180graus

Alerta da ANVISA - 29/07/2016 às 06h38

Farmácias e laboratórios: Anvisa alerta sobre possibilidade de cobrança fraudulenta em nome do Órgão

Os criminosos aplicam golpes cada vez mais criativos e ousados para praticaram seus atos. Cobrança de faturas, contas telefônica e de cartão de crédito falsas tem chegado com frequência a muitos usuários e causado muitas vítimas.

Na semana passada, a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária -Anvisa, alerta sobre débitos informados por contato telefônico e o pagamentos de “taxas” por meio de depósito bancário.

O Órgão aleta que não solicita depósitos bancários e não realiza ligações para empresas ou demais usuários fazendo cobranças.

Em caso de débitos junto à Agência, o interessado é devidamente notificado via serviço postal (Correios), com aviso de recebimento (AR), ou por Edital publicado no Diário Oficial da União (DOU).

A notificação traz os procedimentos para regularizar a situação, com a possibilidade de interposição de recurso administrativo ou mediante pagamento.

A Agência alerta que as cobranças por ela efetuadas seguem o regular processo administrativo, no qual é assegurado ao usuário o direito de ampla defesa e do contraditório.

A Anvisa informa, ainda, que a arrecadação de receitas ocorre exclusivamente por meio de Guia de Recolhimento da União (GRU), cujos valores são recolhidos à conta Única do Tesouro Nacional, mediante o agente arrecadador: Banco do Brasil S/A.

Portanto, quem receber ligação telefônica, e-mail ou outros documentos falsos informando da existência de dívidas ou de multas e solicitando a realização de pagamentos ou de depósito, deve desconsiderar essa solicitação e não pagar nada: trata-se de fraude.

Em caso de dúvidas, os usuários devem entrar em contato com a Central de Atendimento, através do telefone 0800 642 9782, de segunda a sexta-feira, exceto feriados, das 7h30 às 19h30, sendo a ligação gratuita para todo o Brasil. Também é possível entrar em contato pelo formulário eletrônico do Fale Conosco.

Fonte: Site da Anvisa

Tópicos
Novo vetor para o Zica vírus? - 27/07/2016 às 06h36

Possibilidade de transmissão do Zica vírus por muriçocas é muito preocupante

O anuncio oficial da Fiocruz, realizado na semana passada, sobre a descoberta de muriçocas (Culex quinquefasciatus) infectados com o Zica vírus, aciona um sinal de alerta preocupante, porque, se for confirmado também a possibilidade de transmissão, poderemos ter que mudar radicalmente a estratégia de prevenção do Zica.

A descoberta de muriçocas infectadas com o Zica vírus, realizada pela bióloga Constância Ayres, da Fiocruz Pernambuco é realmente muito inquietante, pois acreditava-se que o mosquito Aedes aegypti era o principal vetor da sua transmissão no Brasil e agora, serão necessários novos estudos para determinar se as duas espécies estão implicadas na epidemia de zika no País.

Embora ainda sejam necessários estudos que comprovem de fato esta capacidade de transmissão pela muriçoca (Culex), uma outra descoberta da Fiocruz Pernambuco, reforça a hipótese desta possibilidade: um grupo de pesquisa percebeu que a distribuição geográfica da filariose (elefantíase) e do Zika vírus em Recife é muito semelhante.

Recife é a única área em que a elefantíase é endêmica no Brasil, e o Culex quinquefasciatus é o único mosquito que transmite o parasita causador desta doença. Observou-se que aproximadamente 85% das mães que tiveram bebês com microcefalia por causa do Zika estão em áreas muito precárias, sem saneamento básico, onde também ocorre mais a filariose. Por outro lado, o Aedes aegypti, está mais distribuído na cidade, onde a dengue está presente em todas as camada sociais, não ficando restrita somente a áreas mais precárias.

Caso se confirme a possibilidade da transmissão, as estratégias de controle terão que passar por grandes modificações. Primeiro porque não existem estratégias de controle do Culex no Brasil. Pernilongos e Aedes tem hábitos muito diferentes. Como exemplo: o Culex é mais ativo à noite, o que tornaria importante a proteção com repelentes e roupas compridas também neste horário, especialmente para gestantes. Ele também prefere colocar seus ovos em locais extremamente poluídos como esgotos, fossas e canaletas, o que tornaria as medidas de saneamento básico ainda mais urgentes para diminuir os novos casos de Zika e microcefalia em cidades e bairros mais precários.

O Culex quinquefasciatus está presente em todas as áreas urbanas de regiões tropicais, subtropicais e temperadas - de clima mais frio, como países do Norte da Europa, Canadá e Austrália. Já o Aedes aegypti fica restrito às regiões tropicais e subtropicais, o que implica a necessidade de estudos que avaliem a possibilidade de transmissão do Zica vírus de todas as subespécies de Culex existente no mundo, considerando que podem ocorrer grandes variabilidades entre estas subespécies.

Fiocruz afirmou ainda que, até que se compreenda a importância do pernilongo na epidemia, a política de controle da zika continuará focada no Aedes aegypti.

Fonte: BBC Brasil

Fosfoetanolamina - 25/07/2016 às 06h36

Embora sem nenhum resultado promissor, testes com a fosfoetanolamina continuam nesta segunda

Depois de não ter demostrado nenhum efeito nos teste em in vitro e nenhum efeito nos teste in vivo (com roedores), inicia-se hoje os testes em humanos com a fosfoetanolamina, produto que ficou pretensiosamente conhecida como a “pílula do câncer.”

Desde o início a substância tem demonstrado resultados nada promissores, a iniciar pelo grau de pureza, onde o que supostamente seria uma substância, descobriu-se que tratava na realidade de uma mistura de quatro substâncias.

Na primeira fase in vitro, um dos contaminantes demostrou ter um leve efeito antitumoral que nem seque chegava perto das substâncias já utilizadas em oncologia e nada se sabia sobre os efeitos colaterais e adversos que estes poderiam possuir, uma verdadeira insanidade em se tratando de um produto para uso por pacientes já debilitados.

Depois tivemos aquele ato “absurdo” (do ponto de vista sanitário) por parte do Congresso Nacional em aprovar o uso de um suposto medicamento que não havia passado por nenhum teste de eficácia e toxicidade, e simplesmente por apelo popular, atropelou 20 anos de história da nossa Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, que havia sido criada por este mesmo Congresso com o intuito de barrar a falsificação de medicamentos, detectada em 2008.

Atualmente, segundo matéria veiculada no site do CFF, que tinha como fonte O Globo, já foram investidos R$ 580 mil na compra das pílulas para os testes. Certamente muitos recursos ainda serão gasto com um produto que até agora tem demonstrado não ter as mínimas chaces de trazer alguma inovação real no tratamento do câncer.

Fonte: site CFF

Novasregras - 20/07/2016 às 21h35

Anvisa aprova novas regras para medicamento torna-se isento de prescrição médica (MIP)

A Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou, nesta terça-feira (19/7), novas regras para o enquadramento dos medicamentos na lista daqueles que podem ser adquiridos pela população sem prescrição médica. O texto considera sete critérios para enquadramento dos medicamentos como isentos de prescrição (MIP):
Tempo de comercialização: quanto mais tempo um medicamento estiver no mercado mais se conhece sobre seus efeitos de curto e longo prazo na diversidade populacional;
Segurança: somente medicamentos que apresentem uma margem ampla de segurança podem ser classificados como isento de prescrição médica;
Sintomas identificáveis: embora questionável por muitos profissionais de saúde, já que muitos problemas graves podem ser mascarados pelo uso destes produtos, somente produtos para uso nos considerados males autolimitados (cefaleias de baixa intensidade, azia, congestão nasal etc) podem ser vendidos sem prescrição médica;
Tempo de utilização: medicamentos utilizados por curto intervalo de tempo, em algumas vezes em uma única dose;
Ser manejável pelo paciente: medicamentos em que não seja necessário esquema posológico complexo ou outras medidas pouco comuns;
Apresentar baixo potencial de risco: item também questionável por alguns profissionais de saúde, já que todo medicamento apresenta riscos graves em potencial, porém produtos em que o seu uso de forma regular e por pessoas não alérgicas, estes riscos não sejam elevados;
Não apresentar dependência: os produtos isentos de prescrição não podem apresentar qualquer risco de dependência física ou psicológica.

A proposta de texto passou por Consulta Pública no ano passado. Na época, cidadãos, representantes da sociedade civil e do setor regulado tiveram 60 dias para enviar contribuições para o texto, que previa a revisão da norma atualmente vigente, a RDC 138/2003.

A ausência de atualização da lista de MIPs descrita na RDC impossibilitou que medicamentos que tivessem perfil de segurança e uso compatíveis com a venda sem prescrição fossem incorporados à categoria de venda.

O relator da matéria, diretor Fernando Mendes, ressaltou que a possibilidade de reenquadramento de alguns medicamentos como MIPs deverá promover uma melhor informação da população sobre o produto.

Segundo ele, brasileiros utilizam medicamentos tarjados sem a prescrição médica. “Porém, se o princípio ativo tem perfil de segurança adequado e a venda passa a ser permitida sem prescrição médica, a empresa fabricante passa a ter a oportunidade de falar diretamente com a população, informando a posologia e alertando sobre contraindicações e advertências”, alega.

A norma deverá ser publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias e trará prazos de adequação para que as empresas possuidoras do registro de produtos que sejam reenquadrados como livres de prescrição deverão submeter.

Convém sempre lembramos que medicamento "isentos de prescrição médica", não são isentos de toxicidade e de reações adversas graves. Em caso de dúvida, consulte sempre o farmacêutico.

Fonte: Anvisa e CFF

Tópicos
Novas drogas proscritas - 13/07/2016 às 09h20

Anvisa proscreve novas drogas ilícitas com atualização da Portaria SVS/MS 344/98

Anualmente, as polícias e os sistemas de saúde mundiais se deparam apreensões e agravos à saúde pelo que são conhecidas como Novas Substâncias Psicoativas (NSP), moléculas desenhadas, em sua maioria, para fins ilícitos e com o objetivo de evadir as medidas de controle aplicadas às substâncias já controladas, das quais derivam ou mimetizam os efeitos.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa incluiu, na atualização do anexo da Portraia SVS/MS344/98 da semana passada, 5 destas NSP na lista de substâncias proscritas do país, o que significa que passam a ser proibidas no Brasil, permitidas excepcionalmente em pesquisas e trabalhos científicos e a sua comercialização, transporte e posse, passa a ser enquadrada como tráfico de drogas.

O acetilfentanil e MT-45 foram adicionados à Lista F1 (Entorpecentes de uso proscrito) e 4,4'-DMAR, alfa-PVP e PMMA à Lista F2 (Psicotrópicas de uso proscrito).
O acetilfentanilé vendido pela Internet e tem sido associado a, pelo menos, 52 mortes nos Estados Unidos. Os efeitos relatados por usuários são parecidos com os observados na utilização de fentanila e heroína, podendo ser misturado a estas drogas a fim de aumentar a potência. Os efeitos incluem: euforia, depressão respiratória, náuseas, confusão, constipação, sedação, inconsciência, coma, tolerância e dependência.

O MT-45 é um opióide sintético que foi investigado como um analgésico na década de 1970. Apresenta potência analgésica semelhante ou superior à morfina, com potencial de dependência em seres humanos.
O estimulante 4,4'-DMAR tem sido encontrado em comprimidos e pós vendidos no mercado de rua de outros países (comumente associado a outras drogas) e o uso foi associado a 31 óbitos. Não há aplicação medicinal estabelecida ou reconhecida dessa substância, que pode apresentar os seguintes efeitos: agitação, hipertermia, convulsões, problemas respiratórios e parada cardíaca.

A Alfa-PVP é uma catinona sintética com ação estimulante e potencial de causar dependência em humanos. Apresenta-se sobre a forma de pó ou tabletes, usualmente originários da China. Em 2015, mais de 280 kg foram apreendidos em países da União Europeia. 140 eventos adversos graves foram reportados, incluindo intoxicações agudas e óbitos.

A PMMA (para-metoximetanfetamina) é uma droga sintética estruturalmente relacionada com a metanfetamina. Os sintomas em usuários incluem: taquicardia, hipertermia, convulsões, problemas de respiração e parada cardíaca.

A inclusão dessas substâncias nas listas de controle da Portaria SVS/MS 344/98 foi realizada em atendimento aos requisitos internacionais constantes das Convenções da ONU sobre Entorpecentes (1961) e sobre Substâncias Psicotrópicas (1971), das quais o Brasil é signatário. Estes compostos foram incluídos nas Listas de Controle Internacional constantes desses tratados após a 59ª Reunião da Comissão de Drogas Narcóticas (CND) do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), da qual a Anvisa participou.

A inclusão dessas substâncias na Portaria SVS/MS 344/1998 está alinhada às principais estratégias internacionais de combate ao aparecimento destas drogas.

Em 2016, foram incluídas 11 substâncias nas Listas do Anexo I da Portaria 344/1998, além da classe estrutural dos canabinoides sintéticos. Destas, 8 e aquelas que se enquadrarem nas classes estruturais dos canabinoides sintéticos se classificam como NSP. Segue a relação de substâncias incluídas em 2016:

As atualizações da Portaria 344/98 estão disponíveis na página: http://portal.anvisa.gov.br/lista-de-substancias-sujeitas-a-controle-especial

Fonte: Anvisa

Tópicos
Carregando, por favor aguarde...
Phocus Galerie
SAMBAIBA MODULADOS
JALES-PÓS GRADUAÇÃO
UNIMED
ISLAMAR
Terno e Cia
Marquinhos do Pará
SAMBAIBA MODULADOS
JALES-PÓS GRADUAÇÃO
UNIMED
Últimas Notícias
11h26 Veja a programação de palestras de agosto no Centro Espírita Paulo de Tarso 11h21 Forro dos Plays anima a ultima noite dos Festejos de São José em Campo Largo do Piaui 11h13 Farra de Play e Romim Mata fazem grande show nos Festejos de São José em Campo Largo do Piaui 11h11 Em busca de volante, Real Madrid tem quatro nomes na mira, diz jornal 10h55 Com investimento bilionário nos Jogos, TV dos EUA tenta até mudar alfabeto 10h37 Zé Ricardo diz que Diego precisa de mais 15 dias para estar 100% 10h13 Atacantes não vão para Barcelona por medo de ficar no banco, afirma Iniesta 09h57 Palmeiras diz sim ao City por Jesus e deve ganhar R$ 72,5 milhões 09h34 Dá para ter 50 orgasmos por noite como Thalía? Fomos investigar 09h17 Baixo rendimento escolar pode ser indício de problemas neurológicos 08h52 Hoje tem Primeiro Arraial Levanta Poeira 08h51 'MasterChef': Bruna rebate haters após ataques de ódio na web 08h45 BrVox/Luís Correia: Juliana Moraes e Iracema, melhores parlamentares 08h33 Novo 'Vingadores: Guerra Infinita' não será mais dividido em duas partes 08h15 Sorteio da Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 27 milhões neste sábado 08h07 Veja novas fotos de Claudia Pires, a dona da Beth Cuscuz, capa da Sexy 08h06 América treinou no estádio Nazarenão para o jogo com o River 08h03 Simaria passa por cirurgia e Simone irá subir no palco sozinha em shows 07h56 Com reforços à disposição, técnico do River define equipe só em Natal 07h55 Prefeitura no PI segue com inscrições abertas para concurso;acesse o edital 07h52 Balanço Operação Férias: 320 veículos abordados e 17 autuações no litoral 07h48 Mulher presa em THE escondia R$ 1 mil nas partes íntimas 07h33 Agora réu, Lei da Ficha Limpa pode tirar Lula da sucessão presidencial 07h30 Seminário em Oeiras sobre Dependência Química, Suicídio e Depressão 07h28 Sejus abre sindicância para apurar morte de presos na Custódia e Irmão Guido