180graus

- 04/04/2011 às 08h00

Sistemas de avaliação de desempenho no Brasil

Os jornais publicaram recentemente notícias, de profundidades variadas, sobre o conflito que se instaurou entre músicos e maestro na mais tradicional orquestra sinfônica do País. No epicentro, a decisão do regente de aplicar provas aos músicos como parte do que ele qualifica como esforço de melhoria contínua do nível artístico do conjunto.

Como toda crise, essa não foi provocada pelo fato que a fez eclodir. Existe um contexto favorável ao seu surgimento: dificuldade de obter fontes de financiamento para a manutenção de bons conjuntos, indefinições quanto ao papel do Estado na sustentação das orquestras, falta de apoio da maioria dos setores da sociedade, etc. Sobre esses aspectos bastante se escreveu nas últimas semanas.

Meu objetivo, aqui, é chamar a atenção para um aspecto da cultura organizacional brasileira, fundamental para o aperfeiçoamento da qualidade da gestão e que corre o risco de passar despercebido nesse episódio. Trata-se da dificuldade de estabelecer sistemas de avaliação de competência, desempenho ou mérito.

No meio acadêmico, no qual atuo, destaco dois episódios relativamente recentes. Um foi a iniciativa de instituir a avaliação de docentes na Universidade de São Paulo (USP). Vários professores vieram a público protestar contra a medida, sindicatos mobilizaram-se e os seus propositores foram apresentados das piores maneiras possíveis. Outro foi a introdução da avaliação dos egressos - primeiro, por meio do "Provão" e, atualmente, do Enade. A ambos se opuseram, entre outros, os estudantes, que chegaram a sabotar o exame. Até hoje, sob argumentos diversos, os egressos da USP e de universidades federais não se submetem a essa avaliação.

A professora Lívia Barbosa, no livro Igualdade à Brasileira, documenta como são recorrentes as tentativas de que o acesso a cargos e a progressão nas carreiras, no Brasil, se faça em função de mérito e competência, e como são igualmente repetidos os ataques a esse tipo de iniciativa e o seu fracasso. Ela chama a atenção para o fato de que a primeira Constituição brasileira, de 1824, já consignava que a admissão aos cargos públicos se faria sem outro critério que não o dos "talentos e virtudes" dos postulantes. A Constituição de 1891 reafirmou as condições de capacidade como critério de acesso. E as Cartas de 1937, 1946, 1967, 1969 e 1988 estabeleceram que o critério de admissão deve ser o concurso aberto. No entanto, os projetos para concursos públicos apresentados ao Congresso Nacional são, um a um, arquivados ou têm curta duração. O Departamento Administrativo do Serviço Público (Dasp), criado no governo Getúlio Vargas, que teve, entre outros, o papel de fiador da moderniza ção dos serviços públicos, foi sistematicamente proibido de realizar exames competitivos. A Constituição de 1988 foi acompanhada de manobra para conceder estabilidade aos funcionários não concursados à época. Recentemente, assistimos a embate no Congresso em que tabeliães defenderam seu direito de se manter à frente de cartórios em contraposição a profissionais concursados, em flagrante afronta ao que estabelece essa mesma Constituição.

Como ressalta Lívia, as pessoas dizem-se adeptas da meritocracia. Quase todas as ouvidas por ela concordaram que o desempenho deve ser o principal, se não o único critério de avaliação de funcionários. Mas, sob argumentos diversos, os que são diretamente envolvidos na implementação desse tipo de sistema terminam por ser contra. Rompimento da solidariedade entre os afetados, intensificação predatória da competição, ameaça às conquistas sociais, redução da qualidade produzida são alegações recorrentes.

Não é nosso propósito sustentar que a adoção de sistemas de avaliação de competência e desempenho tenha apenas aspectos positivos e quem se opõe a eles nunca tenha razão. Tampouco afirmar que aqueles que utilizam sistemas meritocráticos não cometem erros. Introduzir mudanças é projeto delicado. Precisa ser precedido e acompanhado por vários cuidados e técnicas. Mais básico e genérico é o que Kurt Lewin chamou, há mais de 50 anos, de descongelamento: a instalação, entre os afetados, da percepção dos benefícios, se não da inevitabilidade, da mudança.

No caso em questão, a avaliação de desempenho na Orquestra Sinfônica Brasileira, não é possível saber a distância se esses cuidados foram tomados. Várias coisas, no entanto, parecem problemáticas. O maestro afirmou, em entrevista publicada no Estado (12/3), que "as provas, desde o início, são apenas um elemento, parte de um processo mais amplo. (...) As audições têm como objetivo identificar as deficiências e oferecer aos músicos um feedback, para que eles possam se aperfeiçoar, refinar sua arte". As avaliações teriam, portanto, um caráter formativo, e não excludente. Nada sugere, contudo, que a forma como os resultados das provas se integrarão ao processo de avaliação de desempenho esteja definido, claro e comunicado aos músicos. Tampouco em que situações desempenhos considerados ruins podem resultar em demissão, situação que parece assustar mais os músicos.

Nesta, como em outras situações semelhantes, creio que o caminho seria discutir os benefícios e problemas das avaliações, minimizar seus aspectos disfuncionais, admitir erros eventuais na condução do processo, lidar com receios reais e imaginados dos afetados e seguir adiante. As evidências de que as avaliações de desempenho e a meritocracia trazem benefícios muito superiores aos problemas que causam são muitas e generalizadas. A introdução desse tipo de sistema na administração pública e privada no Brasil trará benefícios à eficiência da máquina estatal, competitividade à empresa privada e avanço às instituições democráticas.

Ilan Avrichir - O Estado de S.PauloPROFESSOR, É DIRETOR NACIONAL DA GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA ESPM E-MAIL: IAVRICHIR@ESPM.BR

Fonte: O Estado De São Paulo

Publicado Por: Wilson Carvalho

Últimas Notícias
01h12 Pai de atriz está muito triste porque filha vai estrelar '50 Tons de Cinza' 00h43 Lancamento do Livro, O namoro que queremos no dia 07 de Setembro 00h36 Alegrir na Potycabana em Teresina 00h29 Visita ao Hospital em Teresina 00h26 Glória Maria diz que não participaria do Dança dos Famosos: 'Não daria certo' 00h18 Caravana para Natal, Paixao pela Juventude 00h12 Ticiane Pinheiro confirma fim de namoro com César Tralli: 'Continuamos amigos' 23h55 Militares que atuam no TJMA participam de curso de defesa pessoal 23h35 Uso de aplicativo gera celeridade e economia de papel em julgamentos no TJMA 23h25 Detento morre agredido, e suspeitos enviam vídeo ao pai da vítima 23h15 Prefeitura inicia aplicação da segunda dose da vacina contra o HPV 23h06 Erasmo Carlos revela que vai processar Tiririca por paródia em campanha política 23h05 Justiça condena banco a converter conta de depósito em conta-salário 23h05 Assistencia Social realizará palestra sobre Lei Maria da Penha 22h55 Governo do Estado beneficia 205 famílias com Títulos de Terra em São Domingos do Maranhão 22h40 LANÇAMENTO OFICIAL DO SELO UNICEF E 1º FÓRUM COMUNITÁRIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ 22h38 TV Assembleia cotada para transmitir o Piauiense de Futebol 2015 22h37 Ex-fazenda diz que está com ex-BBB Clara: ‘Ela está comigo. Ela está feliz e é o que importa' 22h35 Sedihc faz mobilização de cidadania em praias de São Luís 22h28 CRAS realiza festa em homenagem aos pais 22h15 CAJE debate ações de melhoria nos Juizados Especiais 22h07 Rubén Aguirre, o Professor Girafales, segue internado, diz agência 22h05 MPMA propõe ações civil e penal contra três pessoas 22h04 Maranhão vence na abertura do Campeonato Brasileiro de Vôlei em Imperatriz 21h55 Missão técnica à Rota das Emoções fortalece turismo no litoral do MA
Mesário Voluntário

Enquete

Com o início de setembro, começa também o período mais quente para os piauienses: o chamado B-R-O-Bró. Com temperaturas castigantes, o que há de pior pra você neste período do ano?

Total de Votos: 104

Válida de 01/09/2014 a 08/09/2014

Mais lidas

    180graus no Instagramno Instagram