Vôlei de praia feminino · 19/05/2017 às 16h03

Brasil avança com quatro duplas para oitavas de final e duas na repescagem

Brasil avança com quatro duplas para oitavas de final e duas na repescagem


Compartilhar Tweet 1



As duplas brasileiras começaram com um ótimo aproveitamento a etapa do Rio de Janeiro do Circuito Mundial 2017. Nesta quinta-feira, dia 18, das seis equipes femininas na disputa, quatro largaram com duas vitórias e vaga direto às oitavas de final. Outros dois times terão que jogar a repescagem, mas seguem na briga. Todos os jogos ocorrem nesta sexta-feira, dia 19, na arena de tênis do Parque Olímpico, com entrada franca.

Ágatha/Duda, Bárbara Seixas/Fernanda Berti, Elize Maia/Taiana e Larissa/Talita terminaram em primeiro nas suas chaves, vencendo dois jogos consecutivos. Juliana/Carol Solberg e Lili/Josi disputam a repescagem.

Larissa e Talita conseguiram a classificação ao vencerem na estreia as japonesas Ishii/Murakami por 2 sets a 0 (21/7, 21/14), em 30 minutos. Horas depois, nova vitória, agora sobre as norte-americanas Lane/Fendrick, também por 2 a 0 (21/16, 21/12), em 28 minutos, garantindo a liderança do grupo A. "No primeiro jogo, contra o Japão, enfrentamos um time de estatura baixa, que defende muito. Depois, contra as americanas, enfrentamos um bloqueio forte, mas conseguimos impor o nosso ritmo de jogo e vencer bem", analisou Larissa.

"Jogamos com a atmosfera olímpica, em outros ares. Copacabana é berço do vôlei de praia, onde estamos acostumados a jogar, mas aqui está bacana. Foi um dia bom, fechamos o dia felizes", completou Talita após o segundo triunfo do dia.
Bárbara Seixas e Fernanda Berti conquistaram o primeiro lugar do grupo E ao superarem duas duplas em sets diretos: as norte-americanas Day/Hochevar (21/12, 21/18), em 40 minutos, e as russas Ukolova/Barsuk (21/15, 21/19), em 34 minutos.

As atletas fizeram uma análise e comemoraram terem uma partida a menos para estudar e descansar. "Estamos preocupadas em tentar executar o que nós temos treinados. Independente de resultado ou não, e nós queremos ganhar sempre, óbvio, é importante aplicar bem o que temos trabalhado. E temos trabalhado muito, com muito empenho", destacou Bárbara.

"Ficamos um pouco mais pressionadas no segundo set, elas estiveram em vantagem por um tempo, mas tivemos foco e nunca deixamos o placar abrir demais. Bárbara conseguiu ótimas defesas no final da segunda parcial, nos ajudamos muito para sair com a vitória", disse Berti.

Ágatha e Duda tiveram dois jogos difíceis, contra duplas rodadas no tour internacional. No primeiro desafio do dia, vitória por 2 sets a 0 (21/15, 21/16) sobre as holandesas Van Iersel e Flier, em 33 minutos. No ‘jogo dos vencedores’, valendo a liderança do grupo D, triunfo por 2 sets a 1 (21/19, 19/21, 15/10), em 46 minutos, sobre Bieneck/Schneider, da Alemanha.

"Pegamos dois times diferentes. As holandesas têm enorme potencial físico, um bom bloqueio. As alemãs, um volume absurdo de jogo. A gente já esperava uma partida difícil. A areia está bem fofa, perfeita. Acredito que isso esteja causando dificuldades para os times de fora. No segundo jogo ventou bastante e essa é a nossa realidade. Estamos acostumadas a lidar com esse tio de dificuldade", destacou a paranaense.

Quem também largou com 100% foi a dupla Elize Maia e Taiana. Elas superaram as alemãs Glenzke e Grossner por 2 sets a 0 (21/15, 21/13), em 33 minutos, e as suíças Betschart/Huberli por 2 sets a 1 (21/12, 17/21, 10/15), em 41 minutos de duração. A vaga em primeiro na chave H foi comemorada por Taiana.

"O grande segredo foi que buscamos alternativas, buscamos mudar quando a segunda partida ficou difícil. Mostrou o leão que temos dentro de nós, poder de reação. E a força da torcida foi excelente, todo mundo começou a torcer por nós, familiares, amigos. A quadra externa virou um caldeirão e foi um sentimento muito bom de estar em casa".

Juliana e Carolina Solberg fizeram dois grandes jogos, mas no segundo, valendo a liderança da chave, foram superadas pelas campeãs olímpicas Laura Ludwig e Kira Walkenhorst, da Alemanha, em um tie-break muito disputado (14/21, 21/19, 20/18), em 52 minutos. Com isso terão que jogar a repescagem, assim como Lili e Josi, que venceram uma dupla ucraniana, mas acabaram derrotadas por um time alemão.

Fonte: Com informações do Superesportes