Mundial de Formula 1 · 04/04/2016 - 09h41

Equipes criticam cúpula da F1 por veto ao formato antigo de classificação 'desastre político'

Equipes criticam cúpula da F1 por veto ao formato antigo de classificação 'desastre político'


Compartilhar Tweet 1



O empolgante GP do Bahrein não ofuscou um dos grandes debates da F1 nas últimas semanas: o polêmico formato de treino classificatório adotado desde o GP da Austrália e que, no GP do Bahrein, voltou a se mostrar um fracasso completo. Depois de rejeitar o novo sistema, o grupo formado pelas 11 equipes da F1 se reuniu com Bernie Ecclestone, chefe supremo do esporte e responsável pelos direitos comerciais da categoria, e Jean Todt, presidente da FIA, na manhã do último domingo (3) no Bahrein.

Contudo, Ecclestone e Todt vetaram a proposta que mais agradou as equipes, que era a de reverter para o formato em vigor até o ano passado. A dupla que forma a cúpula da F1 sugeriu algo parecido, mas da seguinte forma: o agregado das duas melhores voltas de cada piloto para definir a posição em cada uma das fases da sessão: Q1, Q2 e Q3.

Toto Wolff, diretor-esportivo da Mercedes, lamentou o fiasco vivido pela F1 e criticou o veto de Bernie e Todt à proposta das equipes. “Uma explicação simples? Loucura. O que acontece é um desastre político.”

“Nós expressamos nossa opinião. Todas as equipes tiveram a mesma opinião de que isso provavelmente precisa voltar a 2015. Mas há várias agendas, e isso tem se provado bem difícil, então não posso dizer o que vai acontecer. A última vez que eu te disse, estava totalmente errado”, afirmou o austríaco, que em uma reunião na Austrália chegou a dizer que a F1 voltaria com certeza ao formato antigo, algo que depois acabou sendo vetado por pelo menos quatro equipes.

Por sua vez, Christian Horner, chefe da Red Bull, voltou a reclamar da postura da cúpula da F1 e disse que a categoria não precisa de muitas mudanças no formato de classificação depois de duas grandes corridas neste início de temporada.

“Vamos ver o que acontece”, afirmou o dirigente britânico em entrevista ao site ‘Motorsport.com’. “A FIA tem circulado alguns projetos de regulamentos, vamos dar uma conferida nisso e depois vamos decidir sobre a votação. Mas com duas corridas bem decentes, precisamos mesmo mexer demais na classificação?”, questionou.

Já o chefe de equipe da Ferrari, Maurizio Arrivabene, se mostrou otimista sobre ao novo projeto de formato de classificação apresentado no último domingo e indicou que a escuderia de Maranello não vai barra-lo.

“Tivemos essa reunião e uma porta está abrindo agora. Temos de trabalhar sobre a proposta da FIA. Todo mundo entende que este formato não é o ideal. Precisamos conversar e trabalhar sobre a proposta que eles deram para nós, que não soa tão ruim”, disse.


Fonte: Com informações do Grande Prémio