180graus

Curiosidade em destaque - 20/03/2017 às 11h18

Uso do cinto de castidade na Idade Média: uma mentira histórica

Mito teria surgido durante o Iluminismo, no século XVIII, para ressaltar o obscurantismo medieval

comserv
Você no controle do Processo
Maria Brasileira - Limpeza e cuidados





Foto/Reprodução

Foto/Reprodução

A imagem do cavaleiro medieval que parte rumo às Cruzadas e deixa para trás sua amada alegre e bonita, protegida por um cinto de castidade, não passa de uma mentira histórica e de um mito surgido no século XVIII para ressaltar o obscurantismo medieval. Este é o argumento da exposição Histórias Secretas do Cinto de Castidade. Mito e Realidade, que ficará em cartaz até agosto no Museu Katona József de Kecskemét, ao sul de Budapeste, capital da Hungria. Na mostra, aberta apenas para maiores de 16 anos, estão expostos 20 exemplos desses cinturões para explicar como o mito foi cunhado durante o Iluminismo.

No museu, os visitantes se deparam com brutais objetos de cadeados e orifícios protegidos por dentes de metal, e a primeira pergunta que surge é como as suas usuárias poderiam sobreviver a eles. “O mito do cinto de castidade surgiu durante o Iluminismo para que este movimento se afirmasse como superior à Idade Média, que seria a era da obscuridade”, explica Katalin Végh, subdiretora do Museu Katona József. A mitificação foi apoiada pela Grande Enciclopédia Francesa, editada a partir de 1751. O livro assegurava que o uso do cinto era generalizado na Idade Média. E o mito se consolidou como verdade.

Um outro impulso para a lenda do mito de castidade apareceu no final do século XIX, quando a masturbação era vista como um pecado e o cinto, como um remédio para ele. Há informação de que até os primeiros anos do século XX foram apresentadas várias patentes de diferentes cinturões de castidade, cuja missão seria a evitar que jovens se masturbassem. Estes cinturões “modernos”, nos quais o couro substitui o metal, também serviam, ou pretendiam servir, para proteger as mulheres de abusos e violência sexual, em um momento no qual elas passaram a ocupar espaços que, até então, eram exclusivos dos homens, como as fábricas.

Mas seu uso difundido na Idade Média pode não passar de uma grande mentira, na qual se acreditou até a década de 1990. A lenda foi alimentada, em todos esses séculos, não só pelo populacho, mas também por especialistas, em artigos científicos e mesmo em museus. O próprio Museu de Medicina Semmelweis em Budapeste, de onde provêm os objetos expostos na nova mostra, reconhece a responsabilidade dos museus na criação deste mito e afirmou que estas instituições não só conservam o passado, mas às vezes também uma história imaginária. E o passado, como o presente, está sempre em mutação.

Instituições como o British Museum, de Londres, e o Germanisches Nationalmuseum de Nuremberg, na Alemanha, possuíam e expunham coleções de cintos de castidade até a segunda metade dos anos 90, quando pesquisadores passaram a buscar a data de fabricação dos acessórios e descobriram que eles não passavam de falsificações feitas no século XIX.

Vários pesquisadores, como Benedek Varga, diretor do Museu de Medicina Semmelweis, questionaram o mito, realizando pesquisas históricas, literárias e científicas. A conclusão é que, na literatura medieval, inclusive em autores de textos eróticos, como Boccaccio e Rabelais, o cinto de castidade aparece muito poucas vezes e sempre com um claro sentido simbólico. O mito do cinto de castidade tem também a sua origem nos textos da Roma clássica sobre fitas, cinturões e cordas de castidade, e de Vênus. Mas, segundo os pesquisadores atuais, não são mais do que elementos simbólicos e metafóricos — e não descrições de objetos reais.

De fato, e é o que defende a mostra de Budapeste, basta observar os acessórios para perceber que seria impossível utilizá-los por um longo tempo. Por um lado, o uso dos objetos poderia causar ferimentos, inclusive mortais, e isso quando não impedissem a higiene pessoal a ponto de provocar infecções. Por outro, os cadeados poderia ser abertos facilmente, o que depõe contra a ideia de assegurar a fidelidade da mulher na marra.

(Com informações da agência EFE)

Fonte: VEJA.com

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Matemática e Raciocínio Lógico no Podium
Quer mudar de vida?
Teresina 165 anos
Matemática Básica
Assist. Administrativo UFMA
Casa do Cartucho
Aux. Administrativo UFMA
Tire sua CNH com a Autoescola Gallantys
Últimas Notícias
15h51 Sefaz libera R$ 805 mil em créditos de ICMS; saiba como pedir resgate 15h32 Prefeitura Envia à Câmara Projeto de Lei (PL) que Institui 'Transporte Público Municipal' 15h24 Projetos de proteção do meio ambiente no Nordeste receberão R$ 813 mil 15h16 Piauiense é campeão no Mundial de Paracanoagem na República Tcheca 15h08 Projeto garante uso do nome social na administração pública municipal 15h07 Governo lança programa para agilizar crédito a micro e pequenas empresas 14h59 Estoque de vacinas contra HPV para 15 a 26 anos já se esgotou, diz FMS 14h53 Comissão aprova projeto de Elmano para beneficiar parques nacionais 14h52 Lei obriga restaurantes do Piauí a disporem informações nutricionais sobre alimentos 14h47 Justiça condena Felipe Santolia, ex-prefeito de Esperantina em ação penal 14h44 Primeira Turma de Pelotão Mirim de Colônia do Gurguéia-PI, construindo cidadania. 14h17 XLI Encontro Nacional de Folguedos começa nesta quinta-feira (24) 14h17 Novo Android vai mudar a sua forma de assistir a vídeos pelo celular 14h00 Hemopi realiza transfusão de sangue raro em criança de cinco anos 13h35 Governo do estado autoriza estudo para melhorias no Aeroporto de Corrente 12h55 Jornalista não usa direito de calar e depõe por mais de uma hora à Vilma 12h48 Candidatos ao Encceja podem pedir uso do nome social até sexta (25) 12h38 'Fiquei chateada, mas isso não me fere', afirma Monalysa no 'Encontro' 12h34 Governo estuda liberar saque do saldo do PIS e do Pasep para idosos; confira 12h20 Fundação de Saúde entrega cartão para beneficiários do Bolsa Família 12h20 Robert Rios é contra Lula, quer impedir vinda ao Piauí, e nada faz com a Caravana de João Henrique 12h07 Advogado Valdetário Monteiro vai substituir Norberto Campelo no CNJ 12h01 Comitê vai apurar denúncias de tortura a menores no CEM 11h39 Instituições apuram casos de tortura no 'Centro Educacional Masculino' 11h31 Projeto de música para alunos recebe doação de 121 instrumentos

Aux. Administrativo UFMA
Tire sua CNH com a Autoescola Gallantys
Assist Administrativo UFMA
Matemática Básica

Mais Lidas


    Enquete

    Você acredita que Michel Temer vai...

    Total de Votos: 290

    Válida de 2017-05-29 15:46:00.0 a 2017-06-05

    Ajude!
    Podium - Professor Atualidades
    Assist. Administrativo UFMA

    180graus no Instagramno Instagram

    Aux. Administrativo UFMA