180graus

'Conteúdo jurídico-criminal' - 30/03/2016 às 00h27

Moro pede desculpas ao STF por "polêmica" de grampo e nega que divulgação teve finalidade política






comserv
Antonio das Neves - Peritos Associados

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba, afirmou nesta terça-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) que não pretendeu gerar "fato político-partidário" ao suspender o sigilo dos grampos em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi flagrado em aparente tentativa de obstrução da Justiça. Lula é alvo de processo relacionado ao petrolão por suspeitas de ter recebido benesses de empreiteiras investigadas na Lava Jato e ocultado patrimônio. Na manifestação de Moro, encaminhada ao ministro Teori Zavascki, o magistrado admitiu que pode ter errado ao dar publicidade aos grampos, pediu desculpas e disse que "jamais foi a intenção desse julgador (...) provocar polêmicas, conflitos ou provocar constrangimentos".

"Compreendo que o entendimento então adotado possa ser considerado incorreto, ou mesmo sendo correto, possa ter trazido polêmicas e constrangimentos desnecessários. Jamais foi a intenção desse julgador provocar tais efeitos e, por eles, solicito desde logo respeitosas escusas a este Egrégio Supremo Tribunal Federal", afirmou. Ainda assim, ele defendeu a decisão de dar publicidade às conversas de Lula e disse que, por haver indícios de que o petista atuava para obstruir as investigações, não se pode falar em "direito à intimidade".

"O levantamento do sigilo não teve por objetivo gerar fato político-partidário, polêmicas ou conflitos, algo estranho à função jurisdicional, mas, atendendo ao requerimento do Ministério Público Federal, dar publicidade ao processo e especialmente a condutas relevantes do ponto de vista jurídico e criminal do investigado, o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que podem eventualmente caracterizar obstrução à Justiça ou tentativas de obstrução à Justiça", disse.

Na avaliação de Sergio Moro, diversas conversas de Lula monitoradas com autorização judicial, entre as quais com políticos do PT e com a própria presidente Dilma Rousseff, têm "conteúdo jurídico-criminal relevante" porque revelam "condutas ou tentativas de obstrução ou de intimidação da Justiça ou mesmo solicitações para influenciar indevidamente magistrados, sendo também colhidos diálogos relevantes para o objeto da investigação em curso".

Na conversa em que Dilma diz a Lula para usar o termo de posse de ministro da Casa Civil "em caso de necessidade", Moro disse que o tema é relevante para a tese de que o ex-presidente poderia obstruir a Justiça ao adquirir foro privilegiado. "Se o referido diálogo não tinha conteúdo jurídico-criminal relevante para a Exma. Sra. Presidenta da República, então não havia causa para, em 16/03, determinar a competência do Supremo Tribunal Federal, o que só ocorreria com a posse do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de Ministro Chefe da Casa Civil, então marcada para 22/03/2016, depois antecipada para 17/03/2016", argumentou o juiz da Lava Jato.

Segundo Moro, não há indicativos, em princípio, de que a própria presidente Dilma tenha atuado para influenciar, intimidar ou obstruir a Justiça. Por isso, o simples fato de aparecer nas conversas grampeadas não faz com que o caso tenha de ser remetido de pronto ao STF. "Pela relevância desse diálogo para o investigado, não há falar em direito da privacidade a ser resguardado, já que ele é relevante jurídico-criminalmente para o ex-Presidente", afirmou.

Em outro grampo, em que Lula conversa com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), o entendimento de Moro é o de que o diálogo é importante porque o peemedebista fala abertamente do sítio de Atibaia como sendo do ex-presidente. O imóvel foi reformado pelas empreiteiras OAS e Odebrecht e pelo pecuarista José Carlos Bumlai, segundo o Ministério Público, para o ex-presidente, que teria usado interpostas pessoas a fim de ocultar ser o real dono da propriedade.

Ao defender os grampos e a decisão de torná-los públicos, o juiz também destaca que autoridades com foro privilegiado, como a própria presidente Dilma Rousseff, não são alvo de investigação na Lava Jato, mas aparecem nos monitoramentos porque conversaram com Lula, o real investigado. No documento enviado a Teori Zavascki, Moro detalha a atuação do petista para obstruir a Justiça em diversas conversas monitoradas e cita uma em especial: a que Lula diz que os responsáveis pelos processos relacionados ao petrolão "têm que ter medo". "Não se trata de uma afirmação que não gere naturais receios aos responsáveis pelos processos atinentes ao esquema criminoso da Petrobras", disse.

"Entendeu este Juízo que, nesse contexto, o pedido do MPF de levantamento do sigilo do processo se justificava exatamente para prevenir novas condutas do ex-Presidente para obstruir a Justiça, influenciar indevidamente magistrados ou intimidar os responsáveis pelos processos atinentes ao esquema criminoso da Petrobras. O propósito não foi, portanto, político-partidário, mas sim, além do cumprimento das normas constitucionais da publicidade dos processos e da atividade da Administração Públicas, prevenir obstruções ao funcionamento da Justiça e à integridade do sistema judicial frente a interferências indevidas", explicou Sergio Moro.

Fonte: Com informações da Veja.com

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Vem pro Podium!
Teresina Participativa
Vem pro Podium
Vem pro Podium
Cadastre-se
PM BA - Vem pro Podium!
PM TO - Vem pro Podium!
Vem pro Podium
Vem pro Podium!
Últimas Notícias
18h48 Mulher tem a vida transformada em um inferno por denúncia anônima de tráfico de drogas 18h35 Continua as homenagens as Mães em toda a rede Municipal de Educação 18h21 A cada 45 minutos, uma pessoa se suicida no Brasil, dizem especialistas 18h17 Senado poderá votar na terça-feira PEC do foro privilegiado e seis MPs 18h07 Mais de 80 casais celebram união em casamento comunitário do Ação Global 18h04 Defesa diz que Aécio nunca usou bloqueador de celulares encontrado pela PF 17h58 Sessão de ‘Mulher-Maravilha’ só para mulheres causa controvérsia 17h50 Saída para a crise no país exige nome legitimado pelo povo, defende W.Dias 17h33 Espaço aéreo: conheça as regras para drones, aeromodelos e balões 17h29 Maçonaria brasileira se organiza em torno do progressismo e pede renuncia de Michel Temer 17h16 Prefeitura de Pio IX emite nota técnica sobre surto de meningite 17h05 Firmino Filho tranquiliza seguidores após ser internado: 'Enfim, em casa' 17h04 Empossados a nova diretoria do PT de Miguel Alves 17h03 Caçamba tomba após perder o freio e motorista morre no Norte do Piauí 17h02 20 concursos oferecem salários de até R$ 21,3 mil em várias regiões do Brasil 17h01 Homem morre ao ter cabeça esmagada por uma carreta na BR 230 em Floriano 16h43 Pai e filho caem de moto e morrem atropelados por ônibus 16h34 Semam distribui mudas no Parque da Cidadania durante o Ação Global 16h04 Anatel deverá bloquear os celulares que não tenham certificação;confira 15h19 Confira cinco boas razões para deixar o sexo fora de água 15h14 Descubra com que idade a mulher sente mais prazer no sexo 14h47 Novo poster da série Castlevania faz homenagem ao game 14h45 The Rock transformaria Game of Thrones em filme de comédia 14h39 O coordenador de Comunicação numa entrevista com Devan Eugênio no Eugênio Show 14h35 Famosos arrasam nos looks para a festa de 15 anos de ex-Chiquititas

Vem pro Podium!
Vem pro Podium
Vem pro Podium
Vem pro Podium!
Teresina Participativa

Mais Lidas

    Podium - Professores Dir. Constitucional

    Enquete

    Você aprova a decisão da CCJ do Senado em diminuir as vagas para deputados piauienses?

    Total de Votos: 913

    Válida de 2017-04-06 17:08:00.0 a 2017-04-30

    Suas ideias podem melhorar Teresina
    Vem pro Podium!
    Podium - Professor Atualidades

    180graus no Instagramno Instagram

    Podium - Professores Dir. Constitucional