em termos de conquistas ainda gera muitas duvidas entre empregados e patrões.

Aos empregadores cabe à adequação às mudanças e a correta identificação de seus direitos e deveres. Aos empregados, além de saber seus direitos e deveres, fica o sentimento de, por uma lado terem conseguido mais reconhecimento, e do outro a incerteza e o medo das demissões.

O 180graus ouviu o especialista em Direito Trabalhista e professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Édson Sá. Ele esclareceu sobre alguns pontos que ainda são dúvidas, opinou sobre o texto da lei e mostrou-se otimista quanto ao real cumprimento desta conquista por parte dos trabalhadores do lar.

“As duas principais mudanças que já valem de imediato são o pagamento de horas extras e a jornada de trabalho de oito horas diárias e 44 horas semanais. Quanto às regras que já valiam antes, tais como o pagamento de um salário mínimo ao mês; integração recolhimento do INSS; um dia de folga por semana, preferencialmente aos domingos; férias; 13ª salário; licença gestante e licença-paternidade, por exemplo, estas devem ser observadas e cumprias”, acrescenta o advogado.

ee.jpg
Advogado tira dúvidas e destaca a importância da Pec das Domésticas

Édson Sá afirma que a ampliação destes benefícios significa um avanço, e que algumas características peculiares da profissão de doméstica devem ser analisadas.

“Imaginem, em que trabalho você pode assistir à novela durante à tarde, você pode passar cerca de 1h ao telefone falando com uma amiga ou mesmo atender ao celular. A empregada doméstica tem peculiaridades e que deveriam ser consideradas”, comenta o advogado.

NA PRÁTICA, AINDA FALTAM DETALHESregu.jpg

CRÍTICAS À LEI
Para Édson Sá, o texto da PEC das Domésticas foi mal elaborado, uma vez que grande parte dos lares do país estão cheios de dúvidas quanto ao que é direito e o que é dever.

“Se existe dúvidas é porque algo não está claro, logo, poderia ter sido melhor elaborada para não deixar a população com tantas incertezas.

DEMISSÕES
“Essas incertezas podem, inclusive, resultar em demissões, pois o empregador diante de tantas dúvidas prefere, neste primeiro momento, demitir seus empregados a ter que pagar, em eventuais casos, altas indenizações por ações trabalhistas”, opina o especialista.

ADVOGADO TRANQUILIZA DOMÉSTICAS
Mesmo com tantas dúvidas, o advogado José Maria comenta que as empregadas podem ficar tranquilas e que este medo das demissões logo vai passar. Em sua opinião, esta conquista gerou nos empregadores as mesmas desconfianças de conquistas passadas pelos trabalhadores em geral, como o 13º salário.

zemaria.JPG
Advogado entende que a PEC traz mais benefícios que malefícios

“Quando foi determinado o pagamento do 13º salário, muito se falou que as empresas iam demitir em massa por não poder pagar o valor a mai. No entanto, o que se viu com o passar do tempo foi uma adequação. Tudo isso é só o impacto imediato nesta nova medida, mas ao final todos vão entender sua real aplicação, todos vão se adaptar”, pondera o advogado.

E acrescenta ainda que o grande benefício é para os trabalhadores e trabalhadoras, que dão mais um importante passo na valorização de seus trabalhos e na conquista de mais direitos.

SAIBA TUDO SOBRE A 'PEC DAS DOMÉSTICAS'
Uma reportagem da Folha de São Paulo, repercutida no versão online do jornal (http://www.folha.uol.com.br/), traz detalhes sobre a PEC das Empregadas. O texto tira as principais dúvidas que cercam empregados e patrões, no tocante ao trabalho doméstico. O 180graus repercute material abaixo.

guia.jpg

pec1.jpg

2.jpg
É possível fazer banco de horas para o doméstico?
Não, a menos que o banco de horas seja aprovado em convenção coletiva, o que ainda não ocorreu; hoje, é possível compensar horas desde que o descanso seja oferecido nos dias seguintes (na mesma semana).

3.jpg
Há um limite de horas extras para o doméstico?
Sim. Quem tem jornada de 8 horas diárias (máximo permitido) só pode fazer até 2 horas extras por dia; mais do que esse limite só é aceito quando há acordo em convenção coletiva (entre sindicatos).

Pec 4.jpeg

pec jornada adaptada.jpeg

5.jpg
É possível usar, de segunda a sexta, horas previstas para o sábado?
Como a jornada máxima diária é de 8 horas, não seria possível (além desse limite, seriam horas extras); recomenda-se estipular jornada de 7 h e 20 min de 2ª a sábado, ou de 8 horas de 2ª a 6ª mais 4 horas no sábado.

6.jpg
É possível descontar alimentação e moradia do salário do doméstico?
Não. A legislação veda desconto por fornecimento de alimentação, vestuário, higiene ou moradia; é possível descontar o vale-transporte até o limite de 6% do salário do empregado.

7.jpg
Empregado que dorme no emprego terá de receber hora extra ou adicional?
Se não estiver trabalhando, não. O pernoite não pode ser considerado trabalho, mas o empregador não pode designar o doméstico --que está em hora de folga-- para nenhuma tarefa, nem pegar um copo d'água.

infografico8qualocusto.jpg

ENTENDA OS CÁLCULOS
A nova lei que amplia o direitos dos domésticos aumenta os custos desses funcionários para o empregador - com o acréscimo, por exemplo, das horas extras remuneradas.

A jornada de trabalho máxima permitida passa a ser de 44 horas semanais e 8 horas diárias.

O recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) torna-se obrigatório, mas a alíquota e a forma de pagamento, assim como a multa de 40% do saldo em caso de demissão sem justa causa, ainda dependem de regulamentação que deve sair no fim de junho.

Há ainda direito a adicional noturno de 20%, pendente de regulamentação para que se defina como será computado para trabalhadores que dormem no serviço.

Na calculadora abaixo, simule o custo anual do doméstico pela nova lei. A simulação não considera o desconto do vale-transporte do empregado --o que é possível fazer no limite de 6% do salário

9.jpg
É possível estipular jornada mista, parte diurna e parte noturna?
Sim, desde que respeitado limite de 8h, o intervalo de 11h de descanso entre uma jornada e outra e o adicional de 20% no valor da hora noturna.

10.jpg
É possível reduzir a jornada de trabalho e diminuir o salário?
A redução de jornada pode ser feita -e deve, se ultrapassar a estipulada pela lei-, mas não é permitido diminuir o salário previamente contratado.

11.jpg
É possível fracionar o horário de descanso?
Não. Quem trabalha até 6 horas ao dia tem direito ao mínimo de 15 minutos de descanso e quem faz de 6 horas a 8 horas diárias tem pausa contínua de 1 hora a 2 horas (a critério do empregador).

12.jpg
A lei vale para contratos em vigor ou só novos?
Vale para novos e vigentes, que terão de ser ajustados, mas a lei não é retroativa. Ou seja, direitos adquiridos agora não poderão ser exigidos em relação a períodos anteriores à lei.

13.jpg
A lei vale para todos os empregados domésticos?
Sim. Vale para os trabalhadores com carteira assinada que prestam serviço em residências, como cozinheiras, babás, mordomos, motoristas, cuidadores, jardineiros etc.

14.jpg
Diaristas poderão ser beneficiadas pela lei?
Não. Para o diarista, nada muda. É considerado diarista o trabalhador que presta serviço na residência até 2 dias por semana; a partir de 3 dias, passa a haver vínculo empregatício.

pecepossivelfazercontrato.jpg

16.jpg
É possível descontar do salário danos à residência?
É permitido fazer o desconto (por um eletrodoméstico que foi quebrado, por exemplo) desde que a possibilidade tenha sido previamente expressa no contrato de trabalho.

17.jpg
A partir de quando será obrigatório recolher FGTS?
Há divergências. Alguns especialistas orientam esperar a regulamentação, outros defendem o começo imediato para evitar risco de processo trabalhista futuro.

18.jpg
Há um piso salarial definido para a categoria?
Não se pode pagar menos que o salário mínimo, que pode variar de Estado para Estado; o mínimo nacional é de R$ 678 por uma jornada de 44 horas semanais e, em São Paulo, de R$ 755.

PECQUEROMANTERQUEOPCAOTENHO.jpg

20.jpg
Como monitorar a jornada do doméstico?
O empregador precisará de um instrumento de controle, como um caderno de horários ou um relógio de ponto; em caso de condomínio, o zelador poderia ser solicitado a também fazer anotação de entrada e saída.

21.jpg
Quem irá fiscalizar se os novos direitos são respeitados?
Cabe ao empregador fiscalizar e assumir os riscos; um monitoramento da Justiça do Trabalho poderá ocorrer em caso de denúncia, por exemplo.

22.jpg
Um doméstico pode ser demitido e recontratado por um salário menor?
Não. Se um funcionário for demitido hoje, só pode ser recontratado depois de pelo menos 6 meses e enquadrado em outra função.

23.jpg
Dois domésticos podem ter salários diferentes?
Sim, desde que não desempenhem funções idênticas; assim, um motorista pode ganhar um valor e uma cozinheira, outro, mas nunca menos que o salário mínimo.

PECPRECISODEMITIRQUEOPCAOTENHO.jpg

25.jpg
É possível descontar do salário as faltas?
Sim, desde que injustificadas; atestados médicos ou da perícia do INSS, por exemplo, servem como justificativa; recomenda-se pedir o código da doença (não obrigatório).

PEC OQUEPODECAUSARDEMISSAOJUSTACAUSA.jpg

27.jpg
No período noturno, como ficam as pausas para descanso?
Da mesma forma: jornada até 6 horas tem intervalo de 15 minutos e, superior a 6 horas, pausa de 1 hora a 2 horas, a critério do empregador.

28.jpg
É possível pedir ao doméstico que abra uma microempresa para prestar o serviço?
Não, pois o empregado doméstico exerce para o patrão trabalho considerado de caráter pessoal.

29.jpg
Quais são os valores praticados para diaristas e domésticos?
Em São Paulo, a remuneração média do diarista está em R$ 108 por 8 horas, sem contar transporte; para o doméstico, o salário médio é R$ 1.000.

30.jpg
Cuidador que seja profissional da saúde, como enfermeiro, pode ter jornada diferente?
Sim, pode cumprir jornada de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso, segundo convenção coletiva.

Com informações da Folha Online
INFOGRÁFICOS: Editoria de Arte/Folhaprass

Publicado Por: Daniel Silva

Últimas Notícias
20h18 Mantega confirma reajuste da tabela do IR e diz que gasolina deve subir 20h15 Incentivo ao esporte leva escola do município para competição nacional 20h06 IBOPE: Marina Silva lidera com 39% em SP e com 38% no Rio de Janeiro 19h44 Desfile da Independência é neste domingo em Agricolândia 19h32 Hildo Rocha amplia campanha com apoios em Duque Bacelar e Buriti 19h19 Venda de carros cai 7,4% em agosto, diz Fenabrave 19h00 Prestes a se casar, Preta Gil fala sobre planos de engravidar 18h54 Desfile cívico em comemoração a independência do Brasil reúne 2 mil participantes em Nazaré do Piauí 18h37 Mais prefeitos do PTB decidem aderir à campanha do Zé Filho para a reeleição 18h31 Chitãozinho e Xororó acabam de assinar contrato com o SBT 18h23 Homem é preso com comprimidos de rebites em São João dos Patos 18h21 Hildo Rocha participa de reunião com comunidades do PAC Rio Anil 18h21 Mãe de candidato morre em acidente, em São Luís 18h18 Piauí sofre segunda derrota no Campeonato Brasileiro de Vôlei 18h11 Vereadores aprovam pedido de mandado de segurança contra a Caema 18h11 Gerente de posto no DF quebra vidro de carro com rodo: 'Sou quase doido' 18h09 Solteira, Marina Ruy Barbosa só quer saber de Maria Ísis 18h08 Terrorista divulga vídeo de decapitação de outro jornalista americano 18h04 Anitta supera sertanejos nas rádios no primeiro trimestre em todo país 18h02 Presidenciáveis aprovam no TSE foto que será usada nas urnas 18h01 Prefeito Jesualdo Cavalcanti convida a comunidade a comparecer aos desfiles cívicos 18h01 Dirigente do PSB para políticas LGBT deixa campanha de Marina 18h00 Globo despenca no horário nobre e registra pior audiência da história 17h59 AVIÃO BIMOTOR faz pouso forçado após colidir em árvore 17h52 Justin Bieber foi preso no Canadá após acidente automobilístico, diz site
Mesário Voluntário

Enquete

Com o início de setembro, começa também o período mais quente para os piauienses: o chamado B-R-O-Bró. Com temperaturas castigantes, o que há de pior pra você neste período do ano?

Total de Votos: 319

Válida de 01/09/2014 a 08/09/2014

Mais lidas

    180graus no Instagramno Instagram