180graus

É necessário incentivo - 08/03/2017 às 16h24

Mulheres enfrentam tabus e preconceitos para se destacar no meio científico






comserv
Antonio das Neves - Peritos Associados

Há mais mulheres (57%) do que homens (43%) cursando universidades no Brasil, segundo o último Censo da Educação Superior, elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Nacionais Anísio Teixeira (Inep) em 2012. Porém, a situação se inverte quando as estatísticas são relacionadas às ciências como matemática, computação e engenharias. Nessas áreas, o número de homens é maior do que o de mulheres em todas as regiões do país.

Para a professora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Brasília, Lourdes Bandeira, a explicação para a baixa participação das mulheres no meio científico está na própria essência da ciência. “As qualidades das ciências, engenharias e matemática foram criadas com base em características masculinas como objetividade, força e destreza. Esse ideal cria uma espécie de “pirâmide inversa” nas quais as mulheres são maioria em atividades relativas ao trabalho de cuidado (como enfermagem, nutrição, pedagogia e assistência social) e minoria em áreas da tecnologia, matemática e engenharias”.

Os números refletem uma situação visível em salas de aulas de universidades pelo país. De acordo com a professora de engenharia da computação da Universidade de Brasília, Aletéia Favacho de Araújo, nenhuma aluna se matriculou na turma em 2014. Para ela, a falta de mulheres na área gera dois problemas: o desestímulo à participação feminina e o preconceito com mulheres que ingressam na área.

Aletéia, Adriana Pereira Ibaldo (do Instituto de Física da UnB) e a aluna de engenharia mecânica Bárbara Xavier relataram à Agência Brasil que as mulheres nesse meio enfrentam a desconfiança de colegas, a obrigação de conciliar tarefas do lar com o trabalho e as dificuldades de crescer em um ambiente em que são minoria.

Retrocessos na área da computação

Professora de engenharia da computação na UnB, Aleteia convive diariamente com a desigualdade entre homens e mulheres no mundo da programação. “Em uma ocasião, uma caloura chegou na porta da sala e perguntou se era a turma de engenharia da computação. Os alunos responderam que sim, mas completaram: a sala não é sua, você não tem louça para lavar em casa? A menina saiu chorando”, relata.

Para ela, o campo da programação regrediu em relação à participação feminina. “Quando eu entrei na graduação [na década de 90], eram 18 alunas em uma turma de 40. Hoje, chego a dar aula em turmas sem nenhuma mulher. A média é de duas mulheres a cada 30 alunos. As que entram tendem a ir se isolando dos colegas. Isso também prejudica a própria formação”, aponta. Quando era aluna, Aletéia lembra que quebrou tabus para seguir na computação.

“Na graduação e no mestrado, até que eu não sofri preconceitos. Mas no doutorado teve uma ocasião em que o professor pediu para desenvolver um programinha. Estávamos em cinco e eu falei para fazermos em grupo. Um rapaz disse que não iria fazer porque eu era menina. O choro ficou engatado na garganta. Eu fiz o trabalho com outro rapaz e o nosso resultado foi melhor. Depois, eles pediam: vamos fazer trabalho juntos. Eu respondia: vocês são meninos. Não faço grupo com meninos”.

Mãe de dois filhos (uma menina de sete anos e um menino de um), a professora acredita que a educação em casa pode mudar esse quadro no futuro. “As meninas têm que ser incentivadas a gostar de Lego [blocos de montar], a gostar de matemática. Mas o que é coisa de menina hoje? É cuidar da casa? Ela não pode gostar de matemática? Por que os pais não brincam com as filhas da mesma forma que brincam com os filhos? Só quando isso mudar, a mentalidade vai mudar”.

O estereótipo da "abnegada da ciência"

Desde criança, a professora de física da UnB, Adriana Ibaldo, tinha muito bem definida a área que seguiria: as ciências. “A minha paixão começou aos 4 anos. Mas foi no ensino médio que me decidi pela química [primeira graduação]”. Foi nesta época que ela começou a enfrentar as primeiras barreiras. “No Ensino Médio, já há um certo preconceito para quem tentar buscar a carreira em ciências. Era como se fosse um desperdício você optar pelas ciências mais básicas”, conta.

Na primeira graduação, o fato de ser mulher não provocava discriminação. “Na química, a proporção homem-mulher é menos assimétrica do que na física. Quando eu fui para a física, senti o preconceito maior”, afirma.

A professora da UnB acredita que a física é a área das exatas que tem o ambiente mais hostil. “Há uma crise entre a definição de feminilidade e qualidade de trabalho no meio. Quando você pensa em cientista, a primeira imagem que vem à cabeça é masculina. A gente começa a sentir a diferenciação só por ser mulher”, afirma. É justamente por estar “fora do estereótipo” que ela enfrentou os maiores desafios.

“Para eles, se você não seguir o estereótipo da abnegada da ciência, se você gosta de uma academia, de maquiagem ou se interessa por outros assuntos, isso é um atestado de burrice. A situação é sutil, você percebe a maneira como as pessoas falam com você. Elas são mais didáticas do que o necessário”, disse Adriana

Adriana também relata que as mulheres têm mais dificuldades de ser ouvidas, por serem minoria. “Você está numa reunião, aí fala o tópico A. Ninguém dá crédito. Mas se um homem falar a mesma coisa, ele é ouvido”, afirma.

Escolhas desde a infância

Aos 26 anos, a estudante brasiliense Bárbara Xavier é uma das duas únicas alunas de sua turma do sexto semestre de engenharia mecânica da UnB. A história dela é um exemplo sobre como a escolha pela ciência tem influência da educação.

“A minha infância foi muito diferente em relação às minhas amigas. Sempre gostava de atividades ao ar livre. A minha mãe me dava boneca e eu perguntava. Por que você acha que eu quero brincar de cuidar de menino? Isso não é brincadeira. O modo de brincar me influenciou nas minhas escolhas”.

Bárbara acredita que suas principais amigas não tiveram a mesma oportunidade de escolher um curso para estudar. “Muitas achavam estranha a minha escolha. Mas eu sabia que elas não tinham dimensão do que estavam falando. Elas simplesmente não têm as ciências como opção”, diz.

Para seguir no ramo, Bárbara evita confrontos com os colegas quando eles falam coisas desagradáveis. “O fato de eu estar em constante contato com meninos desde a infância fez eu me acostumar com o que eles falam. Como não sou uma pessoa muito questionadora, evito bater de frente. Só que isso não quer dizer que não ocorre. Você está em um universo masculino. Então é obrigada a se submeter a situações em que as mulheres não ficam tão confortáveis”, diz.

Uma dessas situações aconteceu com uma colega que já saiu do curso de engenharia mecânica. “O Centro Acadêmico (CA) era cheio de pôsteres de mulheres nuas. Não é legal ser mulher e ficar vendo isso. Eu não reclamei, mas ela reclamou e o presidente do CA na época colocou em votação e venceu o não. No fim, houve uma discussão e tiraram”.

Para mudar esse quadro, Bárbara participa em um projeto da universidade que apresenta a meninas adolescentes os caminhos da ciência. “Levar um projeto como esse para a escola é interessante porque você mostra esse mundo para elas", afirma a estudante.

A estudante acredita que não apenas ela, mas a ciência ganha com todo esse trabalho de conscientização. “A mulher tem algumas qualidades que o homem não tem. Ela cuida dos mínimos detalhes e uma percepção no micro que o homem não tem”, afirma.

Fonte: Agência Brasil

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Vem pro Podium
Vem pro Podium
Teresina Participativa
PM TO - Vem pro Podium!
Cadastre-se
Vem pro Podium
PM BA - Vem pro Podium!
Últimas Notícias
22h48 Em comemoração ao dia 18 de maio foi realizada caminhada e palestra 22h06 Homem é preso acusado de estuprar a própria filha de apenas 12 anos 21h53 Primeiro Esquenta da Escola São João Batista 21h49 Ação da Campanha Maio Amarelo 21h43 O Sonho da Casa Própria está Chegando em São João dos Patos 20h22 Cocal participa de oficina sobre a Planificação da Atenção à Saúde 19h08 Prefeito entrega cestas Básicas de alimentos arrecadados durante os jogos do Campeonato Municipal 18h57 Confira fotos do 1º dia de EXPOEIRAS com Aviões do Forró 17h49 Empresário denuncia direcionamento em licitação no Piauí 17h38 Janot pede ao STF autorização para ouvir Michel Temer em depoimento 17h27 Menina arrastada por leão-marinho foi infectada por bactéria mortal 17h17 Finalista pela Copa do Brasil, técnico 'Papoca' valoriza o Flamengo sub-20 17h13 Senadores Gleisi e Lindberg reafirmam necessidade do Brasil trilhar pelo caminho das Diretas Já 17h10 Jogos escolares: campeões de atletismo são exemplos em suas escolas 17h06 W.Dias acompanha Padilha, Gleisi e Lindbergh Farias em visita ao CEIR 17h02 MEC faz parceria para oferecer cursos técnicos online 17h01 Atendimento a vítimas de arma de fogo e branca aumenta mais de 30% no HUT 17h00 Poste de energia prestes a cair, preocupa barrenses 17h00 Chuvas devem continuar para o município de Barras e região 17h00 Fiéis se preparam para cumprir Agenda Paroquial em Batalha 16h52 Ex-delegado de Castelo do Piauí pode ser indicado para assumir a futura pasta da Segurança Pública 16h48 Vereadora solicita emenda para assegurar recursos para São João em Jaicós 16h48 Alguns bairros na cidade de Campo Maior ficarão sem energia elétrica neste sábado 16h41 Caminhão atropela pedestres e por pouco não cai de ponte em Parnaíba 16h39 Festa das mães é realizada na cidade de Patos do Piauí

Vem pro Podium
Vem pro Podium
Teresina Participativa

Mais Lidas

    Podium - Professores Dir. Constitucional

    Enquete

    Você aprova a decisão da CCJ do Senado em diminuir as vagas para deputados piauienses?

    Total de Votos: 913

    Válida de 2017-04-06 17:08:00.0 a 2017-04-30

    Suas ideias podem melhorar Teresina
    Podium - Professor Atualidades

    180graus no Instagramno Instagram

    Podium - Professores Dir. Constitucional