Geral

Redes sociais em destaque · 26/11/2013 - 17h03

Redes sociais tornam-se plataforma de emprego para jovens piauienses

Grupos na web reúnem mais de 40 mil participantes que buscam uma chance no mercado de trabalho


Compartilhar Tweet 1



O mercado piauiense assim como todos os outros, está cada dia mais competitivo e exigente. Tanto para os jovens, como para pessoas experientes, conseguir uma vaga em uma boa empresa tem se tornado algo muito difícil.

Muitos meios são usados para esses fins, e com o advento tecnológico, que alcança boa parte da população, utilizar a web não é mais sinônimo de descontração e perda de tempo, hoje a internet antes de tudo, é lugar para quem procura o tão desejado emprego.

De acordo com matéria divulgada pelo TV Clube, no programa Bom Dia Piauí, no Piauí, essa prática é bem constante, páginas no Facebook e no antigo Orkut, foram criadas para aqueles que buscam contratar e para os que querem ser contratados.

Há quatro meses, a consultora de vendas, Rafaela Moreira, trabalha em uma empresa que conseguiu contactá-la através do Facebook, "mandei meu currículo para três empresas pela internet, e em dez dias eu estava escolhendo em qual eu queria ficar", afirma a consultora.

Rafaela conseguiu o emprego através do grupo 'Temos Vagas', que é gratuito e tem mais de 40 mil participantes, além de mais de 100 oportunidades novas à cada semana.

O criador da página foi o estudante de Comunicação Social da UFPI, Floro Manuel Almeida, "eu sempre quis tornar isso em algo bom, a ideia não é original pois já existem vários grupos desse tipo em outras redes sociais, mais eu quis criar algo voltado para o Piauí, para Teresina, para nossa região", afirma o estudante.

A maioria das empresas buscam contactar pela web antes de contratarem, e consequentemente pedem um cadastro ao candidato, com isso, deve-se ter muita atenção antes de disponibilizar dados pessoais na internet.

Márcio Pinto, que é diretor de uma grande empresa em Teresina, fala que antes de disponibilizar dados pessoais nas redes sociais, deve-se observar se a empresa tem credibilidade, se tem um histórico na sua cidade, no seu estado; tudo isso é necessário para que não se disponibiliza dados em sites sem segurança.

Gabrielle Mesquita é psicóloga organizacional, e fala que as pessoas que vivem conectadas são mais propensas a conseguirem empregos melhores, "As pessoas que geralmente estão conectadas, são pessoas atuais, as vezes até já trabalham, mais querem aquele emprego, e nós olhamos primeiramente o perfil do contato na web", afirmou.

O supervisor de Rafaela, Estefano Alves, diz está satisfeito com o trabalho desenvolvido pelas pessoas que foram contratadas pela web, "O fator tempo é importante, em vez de recebermos muitas pessoas e papéis, nós apenas mandamos um e-mail e já selecionamos apenas apenas aqueles que tem nosso perfil", disse Estefano.